19 outubro 2012

Dói, sim. Dói e não é pouco.

E ontem, assim como neste dia, ela esteve lá para mim. Ontem foi um dos piores dias de que tenho memória. Recebi uma ligação de muuuito longe que me fez desabar. Ouvi coisas completamente absurdas. Fui acusada de coisas tão descabidas que qualquer pessoa que me conheça há uma semana saberia tratar-se de uma mentira. Qualquer um dos meus amigos, das pessoas que realmente me conhecem, jamais acreditaria nessa história. Mas ele acreditou. O meu próprio pai. E, senhores, para mim foi o fim. Cansei, de verdade. Não quero mais saber, simples assim. Posso roer-me toda por dentro mas não volto mais a procurá-lo. Acabou.

E, para uma pessoa que preza a família acima de qualquer coisa, foi terrível tomar essa decisão. Foi uma dor tão horrível, foi um choro tão sentido que a certa altura eu pensei que teria um colapso qualquer. Desmoronei. Não queria acreditar naquilo que os meus ouvidos escutaram, não queria acreditar que uma pessoa que deveria me conhecer até pelo avesso, pudesse acreditar numa história tão mirabolante assim. Mas lá está, ele acreditou. E, meus amigos, não há justificativa para isso. Não há perdão. {eu relevo muita coisa, muita coisa mesmo. Mas quando eu digo "chega", é mesmo o fim, que eu nestas coisas não volto atrás}

Durante anos a fio eu aprendi a ser paciente. Aprendi a relevar quando ele não aparecia nas festinhas do colégio. Quando não aparecia no dia do Pai. Quando eu ficava doente e esperava, em vão, por uma visita. Eu tentava perceber. O pai é muito ocupado, tem empresas, tem negócios, trabalha muito... Cheguei a ficar três anos sem falar com ele, no auge da rebeldia, na adolescência. Mas depois, coitado, ele está doente, precisa de atenção. Lá fui eu atrás, novamente, sempre na esperança de que lhe desse um estalo qualquer e ele lembrasse que afinal eu sou filha dele, a primeira, ainda por cima. Tudo em vão.

Ontem eu senti uma dor imensa, como eu acho que nunca senti. Eu passei a ser, literalmente, órfã de pai vivo. É um termo cruel mas que assenta na perfeição. E ontem, mais do que nunca, eu quero agradecer à ela, que ouviu toda a minha indignação, que me viu perder a voz de tanto chorar, que acalmou os meus soluços e que me fez compreender que eu posso ter um pai de merda mas tenho uma mãe, uma avó e uma estrutura familiar tão sólida e tão presente... que compensa todo o resto.

Quero agradecer à melhor amiga deste mundo por tudo o que ela faz por mim. Ontem, miúda, mais do que nunca, me abriste os braços. E eu só posso agradecer por, no meio de tanta gente, ter encontrado uma que vale por mil. Obrigada por tudo, do fundo do coração. ❤

Foto tirada pelo meu M. em Portimão | Agosto 2012
SHARE:

16 comentários

  1. Conheco a sensacao...tambem sou orfa de pai vivo e sabes que mais?! Estamos muito melhor sem eles que nao e por sermos do mesmo sangue que temos de aturar a falta de respeito que tem por nos!

    ResponderEliminar
  2. ;( Muita força, agarra te nas pessoas que te dão valor e que realmente se importam contigo...

    ResponderEliminar
  3. Um beijinho de muita força! Graças a Deus que não estás sozinha e tens quem te ajude a passar por este momento menos bom! :*

    ResponderEliminar
  4. Espero que encontres sempre os braços e os ombros que precises. dá valor a quem te quer bem,a quem acredita em ti. e não faço ideia o que terá acontecido, mas tenta ser forte, passar isso à frente e mesmo assim sorrir. Um abraço enorme. Beijinho querida

    ResponderEliminar
  5. Um abracinho forte! Imagino como deve ser difícil para ti passares por isso... beijo grande*

    ResponderEliminar
  6. Sabes que mais? Envio-te daqui muitos abracinhos e muita muita força.:) E, já sabes, se for preciso qualquer coisa no que eu puder estou aqui.:) Mua grande

    ResponderEliminar
  7. Menina... você me emocionou. Entendo te, não vivo essa situação mas sou pai e mãe :')
    Orgulho me disso. Força sim?

    beijão*
    IV

    ResponderEliminar
  8. Ai ai, como eu te entendo... Essas coisas infelizmente não acontecem só nos filmes e na casa dos vizinhos. Acontece-nos a nós!
    Força na peruca e bola pra frente, como já dizia o poeta Fernando Pessoa no pseudônimo de Ricardo Reis: "Segue o teu destino,/Rega as tuas plantas,/Ama as tuas rosas./ O resto é a sombra /De árvores alheias.

    Um forte abraço.

    ResponderEliminar
  9. Olá linda princesa, tu que és tão especial, tão sensível e divertida, estás a passar por uma das mais duras provas que existem. Sei o que sentes pois passei pelo mesmo com o meu pai e sei que custa muito mas há mesmo pessoas que se não estivessem ligadas a nós por laços de sangue nunca deixariamos entrar na nossa vida. Chega um dia em que temos de dizer um adeus, mesmo que seja silencioso e guardarmos melhor o nosso amor para quem o merece e retribui. És uma pessoa abençoada, tudo o que leio que escreves o revela. Um abraço,
    Sofia

    ResponderEliminar
  10. http://www.youtube.com/watch?v=Hfo6glc7o5c

    ResponderEliminar
  11. Por aquilo que tenho vindo a descobrir no teu blog, és uma pessoa especial, dedicada aos seus (seja família ou amigos) e apenas posso dizer que és especial. E nestes momentos apenas te posso dizer: muita força! E fico feliz por teres o apoio das pessoas certas nestes momentos...

    ResponderEliminar
  12. não consigo me transpor para essa situação mas sei dizer que não deve ser nada fácil mesmo :( mas sempre ouvi dizer que mais vale cortar o mal pela raiz. Muita força e beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Nem tenho palavras, deixo apenas um abraço apertado e que tenhas muita força para seguir em frente.

    Bjokas

    ResponderEliminar
  14. Ola garota :)

    Eu também sou oficialmente desde Abril deste ano, orfã de pai vivo. Para dizer a verdade sempre fui desde nascença pois ele nunca ligou para mim.. mas o tempo passou e ele de vez em quando me procurava e eu, coração mole, acreditava na sua cantiga de homem mudado...depois sumia novamente!! Ele me fez sofrer muito nessa vida e eu nunca vou esquecer, infelizmente. Mas chega a altura que tem de ser: seu coração mole fica duro de repente! Fecha a janela, fecha a porta, fecha tudo e o papai de merda não entra mais! Nunca mais! E agora me sinto bem mais leve.. Graças a Deus tb tenho uma avozona que seeeempre me apoia em tudo, mae, namorado, amigos e restante familia.
    Você nao está sozinha querida, ás vezes faz bem tomar "aquela" decisão!

    Beijão grandee

    ResponderEliminar
  15. Olá garota :)
    Cheguei tarde, mas cheguei... ultimamente nem para mim tenho tempo, mas sempre que posso venho aqui e actualizo a leitura toda! Nem sempre consigo comentar, mas agora tinha que dizer duas ou três palavrinhas, eu sei bem o que sentes.
    Desde que a minha mãe se divorciou do meu pai, ele divorciou-se dos filhos também. Eu que era A menina, primeira filha e mais velha fui apontada como a que casou, e por isso a mãe saiu de casa. Ora pela lógica dele eu iria ter que ficar em casa até aos 70 anos para a minha mãe continuar a gramar com as coisas dele.
    A modos que hoje é assim, falamo-nos três vezes por ano: no aniversário dele, no meu, no natal e no ano novo (esta conta como apenas um telefonema). Agora como tenho duas filhas telefonamo-nos mais duas vezes nos aniversários delas :)

    Sinceramente já nem ligo. Ás vezes doi, mas depois passa.

    Já passei por tanta coisa que hoje só ligo a quem de facto está comigo, quem está, está quem não está paciência. A minha porta está e sempre esteve aberta.

    Por isso, tem força "garota", tens uma mãezona pelo que dás a entender, e só isso vale por tudo!

    Beijocas

    ResponderEliminar
  16. Queridas, MUITO obrigada pelas palavras. É tão bom saber que há pessoas assim, especiais, que gostam de nós mesmo sem nos conhecerem. Obrigada e um beijinho em cada uma ::**

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig