22 outubro 2011

Das coisas que só acontecem comigo #6


Ontem eu e a minha mãe tínhamos uma reunião com um advogado em Lisboa à hora do almoço. Fomos de carro até o Marquês de Pombal mas não conseguíamos encontrar a rua (pois, eu e nomes de ruas é para esquecer) e já estávamos a ver a vida a andar para trás porque faltavam poucos minutos para a tal reunião.
Disse à minha mãe para estacionarmos o carro numa das ruas transversais à Av. Fontes Pereira de Melo (mais precisamente na rua do stand da Lamborghini Lisboa) e dali apanharmos um táxi para o sítio combinado (de certeza que um taxista lisboeta conhecerá a rua, disse eu).

Lá estacionámos o carro e apanhámos logo o táxi, que nos deixou no sítio certo e na hora combinada. Fim da reunião (e notícias assim muito, muito boas) e descemos a rua das Amoreiras à espera de conseguir um outro táxi que nos levasse para o sítio onde nós tínhamos o carro. Nada de táxi.

Nisto passa um infeliz e eu faço sinal. Ele pára, contrariado. Entramos no táxi e o que se passou a seguir foi incrível:

Mãe: Boa tarde
Taxista: (grunhidos). É para onde, minha senhora?
Mãe: É para a rua do Stand da Lamborghini.
Taxista: Para onde?
Mãe: É para uma das transversais à Fontes Pereira de Melo, não sei o nome da rua mas sei explicar o caminho. É a rua aonde tem um stand da Lamborghini.
Taxista: ai o caraças! (!). Minha senhora, eu não trabalho por nomes de stand. Eu trabalho com nomes de ruas. Quero lá saber do stand! Vai dizer o nome da rua ou não?
(nisto já eu estava a querer rir a todo o custo - quando fico nervosa desato a rir - e a minha mãe a olhar para mim com cara de "mas este gajo é parvo?!")
Mãe: Olhe, e eu já lhe disse que não sei o nome da rua. Leve-nos até à Fontes Pereira de Melo, se faz favor.
Taxista: Isto não é assim! (já vermelho) Tem que dizer o nome da rua. Eu não sei como isto funciona no Brasil (pois, já faltava a típica boca) mas cá nós temos de saber os nomes das ruas para entrar no táxi... Isto na vossa terra deve ser diferente...
(A minha mãe olhou para mim com ar de "vou mandar o gajo à merda e vou sair do táxi" mas eu disse baixinho: ignora, mãe, temos é de chegar no carro, o bilhete do parquímetro já venceu...) Isto não é nada típico da minha pessoa, que não engulo sapos nem que me paguem. Se estivesse no meu estado normal eu teria saído do táxi na mesma hora (não sem antes falar umas poucas e boas para o homem) mas eu estava com um cagaço de apanhar uma multa que vocês não imaginam! Carro estacionado na zona Vermelha de Lisboa e com o parquímetro vencido é mesmo implorar para os senhores da EMEL deixarem-me um bilhete. De maneira que obriguei a minha mãe a estar caladinha.

Fomos das Amoreiras até quase o Saldanha sem dar um pio. Mudas e chocadas. A sensação que eu tive foi de que o taxista estava a me fazer um favor de graça. E o homem não se calava:

Taxista: ...Conversas da treta... Quero lá saber do stand da Lamborghini! Mal tenho dinheiro para comprar um Fiat, o que me interessa a Lamborghini? Vocês é que devem ser ricas, pois com certeza... blá blá blá

Quando finalmente saímos do táxi, a minha mãe não aguentou:
- Olhe, você é muito mal educado e se continuar a tratar os passageiros desta forma de certeza que não será taxista por muito mais tempo... É que eu não sei se você sabe, mas estamos em crise e não são todas as pessoas que podem pagar para andar em um táxi. Portanto, tenha juízinho e seja mais bem educado com quem lhe paga o ordenado. Com licença...

Eu sei, nós estávamos erradas porque não sabíamos o nome da rua. Mas por favor... isso não é motivo para falar com o tom de voz com que o homem falava e muito menos para usar o tipo de palavreado chulo: "conversas da treta", "ai o caraças", etc etc... Aliás, nós sabíamos chegar ao sítio certo, bastava que ele guiasse até a Fontes Pereira de Melo que depois disso a minha mãe já se orientava. Enfim...

Há pessoas tão insuportáveis e mal educadas que mais valia era estarem no desemprego... Já que não gostam de trabalhar, ao menos não chateiam ninguém e deixam a vaga para quem realmente precisa e dá valor ao emprego. Raios...
SHARE:

3 comentários

  1. Concordo plenamente, tanta gente a precisar de emprego e depois vêm estes mal educados, que parece que estão a fazer-nos um grande favor por estarem a fazer o trabalho deles! enfim :X

    beijinhos

    ResponderEliminar
  2. N Podia concordar + ctg. :)
    Gostei do teu blog,e estou a seguir.
    Bjnhs**
    Manuela :)

    ResponderEliminar
  3. @Diário de Momentos: Isto é coisa para me deixar mal disposta. Detesto falta de educação e ainda por cima de forma gratuita.

    @Manu World: Obrigada Manuela =) Volta sempre.

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig