03 julho 2013

Estou a dar em doida*

Estamos a meio de um processo de recrutamento cá na empresa. Com duas funcionárias de férias, é óbvio que o meu trabalho ficou sobrecarregado e hoje pediram-me para fazer a triagem dos currículos e ligar para as melhores candidatas a fim de marcar entrevista.
Beeem, o que dizer?

Nos primeiros cinco minutos, mal abri a caixa de mails do recrutamento, pensei que estava nos apanhados. Minha gente, o que era aquilo? Coisas horríveis, do tipo:

- Erros ortográficos de bradar aos céus;
- Fotografias ri-dí-cu-las, desde as poses até as clássicas fotos de casamento/baptizado/evento qualquer com o cabelo cheio de laca ou, imagine-se, fotos de uma senhora sentadinha na areia em... biquíni!
- Quando, finalmente, encontro um currículo daqueles bons e penso: ena! temos candidata, resolvo ligar e... atende-me o marido/namorado/peguete todo desconfiado: "quem fala?", "mas quer falar com a fulana de tal porque?", "mas fala de que empresa?" e raios me partam, não tenho paciência para estas mariquices.
- No anúncio realçamos que estamos à procura de pessoas do sexo feminino. E eu recebo pra cima de 20 currículos de gajos. Enfim... Devem ter todos a mania que são parentes do José Castelo Branco, só pode.
- A empresa em questão fica no Estoril. Recebo currículos de Leiria, Porto de Mós e Benavente. O que vão receber não vai chegar nem para a gasolina mas pronto, há maluquinhos para tudo nesta vida.
- No perfil do candidato pede-se: "Domínio da Língua Inglesa e Viatura própria". Respondem pessoas que nem carta de condução possuem.

E a carrada de gente com apenas o 9º ano que responde? E as senhoras com mais de 55 anos, quando no anúncio diz especificamente que o limite de idade é de 35? Não percebo! É que para além de perderem o tempo deles a enviar um currículo que vai imediatamente para o caixote de lixo, ainda me fazem perder o meu a abrir anexos e ler currículos que não servem para o posto em questão.

Posso estar a ser dura mas, minha gente, a coisa é de cortar os pulsos! Só desejo que as férias das minhas colegas terminem bem rápido que isto de estar a recrutar pessoas e analisar currículos requer toooda uma paciência. Que eu, obviamente, não tenho.

*quando eu começar a balançar-me de um lado para o outro e a babar-me toda, não fiquem assustados. 
SHARE:

19 comentários

  1. Sei bem o que dizes. Passei pelo mesmo este ano. Vi cada coisa que não acreditei. Ate pessoas de Angola mandaram currículos. Demais xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, há com cada uma... O pessoal dos recursos humanos apanha com cada um que, sinceramente, não gostava de estar na pele deles (mas infelizmente estou - ao menos nos próximos dias)
      =S

      Eliminar
  2. Algumas dessas pessoas que enviam CV de Freixo de Espada à Cinta, com mais de 35 anos ou do sexo masculino devem querer apenas preencher a quota de quatro CV por mês, exigida pelo Centro de Emprego. Tens de ter paciência. O desespero para ter trabalho leva as pessoas a atirarem em todas as direcções. :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei como funciona isso do Centro de Emprego, não faço mesmo idéia mas se for como tu o dizes, então é compreensível que enviem carradas de mails a candidatarem-se a vagas que, claramente, não correspondem ao perfil deles. Mas pronto, o Centro de Emprego também não há de ser estúpido e obviamente percebe que entre mandar este tipo de currículos e não mandar nada... dá tudo ao mesmo =(

      Compreendo que as pessoas estão a desesperar sem emprego mas não é a enviarem para tudo quanto é oferta, sem sequer lerem os requisitos, que chegam lá. Digo eu.

      Eliminar
    2. Como se constata pelos inúmeros comentários (uns mais passionais do que outros) este assunto de des/emprego suscita sempre grande polémica.
      É óbvio que és apenas uma executora das ordens que te deram e nem me passou pela cabeça estar a criticar-te, mas apenas contribuir com uma explicação plausível.

      O Centro de Emprego preocupa-se mais com a forma do que com a substância. Desde que envies o número de CV que pedem (4 por mês) o requisito está preenchido. Este tipo de situação abarca tudo: os que procuram emprego em desespero, os que apenas querem preencher o formalismo do Centro de Emprego.... e os que apenas fazem perder tempo aos recrutadores enviando CV patéticos com fotos em biquini.

      Fenómenos destes existem e tendem a piorar. Daí aconselhar-te a contar até 100 e entrar em estado zen. :)

      Beijinhos

      Eliminar
  3. Dá graças a Deus por ter trabalho!! As pessoas estão desesperadas! Tu és brasileira e também vieste para aqui trabalhar! Ponha-se no "papel" das outras pessoas e sinta o que elas estão a sentir, antes de as criticar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E achas que não agradeço todos os dias por ter o meu emprego?!
      Sim, sou brasileira (e também portuguesa, tal como tu. Adiante...)
      Não, não vim para cá trabalhar. Vim tirar um curso e um mestrado. O trabalho foi uma consequência mas não foi o motivo principal.

      Não imagina quantas vezes coloco-me no papel dos outros, vezes demais até, e compreendo o desespero que estão a sentir mas acho que deviam canalizar esse desespero para outras fontes.

      Ok, estão desesperadas, encontram um anúncio que pede uma "secretária executiva fluente em três idiomas", a pessoa em questão não tem nem o 12º e mal fala o português mas, como está desesperada, vá de enviar currículos e jogar o barro à parede a ver se cola.

      Desculpa, mas acho estúpido! Perdem o tempo delas quando poderiam estar efetivamente à procura de algo em que possam mesmo concorrer.

      Eliminar
  4. Se não tens paciência dá o teu lugar a outra pessoa!! Há muita boa gente, com muita paciência e a querer desesperadamente um trabalho e por meia dúzia de trocos!! E que por esses trocos deixam para trás casa, familia, amigos e toda uma vida para apenas se sentirem úteis na sociedade!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, não tenho paciência para gente estúpida, é uma grande falha minha. Não dou o meu lugar à outra pessoa porque, vamos lá ver, estas não são as minhas funções (ao menos, não fui contratada para isto), estou só a ajudar este departamento enquanto as outras colegas estão de férias.

      Talvez por isso, por não estar habituada, tenha levado um choque tão grande ao ver tantos disparates nessa área, não sei.

      Sei que há pessoas que deixam tudo para trás em troca de um emprego (é o que o meu namorado vai fazer não tarda nada, então compreendo muito bem) e não estou a criticar o desespero de ninguém. Estou a criticar a falta de bom senso. Só isso.

      Eliminar
  5. Para começo de conversa, é completamente ilegal colocar um anúncio em que se pretenda um candidato apenas do sexo feminino, quanto mais eliminar candidatos pelo mesmo motivo. Quanto á questão de o emprego ser no Estoril e aparecerem candidatos de outros pontos do país, não quer dizer nada, por um emprego/trabalho as pessoas ás vezes movem montanhas. Eu sou do Porto e já fui trabalhar para Castelo Branco. Era onde estava o emprego, eu precisava, por isso tive que ir. Agora a questão mais interessante do anúncio, e infelizmente comum a quase todos os anúncios de emprego que por aí andam...a questão da idade...35 anos, ok! porquê? o trabalho é para passar modelos, bikinis? Então não entendo...Se a pessoa "mais velha" tem experiência, competência, executa o trabalho na perfeição, com pontualidade, assiduidade e tudo o que se pretende num bom funcionário é excluído á partida porquê????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se é ilegal ou não, isso é lá com a direcção da empresa, eles é que são responsáveis por "ditar" as regras dos anúncios de empregos e não eu. Aliás, pediram-me apenas que filtrasse os currículos e separasse os melhores, que se enquadrassem nos pré-requisitos pedidos pela empresa.

      Não sou dona da empresa nem tenho nada a ver se pedem candidatos brancos, loiros, com mais de 1.70m e com idade até 35 anos. Isso é com eles. Apenas cumpro o meu papel e por vezes é triste, já vi pessoas com altos currículos e por terem 37 anos não puderam ser chamadas. O que hei de fazer? Não sou eu que pago os ordenados =S

      Também acho mal que se reduza as pessoas pela idade, tipo físico ou outra treta qualquer mas não posso fazer nada quanto a isso. E acho que as pessoas deviam valorizar o tempo que têm em mãos e não desatarem a enviar currículos quando sabem que não preenchem os requisitos para tal. Porque, neste caso, é mesmo perda de tempo. A empresa diz que é assim, que só quer candidatos assim e assado e é desta forma que vai ser.

      É chato? É. Mas o poder de decisão está nas mãos deles, não nas minhas. Infelizmente =/

      Eliminar
  6. Ola.
    Há 9 anos respondi a um anuncio em que não tinha as habilitações necessárias nem a idade( era uma miúda) e fiquei.
    Não tenho habilitações...mas farto-me de trabalhar e de me esforçar e tudo o que aprendi deve-se a mim e aos que em mim apostaram.
    Ter um canudo...não é tudo.
    Se eliminarem candidatos só pelos pormenores ( e falta de paciência) que aqui falas...é um bocado descabido.
    Enfim...muitos falam de barriga cheia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também conheço casos assim, em que a pessoa tenta a sorte e consegue mas vamos ser realistas: é uma raridade. E se antes era difícil, imagine-se agora, com tanto pessoal qualificado no desemprego... A tua história é uma prova de que com esforço e dedicação consegue-se muito mas nas actuaias circunstâncias não sei bem como isto poderá acontecer. É pena, claro que é. Mas não tenho esse poder de decisão em mãos, apenas filtrei os currículos e eliminei os que não preenchem os requisitos.

      Posso ter sido injusta com alguém que até merecia o cargo e trabalharia como um camelo mas, lá está, a direção foi bem clara: só quer pessoas com estas características. O que hei de fazer? =S

      Eliminar
  7. Em que website está mesmo esse anúncio? I'm pretty qualified!

    ResponderEliminar
  8. É muito fácil projectarmos as nossas próprias frustações em termos de procurar um emprego, isso não nos dá o direito de sermos xenófobos - ainda que subrepticiamente. O comentário do anónimo foi isso mesmo: preconceituoso e racista. Quantos portugueses não trabalham hoje em dia no Brasil? É preciso ter um pouco de calma ao fazer esse tipo de comentários.

    A procura de emprego é isso mesmo: frustante. Para todos.
    Para bons profissionais, qualificados, que não cometem calinadas nos seus CV.
    O mercado está difícil, é verdade. Toca-nos a todos. É nosso dever garantir que passamos uma boa imagem, fotografias inadequadas, erros ortográficos, CV's desconexos ou com 10 páginas, não ajudam ninguém. Há na Internet, o mesmo veículo que tantos usamos para enviar currículos, dicas mais que preciosas para potenciarmos o nosso CV e entrevistas.
    Se o anúncio está bem feito? Não. Mas não me choca. Porque, infelizmente, o pão nosso de cada dia é ver 20 anúncios por dia infinitamente piores, mais discriminatórios, que pedem qualificações mais extensas que a bíblia, para um salário miserável. Não é emprego, é exploração.
    Temos de ser inteligentes na procura que fazemos, não é pela escassez de anúncios que vamos concorrer a Biólogas marinhas sendo nós engenheiras civis.
    Assim como não vamos concorrer a um estágio, tendo já 5 anos de trabalho no currículo.
    Reitero o que disse acima: é frustante e é essa frustação que nos toca a todos que nos faz reagir desta forma, ou desabafar num blog, como se a autora tivesse alguma quota parte de culpa na nossa própria situação, simplesmente o bom-senso é aquilo que nos vai fazendo continuar, por isso, o meu humilde conselho é que o cultivem.

    ResponderEliminar
  9. Em parte concordo com a Rosa Cueca, mas, acho que faltou bom senso a "A garota de Ipanema" nas criticas que realizou.
    Ainda consigo entender a criticas às fotos em bikini, mas, criticar a suposta localização da pessoa? O que não falta por ai são pessoas que deixam tudo por causa de uma vaga de emprego, e, penso que foi isto que o anónimo quis transmitir.


    ResponderEliminar
  10. Olá, bem não quero ser incorreta com a "A garota de Ipanema", até porque amo o seu blogue mas permita-me que discorde da abordagem feita a este tema.

    O meu marido esteve desempregado 6 meses, desde Setembro passado. Tenho casa para pagar e um bebé com 6 meses que acredite, quando tiver um filho, vai ver verdadeiramente o que é gastar €. Pessoalmente tive de abdicar de muita coisa (falo de roupas, produtos de beleza, etc., que tanto amo) porque o meu filho está obviamente primeiro. Felizmente, o empréstimo da minha casa é pequeno e pago pouco, além disso tinha economias mas só DEUS SABE o que passamos nestes meses de desemprego. Para ter ideia, ele era empresário em nome individual, veio para o desemprego sem direito a qualquer subsidio. Nos últimos meses, é óbvio que mandamos CV mesmo para áreas onde nunca tinha trabalhado. É uma esperança a que nos podemos agarrar e porque não? Para se ter experiência é preciso começar por algum lado. Conclusão, está desde Abril a trabalhar numa empresa, num ramo onde nunca tinha trabalhado e com boas perspetivas de futuro. Não subestimem as pessoas. Eu própria não tenho o dito canudo (outros tempos dificeis), no secundário estive no quadro de excelência da escola e não me considero "limitada". É quase como julgar o livro pela capa.

    ResponderEliminar
  11. O desespero é assim mesmo. Eu não estou desempregada mas acredite que se estivesse mandava currículos para tudo o que é sítio, mesmo para empresas sem vagas abertas, mesmo que não cumprisse os requisitos. Iam para o lixo? Provavelmente sim! Mas a esperança é a última a morrer e a primeira a surgir! E, isto só mostra que, apesar do que dizem por aí, os portugueses querem trabalhar, nem que seja por "tuta e meia", que nos tempos que correm é o que aparece mais. Lutar por melhorar as suas condições de vida é humano e digno. Não é isso que o seu namorado vai fazer, apesar de ter emprego na sua área em Portugal? E tem todo o direito e faz muito bem! Mas os outros também!

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig