22 janeiro 2013

Dos juízos de valor.

Ontem uma colega do trabalho fez anos e, como é uma pessoa super querida, organizámos uma festinha surpresa com bolo, bebidas e velas. Cada colega contribuiu com um valor x e depois com o dinheiro arrecadado fomos à Zara comprar uma prendinha e, claro, o bolo.

Na altura de cantarmos os parabéns reparei que uma das colegas {que muito tinha ajudado na preparação da festa} não estava presente e fui atrás dela. Estava sentada na copa, a mexer no telemóvel.

Eu: Então, S., não vens cantar os parabéns connosco? Estamos todos à tua espera.
Colega: Ah, não, não. Vão vocês, eu vou ficar por aqui. Sabes, a minha religiao não permite que eu participe nestas coisas.
Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, surge outra colega por trás de mim e exclama:
-Deves estar a gozar! Não vais comer bolo? A tua religião não permite? Epá, a sério... Esta treta das religiões é que estraga isto tudo. {assim, mesmo na cara da miúda}.
Eu: Então mas qual é o problema? Os católicos não comem carne na sexta feira santa, os muçulmanos não bebem álcool, os judeus não comem carne de porco... Cada religião tem os seus ensinamentos e só temos que aceitar a decisão dos outros, ora. 

Escusado será dizer que esta minha colega sem noção mal me dirige à palavra depois disso. Olha, azar o dela. Não poderia mesmo ficar calada enquanto ela desancava a outra miúda, a troco de nada. Mania que as pessoas têm de julgarem as opções dos outros! Então quando estamos a falar de religiões, fico mesmo possessa.

Religião não se discute, ponto. É a fé das pessoas, é aquilo em que elas acreditam. Ninguém tem o direito de se meter, de dar opiniões, de gozar com isso. Se calhar tenho a mente demasiado aberta em relação à isso, talvez pelo facto de ter uma família completamente diversificada no que toca à religiões, não sei. Desde pequena aprendi a respeitar as escolhas de cada um.

Na minha família há de tudo: uma prima católica que é líder do grupo de jovens da paróquia, um tio que é pastor de uma igreja evangélica, uma tia que é da Umbanda {espiristismo}, uma outra tia que se casou com um muçulmano e converteu-se à religião, enfim... Sempre convivi com esse mosaico de religiões à minha volta e para mim isso é normal. Eu própria desde pequena segui o catolicismo: fui baptizada com 4 meses, fiz catequetese {achava aquilo uma seca, mas pronto}, andei sempre metida em colégios católicos {Salesianos, Imaculado Coração de Maria e São Vicente} mas depois acabei por seguir outra religião. Da mesma forma que ninguém é obrigado a seguir o que quer que seja, também ninguém tem o direito de julgar estas escolhas.

Não conheço a fundo as Testemunha de Jeová, não tenho contacto com ninguém dessa religião mas se eles acham que é pecado/errado cantar os parabéns à alguém, isso é lá com eles. Mania essa de julgar a vida alheia, irra!
SHARE:

10 comentários

  1. Eu pensava como tu até ler iste artigo da revista sábado...

    http://testemunhasdejeova.forumeiros.com.pt/t1102-revista-sabado-digitalizada-artigo-sobre-as-testemunhas-de-jeova

    ResponderEliminar
  2. concordo plenamente. Convidei um amigo meu para vir a festa de anos da minha irmã e ele explicou-me exactamente isto. A minha simples resposta foi "eu compreendo, se te sentires bem aparece depois" :)


    xoxo***

    ResponderEliminar
  3. A revista sábado fez o artigo com pessoas que já não se encontram na religião. Se perguntares as mesmas questões a pessoas que ainda se encontram na mesma, as respostas seram diferentes e com significado, (para eles pelo menos) certamente :)

    ResponderEliminar
  4. Tem duas coisa que não discuto: religião e politica. A religião é uma escolha muito pessoal, e por mais que não concordemos só temos é que respeitar :)

    ResponderEliminar
  5. Garota, ficas já a saber que tens uma leitora Testemunha de Jeová e que ficou muito contente com a tua atitude! :)
    E as verdadeiras razões porque não celebramos aniversários estão aqui:
    http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1101989214?q=anivers%C3%A1rios&p=par

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Pois é...aqui está um assunto controverso!! São os Jeovás os primeiros a fazer o julgamento quando um membro mostra vontade de abandonar as praticas...deixam de apoiar os filhos, netos pais, avós...seja quem for! Eu pessoalmente acho que primeiro vem a família e só depois a religião..não deixaria um familiar mal por nada deste mundo! A tua colega se calhar até tinha vontade...tanto que se envolveu na organização...mas como a religião não permite nega-se aos seus prazeres porque se calhar não foi ela que escolheu Jeová, escolheram por ela!! Acho que é um montão hipocrisia junta! Julgam mas não querem ser julgados! Não falo de cor, falo por experiencia própria! Fui católica porque fui obrigada a isso..ninguém me perguntou se queria escolher mas renegar o catolicismo não fez com que a minha família me virasse as costas e deixa-se de me apoiar!!

    ResponderEliminar
  7. Foi desagradável e uma falta de respeito... isso é um facto.

    ResponderEliminar
  8. Concordo , cada um tem a sua relegião e não podemos ir contra isso!!!

    ResponderEliminar
  9. Independente da religião, dos costumes e das crenças, acho que só temos que respeitar. Não fazia idéia de que os Testemunhas de Jeová cortavam relações com os familiares que não fazem mais parte da religião mas não cabe a mim tecer comentários. É lá com eles ;)

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig