Domingos...

02 agosto 2015

são por norma o meu dia preferido da semana. acordo tarde, ligamos a tv do quarto e ficámos ali a saltar os canais enquanto aproveitamos os últimos minutinhos na cama. eu enrolo para me levantar (como sempre), ele levanta-se primeiro e abre os estores. o sol entra pelo quarto, eu espreguiço-me e levanto para tomar um duche. almoçamos alguma coisa rápida (normalmente grelhados e salada), vejo se há alguma coisa da casa para tratar (a nossa empregada vem à sexta e deixa a casa pronta para o fim-de-semana, então por norma ao domingo só me falta passar a roupa - tarefa que adoro) e à tarde vamos ao mercado, que é mesmo na rua ao lado... compramos baguetes para ele e croissants para mim. lanchamos na mesa da cozinha, ele a fazer o café e eu a pôr as coisas na mesa. ele a fazer as palhaçadas do costume e eu a desmanchar-me a rir (e a engasgar-me com o pão - como sempre). às vezes fazemos bolos em conjunto mas como nunca ficam como deve ser (porque ele aldraba as receitas todas), desta vez compramos um já pronto. e também descobri uns patés deliciosos no lidl, daquela linha deluxe que eu tanto adoro, são muito bons! no fim da tarde alapamos no sofá a ver filmes, séries ou programas sobre viagens... adoro essa calmaria, esse estar em casa sem grandes planos, só a relaxar e a ser feliz com o meu amor. estamos quase a completar 11 meses de vida em comum e acho que o tempo está a voar e só queria que poder congelar certos momentos ou fazer o tempo passar devagarinho... só para curtir ainda mais esses momentos tão simples e tão nossos.

"Então mas tu não adoras crianças?"

01 agosto 2015
Hoje fomos almoçar em casa de uns amigos e quando surgiu o assunto 'férias', perguntaram-nos os nossos planos e nós lá respondemos que este mês vamos estar uma semana em Ibiza, para relaxar. Como eles já lá estiveram, perguntaram-nos o hotel em que vamos ficar. Respondemos e contamos que era um hotel só para adultos. 

Arregalaram logo os olhos: "a sério? Eu pensei que vocês adorassem crianças..." E é verdade, adoramos crianças mas... depende da criança. E isto de fazer férias e ter que levar com as criancinhas dos outros, peço imensa desculpa, mas não é para mim. Eu não sei que estranho fenómeno se passa durante as férias de verão mas o que vejo é:

- Casais na espreguiçadeira (ela deitada de bruços a torrar o rabo, ele sentado a ler um jornal/revista e a beber a sua cervejinha) que estão-se nas tintas para os miúdos. Mesmo. Metem o raio das braçadeiras nos putos e depois disso, esquecem que têm filhos. É ver as crianças com a cara vermelha do sol (sem um pingo de protector), é ver putos de 3 anos a saltarem para a parte mais funda da piscina sem qualquer olhar atento dos pais, é ver crianças aos gritos, aos chapadões umas com outras e os pais? Estão de férias. 

- Crianças mal educadas que andam aos pulos na piscina, não sabem estar lá dentro, só sabem correr e chapinhar por todo o lado (obviamente, molhando quem está ao lado sem qualquer cerimónia). 

Eu acho que as crianças não são culpadas porque, lá está, são crianças. É normal que saltem, pulem, gritem, não conhecem limites, são pequenos. Mas caramba, os pais ali ao lado poderiam (deveriam) fazer qualquer coisinha, não? 

Então quando estamos a falar de criancinhas espanholas (nada contra, que o meu marido também é espanhol) mas caraças, acho que nunca na vida vi crianças tão mal educadas como as de nuestros hermanos. É um tal de "Ay papá, mira papá! Mira, mira!" tudo ali aos gritos, com aquelas vozes esganiçadas (é que não falam, guincham) dá cabo de mim. Não há quem consiga descansar. E sabendo que em Ibiza seria muito fácil cruzar com estes 'ninõs', achamos melhor não arriscar e escolhemos um resort 'adult only'. Continuo a amar crianças mas uma coisa é sermos obrigados a aturar as nossas, outra bem diferente é ter que levar com as dos outros e em tendo opção... preferimos férias sem crianças.

P.S: E o sossego que está em Lisboa, hã? Hoje parecia que tinha a A5 só para mim, sem filas, sem carros... um paraíso!

Pelo Alentejo... os encantos de Moura

31 julho 2015
É certo que ficámos alojadas em Pias mas quer dizer... a cidadezinha é muito pequenina e a meio do segundo dia já estávamos uma a olhar para a cara da outra como que a dizer: "é só isto?" e claro que queríamos mais! Aproveitámos os dois primeiros dias para dormir muuuito, pôr a leitura em dia e relaxar na piscina... mas no terceiro dia partimos à descoberta e fomos conhecer a cidade vizinha: Moura. Conhecemos o centro histórico, o castelo, as lojinhas (siiim, andávamos a ressacar ahaha - mamãe ainda é pior que eu), comemos um bife recheado delicioso no restaurante "O ideal" e descobrimos que em Moura faz um calor dos diabos e nenhuma loja tinha ar condicionado ligado (numa ourivesaria perguntámos a funcionária se podia ligar um bocadinho o ar condicionado por que estávamos a pingar ao que ela respondeu-nos que o patrão não autorizava que se ligasse e que até nem estava assim tão calor - jesus! nem quero imaginar aquela cidade num dia de calor à sério).

Foi também em Moura que conhecemos de perto a hospitalidade alentejana quando nos perdemos e fomos pedir informação a um senhor que conduzia um carro ao lado do nosso... acreditam que o senhor desviou-se do seu percurso só para nos levar até a entrada da cidade e nos explicar o caminho de volta para as Pias? Derreti-me! É tão pouco comum ver esse tipo de preocupação genuína em ajudar o próximo (cá em Lisboa então, é quase inexistente) que uma pessoa até fica parva. Coisas boas do interior!
 
 Uma das paisagens mais giras foi o campo com girassóis gigantes (pena que estavam todos esturricados pelo sol intenso daquelas bandas) mas fiquei a pensar como essa zona deve ser linda no comecinho da Primavera, com as flores todas desabrochadas...

Quando eu disse que os girassóis eram gigantes... é por que eram mesmo! Quase do tamanho da cabeça da minha mãe (que fez questão de tirar essa foto com o pobre girassol moribundo).

 A cidade é uma fofura, com a zona centro cheia de casinhas típicas e plantas, muitas plantas à porta de casa... durante a tarde vê-se imensas senhoras à porta da sua casa, a falar com os vizinhos em voz alta, aquela coisa típica de cidade pequena onde toda a gente conhece todo mundo. Achei tão pitoresco!

E se vocês pensam que estar enfiada numa cidadezinha com 2500 habitantes como Pias me faria não comprar nenhum souvenir... estavam enganadas. Pois que em Moura há lojinhas fantásticas (principalmente ourivesarias - são muito mais baratas que em Lisboa) e uma pessoa não diz que não. 

 Os Rayban dourados já queria há tempos (mas com a lente clarinha, que isto das lentes escuras dá cabo da minha vista míope) mas em todo o sítio que procurava cá em Lisboa estavam esgotados... Nem imaginam a minha alegria quando os vi na montra de um oculista em Moura (eram os últimos) e ainda custavam menos 40€ que em Lisboa, por isso... lá vieram os meus óculos gold!


Adorei conhecer Moura, era uma cidade que nem constava no meu mapa (do género: nunca tinha ouvido falar) mas que se revelou um sítio lindíssimo, super calmo, com pessoas fantásticas e acolheadoras... apetece mesmo voltar!

Cheguei... e já estou quase a ir de novo:

29 julho 2015

Disse a mim mesma que me recusava a viajar em Agosto por que os preços estavam todos inflacionados e bem vistas as coisas já tenho Nice em Setembro, Amsterdão em Novembro e Rio em Dezembro, quer dizer, já estava de bom tamanho e eu era menina para ser feliz a curtir a minha Lisboa quase desértica em Agosto. Mas quis o destino que apanhássemos uma mega mega promoção para Agosto e portanto... Ibiza e Formentera, aí vamos nós! E em família, que é como eu mais gosto. Tão bom!

Dicas, partilhas e sugestões são mais que bem-vindas que eu ainda não conheço nenhuma das ilhas Baleares e ando aqui a caçar informações. O que vale é que pelo menos três bloggers que acompanho estiveram em Ibiza neste verão e uma pessoa não fica assim tão perdida, já sabe mais ou menos ao que vai. Pelas fotos, diria que é quase impossível ficar decepcionada :)

Gruta de las Maravillas | Aracena, Espanha

28 julho 2015

Esta foi mais uma das descobertas fantásticas destes dias... O nosso hotel em Pias fica a pouco mais de 70km de Aracena, cidadezinha (linda) no norte de Huelva, em Espanha. Vi o folheto turístico das Grutas de Aracena ainda no hotel e a Vi ficou maluca, queria ir conhecer os rios subterrâneos e a gruta de estalactites. Lá fomos nós e o passeio é giríssimo. A cidade é um encanto, pequenina como se quer e sossegada, sem aquele enxame de turistas tão comum nessa época do ano. Conhecemos as muralhas de Aracena, a igreja, as Grutas e claro, a piscina da cidade (era um bafo tão grande que o suor escorria-me pelos braços, cara, tudo... um calor dos infernos). A visita pela 'Gruta de las Maravillas' dura cerca de 50 minutos e a beleza é fantástica.

Planos para o final do dia? Desfrutar desta paz alentejana, tão boa! O silêncio, o barulho dos animais, os cenários de cortar a respiração e o sossego tão bom... (pronto, era escusado ser tãããão quente por aqui - sem dúvida alguma, o lugar mais quente em que já estive cá em Portugal - mas é lindo na mesma).


Ahhh, não quero voltar para Lisboa... isto é tão calminho que uma pessoa até se sente outra: dorme bem (muuuito bem), come melhor ainda, cochila depois do almoço (adoro), passeia por sítios tão bonitos, respira um ar deliciosamente puro, ouve os passarinhos a cantar durante a tarde... ai pessoas, isto é mesmo bom! (acho que nunca mais vou querer me enfiar num Algarve apinhado de gente no verão quando posso desfrutar deste cenário de plena paz...)

Há males que vêm para bem...

26 julho 2015
Há uns dias combinamos um fim de semana só nosso: eu, mamãe e a mana (sim, sou daquelas pessoas que acha que existe vida pós-casamento e não ando grudada 24h sobre 24h com o meu marido...). Fiquei incumbida de escolher um sítio giro pelo Alentejo ou Algarve e fazer as reservas. Encontrei um hotel fantástico, reservei pelo booking e hoje depois do trabalho rumamos para Sul. Chegamos ao hotel e...não havia reserva em nosso nome. Como não? - perguntei eu, já sacando do papel com a confirmação da reserva. Pois... Ao invés de escolher 25 a 28 de Julho, escolhi esses dias... mas em Agosto! Só eu mesmo para ser despistada a esse ponto! E o pior: para hoje já não tinham um único quarto disponível... Fiquei pior que estragada e liguei ao marido para ver na net algum hotel perto de nós. O homem tentou uns dez hotéis, sem exagero... Todos ocupados! Até que ele encontrou um hotel no mais profundo Alentejo, mais precisamente numa vila pequenina em Serpa e fez a reserva para nós. 

Estou encantada com tudo por aqui... Hotel super acolhedor e pessoas fantásticas, uma comida simplesmente divinal, um clima e um céu tão estrelado que acho que nunca mais me vou embora. Uma vila que parece perdida no mapa (acreditam que não há um único centro comercial por aqui?), lugares e vielas escondidas de tirar o fôlego e os meus amores aqui mesmo ao lado. Tão bom! Soubessem vocês o quanto reclamamos do caminho longo cheio de contracurvas e sem ver ninguém pela estrada... Era só vinhedos e campos de girassóis, parecia o fim do mundo mas afinal... É só um sítio maravilhoso, como tantos os que existem por esse país :)


Eu sou pessoa de cidade, vocês sabem... Não consigo ficar muito tempo longe da agitação, do burburinho da cidade e da comodidade de saber que tenho tudo ali ao pé mas digo-vos que as pessoas daqui trazem uma coisa qualquer dentro do peito, uma alegria e satisfação de viver que é raro encontrar. São tão acolhedores e hospitaleiros... coisas do campo. E cada vez mais gosto de sítios assim ;) 

P.S: peço desculpas se dei algum erro ortográfico mas isso de escrever posts no ipad é coisa para pessoas muito evoluídas... comigo sai sempre asneira.

E finalmente... os saldos!

24 julho 2015
Sim, são de fazer uma pessoa perder a cabeça! Adoro a época de saldos, consigo sempre encontrar coisas de que gosto a preço reduzido e por norma faço bons achados :) O primeiro sítio onde 'perdi a cabeça' foi nas joalherias... Estive na loja da Pandora, atraída pela palavra sales na montra e fui espreitar as peças em saldos... Confesso que entrei assim um bocado descrente, a pensar que se calhar não eram bem saldos (que para mim são sempre a partir de 50% de desconto), que era coisa para ser um descontozinho de uns 30% mas fiquei surpresa: os saldos começam nos 50% e vão até os 70% de desconto sob o preço inicial. Fantástico, não é?

Diz que são peças que serão descontinuadas em breve e englobam brincos, fios, pulseiras, anéis, relógios e claro, as contas das pulseiras. Há um catálogo na loja específico com as peças de saldos, pelo que podem ir directamente às peças promocionais e escolherem a vossa.

 Anel (de 59€ por 18€). Brincos (de 89€ por 27€)

Sou perdida por anéis e acabei por escolher um anel em prata, com design minimalista que adorei (este modelo). E trouxe também os brincos que fazem conjunto com o anel (estes) já que por vezes sinto falta de um brinco assim mais neutro para usar em determinadas ocasiões. A terceira peça foi um relógio (que inicialmente era para oferecer mas que fiquei para mim ahahah #soudessas). Se eu precisava de mais um relógio? Provavelmente não mas o desconto era tão bom que não aguentei... (erro número um a cometer nos saldos, eu sei). O relógio é este modelo (custou 74€ em saldos, uma pechincha se considerarmos que o valor dele era 250€). A minha única questão com este relógio é o fato dele ser 'resistente à água' (isto é, só podem levar salpicos e assim, não podemos tomar banho com ele, por exemplo) e eu muitas vezes esqueço-me de tirar o relógio na pressa em tomar banho... Por isso, decidi deixar esse relógio para ser usado socialmente e usar no dia-a-dia o bom e velho swatch de todas as horas.

 Relógio (de 250€ por 74€). Anel CK (de 52€ por 29€)