Das coisas que só acontecem comigo #11

19 Agosto 2014
Na rua onde eu trabalho existem dois cafés. Um é caríssimo (do género, uma merenda e uma coca-cola ficam a 3,90€) e eu nunca meto lá os pés, fui uma vez e paguei tanto pelo pequeno-almoço como pago para almoçar... O outro é óptimo, tem bons preços e pastelaria própria, já fiquei fã.

Mas no mês passado abriu um novo café, com montes de sandes deliciosas e sumos naturais, também com pastelaria própria e um atendimento maravilhoso. Fui lá conhecer e descobri que é um negócio familiar (trabalham pai e filho juntos e a mãe ainda serve à mesa) e são tão simpáticos que na semana passada fui lá quase todos os dias. Na primeira vez que fui, a pergunta habitual:

- Tem guaraná?
- Guaraná não temos, mas temos sumos naturais de melancia, de ananás...

No outro dia lá fui e esqueci-me que não tinham guaraná:

- Vou querer uma baguete de frango e um guaraná com gelo, por favor.
- Oh, não temos guaraná... pode ser um sumo?

Tudo isto para dizer que no sábado fui novamente ao café e o rapaz veio logo ter comigo:
- Olhe, já temos guaraná! Compramos só para si! (a aponta para vááárias latinhas de guaraná na montra).

Fiquei toda contente, não fosse o raio do guaraná ser da marca... Brasil e não Antártica. Não consigo beber o guaraná Brasil, é ácido, é estranho, o sabor em nada se parece com o Antártica. E agora, que sei que os senhores do café compraram aquilo por minha causa, sinto-me na obrigação moral de ir lá todos os dias beber um guaraná de uma marca que detesto (oh pá, os senhores ainda agora abriram o café, não podem ter prejuízo).

Quando levei lá o M. esses dias e ele viu-me a pedir um guaraná, assim que a rapariga levou a lata para a mesa, o M. começou a dizer: "ah mas esse ela não..." e eu dei-lhe um toque por debaixo da mesa, seguido de um "shiuuuu". Os senhores do café são tão queridos, não tenho coragem de dizer que não bebo o raio da bebida. Oh, céus! Adoro gente fofinha e simpática, conquistam-me para todo o sempre :)

Acabadinho de chegar via e-mail:


Eu não sei mas... tenho cá para mim que escolhi mesmo a melhor madrinha de casamento deste mundo! E não, não é por ela pagar um valor indecente para a nossa noite de núpcias ser inesquecível (isso é só um aparte). É mesmo por ela ser fantástica, estar sempre presente para aturar as minhas palermices, ter as melhores conversas 'na madrugada' e ser a melhor amiga deste mundo! Te amo, minha Bia! Pra sempre, tu sabes. Obrigada por tudo, mesmo em outro continente, a milhares de quilómetros de distância... consegues sempre fazer das tuas e me surpreender. Larga logo essa cidade feia que é NYC e vem morar pra sempre em Lisboa? =) 

tão especial...

18 Agosto 2014
Hoje foi a segunda prova do vestido de noiva, logo às 9h da manhã que é para uma pessoa abrir logo a pestana. Desta vez levei todos os acessórios (sapato, soutien e cuecas 'de noiva', brincos e saiote) e realmente, faz uma enorme diferença quando nos vemos, pela primeira vez, prontas. O toque final foi dado pelo véu (depois de tanta conversa 'levo véu, não levo, levo, não levo', decidi que sim) porque apaixonei-me por esse véu mal a senhora o pôs na minha cabeça. Nada a fazer, sou pessoa de paixões.


É claro que ia me dando um ataque cardíaco quando vi o preço simpático do véu (não fazia idéia que um bocado de tecido e umas rendinhas podiam custar mais que 250€, enfim) mas é aquela velha história: só se é verdadeiramente noiva uma vez na vida e eu quero estar maravilhosa no meu dia, com tudo a que tenho direito, sem olhar a valores. Sim, já estou naquela fase em que digo: "olha, perdida por 100 perdida por 1000".

É engraçado porque toda a gente me dizia: "só te vais sentir mesmo noiva quando te enfiarem com o véu na cabeça" e eu ria-me à descarada: "ah, que parvos, até parece que vai ser um véu a deixar-me com ar de noiva..." só que... foi exactamente assim que me senti. Apaixonei-me de cara pelo vestido, assim que o vi, com a saia cheia de folhos em organza (tão, mas tão a minha cara...) e todo o resto, que me fez um corpaço de ampulheta (o que será que se mete por dentro destes vestidos? Deixam as mulheres lindas!) e soube que ele era 'o meu vestido'.

Mas a combinação vestido dos meus sonhos + véu mágico... fez com que quase me saltassem lágrimas dos olhos quando me vi ao espelho. E mamãe, que não me deixa mentir, voltou a chorar hoje. Acho que vou passar na Makro para comprar uma palete de Kleenex já a pensar nas próximas provas...

P.S: E aproveitando que tirei o dia de folga para tratar de umas coisinhas, incluindo a instalação do gás lá em casa, alguém me sabe dizer o valor real da inspecção? É que os senhores da GalpOn disseram-me que aquilo varia entre 50 e poucos até 145€! Alguém me sabe dizer porquê essa diferença absurda de valores? Tem a ver com o quê, exactamente? Elucidem-me que eu nestas coisas sou uma naba.

As últimas compras [espero eu] destes saldos:

16 Agosto 2014
Por maior que seja a convicção de não comprar mais nada que fosse até irmos de lua-de-mel [já sei o que a casa gasta e vou querer fazer todos os passeios possíveis e imaginários no México, desde nadar com tartarugas até visitar todas as ilhas e cenotes de lá - por isso, convém poupar um bocadinho] mas já se sabe, há oportunidades daquelas maravilhosas nos saldos e eu até fui muito controladinha e trouxe só coisas que estavam com preços impossíveis de se resistir!

Na Loja do Gato Preto vi estas almofadas na montra, com o aviso dos 50% e não resisti. Sou fã de roupa de cama em seda de algodão, amo a maciez, o brilho, o toque acetinado... não há coisa mais gostosa do que deitar numa cama acabada de fazer e mega confortável com roupa de cama em seda. Por norma compro este tipo de têxtil na La Redoute ou na Zara Home e são caras mas valem muito a pena para mim, que não dispenso dormir de forma confortável. Comprei dois rolinhos [já vinham com enchimento] e uma capa de almofada [como queria duas capas, tive que ir buscar a outra na loja do Colombo, já não havia no OeirasParque...]

 Cada rolinho, com capa e enchimento custava originalmente 25,99€ e saiu-me por 12,99€. Em relação à almofada quadrada, custava originalmente 18,99€ e ficou-me por 9,99€ cada.

Mal posso esperar para mergulhar na minha cama cheeeia de almofadas acetinadas! Um luxo que vale a pena comprar em saldos... Como diria Marilyn Monroe: "E tragam os lençóis de seda, que eu não sou mulher de usar os de algodão!" :P

 Depois passei pelo Continente para comprar umas coisas e espreitar a secção de roupa porque adoro os básicos da Modalfa, são super baratos e de boa qualidade. Vi por lá estas cuecas, num tecido maravilhoso ao toque [em algodão com elastano], num género de costuras invisíveis, que me fizeram lembrar estas [amo cuecas confortáveis e 'invisíveis' sob a roupa]. Originalmente custavam 4,99€ e trouxe-as por 2€ cada. Claro que tive que trazer uma de cada cor, tipo arco-íris. Vão direitinha para a mala de lua-de-mel porque com o calor caribenho, a última coisa que vou querer é andar com cuecas incómodas pegadas ao corpo.

O tecido é realmente maravilhoso e as costuras, não sendo invisíveis, mal se notam e não incomodam minimamente. Parece que vamos nuas! [comprei-as no Continente do OeirasParque e ainda ficaram várias por lá]

 Ainda no Continente, passei pela secção masculina de roupa para espreitar os saldos e vi imensas t-shirts de verão para o meu amor, a preços ridículos [tipo 2€, 4€] por t-shirts 100% de algodão e com estampas alusivas às férias e ao calor... é tudo o que nós precisamos para entrarmos em ritmo 'luna de miel' por isso... lá vieram quase todas as que encontrei no tamanho dele.

E ainda trouxe dois calções de banho para o rapaz, um bastante tropical com folhagens e pranchas coloridas, num estampado alegre. Outro mais discreto, branco com detalhes em azul e laranja. Cada um custava 15€ e trouxe-os por 5€ cada. Uma maravilha!

Agora é terminar o restante das coisinhas que nos faltam para entregar à decoradora da quinta: ementas, placard, missal [no nosso caso, é mais o roteiro da cerimónia religiosa], escolher as músicas com o DJ, decidir o bouquet na florista e acho que é tudo. E, claro, falta-nos levar os dois móveis antigos que vamos usar na decor do jardim.... Ah, lembram-se da banqueta? Ficou assim:

Fui à Feira dos Tecidos, na Baixa, comprar cetim 'off-white' também conhecido como 'pérola [as mariquices e nomes difíceis que hoje inventam], depois já tinha as fitas em casa, que comprei no ebay para a decor do casamento. E pronto, ficou simples e com as 'nossas cores', que é o que se quer. E com ar vintage, convém. ❤

Ai, vida! #4

15 Agosto 2014
No outro dia ele comentou que estava com vontade de comer ervilhas com ovos escalfados. E eu, que sou uma noiva dedicada, o que fiz? Pois... fui ao supermercado, comprei ervilhas, comprei os ovos XL (com gema maior, do jeitinho que ele gosta), comprei chouriços (vi não sei onde que esse 'prato' levava chouriços em rodelas) e lá fui eu espreitar a receita na net, que nunca na vida fiz tal coisa (e, verdade seja dita, de-tes-to ervilhas). 

Dourei a cebola, o alho e o choriço no azeite, depois vá de enfiar as ervilhas e pôr água para as cozer. Quando a água ferveu, pus os ovos, tapei o tacho para 'abafar' o calor e esperei. Passado uns minutos, espreitei o tacho e parecia ter um aspecto muito bom mas achei que tinha demasiado molho. Então o que eu fiz? Escorri as ervilhas. Tirei-lhes toda a água e pensei que era assim que se comia (que parva!). Fiz arroz branco para acompanhar e quando o M. viu o jantar, é claro que ficou surpreso e elogiou, disse que estava divinal (ui ui) mas descaiu-se a certa altura:

- Amor, e o molho das ervilhas? Estão um bocadinho, hã, secas...
- Errr... era suposto ter molho? Eu escorri tudo! (com ar de chocada)
- AHAHAHA mas a melhor parte é o molho por cima do arroz! Bom, não faz mal, está óptimo à mesma. Para uma primeira vez, ficou perfeito.

Claro que não acreditei em uma palavra (mas ao menos ele comeu tudo e ainda repetiu - e sim, continua a respirar) mas hei de melhorar e fazer as melhores ervilhas com ovos escalfados desta Oeiras, ai vou vou!

Há bocado ele enviou-me esta imagem pelo facebook:


Não mereço, pois não? Depois de todo o esforço para fazer a porcaria das ervilhas... arre!

Os últimos preparativos:

12 Agosto 2014
Sempre que me perguntavam: "estás nervosa?" à propósito do casamento, a minha resposta era: "claro que não, estou é doida para chegar logo o dia..." mas agora, meus amigos, estou uma pilha de nervos e se pudesse, adiava mais uns dois meses porque estou com aquela terrível sensação de que não vai dar tempo para tratar de tudo até a data (faltam três semanas, socorro!). Acho que é natural em todas as noivas, certo? 

Na sexta passada foi a prova de degustação [era suposto só provar mas enfardei até mais não, a comida de lá é qualquer coisa, fantástica mesmo] e já temos os pratos todos decididos. Muito bacalhau, como se quer [não quis decepcionar a familia que vem do Rio de propósito para comer 'o tradicional bacalhau português' - brincadeira, a verdade é que adoramos bacalhau, seja de que forma for], muito marisco, que casamento sem marisco não é casamento [eu sou alérgica e não conto mas seria egoísmo da minha parte suspender o buffet de marisco só por isso] e uma sobremesa que fez as delícias de toda a gente.

Como a minha quinta tem uma adega privada [pequenina e típica, linda de morte], pedi para fazerem uma espécie de 'prova de vinhos' durante a ceia, já depois do jantar, com um buffet de queijos e enchidos a acompanhar, para o pessoal mais velho, que a malta nova vai é enfiar-se na pista de dança até não sentir mais os pés. A decoração ficou em tons de rosa velho, prata e branco, os centros de mesa serão com as minhas flores preferidas: hortenses e gipsofilas.

Pedi para fazerem bolas de gipsofilas a acompanhar a passadeira durante a cerimónia religiosa [somos evangélicos e decidimos celebrar os dois casamentos em conjunto: o civil e o religioso, ambos na quinta], depois derem-me a idéia de enfeitar também com gaiolinhas vintage [o tema da festa] com gerberas cor-de-rosa e achei o máximo, ficou logo aprovado.

Ontem ligou o fotógrafo, para acertar a hora de saída e onde vai começar a fotografar [ainda não decidi se saio de casa ou de um hotel em Mafra, na zona da quinta], depois ligou o DJ para decidirmos o repertório e as músicas da cerimónia [aiiii que dúvida, pessoas]. Pelo meio tive direito à primeira prova do vestido [confesso que, com tantos meses, morri de medo de chegar na hora e não gostar mais do vestido ahaha] mas felizmente, continuo tão apaixonada pelo modelo como antes. É liiiindo e tão vintage, tão a minha cara, amo! A meio da prova, quando a senhora lá me pôs o véu rendado, comecei a ouvir mamãe a fungar: estava aos prantos! A Vi a rir-se: "mamã, não chores, ela parece uma princesa!" opá, tão queridas!

A minha avó chega na 5ª feira e eu estou tão ansiosa para abraçá-la que até sonhei com o nosso reencontro no aeroporto! A nossa casa está a ficar linda, linda, hoje fomos lá para o M. pôr os candeeiros de tecto. Adoro esses pormenores! A prova de maquilhagem ficou para a próxima semana, entretanto ontem fomos à joalharia provar as alianças e decidir o que vamos gravar. Escolhemos uma palavra em latim que nos diz muito, depois conto-vos. O nervoso miudinho chegou para ficar, prevejo.

Pela minha cabeça passam mil coisas, do tipo: "oh meu deus, a minha vida acabou. Agora vou ter que aturar este gajo por muitos e muitos anos, e ter os três filhos de que ele tanto fala, que horror, vou ter bebés barulhentos que me vão arruinar a decoração da casa e nunca mais me vão deixar dormir uma noite sossegada. Depois vou ter que fazer o jantar toooodos os dias, não há cá aquela cena do 'hoje apetece-me cozinhar', não senhora, vai ter que ser todos os dias, e vamos cair na rotina, ai caraças, a puta da rotina que estraga tantos relacionamentos..." ahahaha exageros à parte, dá um certo medo, sim. Medo do desconhecido, é normal. Depois leio notícias destas, em que dizem que 70% dos casamentos em Portugal terminam em divórcio e é impossível não pensar: E se...? Ai caraças, que isto de ser noiva acaba com os nervos de uma pessoa. Estou cansada, preocupada, nervosinha... mas feliz, tão feliz! 

Problema resolvido!

10 Agosto 2014
No dia a seguir à visita 'da Galp' e depois de ter confirmado que efectivamente não foi da Galp, fiquei com as anteninhas em pé [entrei mesmo em modo: ai-que-burra-que-eu-sou-vao-me-roubar-tudo-em-casa] e não consegui estar tranquila. Na sexta depois do trabalho liguei aos senhores da RedGuardman, de quem já conheço o trabalho [os gajos são excelentes!] já que são eles que fazem a segurança da nossa empresa já há mais de um ano e sempre nos alertaram para mínimas coisas [são super perfeccionistas e qualquer coisa que fuja à normalidade já é motivo para nos ligarem a confirmar se está tudo bem].

Quando mamãe comprou a nova casa, há uns 6 meses, e por se tratar de uma vivenda de 4 pisos, foi correr a pôr também o alarme da RedGuardman e até hoje, zero problemas (só é chato quando o sensor de movimentos detecta um gato ou um pombo no jardim e desata a apitar mas faz parte). Como eu vou viver num apartamento, num andar acima do 4º piso, com um prédio que aparenta ser seguro [com código para abertura das portas, por exemplo], jamais me passou pela cabeça pôr um sistema de alarme na minha casa. Até o fatídico episódio da 'Galp'...

Ter uma casa assaltada deve ser uma das piores coisas que pode nos acontecer em termos de 'incidentes domésticos'. É ter a nossa intimidade e privacidades totalmente violados, é não conseguir mais ver a nossa casa como 'nosso refúgio', é não ter segurança de dormir em paz e digo-o por mim: se me assaltassem a casa nunca mais conseguia lá dormir, não teria tranquilidade nenhuma. E quando somos assim 'maluquinhos' mais vale prevenir do que remediar. Sempre.


Não consegui evitar sentir-me um bocadinho paranóica [será que é meeeesmo preciso pôr um alarme num apartamento?] mas confesso que depois de ouvir o senhor explicar como a coisa funciona, a minha paz retornou totalmente. Protegemos janelas e portas, colocamos 4 sensores de movimentos e 2 câmaras com gravação de imagem [ligadas à central e à PSP], temos um comando para armar e desarmar o sistema à distância [e que também funciona em caso de perigo, caso estejamos a ser incomodados por um vendedor chato que não sai da nossa porta, por exemplo, basta carregar em dois botões em simultâneo e é enviado um pedido de SOS à PSP mais próxima]. Depois temos também uma app para smartphones que nos permite viajar tranquilos e aceder sempre à casa para ver as câmeras dos corredores e ver se está tudo bem, para além de nos permitir ligar o sistema de segurança caso tenhamos viajado sem o fazer. Parece exagerado, eu sei. Mas caramba, senti-me super protegida!

Quanto aos valores, não foi nada por aí além [juro que pensei que era mais caro]. Por se tratar de um sistema de alarme de uso doméstico, a mensalidade fica em 30€, com período de fidelização de 36 meses e no nosso caso, o senhor ofereceu-nos a mensalidade de 15€ após os 3 anos de fidelização [por já trabalhar para a minha mãe na empresa e na casa dela]. A instalação foi gratuita e tenho a certeza de que serão os 30€ mais bem pagos da minha vida. Posso estar a exagerar e a tomar cuidados em excesso mas é a nossa casa, o nosso refúgio e por isso, vale a pena o investimento :)

Vocês que moram em apartamentos, digam-me a verdade: também têm sistema de alarme em casa? Vá, digam-me que não sou a única e não me deixem ficar mal...