05 fevereiro 2012

Das histórias fantásticas que acontecem na blogosfera

Se há coisa que me faz espécie é gente pedinchona. Enerva-me, pronto. Porque eu acho que ninguém, mesmo ninguém, necessita de andar a pedinchar o que quer que seja [com excepção dos casos óbvios]. Fora os sem-abrigo e deficientes, toda a gente tem dois bracinhos e duas perninhas para ir à luta. Trabalhar. Estudar. Lutar pelo que realmente interessa.

Há cerca de dois anos estava a ler um post da A Pipoca Mais Doce e deparei-me com um comentário de uma rapariga a pedir roupa, sapatos e outros artigos. Dizia ela que não tinha condições, que estava desempregada e para além disso, era deficiente. Ao ver o perfil dela, descobri que tinha um blogue e, movida por uma qualquer curiosidade mórbida, lá fui eu ler o que ela escrevia.

O blogue era um auténtico muro de lamentações. Aii que a minha irmã odeia-me!, ai que a reforma do meu pai não dá nem para os remédios da minha mãe!, ai que eu tenho pé boto e não me dão emprego!, ai que eu nunca na vida usei uma roupa nova!, ai isto, ai aquilo.

Eu, pessoa de nobre coração [cof, cof], confesso que tive pena. De verdade. Pensei na angústia que ela, do alto dos seus 30 anos, deveria sentir ao viver assim. E enviei-lhe um mail, a dizer que queria muito ajudá-la e que até tinha imensa coisa que já não usava [roupas, sapato, malas e afins - ela dizia que não lhe davam emprego por não ter boa aparência] e que gostava de saber se poderia ir ter com ela para entregar as coisas e conversarmos um bocadinho [a minha idéia era levar comigo a minha mãe, que é psicóloga, porque ela poderia ajudar mais que eu].

No dia a seguir recebi a resposta. Ela agradeceu de coração a minha oferta mas tinha medo de encontrar com pessoas da net. Entretanto, eu poderia enviar a encomenda para a casa dela [e deu-me a morada - para isso já não tinha medo...] mas antes disso ela pediu-me para tirar fotografias aos artigos [malas, roupas] e enviar por mail para ela escolher o que valia a pena enviar. Escolher...

Eu jamais daria algo rasgado, manchado ou com defeito à alguém. Claro que não eram coisas novas mas eram coisas de boa qualidade e que ainda poderiam ser usados por vários anos. É lógico que nem me dei ao trabalho de responder e simplesmente ignorei-a. Deixei de visitar o blogue da criatura.

E há bocado leio um post interessantíssimo sobre ela. Este post da Guida fez com que eu abandonasse qualquer resquício de culpa ou consciência pesada por não ter estendido a mão à rapariga. Afinal anda por aí muita gente a querer ganhar tudo de modo fácil e de preferência, sem precisar sair de casa. Sim, que é para isso que os Correios existem.

Não tenho pachorra para gente aldrabona, mentirosa e que tem perfil de coitadinha. E o pior é que há imensa gente que a ajuda! Há pessoas de outros países [de França, por exemplo] que enviam-lhe coisas...  São casos assim que fazem com que eu perca a fé na humanidade. E, infelizmente, quando for uma pessoa realmente necessitada, eu vou ficar com os dois pés atrás antes de decidir se estendo ou não a mão. Há gente com lata, é o que eu vos digo...

O primeiro dia na loja foi óptimo ;) Claro que não sinto os pés e no próximo fim-de-semana já estarei com meias de descanso [sim, que isto de estar de pé o dia todo dá cabo das perninhas] mas de resto, não me posso queixar. Não custou tanto como pensei e vai valer a pena o esforço ;)
SHARE:

10 comentários

  1. Olá,

    Visto ter ajudado uma pessoa numa situação idêntica, mas por intermédio de outra pessoa, será que me podes dizer por e-mail, o blog dessa dita pessoa.

    É que à demasiadas coisas em comum, e neste momento começo a entrar em estado de nervos…não posso acreditar que me deixei enganar desta maneira.

    Obrigada,

    anne.heart@gmail.com

    ResponderEliminar
  2. Sinceramente, existe cada pessoa por aí que é mesmo de pensar muito bem antes de faezr qualquer coisa. É pena porque por causa dessas pessoas oportunistas (peço desculpa mas não me ocorre outro termo para as classificar...), pessoas que realmente necessitam acabam por não ser ajudadas porque ficamos sempre a desconfiar se a história que nos contam será verdade.

    ResponderEliminar
  3. (peço desculpa pelo erro que foi no comentário... obviamente queria ter escrito "fazer" e não "faezr" eheheh)

    ResponderEliminar
  4. Como é possível..não consigo compreender como há pessoas que se prestam a este papel..bjs*

    ResponderEliminar
  5. É simplesmente triste... Há quem não olhe a meios para usurpar o máximo que pode...

    ResponderEliminar
  6. @Rita Catita: Olá! Acho que já não preciso dizer mais nada porque até já há um comentário da dita senhora no post da Guida [que está linkado no meu post]. Se lá fores, vais perceber quem é a pessoa. Não estejas assim, isto acontece a todas... E é só com estes erros que vamos aprendendo e acabamos por crescer =) Um beijinho

    @Fiona: Nem sei que te diga. Fiquei em estado de choque ao ler a farsa que ela criou em torno da própria vida. E agora eu pergunto: para quê? Para ganhar amostras de marcas famosas e roupas da caridade alheia? Poupem-me. Não há palavras para descrever o que esta "senhora" fez [e continua a fazer]. Que triste.

    @mrfashionmood: Nem tu, nem eu... É digno de um caso de estudo. Fogo...

    @Júlia Rocha: Tens toda a razão. E é triste, muito triste que certas pessoas precisem de chegar a este ponto. Ridículo!

    ResponderEliminar
  7. Fiquei chocada quando li o texto da Guida. Há pessoas sem carácter absolutamente nenhum, que se aproveitam de pessoas boas, com bom coração. Mas como sempre; a verdade mais cedo ou mais tarde é revelada.

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  8. Bem,que exagero em torno deste assunto...
    Eu li o blog da criatura e nos primeiros dois minutos já estava a partir-me a rir e perceber que era uma perfeita aldrabice...
    É certo que ela não é uma pessoa de confiança mas ela apenas tentou a sua sorte e também não roubou ninguém.Sim,roubar é algo totalmente diferente.Quem decidiu dar-lhe algo foi de livre vontade.
    Ela inventou uma história (claramente falsa) e simplesmente houve quem caiu nisso.
    No entanto,neste nem sei qual é o problema das pessoas que a "ajudaram":será saber que afinal não deram as suas coisas a uma desgraçadinha deficiente e assim já não tem piada?
    Se eu tivesse caído numa "tanga" dessas,a esta hora teria aprendido uma grande lição,mas garanto-vos que não chegaria ao ponto de ir ameaçar a moçoila ou sequer depositar muito mais da minha energia a preocupar-me com isso.
    Quem deu,está dado.
    Com certeza que ela não é boa pessoa,mas para quem leu atentamente o blog dela,isso não deveria ser novidade.

    ResponderEliminar
  9. @Olivia Palito: Também fiquei espantada com o texto da Guida. Nunca pensei, realmente... E hoje ao procurar pelo blog, descubro que já não existe. Coincidências? Hummm...

    @Vanessa: Não acho que seja um exagero, até porque esta foi a primeira [e última] vez em que falei no assunto no meu blog. Quando pensei em ajudar a rapariga, há quase dois anos, não se notava [pelo menos eu não notei] que ela era uma aldrabona e mentirosa. E, de facto, incomoda-me que uma pessoa use de tais artifícios para enganar os outros e ser beneficiada com isso.

    Nunca perdi o meu tempo a ameaçá-la, a comentar no blog dela ou qualquer coisa do género. Apenas me fez confusão que ela conseguisse enganar tantas pessoas... E continuo a achar que não tem um pingo de caráter. Mas ao menos serviu de lição para quem, como eu, pensa em ajudar pessoas com historinhas tristes sem antes ir apurar se são verdadeiras.

    ResponderEliminar
  10. Meninas, também eu era seguidora do blog, mas por achar tudo aquilo demasiado estranho. Entretanto deixou de existir, mas há dias descobri o novo poiso da cristura! cá vai: http://livroscomsaborachocolate.blogs.sapo.pt/
    A conversa continua a mesma, mas os sonhos voam muito mais alto, lolol.

    Fili

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig