24 setembro 2013

Do famoso "jeitinho brasileiro"

Antes de mais, obrigada pelas mensagens e comentários no último post, é muito bom receber esse feedback de quem nos lê ;)

Quanto a Vi, ela está melhor, tem um jeito muito próprio de lidar com a situação e simplesmente... evita o assunto. Ainda cogitamos a hipótese de ir ao Rio mas para além da Vi estar em aulas, seria um enorme gasto de dinheiro para ficarmos apenas uma semana - e por motivos tão tristes, vai daí, achamos melhor manter os planos e irmos só no aniversário da avó, daqui há uns meses.

A parte complicada da coisa é a enorme burocracia para tratar de tudo à distância. Por exemplo, na sexta-feira precisei ligar ao cartório (vulgo notário) do Rio para solicitar uma cópia da certidão de óbito do Edu, para averbar na certidão de casamento da minha mãe (já que ela nunca chegou a estar divorciada) e começou a ladainha do costume:

- Ah mas isso demora... Vai demorar mais ou menos duas semanas para conseguirmos emitir uma segunda via. A senhora tem muita pressa?
- Por acaso tenho, é que eu estou fora do país e esta certidão ainda vai precisar passar pelo Consulado de Portugal antes de vir para mim.
- Humm, entendi. Bom, eu posso conseguir apressar os trâmites, porque a senhora sabe né? Dependendo da situação ($) dá pra gente pegar um atalho e evitar essa demora toda. Ainda mais a senhora estando em outro país...
(a sério, eu mereço? Uma situação dessas e o homem a pedir dinheiro por fora para me dar o raio da certidão)
- Certo, e quanto seria para apressar o processo?
- Ah, uns 300 reais, só pra garantir a cervejinha do fim-de-semana. 

Sem palavras. Fiquei chocada com a lata do sujeito, disse-me assim, sem meias-palavras... um abuso! Eu sou uma pessoa muito confiante por natureza mas digo-vos: o Brasil não tem jeito. Não tem. As pessoas queixam-se dos políticos corruptos mas no dia a dia fazem tal e qual: exigem dinheiro para tudo! Há sempre um jeitinho de dar a volta, há sempre maneira de escolher um caminho alternativo... desde que se pague. Nojo.

SHARE:

6 comentários

  1. Uma das formas de não alimentar este tipo de situaçåo é nåo pagar. Quando pagamos para "apressar as coisas" também estamos sendo responsáveis por perpetuar este tipo de comportamento.

    ResponderEliminar
  2. Fogo que coisa! Por acaso ontem vi a estreia de uma telenovela que o primeiro episódio era no Brasil e também era uma situação de pedir uma certidão de óbito e passou-se exatamente a mesma coisa!

    ResponderEliminar
  3. Então vamos a questões práticas: Quando a certidão de óbito passar pelo consulado português no RJ para ser autenticada e levar o selo branco, não deixe em hipótese alguma que o tabelião se intitule como notário. Aqui em portugal não existe tabelião, e o consulado sabendo disso manda ver no "notário". Só que o carimbo do tal notário diz "tabelião" e daí ficam informações contraditórias para a mesma assinatura. o funcionário da conservatória aqui não aceita "tabelião" por "notário". Não adianta explicar que é a mesma coisa, que o consulado quer facilitar etc etc... Aconteceu comigo. Não consegui até hoje averbar a certidão de óbito do meu pai (português!) porque a tabeliã de serviço resolveu escrever que era a notária fulana de tal, mas no carimbo afinal dizia que era a tabeliã fulana de tal. O carimbo da pessoa tem que dizer exatamente a mesma coisa, ok? É a dica para a hora do consulado.
    E finalmente, sim, no Brasil sil sil continuamos a ter que lidar com essa gentinha nojenta mas graças a Deus não é a maioria, ainda encontramos muito mais gente de bem. (só que esses não aparecem tanto, né?)
    Bjs Boa sorte

    ResponderEliminar
  4. E como é que ele diz isso por telefone? Nem sabe com quem está a falar! Devias ter gravado a conversa e depois confrontá-lo com isso! Se ele cobra 300 reais a cada um.... fica rico!
    Penso que em Portugal essas coisas também acontecem mas de um modo + discreto.

    ResponderEliminar
  5. anne!!!!!!!! pelo amor de deus!!! sou advogada e estou aqui! inclusive mandei te email, viste? o que precisares estou as ordens....

    beijocas

    bel

    ResponderEliminar
  6. E, so para acrescenta, em 7 anos de Rio de Janeiro nunca me pediram dinheiro para nada, mas eu ligo a toda a hora para acelerar o processo! O meu jeitinho brasileiro é vence los pelo cansaço!!! hahahahaha

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig