Ahh, o jeitinho brasileiro! (habemus recibos!)

16 abril 2015
Hoje de manhã, enquanto ia para o trabalho o meu cérebro andava a mil, angustiada que eu estava com toda esta situação da dívida.  Precisava encontrar uma alternativa e de repente, fez-se luz! Liguei para a funcionária do meu antigo emprego, para saber se tinha conseguido encontrar os recibos ou se eu poderia ir à procura e desta forma poupar-lhe o trabalho.

- Ah, isto está complicado, eu estou cheia de trabalho e não consigo parar nem que seja meia hora para ir à arrecadação procurar nos arquivos. E não posso deixar pessoas estranhas entrarem lá, visto que estão arquivados muito documentos confidenciais da empresa, percebe?

- Claro que sim, eu compreendo e não quero que esteja a procurar durante o seu horário de trabalho. Diga-me uma coisa, existe a possibilidade de ficar uma hora a mais no trabalho a ver esta situação dos recibos e eu pagar-lhe por esse trabalho, visto que é um favor enorme que me está a fazer?

- Ai mas não se trata de dinheiro, é que estou mesmo sem tempo... Mas vamos fazer assim, eu vou ver o que consigo fazer e até a hora do almoço digo-lhe alguma coisa. Na minha próxima pausa vou dar um saltinho à arrecadação, pode ser que consiga encontrar. 

Depois do almoço ligou-me e já tem com elas os recibos! YEY! Enviou-me por mail e até pulinhos dei, parecia uma maluca. Pedi a tarde de folga (este é, sem dúvida, o lado bom de ser 'chefe' ehehe) e corri nas Finanças para tratar do assunto. Como a senhora que ficou com o meu 'caso' já tinha os documentos todos e o BAO preenchido (só estava mesmo à espera dos recibos para seguir com a cessação), nem foi preciso tirar senha e fui directamente ter com ela. Paguei 75€ de multa por fechar a actividade com data de Maio/2012 (mas a esta altura do campeonato, soube-me a mel) e já está, agora é esperar cerca de trinta dias para a informação ser actualizada junto à Segurança Social e ir lá pagar a multa apenas dos três recibos (cerca de 600€ e picos).

E claro, amanhã vou passar pelo antigo trabalho para levar uma prenda à senhora, que foi mesmo impecável e fez um favor enorme! Agora sim uma pessoa até já tem outro ânimo para viajar :) E este episódio serviu-me de lição: nunca, mas mesmo nunca mais meto-me nestas coisas sem ler tudo de fio a pavio. E vocês, façam o mesmo, sim? :P


Os senhores da ASOS devem estar a bater mal...

15 abril 2015
Fiz uma encomenda na ASOS dia 04/04, com data prevista de entrega para dia 12/04. Como até hoje não recebi nada (e nisto das encomendas já aprendi a ser paciente - obrigada, ebay, por me teres ensinado esta lição!), lá escrevi aos senhores a perguntar se as roupas decidiram passear por outros países até chegar a Lisboa ou se entretanto perderam-se pelo caminho. E a resposta deixou-me um bocadinho apalermada. Então diz qualquer coisa como: "por não termos um tracking number para acompanhar a sua encomenda, sugerimos que contacte com os CTT para saber a localização do envio (ahahaha sem código do objecto, os CTT vão me mandar dar uma curva) e também seria útil que verificasse junto aos seus vizinhos (wtf?!) se alguma encomenda foi entregue na sua ausência..."



Sim, claro, vou andar a perguntar ao prédio todo se eventualmente alguém recebeu uma encomenda (já paga) em meu nome e se essa pessoa faria o obséquio de me devolver as minhas roupinhas, que só por acaso, foram parar à morada errada. A sério, só podem estar a brincar com a minha cara. Se há uma cena que me irrita sobremaneira nos ingleses é a mania de virem com estas falinhas da treta: "Have a lovely day, best wishes, bla bla bla". Como posso ter um dia amoroso, se as minhas amorosas roupinhas ainda não estão ao pé de mim e não vou poder levá-las a viajar comigo, respondam-me? É triste, pá.

Vou esperar até dia 21/04 (nova data-limite para a entrega da encomenda) e se até lá não me tiver chegado nada, quero o meu dinheirinho de volta e amigos como antes (ou então não). Se há uma cena que me deixa mesmo frustrada é fazer planos a contar com uma coisa, fazer por isso e no final, nicles. Fico pior que estragada!

[é a terceira vez que compro na ASOS e nunca me tinha corrido mal, antes pelo contrário, sempre tinham sido muito cumpridores dos prazos (as coisas chegavam até antes do suposto) mas desta vez estou deveras decepcionada com o atraso (que me vai lixar os planos) e com a resposta ridícula que me deram a pedir que vá verificar junto aos vizinhos. Arre!]

Ironia das ironias...

14 abril 2015
Na sexta-feira temos uma viagem em género de escapadinha prolongada, com 4 dias de puro descanso (essa era a ideia original) e já tínhamos mil e um planos, bilhetes de avião e hotel pago, só nos faltava montar o mini-guia daquilo que queremos ver e fazer por lá. Tenho tentado esquecer o assunto porque o que menos me apetece neste momento é ir laurear a pevide noutras bandas quando sei que devo mais de dois mil euros ao Estado (quem é que consegue divertir-se com este peso nos ombros, senhores?) mas como não posso adiar a data da viagem, lá terá que ser.

Ontem começámos a planear o roteiro e as atracções e sinto que serei a pior companhia de todo o sempre. Para onde quer que olhe, só me vem um pensamento à mente: dívidas, dívidas ao Estado! =(

Parece que ainda há esperança...

Fui novamente às Finanças hoje de manhã (quase de madrugada, que eu não tinha uma reunião às 10h e não podia atrasar-me, cheguei às Finanças uma hora antes de abrirem - fui a senha nº2) e a senhora que me atendeu, depois de ter ficado 'surpresa' pelo colega ter me fechado a actividade com data de ontem, sendo o meu último recibo em Maio/2012, disse que sim, teríamos que abrir um BAO (Boletim de Alteração Oficiosa) para solicitar a cessação com data retroactiva e pagar os tais 75€ de multa por fechar a actividade fora da data correcta. Dos males, o menor.

Só que... para fazermos isto, precisamos dos três recibos que eu passei, para provar às Finanças que não passei mais nenhum recibo depois daquela data. E na altura, os recibos eram em papel (já havia os recibos online mas eu tinha-os em papel ainda) e não faço ideia de onde eles estão, visto que entretanto casei, mudei de casa e nisto vários documentos ficaram para trás. Já revirei a casa toda, o escritório está de pernas para o ar, montes de papeis ao molho e encontro tudo que possam imaginar: pagamentos de propinas da faculdade (de 2010), apólices de seguros, faturas de farmácia, até a porcaria de um pagamento da Semana dos Caloiros (na altura em que ainda eu era caloira) eu encontrei.... os recibos é que está quieto.

E sem isso, meus amigos, nada a fazer e temos mesmo que pagar a divida integralmente. Consegui com a minha gestora de conta os extractos desses meses (Março, Abril e Maio de 2012) e tenho lá a transferência dos pagamentos (ou seja, sei exactamente os valores de cada recibo) mas isto não serve de nada. Em última instância, contactei a empresa para a qual prestei serviços para saber se me podiam dar a cópia do recibo que de certeza serão mais organizados que eu e terão esta informação guardada.

Que sim, têm lá todos os recibos mas como são em papel, estão arquivados em vários dossiers numa arrecadação e a colega, obviamente, não pode estar a parar o trabalho dela para ir revistar a arrecadação atrás de recibos de 3 anos atrás. Não sei o que hei de fazer. Se for à Segurança Social e pedir a Declaração de Dívida, estou a assumir que tenho este valor em falta e sou obrigada a pagar a quantia integralmente (ou faseada em prestações). A minha última esperança é a senhora da empresa conseguir os meus recibos mas ela diz que vai tentar e só lá para o final da semana é que consegue dizer-me se teve tempo de ir à arrecadação procurá-los. Só me meto em asneiras, a sério, nem acredito que estou a passar por essa situação à pala de ser desinformada e despistada. Foda-se, pá!

Bad, bad news...

13 abril 2015
Hoje às 8h estava à porta das Finanças para encerrar a actividade. Tirada a senha "B" dos Rendimentos, lá fui atendida e disse que pretendia encerrar a actividade e saber se tinha multas. O senhor, um velhote simpático, perguntou-me quando foi a última vez que tinha trabalhado a recibos, respondi-lhe que tinha sido em 2012 e que agora estava a contrato, o senhor viu as minhas últimas declarações de IRS e pronto "actividade encerrada, só precisa de assinar aqui". Assinei, aliviada por ter encerrado definitivamente este capítulo.

Perguntei-lhe sobre eventuais dívidas, visto que já se tinham passado 3 anos e disse-me que não, que ficasse descansada que não havia ali dívidas. "Mas tem a certeza?" perguntei. Disse que sim mas que o melhor era tirar a senha "C" das dívidas e execuções fiscais, para ter a certeza. E aqui preciso fazer um aparte: eu tenho pa-vor de dever o que quer que seja a alguém (então se esse alguém for o Estado, borro-me toda). Não tenho empréstimos, não devo nada a ninguém, não tenho contas parceladas em prestações, nada. Ou compro à dinheiro ou espero ter dinheiro para comprar, simples assim.)

Tirei a tal senha C e fui confirmar com outro funcionário sobre eventuais dívidas. "Não, não tem cá nada". Ufa, alívio! De seguida perguntei se era preciso ir à Segurança Social dar baixa da actividade ou se era automático. Disseram que era automático, que havia o cruzamento de dados e não era preciso dar baixa de nada na Segurança Social.

Como eu sei que nestas coisas de repartições públicas cada um diz uma coisa e quem se lixa é sempre o contribuinte, decidi ir à Segurança Social (que era mesmo a duas ruas das Finanças) só numa de ter a certeza de que não havia dívidas em meu nome.

Pois, que há, sim senhora. Contribuições que deveriam ter sido feitas à Seg. Social desde que abri a actividade (Março de 2012) até Fevereiro de 2013 quando comecei a trabalhar a contrato. O meu escalão dos Recibos Verdes é o segundo, logo, deveria ter pago 186,13€ por cada mês com actividade aberta. Tinha uma dívida de cerca de 2233,56€ mais 'uns pózinhos' de juros, conforme me disse a funcionária da Segurança Social. Não sei como tive pernas para sair dali e me enfiar no carro, toda eu tremia. Mas que estupidez a minha, caraças, tantos anos e só agora me lembrei da merda da actividade? Liguei para o meu contabilista, em pânico total, e ele disse-me que isso poderia ser evitado se o querido funcionário das Finanças me tivesse fechado a actividade com data retroactiva, ou seja, com data de Maio de 2013, assim só pagava 558,39€ mais uns juros da treta.

Para além de não saber que era possível fechar actividade com data anterior, nem sequer me foi dada esta opção, o que vim a saber que não é comum e normalmente o funcionário das Finanças pergunta: "então e com que data pretende encerrar a actividade?". Como tive que ir trabalhar, não consegui passar nas Finanças novamente mas amanhã lá irei bater com os costados, a ver se me podem anular este encerramento e fazer um novo, com data do meu último recibo. Estou tão lixada!

[nota1: apesar de ser a primeira vez que passei recibos, não tinha mais direito ao 1º ano de isenção contributiva porque entretanto 'emprestei' recibos a uma amiga em 2010, visto que ela tinha dívidas nas Finanças e não o poderia fazer. Como era mãe solteira e não tinha hipótese que não trabalhar a recibos, não consegui recusar o pedido. Se fosse hoje, não o teria feito mas na altura era um coração de manteiga.]

[nota2: semana passada, depois de muito ponderar, tinha finalmente me decidido a 'investir' na minha mala de sonho, aquela que me faz suspirar por todos os cantos e que ao mesmo tempo em que penso: "foda-se, esta mala custa tanto como me custou o meu primeiro carro", penso que caramba, eu trabalho tanto, não ando propriamente a passar necessidades, acho que mereço matar esse desejo. Já tinha até convencido o marido (depois de muuuito esforço) e o homem agora até já a olha para o raio da mala como um 'investimento para a vida'. Tanta merda por causa de uma mala cara e agora vou ter que enfiar 2000€ nos bolsos do Estado, não acho normal.]

[nota3: juro por todos os santinhos - e vocês são minhas testemunhas - de que caso consiga reverter esse valor para algo mais 'simpático', saio das Finanças e vou direitinha para a Av. da Liberdade comprar a minha mala. É que não penso duas vezes nem olho para o lado!]

A ver a vidinha andar para trás...

12 abril 2015
Ontem à noite sentada no sofá com o marido e montes de facturas ao colo, demos início ao nosso primeiro IRS em conjunto. Preciso confessar que não percebo grande coisa do assunto e limito-me a pedir facturas com contribuinte para 'pôr no IRS', o resto é tudo ali ao molho e fé em Deus.

Nisto o M. vira-se para mim, todo contente e exclama: "Ena, vamos receber tanto este ano! A simulação diz que vamos ter um reembolso brutal!" e eu já a fazer planos de pôr o dinheirinho na conta-poupança das viagens, ali a sonhar quando oiço a mítica frase: "amor, olha que acho que tens a tua actividade aberta nas finanças, diz aqui que tens que preencher o impresso B e isso é só para quem trabalha com recibos..."

Meus amigos, eu vi a vida a andar para trás. Jurava por todos os santinhos que tinha encerrado a actividade na altura em que trabalhei com recibos (no longínquo ano de 2012) mas pelos vistos, ainda não tinha cessado a actividade.

De referenciar que a única vez que passei Recibos Verdes na vida foi em Março, Abril e Maio de 2012, na altura da universidade e depois nunca mais mexi com isto. Os outros empregos que tive (até chegar ao actual) sempre foram a contrato, portanto, esqueci-me completamente disto dos recibos.

Ao fazer uma breve pesquisa na net, fiquei horrorizada! Pessoas que também se esqueceram de fechar a actividade e que estão com multas de 3 mil e tantos euros na Segurança Social... digam-me que isto é brincadeira, por favor! Pessoas entendidas neste assunto, cheguem-se aqui à minha beira e acalmem este meu coração, sim?

[amanhã de manhã vou direitinha às Finanças e Segurança Social, que estas entidades não estão para brincadeira e tudo (mas é que é mesmo tudo) é um pretexto para nos irem ao bolso. Depois que li esta notícia, já estou toda borradinha de medo. Fónix!]

E de repente já cá passaram mais de...

09 abril 2015

Uau! Já são muitas visitas e eu fico mesmo feliz de ver que este blog pequenino, que nasceu sem nenhuma pretensão (de verdade) hoje já é lido por tanta gente! Adoro esta partilha, adoro a blogosfera, adoro sentir que já 'conheço' tanta gente que afinal nunca vi mas que, por seguir há muito tempo, já me sinto íntima, adoro todas as dicas que vocês me dão (o penúltimo post é só mais um exemplo) e é esta troca de conselhos que faz com que não me consiga fartar disto tão cedo. Obrigadaaaa!