10 maio 2013

Uma questão de escolha?

Há determinados assuntos que, por mais que falemos sobre ele, sempre vão continuar como uma espécie de tabu. Um dos assuntos que mais mexe comigo é quando perguntam-me sobre filhos e, invariavelmente, surge o temido assunto: a cesariana. Sim, quero ter os meus filhos de cesariana. E não, nada me fará mudar de idéias sobre isso.

Por isso, fiquei particularmente contente quando assisti a esse vídeo (a partir dos 20´) e descobri que afinal não sou a única ave-rara egoísta e com a mania que é fina (como costumam dizer as defensoras do parto normal) e que, se procurarmos bem, até existem vários motivos para uma pessoa optar por ter uma cesariana.

Não quero ferir susceptibilidades mas assim de repente consigo enumerar vários motivos para esta decisão: não confio em hospitais públicos (então agora com os cortes [€] abismais, é coisinha para me pôr logo com os cabelos em pé), tenho pa-vor de sentir dores e sou uma mariquinhas em relação à isso, detesto ser pega de surpresa (do tipo: as águas rebentaram, vai ser agora! - isso não funciona comigo, entraria em pânico), quero que o M. assista ao parto e quero poder filmar&fotografar à vontade (os hospitais públicos não permitem), acho sempre que o bebé está mais protegido numa cesariana (não há problemas com más posições, cordões enrolados ao pescoço e pouco oxigênio) e poderia ficar aqui o dia todo a discutir o assunto...

É que nem sequer me passa pela cabeça ter um filho de parto normal. A minha mãe teve os três filhos de cesariana e pude acompanhar o parto da Vi de pertinho, por isso afirmo: quero igualzinho no meu. Zero contracções, zero dores. Em menos de uma hora a nossa bonequinha já estava cá fora. A cicatriz é algo imperceptível, uma linha fininha que mal se nota e a recuperação foi óptima e correu tudo às mil maravilhas.

Só de imaginar que posso andar horas a fio a perambular por um corredor de hospital enquanto decidem se tenho ou não dilatação para o bebé nascer, dá-me arrepios. Pareço ser uma pessoa calma mas em situações graves, fico em pânico e o mais provável era desatar aos gritos e pedir que me enfiassem num avião da TAP com destino ao Rio para ter o filho na Perinatal. E depois, moça prevenida que sou, quando optei por fazer um seguro de saúde, fiz questão de escolher um que englobassem as cesarianas no privado. É um tipo de questão fundamental para mim e, se não tivesse condições de fazer uma cesariana, era capaz de recapitular sobre ter ou não filhos (e olha que sou apaixonada por crianças...)

Irrita-me sobremaneira ver tanta gente a criticar a cesariana sem conhecer o procedimento a fundo, sem saber quais são os motivos que levam uma pessoa a optar por essa cirurgia... Admiro quem consegue ficar tranquila e impávida perante tantas incertezas num momento tão delicado como um parto: será que nasce hoje ou amanhã? E será que vai precisar de puxar o bebé com ferros? E a dilatação? E se tenho que ir às pressas fazer uma cesária? E se o cordão umbilical está enrolado ao pescoço? E se... São demasiados "ses" para uma pessoa medrosa como eu. Prefiro jogar pelo seguro e ter o mínimo controlo sobre a situação. Mas isso sou eu.
SHARE:

13 comentários

  1. Olá :) bem, este tema é complexo mas há que respeitar ambas as opiniões, no meu caso acho que vai ser mesmo ao natural...mas cada um é como cada qual! só quero dizer que temos um sistema público de saúde muito bom, dos melhores a nível mundial ao contrário do que a maioria das pessoas pensa...mas pode ser que um dia dêem valor...bjs*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é esse Sistema de Saúde sólido e bom que querem arrebentar e destruir!

      Caracóis Indomáveis

      Eliminar
    2. @mrfashionmood: Respeito ambas as opiniões mas no meu caso, optarei pela cesariana por todos os factores mencionados no post e mais alguns. Acredito que o sistema de saúde público cumpra a sua função mas depois de ouvir tantos relatos de atendimentos mal sucedidos (ou mesmo erros médicos) fiquei um bocado desconfiada. Também é verdade que há mais de 5 anos que não piso num hospital público e as coisas podem ter melhorado de lá para cá. Mas enquanto puder escolher, opto por um privado, pelo simples facto de sentir uma segurança maior.

      Eliminar
    3. Claro que temos um sistema de saúde excelente, na vanguarda em tantas áreas. Claro também que os cortes de que este está a ser alvo o vão prejudicar e fazer com que situações más acontecem. Os médicos que trabalham no privado, onde se formaram? No público. Para onde é que os hospitais privados enviam os doentes quando as coisas correm mal e não conseguem dar conta do recado? Para o público. Onde é que são tratadas uma série de doenças e problemas que ficam demasiado caras ao privado manter? No público.

      O privado funciona neste tipo de casos: cesariana marcada para a hora X, procedimento normal e comum igual a 12471290 outros que já fizeram, rápido e sem complexidades. Põem a grávida num quarto xpto, deixam entrar as famílias, fotos, etc e depois vem a faturinha para a recente mamã, ou para o seguro, pagar. Sendo que o público não se rege por estes critéros, as condições serão diferentes, mas em termos de atendimento médico sem dúvida alguma que o dos hospitais públicos é top e muito mais reconhecido que o dos privados.

      Eliminar
  2. olá... desculpa estar a intrometer-me, mas tendo em conta que percebo do assunto, acho que vale a pena...
    pagando privado (em portugal) pode-se ser ter essa opção, se não não.
    realmente não se pode então prever (mesmo sendo indução, pode só nascer nos dias a seguir) mas nesta vida pouco se pode prever, e quando se tem filhos então ainda menos.
    até porque podes ter contracções e pode-se romper a bolsa à mesma!

    em relação às dores, a cesariana é mais dolorosa (em modos gerais) que um parto vaginal. é um cirurgia, major, abdominal! tem muito mais dores a seguir que o parto vaginal... e pessoas que já tenham tido os dois podem confirmar!!

    em portugal, os públicos são (ainda?) mais seguros que os privados, em obstetrícia. quando há alguma complicação, quem é que achas que resolve? ah pois! até porque a maioria dos privados não tem as condições de neonatologia que os publicos têm. numa gravidez, parto e recém nascido normais tudo correrá bem, o problema é quando há complicações... em termos que condições físicas, aí sim, o privado ganha largamente.

    e há muuuuuitos estudos, todos a confirmar a mesma coisa: os bebés nascidos de cesariana têm mais problemas e mais estadias nos cuidados neonatais que os de partos vaginais. sim, mesmo com todos os eventuais problemas de um parto vaginal, é verdade! e mesmo em cesarianas electivas (ou seja, aquelas que são programadas). isto porque a natureza sabe o que faz... durante o parto, as hormonas que se vão libertando, actuam também no bebe, de modo a prepara-lo para a vida cá fora! ;) além de que a cesariana também é muito mais perigosa para a mãe.

    posto isto, diria que cada pessoa tem direito a escolher, se tal fosse legamente possível em portugal. continuas a ter direito a tua opinião - agora mais esclarecida, espero!

    e ah, no meu hospital os pais só não assistem às cesarianas (mas isso também nem todos os publicos permitem). de resto assistem sempre que querem, com fotos À vontade!
    e assegura-se que além da cesariana também está incluido no seguro a estadia na neonatologia do bebe... a maioira das vezes os pais são apanhados de surpresa, e arriscam-se a pagar milhares de euros ou a ser transferidos para o publico!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo com o Anónimo das 22:07 em relação aos hospitais públicos. Tenho uma amiga que o 2º parto deu para o torto e para onde é que foi levada? Hospital Público sim.

      Caracóis Indomáveis

      Eliminar
    2. Olá! Tens razão quando dizes que neste vida pouco podemos prever e é justamente por isso que prefiro ter o mínimo controlo sobre essa situação. É verdade, posso ter contracções e a bolsa romper mesmo já tendo agendado a data da cesariana, são imprevistos que acontecem.

      Obviamente que a cesariana é dolorosa, mas daí a ser mais dolorosa que um parto normal, não creio. Até porque já falei com pessoas que tiveram os dois tipos de parto e as opiniões foram unânimes: todas preferiam a cesariana.

      Em relação ao hospital público ser mais seguro que o privado, discordo. Até porque, muitos médicos (como a minha ginecologista, por exemplo), trabalham nos dois sítios, logo, aí tens a resposta. Se o mesmo profissional trabalha tanto no privado como no público, a qualidade do serviço não pode andar assim tão diferente, certo?

      Eu e os meus dois irmãos nascemos de cesariana e conto nos dedos as vezes em que tivémos problemas de saúde. Para ser sincera, em toda a minha vida só fiquei internada uma vez. Apanho uma gripe hoje, amanhã estou curada. Não vejo em que posso ter sido "prejudicada" por ter nascido de cesariana, mas enfim...

      Este é o tipo de assunto que nem vale a pena discutir porque já tenho essa decisão tomada há muito tempo, toda a minha família me dá apoio (até porque, há uns 30 anos que todos os bebés da minha família nascem por cesariana marcada) e o meu namorado também está de acordo. Acredito que cada um deve pensar no que é melhor para a sua situação. Eu sei que não teria paz se escolhesse ter um filho de parto normal mas é como eu disse, isso sou eu ;)

      Obrigada pela comentário :**

      Eliminar
    3. Há imensa gente que entre os dois prefere o vaginal. Claro que em ambos os casos dependerá do tipo de parto, claro. No entanto garanto-te que a recuperação da cesariana é muito mais dolorosa.

      Podes discordar, mas os factos são esses. Precisamente se trabalham nos dois sitios, porque hão-de ser os privados mais seguros? Os públicos têm habitualmente mais staff que pode ajudar em casos de complicações, e as unidades de neonatologia, como referi, são muito melhores no público. A qualidade do serviço é diferente por causa disso, no privado habitualmente não há dinheiro (porque não há tantos partos e pessoas) para ter os mesmos serviços, o mesmo número de anestesistas, internistas, etc. Há vários números publicados anualmente a atestar o que eu digo. O que não quer dizer que se for uma gravidez de baixo risco,em que tudo corra bem e o parto também, o privado não seja perfeitamente seguro, hein!

      Os problemas são habitualmente neonatais. Uma vez mais, há milhares de estudos internacionais a provar o que eu digo. Não quer dizer que todas as crianças nascidas de cesariana tenham problemas! Mas que têm mais complicações respiratórias e admissões nos cuidados intensivos neonatais, têm.

      Não se trata de discutir, como disse tens direito à tua opinião! É só porque algumas das coisas que disseste não eram as mais correctas, e sendo que puseste o post no blog era só para partilhar algumas ideias, na esperança que pudesses ter uma opinião mais elucidada. Não estou a dizer para mudares de ideias! :)

      Eliminar
    4. Olá! Quanto ao tipo de parto, tens todo o direito à tua opinião. Só não consigo concordar com o que dizes em relação ao sistema público de saúde. Desculpa, mas parece-me uma opinião pouco fundamentada. Parece que só interessa o conforto, quando, numa situação de saúde, este factor não deve ser o primordial. É verdade que na maioria das vezes os partos, sejam normais ou cesariana, correm bem e não há complicações, mas e quando não correm? Tens todo o direito de optar por um hospital privado (seja para partos ou para qualquer outra coisa), mas certifica-te que existe uma unidade de neonatologia devidamente equipada e com equipas especializadas permanentes e, outra coisa importante mas que parece que ninguém se lembra, certifica-te que o hospital em questão tem banco de sangue. A maioria dos privados não tem nenhum destes serviços e o que interessa um quarto muito bonito quando o sistema de emergência não existe? Continuo a afirmar que cada um tem direito à sua opinião e direito de escolha, só acho que deve ser uma escolha informada. Beijinhos!

      Eliminar
  3. O que importa é que corra tudo bem, com mãe e filhote:))

    ResponderEliminar
  4. Querida Garota,

    As verdades absolutas e as certezas mudam, um bocadinho, quando estiveres mesmo grávida. Vai por mim, que já tive o mesmo discurso que tens neste post. ;)

    Tive uma gravidez que não chegou a termo anteriormente e fui seguida na CUF e- afianço-te- a qualidade do serviço ficou a milhas do Hospital de Cascais, onde veio a nascer a Ana e onde fui seguida sete meses de uma gravidez de alto risco.

    E tive cesariana programada. E se bem que as dores de parto natural são maiores que nos deitarmos e sermos "operadas" (da primeira vez tive contrações e- sim!- é a maior foda do Mundo!), afianço-te que a recuperação é mil vezes mais dolorosa.

    Respeito tudo o que dizes e quem decide sobre as tuas escolhas és tu mas quero-te dizer que não algumas das verdades que crês como absolutas, não o são.

    Um beijinho,

    PN

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig