06 agosto 2018

Vamos falar de saldos?

Eu já nem vou perder tempo a justificar a ausência destas bandas por que não quero soar repetitiva mas já sabem, neste momento a minha real life tem me consumido por completo o tempo de maneira que não tenho conseguido escrever com a frequência de antes. Não reclamo, tem sido um período muito meu, onde me apetece falar/escrever pouco e sentir mais, sabem? Continuo assídua leitora de blogs (gosto mesmo disso e é um prazer seguir há tantos anos as mesmas pessoas e "acompanhar" de certa forma o rumo que a vida delas têm seguido) e continuo a gostar de partilhar coisas interessantes com vocês. E por falar em coisas interessantes... nesses saldos tenho feito verdadeiros "achados" com descontos supimpas! Vamos lá:

Andava a precisar de uns ténis novos - queria algo neutro que desse para usar em qualquer estação - e andava de olho nas sapatarias do costume. Num ida ao Alegro de Alfragide dei por mim a espreitar a montra de uma sapataria até então desconhecida por mim (chamada JD Sports) e foi lá que acabei por agarrar em dois ténis super fofinhos com mega descontão: Trouxe os Puma Basket Heart (com 2 tipos de atacadores) por 25€ (preço original: 90€) e trouxe os Adidas Gazelle (esses não tinham uma cor nada neutra mas era um negócio tão bom que não resisti) em rosa pó por 30€ (preço original: 100€).

SHARE:

24 julho 2018

Vender no OLX? É preciso ter pachorra!

Olá, pessoas (sim, estou viva!). Dei uma desaparecida do blog (por motivos nobres) mas precisava vir cá de fugida para vos relatar situações insólitas que me têm acontecido nos últimos tempos.

Então aqui a pessoa andou uns tempos em casa de baixa médica (só tive alta em Junho) e inquieta como eu sou, aproveitei que não estava impossibilitada de fazer esforços e troquei a casa toda de lugar. Tudo! Deu-me assim um estalo e pá!, fotografei o sofá da sala e meti no olx. Não o queria mais (trazia-me péssimas lembranças e muitas manchas de sangue que a custo consegui tirar). Em três horas de anúncio, recebi várias mensagens:

- Faz entrega na minha morada? 
(sim, querido, eu vou mesmo alombar com um sofá de 3 lugares + chaise-longue, descer com ele pelas escadas porque não cabe no elevador do meu prédio e ainda vou alugar uma carrinha para o levar até a sua porta, ok?)

- Pode me "guardar" até dia 30? (estávamos a dia 9 ou 10)
(não, meu anjo, eu não posso guardar. A ideia é desaparecer com ele da minha vista, a primeira pessoa que me estender as notinhas à frente dos meus olhos, leva o sofá.)

Entre outras pérolas que, enfim, nem me dava vontade de responder. Era só carregar no sítio que dizia "bloquear este utilizador" e assunto arrumado. Entretanto passei as "arrumações" para o closet e revirei aquilo tudo, o que não usava há mais de 1 ano foi com os porcos (eu andava impossível naqueles dias, parecia que estava ligada à ficha!), entre eles uma mala da Louis Vuitton já não me dizia nada e que na altura me custou 950€. Tinha toda a documentação da mala (fatura, dust bag, caixa da marca, tudo) e a mala em si estava como nova (sabem como eu sou cuidadosa com este género de artigos...) pelo que achei justo anunciar por 800€, uma vez que ainda estava dentro dos 2 anos de garantia e é um modelo que nunca baixa de preço (pelo contrário, agora já custa mais de 1000€).

Recebi pa-le-tes de mensagens, nem vos passa pela cabeça! Eu queria espetar aqui com o print das melhores mas tenho medo de estar a invadir a privacidade das senhoras, por isso fica um resumo:

- Aceita 300€? Posso ir buscar hoje, pagamento em numerário.
(a ideia é vender a mala, não dá-la. Já estou a coçar-me toda por vende-la visto que foi utilizada praí meia dúzia de vezes. E quanto ao pagamento, tendo em conta que não estou a pensar aceitar pagamentos em Visa ou Multibanco, julgo que terá mesmo que ser a dinheiro...)

- Aceita troca por iPhone 5 com ecrã partido mas a funcionar na perfeição + conjunto de capacetes de mota (??) e acerto do restante em dinheiro?
(não tenho interesse em trocas, não ando de mota e o capacete só me daria jeito em dias de "bad hair day", lamento mas fica sem efeito).

- Sou do Brasil, cheguei agora em Portugal mas amei sua bolsa. Posso pagar em três vezes? Deixo a cópia do meu passaporte com você.
(o que uma pessoa responde a isso? Sim, meu bem, pode pagar em 30, 60 e 90 dias no cheque pré-datado. Ou em suaves prestações de 80€ mensais em dez meses. Em 2019 você termina de me pagar a mala.)

Entretanto lá apareceu uma senhora disposta a pagar o valor que eu pedia pela mala, combinamos junto à  Louis Vuitton (porque a senhora estava com medo de ser enganada - e lá entramos na loja para autenticar a mala), correu tudo lindamente. Cheguei em casa e removi o anúncio.

No dia seguinte, mensagem de uma senhora que me tinha feito a proposta da "troca" pelo iPhone e mais outras quinquilharias. "Ah, vi que retirou o anúncio, já vendeu a mala? É que tinha mesmo interesse nela...". Respondi que sim, que tinha acabado de vender a mala. E sabem o que a pessoa me propõe? Vá, dessa vou mesmo ter que partilhar o print convosco.

Eu nem sabia bem como havia de "descalçar a bota" e simplesmente deixei de responder. Que loucura! O olx é ótimo para vender certas coisas mas é um desgaste mental tão grande, ter que responder 387 mensagens que não dão em nada (só gente com parafuso a menos) para finalmente conseguir vender. Eu já me deixei disso, agora anuncio tudo no Ebay e siga! É pena que ainda não dê para vender móveis, senão era ver-me a exportar móveis usados para o mundo inteiro.

E vocês, já se aventuraram nas vendas (e compras, já agora), no Olx? Conhecem mais alguma plataforma de venda em segunda mão? É que eu tão depressa apaixono-me pelas coisas como depressa farto-me e dá-me vontade de vazar a casa inteira. Agora ando nessa fase: "não uso mais? então vendo!". Vamos ver até quando vai durar...
SHARE:

26 junho 2018

Está tudo bem #parte2

Estou ainda em modo férias e com um bocadinho de preguiça de escrever, confesso (isto de andar afastada um mês e tal deixou-me logo desabituada, não pode ser). Vou assim pincelar umas dicas muito rápidas sobre a nossa viagem, na esperança de incentivar alguém a conhecer a Riviera Italiana e adjacências.
  • A velha dica de sempre: comprar os bilhetes de avião com antecedência. Nós compramos em Maio, não foi com muita antecedência mas nos garantiu um precinho muito amigável: 19€ no vôo Lisboa-Pisa (num horário merdoso, chegamos a Pisa depois da 1h da manhã mas não há cá milagres), depois conseguimos 24€ no vôo Pisa-Malta, tudo vôos Ryanair. A volta Malta-Lisboa estava a ser complicada (com escalas e horários difíceis de conjugar) de maneiras que optei por comprar com a Air Malta, a companhia de bandeira de ilha de Malta e estavam com uma óptima promoção: pagamos 39€ pelo vôo. 
  •  Eu queria MUITO conhecer as Cinqueterre. Era um fetiche que eu tinha com aquelas terriolas que ninguém era capaz de compreender. Eu via fotos de lá e suspirava! Era uma viagem que teríamos feito em 2016 (e já tínhamos pago tudo: vôos, hotéis, etc) quando soubemos da doença da minha avó e foi no período em que decidimos trazê-la para Portugal. Eu tinha viagem para dia 6, a minha avó faleceu no dia 3. Fiquei com a viagem entalada mas nada me faria sair do lado dela naqueles últimos tempos. Entretanto dessa vez bati o pé: não sairia de Itália sem pisar naquelas cidadezinhas fofas! Apanhamos o comboio de Pisa para La Spezia (8€) e lá chegando compramos o CinqueterreCard que nos permitia viagens ilimitadas de comboio entre todas as 5 Terres: Monterroso, Vernazza, Corniglia, Manarola e Riomaggiore. Foi do caraças! Estourei o cartão de memórias da máquina nesse dia: cada esquina era um flash!
  • Estivemos 3 dias em Pisa e deu para ver os principais pontos, a cidade é minúscula, fizemos quase tudo a pé, achei o centro bem perigosinho à noite (a cidade não me deixou encantada, digamos) e tudo absurdamente caro. Senti-me tão roubada em Pisa! Uma coca-cola de lata num café qualquer 3€, um pequeno-almoço para eu e o meu marido ficou em 18€ (duas sandes, 1 café e um sumo, acreditem). Para irmos a qualquer casa de banho, tínhamos que pagar 1€ (os cafés e restaurantes não têm wc público). Enfim, digamos que não deixou grandes saudades...
  • Em Malta a ideia era andarmos de transporte público mas comecei a ler muita gente a falar que sem carro não conseguiríamos ir aos sítios mais bonitos (e mais escondidos) e que o calor era abrasador, pelo que no carro sempre tínhamos mais conforto (e ar condicionado na tromba). O meu marido não queria por nada conduzir à inglesa (em Malta a condução é ao contrário da nossa), mas lá o convenci e alugamos o carro logo no aeroporto. Remédio santo! Pagamos 128€ pelo aluguer (já com seguros totais e sem reterem qualquer valor no nosso cartão de crédito, que eu depois da burla com o meu Amex na Grécia ando um medo de entregar o meu cartão em mãos alheias). A primeira vez a conduzir pelo lado oposto foi a loucura (e fazer rotundas a entrar pela esquerda? um mimo!), entramos no sentido proibido algumas vezes mas no geral correu super bem e foi um descanso!
  •  A comida em Malta fez-me alguma impressão, mas pronto, vocês sabem que eu sou esquisita para provar novos pratos, sou comichosa com a ideia de não saber o que é que mandam lá para dentro. Tinha ouvido falar muito bem das empadas e quiches em Malta, decidi provar. Perguntei quais eram os sabores disponíveis: coelho... ou cavalo! Epá, não dá. Ainda arrisquei a de coelho mas o sabor era mesmo muito forte. 
  • Se querem apanhar um bronze daqueles à Pelé, Malta é o sítio perfeito. Muitíssimo calor, sol a brilhar todos os dias e um bafo que não se aguentava. Eu acho que saí em todas as fotos de chapéu porque apanhei um escaldão na testa logo no segundo dia! Entre as 12h e as 14h eu não me atrevia a sair na rua, ficava logo toda peganhenta, transpirada, cheia de tonturas... nessas horas estava sempre na piscina do hotel ou numa praia qualquer, mas na cidade era impossível!
Já a comida em Itália... upa upa! Uma pessoa não tem mesmo do que se queixar: tagliatelis, gelados maravilhosos, raviolli, lasagnas, pizzas de chorar por mais.... é a puta da loucura. Não sei como as italianas são tão elegantes com tanta comida boa por ali! Eu fiquei uns dias e já me sentia a própria Popota tamanho o enfardanço de coisas calóricas. Mas foi incrível, valeu cada grama ganha (mentira, nunca valem...) e eu já estou aqui a salivar por férias novamente, raça do bichinho!
SHARE:

18 junho 2018

Está tudo bem :)


Viemos passar uns dias de férias num sítio cheio de sol e bom clima (que bem que nos fez!) mas já estamos de regresso a Portugal. Foram 10 dias cheios de coisas boas: praias lindíssimas, cultura até sair pelas orelhas, uma nova experiência a conduzir pela mão inglesa (nem vos digo, nem vos conto), um bronze daqueles à africana, comida da boa (e umas ancas de bradar aos céus, mas caguei, estou de férias, não me lixem).

Fomos à Pisa, Cinqueterre (fiquei apaixonada!), ilha de Malta, Comino (sem palavras!) e Gozo. Ufa! Voltei a precisar de férias para descansar do tanto que as minhas perninhas andaram por lá mas valeu bem a pena! Agora já estamos com o bichinho para planear as de Setembro (já é tradição passarmos o nosso aniversário de casamento fora) mas ando a pender para os EUA e ele não está nada inclinado. A ver vamos! Quem mais também chega das férias cheia de gás e a pensar na próxima viagem?
SHARE:

09 maio 2018

"Em águas de bacalhau"

Que é como quem diz, este blog está em coma induzido, praticamente nos cuidados paliativos. Pessoa impulsiva que sou, estive a uma unha de fechar o blog ontem. Ando sem grande vontade de escrever (na verdade, vontade eu até tenho mas sobre temas muito pessoais que - dada a quantidade de gente da minha "vida real" que já descobriu sobre o estaminé - torna-se difícil para mim falar sobre os assuntos que realmente me apetecem), então, sinto-me de "pés e mãos atados" e odeio a sensação!

Sinto-me numa espécie de limbo, como se estivesse a perder a minha "privacidade" porque agora há imensa gente que me lê e que sabe das minhas rotinas, planos, desabafos... gente do meu trabalho, familiares do meu marido, enfim. Por um lado é sinal que o blog cresceu e chegou a outros lados, por outro é assustador não ter bem a noção de quem está "do outro lado" do computador a saber detalhes da nossa vida.


Tenho pensado muito nisso ultimamente e sinto que cheguei no limite da exposição, daquilo que quero partilhar. Enquanto era uma simples desconhecida, tudo era perfeito. Agora, já não. Por isso, por uns tempos, vou tirar umas férias do blog e pensar no que quero daqui para frente.

Não vou sumir, vou apenas fazer uma pausa. Está tudo bem comigo, está tudo bem no casamento e na vida em geral. Hoje recebi uma notícia maravilhosa - espero por ela há 9 anos! - mas lá está, mais uma vez não posso partilhar. Como detesto isso! Hei de pensar numa solução (um blogue novo, talvez?). Enquanto isso, vou ficando pelo instagram que sempre é mais reservado (e sim, está privado e não aceito toda a gente). Até logo, pessoas!

(Entretanto caso queiram falar comigo, enviem um email para o sítio do costume!)
SHARE:
© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig