28 fevereiro 2013

20 razões para querer viver no Rio:


(1) Terei casas de férias à disposição, porque toda a gente por lá tem uma casa na praia, entre primos e amigos de infância: Cabo Frio, Iguaba, Rio das Ostras, Búzios, Angra dos Reis e afins.
(2) Mc Donald entrega em casa e não cobra a mais por isso (não acreditam?)
(3) Havaianas e biquinis ao preço da uva mijona.
(4) Posso arranjar os pés e as mãos por 15 reais (menos de 7€).
(5) Tenho casa própria {de mamãe}, logo, não vou precisar pagar renda e com o dinheiro que juntar, poderei realizar um dos meus grandes sonhos: comprar um terreno, desenhar a casa e construí-la de raiz.
(6) Vou casar na cidade que me viu nascer. E na minha igreja do coração!
(7) Todas as farmácias fazem entregas em casa (e também não cobram a mais por isso) seja de medicamentos ou apenas de vernizes e cremes de cabelo (adoro essas pequenas mordomias).
(8) Tenho todos os meus 28 (!) primos por perto e vou poder explorá-los ao máximo. Ora vejam: uma é pediatra, outro é cardiologista, outro tem um restaurante, outra é advogada, dois são policiais... Logo, terei prestações de serviços à borlix [ahahaha, as coisas em que eu penso!]
(9) Talvez [eii, eu disse talvez] consiga resolver as questões pendentes com o meu pai e, quem sabe, possamos dar um novo rumo à essa relação esquisita que temos...
(10) Estarei perto de tooodas as minhas amigas de infância, da minha afilhada bebé e de todo o meu povo.
(11) Vou estar pertinho da minha avó, que é uma das pessoas que mais amo nessa vida. E vou eliminar um dos meus maiores medos: o de que ela morra sem eu estar por perto.
(12) Vou poder caminhar no calçadão sempre que me apetecer (aiii que saudade!)
(13) Coxinhas e salgadinhos a preço de banana e ma-ra-vi-lho-sos.
(14) Quando quiser engravidar, vou ficar descansada da vida e marcar a cesariana para o dia tal, na hora tal (como mamãe fez - e ainda passou no cabeleireiro e na manicure antes), num hospital que confio e com o meu amor do meu lado a filmar tudo. [podem dizer o que quiserem, mas não abro mão de fazer uma cesariana - coisa de brasucas]
(15) Num abrir e fechar de olhos consigo um trabalho na minha área (a minha formação é toda de cá, e isso é super valorizado no Brasil) e finalmente vou trabalhar naquilo em que me especializei.
(16) Chamem-me de fútil mas vou poder voltar a ter uma empregada interna (são ao preço da chuva no Brasil) para me deixar a casa, as roupas e a comida num brinco!
(17) Vou me empanturrar de fruta fresquinha (e barata), de comida natural e de muuito açaí.
(18) Tenho um tio na política, logo, se nada der certo ainda sou capaz de conseguir uma cunha e estar a receber uma pipa de massa todos os meses... (brincadeirinha, não era capaz)
(19) Vou poder ser eu mesma e falar do jeitinho carioca que é tão a minha cara. Posso falar aquelas palavras esquisitas que eu adoro (peteleco, marmota, guéri guéri e mais outras tantas) sem ninguém olhar torto ou fazer cara de "no compreendo".
(20) Vou ter a melhor passagem de ano (ou Réveillon, que nós gostamos de nomes chiques) de todo o mundo, com direito a vestido esvoaçante, marquinha de biquíni e areia nos pés. Ah, e fogos, muitos fogos de artifício.

Assim de repente, acho que era capaz de ser muuuito feliz por lá. A questão é: terei coragem? Ai.

SHARE:

27 fevereiro 2013

A triste verdade por detrás dos sites de descontos:

Raras são as ofertas em que podemos confiar. A esmagadora maioria não passa de um embuste para arrancar dinheiro ao povo. E como tu sabes disso? - perguntam vocês. Ora, porque na semana passada fui gentilmente comunicada que também passarei a gerir as campanhas publicitárias da empresa {eu já nem tinha muita coisa para fazer, ora essa!} e tive que desvendar esse mundo dos cupões, descontos e vouchers.

Digo-vos uma coisa: jamais, nem nas minhas idéias mais fantasiosas, poderia imaginar tudo o que vai por trás dos "sites de descontos". Uma treta, do início ao fim.

Estou desiludida, confesso. Já comprei com a Groupon e com a Letsbonus em duas ocasiões {bilhetes para o teatro e um jantar num restaurante xpto} e correu sempre bem mas acho que tive sorte.

Das coisas absurdas que vi:

- Enviei por email toda a informação relativa a uma nova campanha, incluindo a descrição do serviço, o PVP inicial e o preço já com desconto. Uns minutos depois recebo a resposta, a dizer que o nosso preço inicial {que era de 198€} era pouco apelativo e que eles aumentariam para 255€ de forma a parecer que o desconto é ainda maior. Fiquei sem palavras.

- No outro dia a minha prima {que trabalha numa clínica de estética bastante conhecida} disse-me que a tal clínica estava a lançar vouchers de fotodepilação por um valor realmente apetecível. Sendo eu pessoa que de-tes-ta qualquer vestígio de penugem no corpo, achei que era uma excelente ocasião para experimentar a tal fotodepilação quando a minha prima revela-me a verdade: todos os clientes que fazem fotodepilação através do voucher de desconto recebem um tratamento diferenciado {para pior, obviamente} e o disparo da luz é feito em apenas uma vez em cada zona {o correcto seria 3x por zona, segundo ela}. Logo, um tratamento que deveria ser finalizado em 5 ou 6 sessões, demora mais que o dobro do tempo. Aldrabice ao mais alto nível.

- Ainda hoje enviei para outra plataforma a informação sobre uma nova campanha, da maneira mais simples e objectiva que encontrei, e recebo de volta um mail a dizer que podemos "jogar com as palavras" de forma a induzir o cliente a erro e fazê-lo comprar o voucher. {Não sei se vocês sabem mas há toda uma burocracia por trás desses vouchers e para conseguir reaver o dinheiro é uma canseira}.

E poderia citar mais situações absurdas de que tive conhecimento mas vocês já perceberam a idéia. É muito triste que empresas de renome tenham que se sujeitar a esses esquemas para, da pior forma possível, conseguirem fazer algum dinheiro. Fiquei furiosa de ter que, mesmo que indirectamente, contribuído para enganar e aldrabar sei lá quantas pessoas! É contra os meus valores e na segunda vou ter uma conversa com o meu chefe.

O namorado diz que estou a fazer uma tempestade em copo d´água e que todas as empresas fazem isso. Elas até podem fazer as aldrabices que quiserem, só não me metam no meio. Detesto injustiço e odeio pensar que alguém vai ver estas campanhas da treta, vai ficar interessado e vai gastar o dinheiro numa coisa que é, claramente, um embuste. Dor na consciência, é o que eu sinto.

Só para constar, das melhorzinhas posso citar a Lifecooler e a Goodlife. Todo o resto, esqueçam {e nisto incluo Groupon, Odisseias, Livoo, Letsbonus, Compra-Comigo e afins - tudo treta!}. Pronto, falei!

SHARE:

25 fevereiro 2013

Eu me meto em cada uma...

Ele: Vai ao teu facebook, enviei-te uma coisa.
Eu: Tá, espera... (no facebook, deparo-me com isto e isto) Aiii, M., não me pressiones. Deixa-me pensar, homem!
Ele: Mas o que ainda temos para pensar? Só de pensar em viver ao pé de todas aquelas praias quentinhas, das coxinhas com catupiry e do caldo de cana...
Eu: Ahahaha tens muita piada. Eu estou a pensar nas balas perdidas, nos assaltos à mão armada e no alto custo de vida.
Ele: Mas isto era há 10 anos, quando tu saíste de lá. Sabes bem que agora está seguro, vamos arriscar. Se não der certo, voltamos para cá.
Eu: Ai M., deixa-me pensar. Não comeces com muito entusiasmo porque eu nasci e cresci no Rio e sei que não é esse mar de rosas.
Ele: Okey, preferes viver cá, numa crise desgraçada, onde vês todos os teus colegas de curso a bazarem para os quatro cantos do mundo, onde nem sequer consegues trabalho na tua área e...
Eu: DEIXA-ME PENSAR!

Ai que caraças.
SHARE:

lanchinho de domingo: bruschettas!

Este fim-de-semana passei em casa do M. e como estávamos super ocupados a planear mil e uma coisas {este gajo já não se cala com a cena do Rio de Janeiro, vocês não imaginam... é planos em cima de planos, o que eu fui arrumar!}, quando a fome apertou lá fui eu desencantar alguma coisinha na cozinha.

Há uns dias tinha visto uma receitinha simples das famosas bruschettas italianas {petiscos à base de pão e azeite} e como tínhamos um saco cheio de carcaças que já estavam a ficar rijas, achei que era a altura ideal de testar a receita.

É muito simples: Basta cortar as carcaças ao meio {não podem estar moles/frescas - o pão tem que estar duro}, fazer uma pastinha de alho, azeite e sal e molhar o pão nessa pasta. Depois é só pôr queijo muzzarella {pode ser qualquer queijo, mas eu AMO muzzarella}, fiambre, uma rodela de tomate cortado fininho, salpicar oregãos e pôr no forno durante 15 minutos.

Ficam tipo umas mini pizzas, o pão fica estaladiço e saboroso e demos cabo das bruschettas num piscar de olhos. Fácil de fazer, barato e gostoso, o que querem mais? ;)

SHARE:

23 fevereiro 2013

momento: ódio do dia

Hoje de manhã ia a entrar no elevador do prédio quando vejo a vizinha com a filha pequena pela mão. Cumprimento-a e dirijo-me à menina:
- Então, Joana, estás boa? Nunca mais te vi...
- Oh, estou muito consti (espirro) pada.

Nisto a vizinha interrompe-a e diz: pois é, vou agora à farmácia com ela, comprar um antibiótico para ver se este bicharro desaparece.

Aiiiiiii
Ia me dando uma coisinha má. A humanidade já evoluiu tanto... como é possível que ainda exista gente que medica os filhos ao seu bel prazer e, pior, entope os miúdos de antiobióticos desnecessariamente? Antibiótico combate bactéria, não vírus. Constipações são originadas por vírus. Vá, vamos todos repetir tipo mantra: "não devo tomar antibióticos quando estiver constipado, não devo tomar antiobióticos quando estiver constipado, não devo tomar antibióticos quando estiver constipado." Arre!

P.S: E já nem falo no caso das bactérias que estão cada vez mais resistente aos antibióticos devido aos excessos dos mesmos. Enfim...

SHARE:

22 fevereiro 2013

Das boas descobertas: a moda infantil da Vertbaudet!

É sabido que tenho uma irmãzinha com síndrome de princesa. Adora tudo o que seja cor de rosa, tudo o que meta laços, folhos, rendas, vestidinhos e coisinhas girlie. O lado complicado é que ela está a crescer (oh, really?!) e já não é tão fácil encontrar este tipo de roupa para a idade dela, o que a deixa numa frustração sem tamanho.

Já está a vestir o 11-12 da Zara Kids e é sabido que as colecções mais fofas são feitas maioritariamente até os 7-8 anos. No outro dia fui com ela à H&M e foi o descalabro. Para a idade dela já não havia nada com laços e folhos e essa mariquice toda e a criatura recusou-se a experimentar a roupa. "Não gosto de nada, mana, vamos embora". Eu já a bufar por todos os lados, depois de correr meia loja com ela e... saímos de mãos a abanar. 

Por isso, dei pulinhos de alegria quando uma amiga (mãe de uma menina na idade da Vi) mandou-me o link da nova colecção da Vertbaudet pelo facebook. Ah, meus amigos, a colecção é de babar, a cara da Vi! E os tamanhos vão até os 12 anos, yey! Há t-shirt às bolinhas, vestidinhos, casacos com laços, tudo do mais feminino possível. E os preços não são nada por aí além (algumas peças são mais baratas do que nas lojas físicas).

Sentei-me com ela à frente do computador e lá fomos nós à caça. Gostas deste? e ela derretia-se: owwn, tão giro. Quero! e assim foi. Fizémos a encomenda e agora é só esperar que o carteiro nos bata à porta. Isto de ter uma princesa em casa requer toda uma (infinita) paciência...

SHARE:

20 fevereiro 2013

bye bye, anónimos

Depois de muito pensar, decidi proibir os comentários anónimos neste blog. Vocês sabem que eu sou completamente a favor da liberdade de expressão, detesto moderação nos comentários (gosto de comentar e ver o comentário ficar logo disponível) e acho que ninguém deve ser obrigado a ter uma conta do google para poder comentar os blogs que segue.

O problema é que, diariamente, tenho sido bombardeada de mails anónimos com spam. Muitos mails, minha gente. Muitos. Tipo, uns 40 por dia (não, não é exagero) e não tenho vida para andar sempre à caça desses comentários para apagá-los, marcá-los como spam, depois ir ao mail, apagar os mails derivados destes comentários... e no final lá perdi não sei quanto tempo a tratar do assunto.

Se fosse uma vez ou outra (como antigamente), até era menina para relevar e cagar no assunto. Mas todos os dias levar com tanto spam é de enlouquecer. Posto isto, peço desculpa a quem costuma comentar como anónimo, mas vai ter que ser. Houve quem me sugerisse pôr aquelas palavrinhas de verificação antes dos comentários mas aquilo é uma seca descomunal e eu (míope de nascença) tenho de andar ali a fazer refresh nas palavras para conseguir descodificar o enigma e conseguir comentar, logo, não desejo a ninguém tal martírio.

E para comprovar o que vos falo:

 Aiiiii vida!
SHARE:

19 fevereiro 2013

Dos abutres oportunistas

Vocês sabem que não sou pessoa de comer e calar, por isso, acho que é quase assim um dever moral contar-vos o que se passou comigo na semana passada. Decidi dar uma volta na arrecadação {vou ser sincera: a verdadeira intenção era encontrar um antigo álbum de fotos} e no meio da habitual bagunça, eis que encontrei a nossa máquina de filmar da Sony, uma compacta que filma em HD e é toda xpto. Mamãe ganhou-a de natal da empresa e só usou o raio da câmera em duas ocasiões. Diz que não tem paciência.

A câmera estava na caixa, completíssima e ainda com todas as películas originais. Perguntei então, sei lá, porque mamãe não vendia a câmera visto que está fechada na arrecadação há mais de um ano, só a perder valor de mercado {sou uma negociadora nata} e a ganhar pó. "Pois é, filha, então vende-a e aproveitas o dinheiro para comprares outra objectiva para a tua câmera" eu sei, a minha mãe é uma fofa.

Fui à net pesquisar onde poderia vender a câmera e descubro a tal da Cash Converters de Alfragide, uma loja que compra "tudo" e depois revende na loja ao lado. No sábado fui almoçar ao IKEA {almôndegas, almôndegas...} e passei pela Cash para vender a câmera.

Se calhar por nunca ter estado num sítio assim, para vender coisas usadas, fiquei completamente estupefacta pelo ambiente daquilo. Montes de pessoas, com todas as coisas que vocês possam imaginar: desde DVDs da época de D. João VI, até discos de vinil, máquinas de café, pulseiras da Pandora (!) e computadores. Ok, isso não seria de se espantar, afinal, é uma loja que compra coisas usadas.

O que, de facto, me chocou foi o ar de tristeza que aquelas pessoas carregavam. Como se fossem para a forca, arrastadas, cansadas, sem vontade nenhuma de estarem ali. Fiquei com o coração apertadinho, principalmente quando tirei a minha senha  {ainda faltavam três pessoas} e fiquei a observar como eram feitas as negociações.

Basicamente, mostras o que queres vender ao funcionário, ele leva o teu produto lá dentro para ser avaliado {cá para mim é mais para pesquisarem o valor de mercado nos sites de leilão}, voltam passado uns dez minutos e soltam a bomba: "Só podemos dar 10€, e mesmo assim já é muito porque o produto tem um risco imperceptível aqui ou a não tem garantia ou sei lá o quê!".

Pessoas, eu vi um portátil ser avaliado em 10€. Um portátil, que por mais velho e caquético que seja {atenção, estava a funcionar - eles só compram coisas que funcionem} recebeu um preço insultuoso. O mais triste não é o avaliador ter oferecido os 10€. O mais triste foi que o senhor, depois de muito pensar e de fazer uma chamada ao telefone, lá decidiu aceitar e vendeu o computador por míseros 10€.

O que é isto, minha gente? Que tipo de abutres são estas lojas que se aproveitam do desespero das pessoas para fazerem estes negócios da China? Fiquei em choque a olhar para a situação, depois vi uma senhora a juntar DVDs e livros antigos {que foram pagos a 0.30€} e dizer incessantemente: "veja lá o que pode fazer, preciso de cinco euros..."

A piada maior é que depois, se entrarmos na outra porta da loja {onde eles vendem aquilo que compram aos desesperados} vemos os mesmos artigos com preços super inflacionados, o que só prova que esta gente é da pior raça possível e mete lucros de 400% em cima das coisas.

Escusado será dizer que assim que olhou para a minha câmera, disparou um "ah, este modelo é bom mas já tem quase dois anos... vou ver o que posso fazer." Passado uns dez minutos volta e diz com cara de quem está a fazer-me um grande favor: Hoje está com sorte. Consegui que lhe pagassem 30€ pela máquina". 

Ahahaha. Amigo, 30€ por uma câmera de filmar em HD, da Sony, com caixa e película ainda colada ao écrã... só podes estar a brincar. Vai dar uma curva, pá! Agarrei na minha filmadora e rumei para casa, que eu de parva só tenho a cara.

É cruel, é abominável o que essas lojas andam a fazer em cima do sofrimento e da humilhação das pessoas. Devia haver uma lei qualquer que proibisse essas criaturas de tripudiarem em cima do desespero alheio. Caiu-me mal, senhores, tão mal...
SHARE:

happy bday, minha branquinha! ;)

Parabéns, meu doce! Desejo-te todas as coisas lindas deste mundo, tu sabes. És o meu bebé, mesmo que agora já te armes em pequena-adolescente.
Amo-te.
Desde que te vi naquela incubadora, toda vermelhinha e enrugada.
SHARE:

Ufa!

Depois de uns diazinhos de ausência {avisei-vos no facebook, lembram-se?}, conseguir dar um leve upgrade ao blog. Os mais atentos perceberão as subtis diferenças: a bonequinha do header está diferente, a área dos posts ficou maior, há agora a opção de "responder comentários" directamente por baixo dos vossos comentários e outras mariquices que eu sou gaja que gosta de tudo organizadinho.

Agora quero ver se termino de arrumar os posts por categorias {é uma canseira, mas depois torna-se super intuitivo} para facilitar o vosso trabalho quando procurem por um determinado assunto. E é isto, minha gente. Agora vou só ali encher a irmã mais fofa do mundo de beijinhos e desejar-lhe os parabéns em alto e bom som. ;)
SHARE:

14 fevereiro 2013

Aquele arrepio!

E depois de um desfile incrível, de um samba-enredo sensacional {ou não fosse o compositor o meu querido professor de História, André Diniz - salve o mestre!}, a campeã do Carnaval carioca foi a minha Vila Isabel! ;)

No ano passado por pouco não levámos o título de campeã mas este ano a coisa foi! Parabéns, Vila! Confesso que estou com um bocadinho de pena da minha avó, que mora em Vila Isabel e não consegue dormir com a barulheira que se ouve um pouco por todo o bairro mas... faz parte :P



SHARE:

12 fevereiro 2013

Pormenores de um pseudo feriado ❤

Dizem que não há amor como o primeiro... Acho que foi isso o que se passou com estas botas. Fiquei perdida de amores por elas e até hoje, quase 5 anos depois, continuam a ter um lugar cativo no meu coração. Adoro-as. Hoje fui almoçar com o M. num restaurante brasileiro {ele é perdido por um bom churrasco de picanha} e aproveitei para usá-las.

Já depois do almoço, na hora de pagar a conta, uma senhora veio até a nossa mesa com o multibanco e assim que olhou para as minhas pernas, exclamou: "qui botas lindas! desculpa a pergunta mas, são de onde?" e eu tive que rir. Porque aconteceu-me isso há precisamente cinco anos, no Colombo. Coincidências da vida...

P.S: Sim, tirei essa foto depois de chegar à casa e sim, ficaram sujinhas (chuva não combina com botas brancas em camurça). Esse é mesmo o único defeito que encontro nelas: ficam sujas com uma facilidade incrível...
SHARE:

Invenções incríveis {e utéis}:

Esses dias estava no Pinterest e deparei-me com estas incríveis invenções, do tipo: mas como não pensámos nisto antes? Pequenas coisas que nos facilitariam muito a vida no dia-a-dia. Idéias realmente originais e é claro que tive que partilhar com vocês. Ainda estou a suspirar pela almofada branca da imagem. A sério, só Deus sabe o quanto o M. sofre até que eu durma. Mando-me toda pra cima dele, é pernas, é braços, remexo-me até que encontro a posição e ele lá fica, a resmungar por eu ser eléctrica até na hora de deitar... Adoro dormir cercada de almofadas (durmo com cinco!), por isso preciso mesmo saber onde posso encontrar (ou, quem sabe, mandar fazer?) a almofada perfeita da imagem. Amei!

Mas sem dúvida, a invenção mais deliciosa é mesmo esta, o famoso Tacos Sleeper! Quero para ontem! Imaginem a delícia que não deve ser dormir abraçadinha com o nosso amor, num ninho desses? Era menina para não sair mais de dentro deste wrap gigante ;)

Alguém sabe onde vende? Ebay?

SHARE:

Tão verdade...


SHARE:

11 fevereiro 2013

As saudades que eu tenho do verão e das férias grandes!

Sou só eu ou vocês também já contam os dias para a chegada do verão? Eu sei que ainda falta um bocadinho mas hoje ao remexer nas fotografias do verão passado {isto de ter um fds prolongado tem muito que se diga) e... morri de saudades. Do tempo sempre disponível, de não ter horários para nada, de estar 24h agarrada aos meus amores, de poder fazer montes de programas giros com eles...

Saudades do nosso sítio, na Praia da Rocha, onde fazemos férias há mais de sete anos. Sempre no mesmo sítio, a dez passos da praia. E se é verdade que também gosto de viajar para outros sítios no verão {Espanha e Itália encabeçam a lista}, também é verdade que, pelo menos uma semaninha tenho que passar no meu sítio. Com eles.

Dá-me praia, calor, Vivi, Pê. e mamãe por perto... e sou pessoa para fica assim pra lá de satisfeita. Pronto, se o M. também fizer parte do pacote, sou ainda mais feliz [vá, amor, não fiques com ciúmes...]. Modestia à parte, somos uma família unida como poucas. E eu adoro que sejamos assim! ;)

Agora vou só ali dormitar um bocadinho porque a festa de ontem foi qualquer coisa! Estive on fire até as 5h da manhã, logo, hoje só quero ronha, filmes e chamego com o meu amor. Pelo meio ainda quero assistir ao desfile das escolas de samba cariocas (sim, que eu torço sempre pela minha amada Vila Isabel) e aproveitar para descansar .

SHARE:

09 fevereiro 2013

E hoje foi dia de...

... (re)fazer o alisamento Purah (fiquei fã) depois de 4 meses. Já sentia o cabelo com jeitos, a raiz já não combinava com o resto (raiz ondulada e resto do cabelo liso = uma maravilha... not!) e lá fui eu atrás de um salão de confiança e que não me arrancasse o pêlo em termos de preços. Sim, que o salão onde fiz o alisamento pela primeira vez simplesmente... fechou. Não sei o motivo, não sei se mudaram para outro sítio, só sei que cheguei lá e dei com a porta fechada e o espaço vazio.

Nessas horas agradeço o facto de ser brasileira (e de, obviamente, conhecer montes de brasucas) e lá lancei o apelo no meu facebook pessoal. "Será que alguém conhece uma cabeleireira daquelas mesmo boas e de preferência, especializada em alisamentos?" e foi assim que descobri uma senhora brasileira que trabalha para um conhecido salão e que, por estar de baixa de parto, está a atender provisoriamente em casa (e a fazer mais uns trocos, que a vida não está fácil).

É óbvio que liguei para o salão e fingi-me de morta, a dizer que queria marcar com a fulana de tal. Responderam-me que ela estava de baixa de parto e só retornava em Abril. Na mosca! Liguei então para a senhora, ela veio cá em casa, trouxe os produtos todos e o assunto ficou arrumado. Ah, e levou menos 40€ do que se fosse no salão (e ainda trouxe uma bebé linda e cheirosa para eu ficar a babar, oh céus!)


Escusado será dizer que tivémos que fazer o trabalho no terraço porque ficou um cheiro tenebroso pela casa, a Vi (que é alérgica a qualquer nano-partícula) desatou a espirrar em modo non-stop e lá fui eu a correr para o exterior, com metade do cabelo liso e a outra metade carapinha, ao melhor estilo Adamastor Pitaco. Enfim...

Gostei ainda mais deste resultado, o cabelo parece um veludo e está com um brilho incrível. A cabeleireira disse-me que progressivamente, com os tratamentos, a tendência é conseguir um cabelo cada vez mais liso e com resultados mais duradouros. Agora é aturar o M. a chamar-me Pocahontas (e eu nem sequer arranjei a tal fantasia de índia...) e a dizer que não percebe essa maluquice de querer um cabelo escorrido feito esparguete quando o meu ao natural é muito mais giro. Se ele soubesse o trabalhão que dá manter um cabelo encaracolado saudável...

Agora vou só ali desencantar um qualquer fato maluco - já que não achei nada de jeito -  e aproveitar o Carnaval. Uma amiga emprestou-me uma espanhola-meio-piriguete mas o M. rosna só de olhar para a fantasia, de maneira que não sei o que fazer... A ver se conseguimos chegar a um consenso.
Aproveitem o carnaval, pessoas! ;)

SHARE:

Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura...

Contei-vos que apesar de manter este blog há quase dois anos, só o revelei ao meu namorado há poucos meses. Foi nesta altura em que alterei o layout do blog (o M. fez tudo de raiz e nem piou - é um amor esse moço) e desde então que ele me chateava com o assunto do tal do Adsense.

O meu homem é engenheiro informático (da tribo "cromo-mais-cromo-não-há") e acha que tudo pode ser optimizado, melhorado, alterado para a versão xpto não sei quantas. É uma canseira, minha gente.

No início da semana comentei com ele que o blog tinha ultrapassado as 350.000 visualizações de páginas e que eu jamais pensei que houvesse tanta gente interessada em ler estas palermices que eu escrevo. Na verdade, a minha maior motivação ao criar este blog era ter, pura e simplesmente, um sítio para desanuviar, arrumar os pensamentos e poder escrever sem fronteiras (por isso, nos primeiros meses o blog era privado - só eu lia, assim numa espécie de diário).

Tudo isto para dizer que, de tanto o M. falar no assunto, decidi dar uma chance ao Google Adsense, para ver no que a coisa dá. Sou naba nessas coisas (esta semana é que criei o Google Analytics para o blog, vejam lá) e foi tudo obra do senhor meu namorado. Já lhe disse que vou experimentar o Adsense durante uns (até porque não faço a mínima idéia de como se cria blocos de anúncios e afins) para ver como funcionada a coisa. Posto isso, bloggers do meu coração, costumam usar o Adsense? As coisas correm bem? Vale a pena ter esta publicidade no blog? Vá, contem-me tudo!

SHARE:

07 fevereiro 2013

Os saldos da Parfois!

É verdade que fui muito contida nestes saldos. Pouco a pouco tenho conseguido mudar a minha ânsia de comprar e comprar (shopaholic em rehab) e antes de comprar penso mil vezes se efectivamente preciso daquilo, se vou usar no próximo ano, se me fica bem, and so on.

Mas uma pessoa também não é de ferro (ainda por cima se estiver acompanhada de outra maluquinha por compras) e se há uma loja pela qual sou perdida de amores, esta loja é a Parfois (sou a louca das malas, relevem). Adoro as malas da Parfois (as minhas duram anos e anos) e não resisti quando entrei no Strada Outlet (o antigo Odivelas Parque) e encontrei uma Parfois com preços incríveis e, bom, vim de lá com três malas de enfiada. Mas são liiindas e não me deram cabo do orçamento ;)
Quando vi o formato dessa mala, fiquei logo de olho. Andava há algum tempo à procura de uma mala assim, com linhas simples, numa cor básica e com alça média. Adoro o material, rijo e encorpado. Acho que ela será perfeita para a próxima estação. Infelizmente este modelo não estava em saldos {eu bem digo: sempre que vou aos saldos, acabo por trazer quase tudo da nova colecção, pufff} mas achei que 24.95€ era um preço justo, tendo em visto que pretendo usá-la até a exaustão.

Esta sai um bocadinho da minha zona de conforto mas apaixonei-me pelos padrões geométricos e pelos tons. O formato da mala também é diferente do que habitualmente compro {sou fã de malas grandes e confortáveis e esta é mais à madame} mas adorei-a para compor uns looks mais sérios. Esta sim, estava em saldos pela metade do preço (yey!).

Ah, gente, não me julguem maluquinha por ter comprado uma mala cheia de... penas coloridas?! A verdade é que eu adorei, adorei esta mala. Era a última e agarrei-me logo à ela. Achei o modelo super diferente, a cara do outono/inverno e as penas são em camurça, nessas cores outonais. Não tinha como não me apaixonar. Depois, quando olhei a etiqueta e vi que ela custava só 4.99€ {tipo...wow} não tive mesmo dúvidas. Devo ser a única pessoa a comprar uma mala tão esquisita {palavras de mamãe} mas já estou aqui a imaginar mil e uma combinações para básicas em que ela seja o destaque (tipo um camiseiro comprido com umas botas castanhas até o joelho), quando usar mostro-vos. E eu que julgava que malas a 5€ só nos chineses... thanks, Parfois!

SHARE:

E enquanto isso o Carnaval come solto no Rio...

Acabei de receber esta fotografia e estou a modos que deliciada. O primeiro carnaval do meu priminho Haroun {a minha família paterna é árabe, lembram-se?} está a ser inesquecível. E eu era capaz de dar um dedinho para estar por perto...

SHARE:

06 fevereiro 2013

Como fazer o meu namorado ficar virado do avesso:

Basta perguntar-lhe, em tom de cusquice: Ah, a tua namorada é brasileira? Então conta lá... como é namorar uma brasuca? É mesmo verdade que...

É coisinha para deixar o meu homem com sangue nos olhos e vontade de pular no pescoço da criatura que faz tal pergunta. Já presenciei a cena duas ou três vezes {enquanto pensavam que eu não estava a ouvir} e digo-vos: não foi bonito.

O M., que é branquinho como um papel, fica logo todo corado e dispara uma catrafada de palavras que não convém repetir. Da última vez ia lhe rebentando uma veia do pescoço. Fica furioso por esse estigma maldito que cerca as brasileiras na Europa. Eu? Eu já nem ligo.

Antes ficava irritada, queria a todo custo que me enxergassem por aquilo que eu sou e que não me julgassem pelas outras... cheguei ao cúmulo de ter um ataque de choro dentro do comboio, uma vez que um gajo apalpou-me e eu perguntei-lhe se ele era louco. Ao que ele me respondeu: não finjas que não gostas, puta. 

Escusado será dizer que sai na estação a seguir, a tremer por todos os lados e a chorar baba e ranho... Lembro-me de chegar em casa e repetir vezes sem conta: quero ir para casa, quero voltar pro Rio, não fico mais nesse lugar... {que, ironia das ironias, também é o meu lugar}.

Depois de quase oito anos a conviver com situações chatas, eu só poderia ser muito estúpida {ou masoquista} para dar importância e continuar incomodada. Agora simplesmente ignoro. É para o lado que durmo melhor, sinceramente. O assunto passou a não me incomodar porque depois de um certo tempo, nós descobrimos quem somos de verdade. Sabemos o nosso valor. E eu sei o meu.

É verdade que há putas brasileiras que enxergam Portugal como uma mina de ouro e vêm para cá vender o corpo? É, sim senhor. É verdade que há brasileiras que aceitam ser amantes de homens casados em troca de dinheiro? É, sim. Mas isso é com elas.

Eu sei quem sou. E isso me basta.


Por isso, amor da minha vida, eu sei que adoras armar-te em cavaleiro andante que salva a sua princesa mas... não é preciso, tá? ;)

SHARE:

A minha outra metade:

A semana passada foi uma delícia, é verdade. E porquê? Porque tive comigo a minha melhor amiga {que veio dos EUA para o baptizado do afilhado} durante sete dias inteirinhos e defitivamente, as coisas com ela têm outro sabor. Tenho muitas amigas por cá, mas a Bia é assim uma irmã de alma, sabem? Alguém que sabe todos os meus podres e mesmo assim diz que eu sou a pessoa mais adorável desse mundo. Alguém que tem o à vontade suficiente para me chamar idiota e me mandar meia dúzia de verdades à cara, quando é preciso. Alguém que, mesmo com milhares de quilómetros de distância, está sempre a um passo de mim {não sei como o meu whatsapp não explode, de tanto que falamos através dele}.

Poucas pessoas conseguem ter essa sintonia comigo, razão pela qual ela já entrou na minha lista de pessoas-essenciais e, mesmo sem eu convidar, se auto-intitulou minha madrinha de casamento {reparem: nem noiva eu estou ainda}, portanto, cheira-me que vou aturá-la por uns longos anos. Amo essa branquinha como se ama a um irmão. E já estou aqui cheia de saudades dela, que ainda agora foi para o aeroporto. Bolas...
SHARE:

05 fevereiro 2013

Do meu lado foliã

Nesta semana acontece o Baile de Carnaval da minha universidade e não sendo propriamente fã de Carnaval {juro-vos}, tenho uma reputação a zelar, afinal, sou a única carioca da minha universidade e tradições são tradições.

O drama é que: não sei que fantasia levar! Neste cinco anos de universidade já fui de: enfermeira, boneca Emília, Jasmine do Aladdin e Cleópatra {baldei-me um ano, quando fui passar o Carnaval em Itália}.

Este ano não sei, estou tão sem inspiração... Gostava mesmo era de ir de índia {ainda para mais agora estou com o cabelo preto azulado} mas todos os fatos que vejo são fuleiros de dar dó. Queria algo alegre, assim a atirar para o Pocahontas, com direito a tintura na cara e todas essas essas coisinhas. A ver se dou umas voltas pelas lojinhas aqui ao pé e desencanto alguma coisa de jeito...


Para ser sincera, carnaval para mim só faz sentido se for no Rio. Está calor, há uma animação sem fim, as ruas tornam-se um arco-íris com serpentinas e confetes pelo chão... Carnaval na Europa não é a mesma coisa, Fevereiro é um mês frio e ninguém merece ter que festejar em meio ao briol. Mas pronto, lá fazemos um esforço porque ficar em casa também não está com nada.

SHARE:

02 fevereiro 2013

Frase do dia #30

Não vale a pena complicar. Ser grosseira. Bater a cabeça na parede. Brigar com o marido/namorado. Invejar quem tem mais. Comer feito uma louca. Inventar rancores. Acumular trapos. Não vale, minha gente. A vida é tão maior que isso...

SHARE:

01 fevereiro 2013

Liebster Award

Fui nomeada pela Mariazinha do blog A Prima de Cascais (obrigada!) que me atribuiu o prémio Liebster Award. O prémio teve origem na Alemanha e tem como objectivo divulgar blogs com menos de 200 seguidores (acho que infringi um bocadinho as regras porque já tenho mais de 300 seguidores mas pareceu-me boa idéia participar). Normalmente recebo desafios pela blogosfera mas não costumo responder por dois motivos: falta de tempo e pouca paciência para responder selinhos e coisas do tipo (a maioria é mais do mesmo, sorry).

Já este achei bastante interessante porque dá-nos a conhecer um bocadinho mais sobre quem está por detrás dos blogs (a minha veia cusca adora) e é uma forma gira de pôr-nos a interagir uns com os outros. Bora lá?

1) Postar 11 coisas sobre mim;
2) Responder às 11 perguntas que nos foram atribuídas;
3) Nomear 11 bloggers com 200 ou menos seguidores, colocar o link do blog delas e avisá-las sobre o prémio;
4) Fazer novas 11 perguntas às bloggers nomeadas;

1) 11 coisas sobre mim:

1- Adoro cheiro de pinho, principalmente em produtos de limpeza. Adoro o frescor que fica na casa.
2- Odeio conduzir em Lisboa (então na rotunda do Marquês de Pombal, é coisa para me dar calafrios).
3- Tenho medo da morte me levar as pessoas que amo. (medo é assim um pequeno eufemismo...)
4- Há mais de seis meses que não falo com o meu pai. E não tenciono voltar a falar.
5- Adoro dormir entrelaçada ao meu amor. É braços, é pernas, é tudo... Sinto-me no paraíso.
6- Quando andava em colégios católicos, dizia às freiras que era macumbeira só para não ser obrigada a frequentar as missas.
7- Tenho medo de andar de avião e só consigo voar com a ajuda de um medicamento para relaxar.
8- Tenho pânico absoluto de baratas voadoras (tipicamente cariocas). Grito e esperneio feito louca.
9- Cá em casa já chegámos a ter três empregadas (duas externas, uma interna) ao mesmo tempo (daquelas que usam farda e tudo): uma cozinheira, uma ama para a Vi e a faxineira (a realidade no Rio de Janeiro é outra, senhores).
10- Não sei fazer arroz. É uma vergonha, eu sei. Em contrapartida, as minhas massas ficam deliciosas ;)
11- Odeio matemática, estatística e tudo o que meta números à frente. Sou um zero à esquerda, mesmo.

2) Responder às 11 perguntas que nos foram atribuídas:

1- Qual a origem do nome do teu blog? O nome do blog mistura várias coisas que adoro: Ipanema (um bairro onde passei parte da infância), a célebre música de Jobim (que tanto me diz), a palavra "garota" (tipicamente carioca)... Não poderia ter escolhido melhor ;)

2- O teu blog é uma parte de ti que todos conhecem ou preferes mantê-lo em segredo e só pessoas especiais é que sabem da existência dele? O blog já foi um grande segredo mas neste momento as pessoas mais próximas a mim (família, namorado, alguns amigos) já sabem que ele existe. Prefiro que poucas pessoas conheçam o blog porque desta forma sinto-me muito mais à vontade para comentar qualquer coisa que me venha à mente, sem ter que justificar nada depois.

3- Qual o teu lugar preferido para pensar? A minha cama e o terraço.

4- Existe alguma música que para ti seja mesmo especial? Sou fã da música "O que é, o que é?" do Gonzaguinha (esta). Faço dela o meu lema de vida. Adoro a letra, tão verdadeira...

5- Um filme que te tenha marcado? The bridges of Madison County. Esse filme marcou a minha vida, numa fase crucial em que eu tinha uma decisão importante a tomar. É o meu preferido, principalmente pela grande mensagem: amanhã pode ser tarde demais.

6- Tens alguma mania estranha ou algo que faças que acredites que sejas a única a fazer? Adoro comer cenoura crua. Toda a gente que conheço prefere cenoura cozida mas se for cozida não consigo comer, o gosto é adocicado demais. Agarro na cenoura, tiro a casca e como-a inteirinha, tipo coelho. O meu namorado fica horrorizado quando eu levo uma cenoura inteira descascada para lanchar a meio da manhã. Manias...

7- Coleccionas alguma coisa? Vernizes, sem dúvida. Adoro os vidrinhos coloridos, adoro andar sempre com unhas impecáveis e a colecção começou sem querer. Hoje já tenho muuuitos vernizes e já não compro até que tenha acabado pelo menos com metade deles.

8- Qual a memória mais velha da qual te lembras? Eu a brincar de fazer comidinha na casa da minha avó paterna, no interior do Rio de Janeiro. Ai que saudade!

9- Ainda guardas algum objecto da tua infância? Um lençol feito à mão e na medida certa do meu berço. O desenho é tão lindo que eu tive que guardar.

10- Qual o teu maior sonho? Abrir a minha empresa. Tenho este sonho há três anos, já tenho tudo feito: logotipo, site esboçado, montes de idéias e uma única certeza: um dia conseguirei.

11- Conta algo divertido que te aconteceu recentemente: Na verdade, aconteceu ontem. Decidi acabar com a preguiça e cismei que tinha que ir correr à praia. Mamãe riu às gargalhadas, o mano disse que eu não aguentaria correr nem 1km porque nunca na vida corri. Mas estava decidida e lá fui a correr de casa até a praia de Carcavelos (nem 5 min) e mal cheguei a praia, tive que sentar-me porque toda eu tremia, respirava mal e sentia o coração bater no pescoço. Não tive escolha que não ligar ao mano e pedir-lhe para me ir buscar de carro na praia (ahahaha). Para acabar com a tristeza, parámos na Galp e enfardei um Magnum Double Caramel. Não tenho emenda, eu sei.

3) Nomear 11 bloggers com 200 ou menos seguidores, colocar o link dos blogs e avisar as autoras. Bom, como eu acho que a maioria das bloggers que sigo não gosta assim muito destes desafios, deixo em aberto à quem quiser participar, este vale mesmo a pena ;)

4) Fazer novas 11 perguntas às bloggers nomedas. Gostei muito das perguntas que me fizeram e por isso repito-as.

E então, quem vai alinhar? Vá lá, minha gente. Toca a mexer que é para nos conhecermos um bocadinho melhor, não vos parece boa idéia? ;)

SHARE:
© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig