31 janeiro 2013

O meu namorado não é uma pessoa normal #4

Decidi dar uma de Scarlett Johansson e enviei uma sms picante para o meu amor. Cinco minutos depois, ele liga-me desesperado: "Vai buscar o telemóvel da tua irmã porque enganei-me e enviei a resposta para ela, rápido!" e eu disparo pela casa feito maluca aos gritos "Vi, onde estás?" e nada dela responder-me e eu a imaginar todo um cenário negro, tipo, a criança a ler montes de sacanagens via sms e a ficar traumatizada pelo resto da vida.... e de repente escuto o barulho do duche.

Bato freneticamente na porta da casa de banho, com o M. ainda pendurado ao telefone e exclamar de cinco em cinco segundos: a mensagem, já a apagaste? e eu ali no limiar entre um AVC e uma parada cardíaca... quando a Vi responde: mana, estou a tomar banho! O meu telemóvel está na mesinha, a carregar. 

Corro até o telemóvel e apago imediatamente a mensagem, sem sequer a ler. Agarro novamente no meu telemóvel {sim, que o M. continuava na linha} e digo que a missão foi completada com sucesso. Ele respira do outro lado, aliviado. Peço-lhe para, pelo amor de todos os santos, mudar o nome da Vi na agenda do telemóvel {ele a tem como "anjinha", nome que vem logo a seguir a... Anne!} e de repente lembro-me: Ah, é verdade, nem cheguei a ler a sms... 

E ele lá reenviou a bendita sms. Se bem que, dadas as circunstâncias, já não havia grande clima mas... só vos digo uma coisa: ai se a Vi tivesse lido!
SHARE:

30 janeiro 2013

A parte boa da tua melhor amiga viver nos EUA...

... é que sempre que ela aterra em Lisboa vem sempre com uma encomenda daquelas mesmo boas! Sou perdida por malas e carteiras, vocês já sabem. Antigamente comprava muitas malas da Stradivarius, Bershka e afins mas depois aprendi a valorizar a qualidade e não a quantidade. De que me adianta ter 35 malas num material rasca e que não vão durar nem 6 meses? Hoje reparo em vários detalhes antes de me decidir por alguma mala: acabamento, material, durabilidade... E passei a ser exigente, agora prefiro comprar uma boa mala em pele e que me vai durar imenso do que andar a pagar 50€ por uma mala de poliéster da Zara, só por ser de marca {e isso das marcas tem muito que se diga}

Por isso, quando a Bia mostrou-me uma mala camel linda em pele, cheia de letras gravadas e com duas alças (curta e de usar atravessada) fiquei maluquinha. O preço? 55 doletas, na T.J. Maxx de New York (o preço inicial era de 211 dólares - uau). Não pensei duas vezes e pedi-lhe para me comprar a azul escura. Estou apaixonada por ela, o couro é de búfalo, tão gostoso ao toque... Amei!






Adorei o detalhe da mala trazer uma bolsinha interna para guardar as coisas de valor tipo carteira, telemóvel e documentos... E ainda vem uma mini carteirinha para pôr o passaporte (é do tamanho ideal). Ganhei também esse moleskine floral (de uma edição comemorativa) já a chamar pela primavera. Fiquei apaixonada pelas coisas que se vendem na T.J. Maxx e morri de tristeza por não termos nada parecido cá =/
SHARE:

29 janeiro 2013

Frase do dia #29

"... E depois de um tempo eu entendi que esquecer não significa ignorar uma chamada telefónica ou evitar reencontros casuais. Eu descobri que quando tu realmente esqueces alguém, tu atendes o telefone e a voz não falha. Que reencontros casuais já não fazem as tuas pernas tremerem. E descobri que o lado mais triste do amor é não sentir nada. Absolutamente... nada."

SHARE:

28 janeiro 2013

De como eu gosto de ser bem atendida:

Desde os doze anos que sofro de miopia, razão pela qual sou viciada em lentes de contacto {detesto usar óculos de grau} e gasto todos os meses à volta de 40€ com as lentes, que são quinzenais. Entretanto tinha ouvido falar que ficava muito mais barato se mudasse para as lentes de contacto mensais e comprasse a caixinha que vem com 12 unidades, para todo o ano.

Na semana passada marquei oftalmologista para confirmar se a graduação mantinha-se {ninguém merece comprar 12 lentes de uma vez e a graduação ser outra} e ainda não é desta que ela estabilizou {não vejo a hora de fazer a correcção a laser}. Agora ostento a bonita graduação de 6.25 no esquerdo e 6 no direito, uma maravilha.

Fui ao Oeiras Parque para encomendar então as ditas lentes mensais. Mal entrei, reparei que havia uma Multiópticas mesmo ao pé das escadas rolantes mas, como tinha ouvido maravilhas sobre a André Ópticas {que até faz parceria com tudo o que é bloggers, oferece óculos e o escambaú} achei que eles seriam uma melhor escolha, já que pareciam interessados nos consumidores.

Ledo engano, minha gente. O atendimento foi péssimo, do início ao fim. Entrei, dirigi-me ao balcão e lá expliquei o caso:
- Olá, boa tarde. Eu precisava comprar uma caixinha com lentes de contacto mensais, de 12 unidades. Entretanto, como esta será a primeira vez que mudo a marca das lentes, não sei se os parâmetros serão os mesmos, tipo o raio de curvatura ou assim.
- Boa tarde. Mas porque vai mudar de marca?
- Porque estou a gastar muito por mês com lentes quinzenais e penso que ficará mais vantajoso se comprar logo a caixa para o ano inteiro.
- Sim, é verdade. Mas para conseguir indicar a melhor lente para si, terá que vir a uma consulta com a nossa oftalmologista. O preço da consulta é de 20€.
- Pois, a questão é que na segunda passada estive no oftalmologista e penso que não preciso de outro. A minha graduação é 6.25 e 6, miopia. Tenho aqui comigo a caixinha das lentes que costumo usar, com todos os parâmetros. Com isto, não consegue encontrar uma lente mensal nas mesmas condições?
- Lamento, mas não. Terá mesmo que vir à consulta.
- Ok, muito obrigada então. {e saí porta afora}.

Quer dizer, que estupidez é essa? Eu estava com a receita do oftalmologista na mão, com data de segunda-feira, tinha a caixa das antigas lentes {com raio de curvatura, diâmetro e tudo o mais}, qual era a dificuldade de olhar a caixa antiga e apresentar-me uma lente com os mesmos parâmetros? É assim tão complicado? Bolas, fiquei mesmo lixada. A rapariga queria a todo o custo marcar uma consulta para mamar os 20€ quando eu lhe tinha explicado, vezes sem conta, que tinha acabado de sair de uma consulta igual. A sério... Os blogs famosos bem podem elogiar a André Ópticas mas para mim, nunca mais.

Escusado será dizer que fui certinha e direitinha a Multiópticas e aí sim, um serviço que superou todas as minhas expectativas. Mal entreguei a caixa das antigas lentes a senhora veio logo com a lente mensal equivalente e disse-me: vamos oferecer-lhe este par de lentes, com a sua graduação, para a menina testar durante um mês. Se gostar, passa cá depois e encomenda a caixa com doze lentes. Não vale a pena encomendar tantas lentes sem saber como o olho vai se adaptar, não é? 

Ainda me ofereceu um produto para a limpeza das lentes em tamanho-viagem e um estojinho novo para guardá-las. Fiquei a modos que abananada, tamanha consideração e delicadeza. Ainda insisti em deixar um sinal pago {afinal, mesmo que não me adapte a essas lentes, acabarei por levar alguma outra} mas a senhora disse-me que eu podia dar o sinal depois do período de teste das lentes. 

Então eu pergunto: Valeu a pena a André Óptica tentar me impingir uma consulta da treta? É claro que não. Eu não faço/compro nada obrigada. E o diferencial, aquilo que me faz realmente voltar num estabelecimento e comprar vezes sem conta, é o atendimento e a forma como me tratam.

Para vocês terem noção, eu já cheguei a ir de propósito ao Montijo só para fazer a manutenção das unhas de gel. Porque adorava o profissionalismo da técnica que me atendida, porque ela era perfeccionista e as unhas ficavam um espanto. Moro em Carcavelos, tenho montes de salões de cabeleiros na minha zona mas escolhi fazer as unhas no Montijo, pura e simplesmente pela forma como me atendiam.

O país está numa situação complicada, a retracção no comércio é enorme e as marcas acham que é com má vontade e pressão que conseguem fazer o cliente gastar?! Vão sonhando, vão. Thanks, Multiópticas! Acabaram de ganhar uma cliente fiel ;)
Não, a Multiópticas não me patrocinou para escrever este post. E sim, ofereceram-me tudo à borla porque esta é a política deles e fazem-no a qualquer cliente. É de louvar, senhores, de louvar.
SHARE:

26 janeiro 2013

Das descobertas deliciosas: a Loja do Croissant, em Alcântara!

Lembram-se deste post? Pois bem, falei-vos desse pequeno-paraíso mas não dei informações muito concretas, é verdade. Hoje acordei com uma vontade maluca de comer croissants quentinhos, com manteiga e queijo. Lembrei-me instantaneamente da Croissanteria de Alcântara que, não sendo perto da minha casa, também não fica propriamente distante {e eu precisava de pôr os alicates de cutícula para afiar no senhor em Algés, até era caminho para Alcântara e decidi ir}.

Para animar um pouco o P., arrastei-o comigo, a contragosto, para irmos lanchar croissants acabadinhos de fazer {e para ele conduzir, que eu de-tes-to conduzir na confusão de Lisboa}. Ele rendeu-se, pois claro.

O que dizer? O sítio é assim uma espécie de paraíso para quem ama croissants {eu!} porque há de vários sabores: doce de gila, nutella, doce de ovos, morango, misto, com chourição, simples... De fazer uma pessoa perder a cabeça! Os preços rondam os 0.90€ e os 1.45€, e pelo tamanhão do croissant {e qualidade} acho que vale muito a pena.

O espaço é pequenino, não tem sítio para sentar, por exemplo, mas o atendimento é cinco estrelas. A senhora que lá trabalha fala pelos cotovelos, é simpática até mais não e eu tornei-me uma cliente fiel. Eles fazem uma promoção para quem comprar um croissant + uma bebida {2.20€} e compensa muito, minha gente.

A Loja do Croissant fica em Alcântara, ao pé do Consulado de Angola e do Mini Preço do Calvário. Infelizmente esqueci-me de apontar a morada correcta mas posso dizer-vos que os autocarros 751 e 742 passam mesmo à porta. Quem é de Lisboa tem que conhecer! ;)

Obrigada pelas mensagens do último post, não fazia idéia que tinha leitores tão maravilhosos assim! Obrigada, minha gente. Já já respondo tudo ;)

SHARE:

25 janeiro 2013

Das rasteiras que a vida nos dá.

Ontem soube de uma coisa que me deixou louca de raiva. Furiosa mesmo. Como as pessoas conseguem ser assim, meu Deus? Falsas, interesseiras, oportunistas... Como conseguem mentir tanto, fingir tanto, construir uma personagem em cima de algo que elas não são...?!

Eu me considero uma pessoa calma: não sou de fazer escândalos, tenho pavor de gente mal educada, de gritos e de barracadas. Tento relativizar as coisas ao máximo, dou pouca importância à merdinhas e mimimis que a vida merece ser vivida sem essas tretas.

Mas hoje, senhores, a minha vontade é de pular no pescoço dessa pessoa e encher aquela cara cínica de estalos. Mas dar tanto na cara da criatura até a minha mão cansar. A minha vontade é desatar aos gritos, chamá-la de todos os nomes possíveis e imaginários, dizer a grande filha da puta que ela é. E, para ser sincera, ainda não sei se descarto essa opção.

Me sinto um pequeno furação, com o sangue em ebulição nas veias. Faz comigo, gente. Mas não faz com um dos meus que eu fico desnorteada. Fico com vontade de matar quem me aparecer na frente. Ontem, enquanto ouvia o meu irmão falar, com aquela tristeza na voz, tive vontade de entrar dentro dele e trazer aquela dor para mim. Mas não pude. Só pude abraçá-lo e murmurar um "vai passar, P., vai passar". Sempre passa. Mas não é fácil e eu detesto sentir-me impotente perante uma coisa destas.

SHARE:

24 janeiro 2013

Ainda a propósito do post anterior:

Descobri recentemente o "Blog da Carlota", onde uma mãe babadíssima nos dá a conhecer a sua princesinha e... senhores, é disto que eu vos falo. E disto. A miúda tem pinta até dizer chega e as fotografias são deliciosas. Estou aqui a limpar a baba do cantinho da boca. Que fofura! [e à propósito, Carlota é um dos meus nomes de eleição. Adoro.]

Sou só eu ou vocês também gostam de ver fotografias de mulheres grávidas? Adoro, principalmente aquelas elegantérrimas, em que só lhes cresce a barriga e continuam com perninhas finas, sem um único buraquinho de celulite. Quase posso jurar que serei daquelas grávidas-elefantas, com celulite até a sola do pé e cheia de estrias. Não sei, é assim uma espécie de feeling. Daqui há uns três anos logo descubro :P

SHARE:

little princess*

Hoje de manhã fui levar a princesa ao dentista e não desperdicei a chance de embonecá-la. Saia de xadrez [amo crianças com tartan], cardigan com laçarote atrás e a cerejinha no topo do bolo: o laço de cetim azul escuro no cabelo, a segurar a franjinha.

Eu já aqui disse várias vezes o quanto amo vestir crianças como... crianças. Adoro golas, folhos, xadrez, laços, rendinhas... perco-me neste universo. O M. diz, a brincar, que caso o nosso primeiro filho [sim, nós queremos ter três] seja um rapaz, que ele já até sabe o filme: vou querer pôr o miúdo feito um gay, cheio de golinhas e mariquices. Tudo intriga da oposição :P

SHARE:

22 janeiro 2013

Dos juízos de valor.

Ontem uma colega do trabalho fez anos e, como é uma pessoa super querida, organizámos uma festinha surpresa com bolo, bebidas e velas. Cada colega contribuiu com um valor x e depois com o dinheiro arrecadado fomos à Zara comprar uma prendinha e, claro, o bolo.

Na altura de cantarmos os parabéns reparei que uma das colegas {que muito tinha ajudado na preparação da festa} não estava presente e fui atrás dela. Estava sentada na copa, a mexer no telemóvel.

Eu: Então, S., não vens cantar os parabéns connosco? Estamos todos à tua espera.
Colega: Ah, não, não. Vão vocês, eu vou ficar por aqui. Sabes, a minha religiao não permite que eu participe nestas coisas.
Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, surge outra colega por trás de mim e exclama:
-Deves estar a gozar! Não vais comer bolo? A tua religião não permite? Epá, a sério... Esta treta das religiões é que estraga isto tudo. {assim, mesmo na cara da miúda}.
Eu: Então mas qual é o problema? Os católicos não comem carne na sexta feira santa, os muçulmanos não bebem álcool, os judeus não comem carne de porco... Cada religião tem os seus ensinamentos e só temos que aceitar a decisão dos outros, ora. 

Escusado será dizer que esta minha colega sem noção mal me dirige à palavra depois disso. Olha, azar o dela. Não poderia mesmo ficar calada enquanto ela desancava a outra miúda, a troco de nada. Mania que as pessoas têm de julgarem as opções dos outros! Então quando estamos a falar de religiões, fico mesmo possessa.

Religião não se discute, ponto. É a fé das pessoas, é aquilo em que elas acreditam. Ninguém tem o direito de se meter, de dar opiniões, de gozar com isso. Se calhar tenho a mente demasiado aberta em relação à isso, talvez pelo facto de ter uma família completamente diversificada no que toca à religiões, não sei. Desde pequena aprendi a respeitar as escolhas de cada um.

Na minha família há de tudo: uma prima católica que é líder do grupo de jovens da paróquia, um tio que é pastor de uma igreja evangélica, uma tia que é da Umbanda {espiristismo}, uma outra tia que se casou com um muçulmano e converteu-se à religião, enfim... Sempre convivi com esse mosaico de religiões à minha volta e para mim isso é normal. Eu própria desde pequena segui o catolicismo: fui baptizada com 4 meses, fiz catequetese {achava aquilo uma seca, mas pronto}, andei sempre metida em colégios católicos {Salesianos, Imaculado Coração de Maria e São Vicente} mas depois acabei por seguir outra religião. Da mesma forma que ninguém é obrigado a seguir o que quer que seja, também ninguém tem o direito de julgar estas escolhas.

Não conheço a fundo as Testemunha de Jeová, não tenho contacto com ninguém dessa religião mas se eles acham que é pecado/errado cantar os parabéns à alguém, isso é lá com eles. Mania essa de julgar a vida alheia, irra!
SHARE:

20 janeiro 2013

Afinal parece que não foi em vão*

Nunca pensei que fosse falar isso mas... viva o mau tempo que adiou a ida do meu amor à Londres e permitiu-nos passar um fim-de-semana fantástico com muuuito mel, surpresas como só ele sabe fazer e muito chamego. Já vos disse que sou louca pelo meu branquelo?

*Estou a falar disto, é claro ;)
SHARE:

A frase do fim-de-semana:

Bombons. 
Rosas vermelhas. 
Champagne com gelo. 
Um homem maravilhoso. 
E um fim-de-semana daqueeeles!
SHARE:

19 janeiro 2013

Péssima idéia:

Decidi aproveitar a manhã de hoje para pôr em ordem o disco externo que ganhei no natal e que, pasmem, ainda estava fechadinho na caixa. Lá fui eu separar documentos, filmes, fotos, tudo para arrumar em pastas e subpastas que eu sou moça com mania de organização {como se vocês não soubessem...}.

E digo-vos: foi uma péssima idéia. Enquanto estive a organizar documentos e afins, a coisa até correu bem. Já quando chegamos na parte das fotografias, ui ui. O primeiro álbum que vejo é logo o "Rio 2012" e foi a depressão. Ainda pra mais por cá está um frio do caraças. E a chover.

Eu sou pessoa que ama frio, adoro o ventinho gelado das manhãs, as mantas, a lareira e essa coisa toda. Mas não sei, devo estar com um problema qualquer porque hoje só me apetece é praia no lombo e churrascos e marquinha de biquíni e carradas de gelados. Não devo estar a bater bem, é capaz.
SHARE:

18 janeiro 2013

♫ Agora eu fiquei doce, doce, doce, doce*


Na semana passada comprei o novo gel de banho Dove go fresh para experimentar e apaixonei-me pelo cheirinho delicioso: Romã e Limão-verbena. Sem contar que a pele fica tão macia e suave... Fiquei fã do aroma fresco e suave e estou mortinha para experimentar os outros cheirinhos. Já conheciam?

*em uma clara alusão à esta música que o senhor meu namorado está sempre a cantarolar. Mereço?
SHARE:

16 janeiro 2013

Timing perfeito!

Saio do trabalho e vou a correr para a esteticista. Demoro quase uma hora a fazer toooda a depilação + styling de sobrancelhas. Saio de lá me sentindo leve e lisinha como um bebé. Mal entro no carro, o M. liga a dizer que vai ter que passar a próxima semana em Londres, por causa de uma formação. E eu penso imediatamente nos trinta e cinco euros que acabei de gastar e que vão servir para, sensivelmente, nada!
Ódio, pessoas, muito ódio.

E não, eu não me cuido só para ele. Mas há coisas que, definitivamente, eu não faria se não estivesse a namorar {não entremos em detalhes}. Ai vida!
SHARE:

R.I.P Selarón ❤

É triste que o Rio de Janeiro tenha ficado mais pobre, com a morte de Jorge Selarón, o chileno que apaixonou-se pela cidade maravilhosa e coloriu ainda mais as suas ruas. Tive a oportunidade de conhecer esse artista incrível há quase dez anos e o riso contagiante vai ficar sempre na memória. Isso e o jeito engraçado como falava em "carioquês". Inesquecível. Vai em paz, Selarón. O Rio sempre vai lembrar de ti e do teu colorido.

SHARE:

A sério, isto só a mim... #4

No sábado fui buscar a Vi na natação {no Jamor} e apanhei a A5 de volta para casa. Antes de chegar à portagem, pedi para a Vi para ir separando as moedinhas e adiantar o processo. Na hora de pagar a portagem, nem sequer conferi o dinheiro e entreguei as moedas na mão da senhora do posto, que abriu logo a cancela para eu passar. Agradeci e segui em frente.

E agora vem a parte emocionante. Mal andei cinco metros com o carro e estalou uma sirene medonha, para toda A5 ouvir. Olhei para um lado, olhei para o outro, a Vi arregalou-me os olhos e quando olhei para trás, a senhora do balcão está a fazer-me sinais com uma bandeirola. Épico!

Dar marcha atrás estava fora de questão, portanto, encostei o carro na última faixa {o balcão desta faixa estava fechado} e um funcionário veio ter comigo.

Funcionário: - Boa tarde, minha senhora.
Eu {com cara de estúpida}: - Boa tarde. Fiz algo de errado?
Funcionário: A senhora sabe que pagou a portagem com moedas de outro país?
Eu {mais estúpida ainda}: Como?
Funcionário: Veja... {e estende-me a mão onde vejo duas solitárias moedinhas de 10 centavos brasileiros}
Eu: - Ah, peço desculpa. Confundi as moedas. Tem aqui as moedas certas {e abro a bolsinha para tirar as moedas... que moedas? Não tinha moedas!}. Errr, desculpe, afinal vai ter que ser a multibanco.
Funcionário a fulminar-me com os olhos: - Venha comigo, então.

Fiquei tão constrangida, vocês não imaginam! Lá tive que atravessar parte da A5 escoltada pelo funcionário, tipo a-caloteira-das-portagens até o balcão da mesma senhora que me atendeu para finalmente, pagar o raio da portagem! Às tantas, e como o azar já era muito, até fiquei com medo do cartão multibanco ter um fanico qualquer e não passar, sei lá! Era capaz de ser presa, a julgar pela maneira como tudo se desenrolou.

Voltei ao carro, a tremer por todos os lados, e nervosa como estava, dei uma bronca na Vi: "Mas olha lá, tu não sabes diferenciar a moeda do Brasil e a de Portugal? Não sabes ler, caraças?" e ela, que não está habituada a me ouvir falar assim, desatou a chorar dentro do carro. Ai, pessoas, a sério. Senti-me a pior irmã do mundo e morri de remorso, tadinha da minha branquinha... Andei vinte metros e parei no posto da Galp. Abracei-lhe, pedi desculpas e fomos as duas comprar um gelado. Sim, que um gelado sempre consola. A mim e a ela.

SHARE:

15 janeiro 2013

Do meu lado megalómana:

Há dias, em conversa com o M., ele perguntou:

- Amor, se te saísse o Euromilhões, qual era a primeira coisa que fazías?
- Oh, isso é impossível. Eu nunca jogo nessas coisas.
- Sim, mas faz de conta.
- Ah! A primeira coisa que eu faria era enfiar-me numa imobiliária e comprar um terreno ou uma casa velha na linha de Cascais, perto da praia. Mandava tudo abaixo e construía A CASA dos meus sonhos, de raíz. Depois comprava outro terreno ao lado e construia uma casa para o meu irmão. E depois uma casa para a Vi e mamãe. E depois...
- Porra, tu também não pedes quase nada... daqui a nada dizes que também queres comprar uma ilha!
- Então uma pessoa já não pode sonhar?

E isto fez-me lembrar o boom na blogosfera sobre o desejo da Pepa para 2013. Meus amigos, se ela quer o raio da mala Chanel, o que temos nós a ver com isso? Ela falou em roubar a mala? Não, ela disse em "juntar dinheiro" para a comprar. E acho válido, cada um gasta como quer. O que irrita é o tom de voz da miúda, isso é facto. Aquele falar anasalado, aquele não-abrir de boca, aquelas pausas dramáticas... nunca pensei que alguém pudesse falar tão à Castelo Branco assim mas olha, cada um fala como sabe. Eu falo com sotaque carioca, e depois? A Pépa fala com sotaque abetalhado. E então? Acho que temos que saber respeitar as diferenças e acho uma maldade o cyberbulling que ela está a sofrer. Achei piada ao vídeo? Achei. Ri-me como uma maluquinha? É claro. Mas daí a difamar a miúda em tudo quanto é síto, vai um largo passo. Haja bom-senso.
SHARE:

14 janeiro 2013

Hoje foi o dia:

Desde sempre que gosto de fotografar {e ser fotografada, of course}. Mamãe conta que, desde pequena, eu não podia ver uma máquina que metia logo as mãos na cintura e jogava o cabelo pro lado, numa clara imitação de diva-pronta-para-ser-fotografada.

A paixão de verdade surgiu no ano passado, logo depois de criar o blog. Fiquei absolutamente encantada com as fotografias que via nos blogs por aí afora e a minha admiração por esta arte só cresceu. Sempre tive câmeras compactas {cybershoots da Sony} e pensava eu, que estava satisfeita... No natal, quando recebi a minha primeira reflex da Canon, ui.. abriu-se um mundo novo e tive uma certeza: precisava urgentemente de um curso de fotografia.

Andei a pesquisar preços e um bom curso {= do Instituto Português de Fotografia} custava pra cima de 300€, logo, tinha que pensar bem se era mesmo isso que queria. Andei uns tempos a prorrogar a decisão do curso, ai que é muito dinheiro, ai que nem sequer trabalho com isto, será que vale a pena investir?

Hoje decidi-me. Atirei o {pouco} bom-senso pela janela e seja o que Deus quiser. Inscrevi-me no Curso de Fotografia no IPF, em Lisboa. Começo já na semana que vem e estou que não posso! É uma coisa que adoro, felizmente ainda tenho hipótese de me dar este "pequeno luxo" e olha, já está feito e não falemos mais disso. Vamos ver como eu me saio e que tal corre o curso. Prometo brindar-vos com fotos pra cima de espetaculares, dignas da National Geographic :P
Im ready!
SHARE:

Less is more.

Um dos meus grandes {e mais difíceis} desejos para 2013 é diminuir. Diminuir a quantidade de coisas que tenho, diminuir as compras, diminuir um tamanho de roupa, enfim... less is more, vai ser a minha máxima para este ano. A tarefa não é nada fácil e já tive algumas recaídas mas mantenho-me firme e forte no objectivo.

Com isto em mente, ontem foi dia de organizar todos os meus produtinhos de beleza. Cremes, máscaras de hidratação, loções, vernizes, maquilhagem no geral... corri tudo à pente fino e tudo o que não utilizava há mais de seis meses foi para um saco à parte {vou distribuir pelas amigas}.

No que toca à maquilhagem, desapareceram uns quantos batons {na empolgação acabo por comprar cores fortes que depois nunca tenho coragem de usar - sou menina de nudes e afins} com excepção para o Ruby Woo, o vermelhão matte da MAC que eu amo de paixão e guardo para ocasiões especiais. Livrei-me também das sombras escandalosas porque só estão a ganhar pó visto que no dia-a-dia acabo por usar sempre as mesmas cores: nudes, castanhos, terrosos e afins. O resultado foi um espaço muito mais clean:

Estes compartimentos com divisórias para batons são da IKEA {ANORDNA} mas infelizmente foram descontinuados. Comprei o pack com 3 caixinhas por 15€, acho. Há caixinhas parecidas na MUJI do Chiado, mas são mais caras =/
O porta-brincos é da Claire´s e comprei-o nos saldos do ano passado. Uso-o para pendurar os brincos compridos, os pequeninos ficam em caixinhas dentro das gavetas do toucador.
Os maxi-colares ficam pendurados nestes ganchos extensíveis que comprei na altura em que montei o closet {há 4 ou 5 anos}. São da linha Komplement, da IKEA e penso que foram descontinuados =/ Dão um jeitaço!
Sinto-me muito mais leve depois desta "limpeza" e agora tenho a certeza de que fiquei apenas com coisas que utilizo. De quê adianta uma bancada cheia de produtos e mil cores de sombras, se opto sempre por utilizar as mesmas? Assim, livro-de da tralha e ainda faço alguma amiga feliz ;)

SHARE:

12 janeiro 2013

voltei a ter 7 anos:


Sou perdida pelos bombons da Nestlé brasileira e fiquei no sétimo céu quando mamãe me trouxe esta caixa do Rio. Ah, as saudades que eu tinha de comer Suflair, Chokito, Alpino e, claro, Lollo.

O Lollo era o bombom mais delicioso do mundo, pensava eu, do alto dos meus 7 anos de idade. Todo fim-de-semana implorava para a minha mãe me comprar uma embalagem do "chocolate da vaquinha" e fiquei de tal modo viciada nele que quando queriam que eu fizesse alguma coisa, usavam o Lollo como moeda de troca: "vá, se te portas bem no dentista a avó depois compra-te um Lollo". 

Para minha tristeza, a Nestlé descontinuou o Lollo e há mais de dez anos que não comia um! Imaginem a minha emoção quando abri a embalagem da vaquinha e senti o cheirinho tão característico... Voltei a ter sete anos e até tive pena de comer o Lollo. Continua tão delicioso como sempre foi e me trouxe tantas lembranças boas...
Obrigada, Nestlé!

SHARE:

10 janeiro 2013

Uma pessoa entra na H&M só para espreitar as novidades e....

...sai de lá com um saquinho e três peças que ficaram mesmo a chamar por mim. Ando numa fase de cores em tons cru/nude que é uma desgraça. Só para terem uma idéia, as últimas cinco peças que comprei foram todas beges ou camel. Quando eu cismo com uma cor/tendência, é o fim: não sossego enquanto não faço um pequeno stock daquelas peças e é ver-me a usar a tal coisa até enjoar. {é, sou maluquinha...}

E é isto. Quando eu enjoar dos beges e afins, volto a dar notícias. Até lá, ainda verão muuuitas coisinhas em cor de "burro quando foge" como diz o M.
SHARE:

08 janeiro 2013

❤ tal e qual:

Durmo tal e qual. A perninha sempre, sempre, por cima dele. Adoro ;)
SHARE:
© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig