29 novembro 2018

Probleminha técnico

Já devem ter percebido que não estou a responder aos comentários, certo? Pois é, o meu querido blog achou giro ter um bug qualquer que não me permite responder aos comentários (quando carrego na opção: "responder", nada acontece). Já reparei isso desde o fim-de-semana passado mas as coisas estão ao rubro por aqui (a todos os níveis: meti-me num projecto novo, algo que adoro e que está a servir de "part-time" em paralelo ao meu trabalho-a-serio-que-me-paga-as-contas porque estou cheia de planos para 2019 e a mil por hora). Por isso, não consegui resolver ainda o problema do blog mas conto tratar do assunto nesse fim-de-semana.

Entretanto, podem ser queridas e testarem para mim se conseguem "responder" aos comentários já existentes? Comentem aqui no post para eu perceber se o problema é só comigo. Obrigada!
SHARE:

20 novembro 2018

Gravem bem este nome (e evitem-no, se puderem!):

His-te-ros-sal-pin-go-gra-fi-a

Um palavrão para designar um exame que dói como o raio! Oh senhores, se eu soubesse o quanto esse exame doía... (não ia servir de nada, por que eu ia fazê-lo na mesma mas enfim...).

Cheguei aos Lusíadas pela fresca e já lá estavam outras 4 mulheres para fazer o exame. Nervosa como eu estava, comecei logo a meter conversa com elas para ver se me acalmava. Duas delas estavam em tratamentos de FIV e já iam fazer esse exame pela segunda vez, as outras duas eram iniciantes como eu, tudo primeira vez. Não me contive: "olha e dói mesmo? Como é a dor?" ao que me responderam-me que sim, doía muito, tipo uma cólica forte de período mas que dava para suportar porque era bem rápido o exame em si.

Ui, que isto começa bem, pensei eu. Vamos para a sala do Raio-X (este exame é um género de raio-x mais xpto, que analisa em pormenor o útero, as trompas e os ovários), coloquei aquela bata azul super sexy que nos deixa de rabiosque quase ao léu e o enfermeiro aproximou-se para perguntar quem seria a primeira. "Olha, eu posso ser!" - respondi. Odeio sofrer por antecipação, prefiro ir logo e fazer o que tem que ser feito. Quanto mais cedo faço, mais cedo me despacho dessa treta, pensei.

Entrei na sala já a procurar com os olhos o meu médico (só ele me põe calma nessas horas) mas não o vi. Só vi a enfermeira, que me disse para encostar num género de "porta metálica" e que ficasse muito direitinha que aquilo ia baixar, baixar, baixar... até se transformar numa cama. Que impressão, vamos de costas a baixar, parece que vamos cair a qualquer minuto.

Colocou-me um resguardo por baixo do rabo, entretanto aparece o meu médico, sorri e diz-me "então, hoje é o grande dia!" (estávamos os dois ansiosos por esse exame, é o último que me faltava para retomar os treinos) e eu sorri de volta, feliz por ser ele a estar ali comigo. Começou por fazer os mesmos procedimentos de uma citologia (espéculo) e foi explicando todos os passos: "agora vamos desinfetar o colo do útero" e não se sente rigorosamente nada. Entretanto, diz-me: "vamos começar" e eu começo a sentir um líquido aquecido a entrar e a fazer imensa pressão (e dor!) no útero (era o contraste) e exclamei: "Ai, está a doer" e ele diminui a pressão do líquido ao mesmo tempo em que apontava para um ecrã e dizia: "Ok, já estou a ver o útero, tudo impecável, não tem sinéquias (cicatrizes) nem aderências, tudo como deve ser." e eu já senti um peso a sair-me de cima...

Entretanto sinto uma dor super intensa no lado esquerdo da barriga, nada a ver com cólicas, era tipo algo a rasgar e a queimar... e volto a gemer. Ele diz: "pronto, o líquido já passou pela trompa esquerda, tudo bem até aqui..." e sempre a entrar aquela porcaria do contraste para dilatar as trompas (eu sentia-me a explodir!) até que mandei um grito que deve ter sido ouvido em Grândola! E ele disse: "Já está, já acabou, a trompa direita estava obstruída e precisei aumentar a pressão do contraste, já está, tudo perfeitinho, agora tussa para eu remover o cateter..." e eu sentia tanta dor que nem tinha força para tossir, foi uma coisinha ridícula tipo um miado "cof!" e ele removeu a parafernália toda. Disse-me para abraçar os joelhos que aliviava e assim fiquei uns segundos...

Entretanto a enfermeira ajudou-me a levantar e foi um "splash" de contraste por todo o resguardo, uma cena super estranha. Lá me levantei com andar à pato (e com o resguardo a fazer de penso, todo um charme) até a casa de banho onde reparei que tinha bastante sangue a sair junto com o contraste. Pânico! Oh meu Deus, furou-me qualquer coisa lá para dentro! Vesti-me, pus um penso e fui ter com a enfermeira a questionar o sangue. "Absolutamente normal, se sentir dores pode tomar um brufen, só tem que estar atenta se o sangramento aumentar ao invés de diminuir e se tiver febre."

Esperei cerca de 40 minutos (foi o tempo que o médico levou a fazer as outras histerossalpingografias do dia) e fui ter com ele ao consultório, onde mostrou-me as várias fotografias do raio-x com uma paciência de santo, a explicar tudo ao pormenor: "vê, aqui é o útero, aqui é o contraste que injectamos, aqui as trompas...", e saí muito mais descansada daquela sala.

De todos os exames que já fiz NA VIDA, esse foi sem dúvida o que mais me doeu (só para terem noção, doeu muito mais do que a curetagem que fiz em dezembro). A grande vantagem (para além dos benefícios do exame, no meu caso desobstruiu-me uma trompa) é que a parte do contraste e o exame em si dura, sei lá, no máximo uns 40 segundos, é muito rápido!

Vale a pena para quem está a tentar há muitos meses e não consegue engravidar, por vezes há mulheres que têm naturalmente as duas trompas obstruídas então nunca o espermatozóide consegue alcançar o óvulo... e nunca engravidam. No meu caso, foi indicado por causa da gravidez ectópica, que normalmente deixa obstruções, e felizmente ficou resolvido no próprio exame. Há casos em que é necessário uma pequena intervenção por videolaparoscopia.

Fiz tudo pelo privado, no Hospital dos Lusíadas, paguei 145€ pelo exame (a título particular são 380€) mas o meu seguro ainda me reembolsou 115€ (normalmente os seguros não comparticipam este exame, por ser de infertilidade, mas no meu caso era necessário pela G.Ectópica, por isso reembolsaram-me), então o exame ficou-me por míseros 30€. Nesse caso, compensou muito fazer pelo privado (tenho 2 amigas no público que estão há quase 1 ano à espera de marcar esse exame) e eu marquei de uma semana para a outra.

(Não quero com o meu relato desestimular ninguém a fazer o exame, antes pelo contrário, é um exame essencial para quem tem dificuldade em engravidar ou em manter a gestação, uma vez que através dele é possível descobrir muitos problemas uterinos e anatômicos. Dói, é desconfortável, é caro (no meu caso não foi, mas quase sempre é) contudo... os fins compensam os meios não é? Não vai ser um exame de 40 segundos que nos vai meter medo. Eu procurei imensos relatos sobre esse exame antes de fazê-lo e não encontrei grande coisa, por isso decidi escrever, assim quem vai já consegue ir mentalizada - coisa que eu não fui!)
SHARE:

04 novembro 2018

Pago eu ou pagas tu?

Preciso compartilhar o meu "choque" com vocês, pessoas. Presenciei esses dias uma situação que me fez ficar de olhos em bico... Estava eu na fila do supermercado à espera de ser atendida quando reparo no casal à minha frente, deviam ter praí 30/35 anos e tinham um miúdo de uns 4 anos. O miúdo fazia uma birra monumental porque queria levar um boneco da Patrulha Pata, a mãe a assobiar para o lado, o pai idem. Às tantas o miúdo manda-se para o chão, aos gritos e pontapés, e a mãe diz para o marido: "olha, leva lá o boneco, pagas tu dessa vez." e o marido responde qualquer coisa como: "olha, este mês já eu paguei os ténis e o casaco dele, esqueceste? Agora pagas com o teu dinheiro..." e eu, que nem sou nada cusca (cof cof) dei logo um apertão na mão do meu marido (é o nosso código quando queremos mostrar alguma coisa ao outro na rua e não podemos dar cana) e ele ficou igualmente parvo. Sussurrou-me baixinho "foda-se, olha-me estes, a fazer divisão de um dinheiro comum... e pior, para o filho!"

A mim faz impressão ouvir casais comentarem "pago eu ou pagas tu?" quando são compras comuns, contas da casa, renda, compras para os filhos, sei lá! Se fazem vida em comum, como conseguem depois na hora de pagar fazerem essa divisão ridícula do "ontem paguei eu, hoje és tu?", acho tão deselegante, para não dizer mesquinho.

Não sei se por ter sido criada numa família onde nunca se deu grande importância a essas divisões, o meu padrasto recebia o ordenado e entrega os cartões bancários na mão da minha mãe, a conta era comum, usavam os dois o mesmo dinheiro e nunca em 20 anos de casamento vi os dois a discutirem por causa da dinheiro.

Quando casei foi a mesma coisa. Abrimos uma conta-conjunta, é nessa conta que caem ambos os ordenados e temos dois cartões multibanco onde cada um gasta conforme quiser. O valor que sobra no fim do mês é transferido para uma conta-poupança e ninguém se chateia. Tínhamos cada um uma conta individual mas no início desse ano vimos que não fazia sentido continuar com duas contas e centralizamos tudo num banco só, numa conta única. Zero chatices até o momento.

Depois do amor, o segundo pilar de uma relação, na minha opinião, é a confiança. E confiar implica dividir tudo com o outro. Assim sabemos sempre quanto temos, se dá para comprar isto ou aquilo, planear viagens com o dinheiro extra... torna tudo mais fácil. Se os nossos objectivos são comuns, para que andar a separar "o meu" e o "teu" dinheiro? Cá em casa não há disso. É tudo de ambos. E sim, há uma significativa diferença entre os nossos ordenados (o meu marido ganha 45% a mais que eu) mas nem por isso fazemos esse género de contas. É tudo dos dois.

Então quando há filhos envolvidos, menos sentido faz andarem a discutir ou jogar na cara um do outro quem é comprou os ténis, quem comprou o casaco, quem paga a creche... pelo amor de Deus. A criança é um elo comum ao casal, é responsabilidade dos dois, que mesquinhez ter esse tipo de atitudes! Ufa, precisava desabafar! E vocês, são a favor ou contra a divisão do dinheiro entre o casal?
SHARE:

29 outubro 2018

4 dicas aleatórias:

Estou muito criativa nos títulos, não estou? Eu sei :P
Já devem ter percebido que tempo é algo escasso por esses lados mas quase todos os dias acontece/compro/lembro de algo interessante que poderia partilhar aqui no blog e então surgem esses posts aleatórios onde a bota não bate com a perdigota... Hoje queria partilhar essas dicas com vocês:

1) Novo modelo da lente Canon 50 mm 1.8 STM (PVP 149,99€)
Sou uma naba no que toca a fotografias... Já tentei aprender mas falta-me paciência por isso só tenho a famosa "lente do kit" e a queridinha e versátil 50mm (que dá aquele efeito lindo do fundo desfocado mesmo no modo "automático" da câmera). A minha câmera atual é a Canon 200D (a nova versão leve e pequenina) e a minha objectiva 50 mm já andava comigo há 7 anos! Levou duas quedas e por ser frágil, já não focava muito bem de maneiras que decidi comprar uma nova. Aproveitei a campanha "23% desconto do IVA" na Rádio Popular e lá trouxe a bichinha por 118€, bem bom! Já testei a lente e nem se compara à minha antiga: super silenciosa, encaixe de metal (a outra era de plástico), corpo mais robusto... a antiga continua a ser vendida mas sinceramente, apanhem uma promoção jeitosa e tragam o novo modelo porque realmente faz diferença!


2) O corredor das "coisinhas aleatórias" nos supermercados: Não bastasse o LIDL tentar-me com tooda aquela oferta de coisinhas para casa: lençóis, pijamas, espelhos, artigos de decoração, etc... agora também o Pingo Doce entrou na onda e começou a ter artigos decorativos. Essa semana vi esse género de quadro a imitar madeira (é um autocolante gigante em 3D que engana muito bem, parece mesmo madeira) que comprei por 2,99€. Estava mortinha por apanhar o que diz "Home" em prateado mas ainda não dei com ele... Se tenho sítio para o colocar? Não, senhora. Mas isso arranja-se, é o de menos!


3) Lojas online que vendem produtos de cabeleireiro com mega descontos: Nessa minha nova etapa capilar (chamemos assim que sempre fica mais "delicado"), a busca por produtos que me salvem a vida é incessante. Ouvi falar muito bem da linha Curl Contour da Loreal Expert e quis experimentar. Acabei por comprar online pela metade do preço que tinha visto na Pluricosmética... já nem me recordo da última vez que comprei artigos de beleza/perfumaria numa loja física.


4) Mariquices (eu sei que é uma mariquice, escusam de o dizer) que eu adoro e que conservam os meus "investimentos": Descobri recentemente que existe uma loja online em Londres que trabalha única e exclusivamente desenvolvendo películas autocolantes protectoras para preservar os fechos/metais das nossas malas de design, aquelas mais carotas. Uma das coisas que mais me fazia espécie nalguns modelos da Chanel e da Louis Vuitton eram os fechos metálicos... odiava ver tudo riscado com o uso/passar dos anos, para mim malas deste calibre são mesmo um investimento e quanto mais perfeitinhas elas estiverem, mais gosto delas. No início do mês finalmente consegui pôr as minhas mãozinhas na Pochette Metis e nem pensei duas vezes: encomendei os protectores para o fecho. Comprei online na The Handbag Haven, custou penso que 10€ cada e chegou em 2 dias. Eles têm para várias marcas: Fendi, Chanel, LV, Prada, Balenciaga... alguns esgotam em dias mas vale a pena continuar a cuscar o site até conseguir! O produto é super bem feito, encaixa perfeitamente (até para mim que tenho zero coordenação motora foi relativamente fácil).

 A vantagem é que no dia a dia esses protetores são quase imperceptíveis na mala, não se nota mesmo e fazem toda a diferença na conservação dos fechos. Eu comprei logo duas unidades, não vá não acertar na colocação à primeira (por acaso acertei, não é nada difícil e há vídeos-tutoriais para as mais distraídas). Vale bem a pena!
SHARE:

23 outubro 2018

[Update] O meu novo corte de cabelo:

Contei-vos que cortei toooda a química do meu cabelo (menos as pontinhas que ainda estão com ombré) mas em termos de alisamentos/progressivas, saiu tudo! Saí do cabeleireiro a sentir-me uma diva, brushing feito, cabelo macio e pontinhas suaves. No dia seguinte, curiosa para ver o resultado ao natural, decidi lavar o cabelo e deixar secar ao sabor do vento. Gostei do resultado, caracóis e ondas suaves, do jeito que eu gosto. Fui dormir e acordei o próprio Mufasa do filme O Rei Leão! Precisavam de ver a cara do meu marido quando eu me levantei da cama! Depois do homem ter estado uns 5 minutos a rir, ganhei coragem para ir me ver ao espelho. Precisei compartilhar com vocês.
 
  Foto 1: Acabada de acordar (a própria visão da desgraça!)
Foto 2: Cabelo com cera de definição de ondas (estou apaixonada por esse produto!)
Foto 3: Cabelo apenas com protector térmico e seco com difusor de caracóis do secador

Escusado será dizer que mal olhei para o meu reflexo no espelho, pensei: "não vai ter jeito, vou ter que voltar aos alisamentos!" seguida de uma forte vontade de cortar os pulsos. Depois pensei:" pronto, está a ficar frio e posso ir trabalhar de boina ou gorro durante todo o inverno... sempre disfarça qualquer coisinha". Quando lá consegui me acalmar, lavei o cabelo, apliquei os novos produtos que comprei para definição de caracóis (já vos mostro tudo) e a coisa lá se compôs.

Porém continuo com o drama do "acordar fresca e fofa". Acordo todos os dias como um leão, tamanha a juba! Tenho péssimo dormir, mexo-me imenso, é impossível não desmanchar os caracóis todos! O que me obriga a molhar o cabelo de manhã para então aplicar os produtos e modelar os caracóis. Uma canseira, já não me lembrava o que era isso. Com toda a sinceridade, tenho mixed feelings e uma mega saudade de acordar com o cabelo lisinho e pronto a sair.

A solução temporária (até que ele cresça, ganhe "peso" e perca o "black power") é fazer brushing durante a semana (quando trabalho) e aos fins de semana fica como na foto 2 e 3: ao natural. Preciso MUITO de dicas para dormir e acordar com os caracóis arranjadinhos, alguém conhece um truque? Um produto milagroso? Qualquer coisa que não implique ter que molhar o cabelo de manhã! Alguém me ajuda?
SHARE:
© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig