23 outubro 2013

Do meu lado mesquinho:

Passei pelo Vasco da Gama ontem à noite para deixar um sobretudo na lavandaria [eu não sei vocês mas eu nunca consigo lavar este tipo de peça em casa] e às tantas dei por mim a entrar na bendita loja onde trabalhei [felizmente, só por 3 meses], que será sempre por mim lembrado como "o-pior-emprego-do-mundo" e, adivinhem?

Vi a responsável da loja [que ainda é a mesma do tempo em que lá trabalhei - há muitos anos] a apanhar roupas do chão e a dobrá-las, já eram quase 23h e ela sempre praguejava que detestava trabalhar à noite [a fatídica hora do fecho da caixa].

Eu sei que é feio, eu sei que é mesquinho mas no momento em que a vi e percebi que, sete anos depois, ela continuava na mesma, naquele emprego que tanto criticava e falava mal, a trabalhar nos piores horários possíveis e, provavelmente, a ganhar o mesmo ordenado miserável... senti uma satisfação mesquinha e uma certeza: aqui se faz, aqui se paga. [ou como eu costumo dizer: a justiça divina nunca falha]. E não, não estou orgulhosa de mim mas foi inevitável este sentimentozinho mesquinho. Sou uma má pessoa, está visto.

SHARE:

18 comentários

  1. Não és nada má pessoa, só nós sabemos o quanto esta gente que "lidera" equipas sabem ser cruéis. Aposto que tens os teus motivos para sentires isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois tenho, tenho mesmo. E, infelizmente, os motivos não são poucos =/

      Eliminar
  2. Anne, o que era assim tão mau na Z*** para odiares tanto aquilo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quem é que falou na Zara? Não citei nomes, caro anónimo. Na loja onde trabalhei vi cada coisa que aqueles três meses valeram por 3 anos de experiência. A sério!

      Eliminar
  3. Não estás orgulhosa de ti mas devias estar: trabalhas-te, estudas-te, lutaste por um futuro melhor e, contra todas as intempéries, conseguiste. Leio-te há algum tempo para conseguir perceber que nada te foi dado de mão beijada e não te sentaste á sombra da bananeira para conseguir. É pena que existam pessoas que julguem que um qualquer posto numa loja, seja ela qual for, lhes dão um estatuto que lhes permite destratar quem trabalha e faz o melhor que pode. Parabéns pelas tuas conquistas :)
    Sofia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, Sofia, obrigada! Tens razão, tive que fazer-me à vida e agarrar as oportunidades com unhas e dentes, por isso tenho orgulho: nunca precisei usar o facto "c" para conseguir nada nessa vida. Foi sempre trabalho, dedicação e vontade de vencer. Receita infalível ;)

      Obrigada!

      Eliminar
  4. Hi Hi Hi!!! Afinal não sou só eu... às vezes também acho que sou má quando tenho pensamentos do género. Mas depois de ler este post chego à conclusão que não, não somos assim tão más!!!
    Hi Hi Hi!!!

    ResponderEliminar
  5. O ano passado no início do mês de dezembro,respondi a um anúncio a pedir promotoras para o centro comercial 8ª Avenida (São João da Madeira). Fui chamada para a entrevista e fiquei a saber que era para angariar donativos para uma instituição de luta contra o cancro. A pessoa que fez as entrevistas era uma garota, mas com muita lábia, e eu que até não acredito em nada destas campanhas de angariação, fiquei até ao fim a ouvir a história da carochinha. Era uma empresa que estava a angariar fundos para a construção de uma casa de abrigo para crianças doentes oncológicas em faro, que tinhamos vender uns brindes por 5€ e não podiamos aceitar menos que esse valor. Tinhamos de trabalhar aproximadamente 6h em horários a definir por eles e recebia mos conforme as vendas realizadas 15€ ou mais. Quando questionada sobre o porquê de pagarem para estar a angariar donativos, respondeu que era para motivar os "vendedores" e que ela recebia muito bem. Tudo isto me pareceu muito estranho.
    Entretanto no final desse dia, ligaram-me para começar a trabalhar no dia seguinte e eu que já estava farta de estar em casa e como estavamos perto do natal e era sempre bom mais um dinheirinho, lá fui.
    Cheguei e ela estava lá, ia ficar comigo até a proxima colega assumir o lugar. Inicialmente fiquei a observa-la a abordar quem passava e começei também eu a abordar pessoas e por incrivel que pareça as pessoas compravam aqueles brindes que não valem nem 0.50€ por 5€, talvéz por no meio disto tudo estarem crianças e cancro. Quem me conhece sabe que para além de não acreditar nestas angariações, até sou uma pessoas introvertida, mas lá consegui no final das 6h cerca de 60€. A dita rapariga conseguiu 125€.
    No dia seguinte tive mais um turno de 6h e com ela novamente. Estava lá no stand, à relativamente pouco tempo quando tocou o meu telemóvel e eu atendi. Atendi porque era de um número desconhecido e eu como licenciada à dois anos à procura de trabalho não ia deixar passar um possivel contacto para entrevista de emprego. Afinal era apenas outras das coordenadoras a confirmar se eu estava a trabalhar.
    Quando desliguei o tlm ela estava possessa e começou a desbaratar comigo, que ali só ela tinha autorização para atender o telemovél e eu que não voltasse a atender o tlm. Saltou-me a tampa de vez e disse-lhe que como não estava a abordar ninguém não via o mal de atender o tlm e que ia atender o tlm sempre que ele tocasse visto estar à procura de trabalho e que aquilo era só um part-time. Ela agarra no tlm dela e afasta-se do stand. Eu começei a vestir o casaco e apegar na minha mala, já sabia o que ia acontecer. Quando ela chegou disse que já não precisava de mim, que podia ir embora e pagou-me os 15€ do dia anterior.
    Em fevereiro deste ano arranjei emprego no Porto na minha área, se bem que precário, mas ainda cá me encontro.
    À uns meses na hora de almoço fui dar uma volta ao NorteShopping e adivinhem lá quem eu encontro?
    Poís é, a dita cuja, no mesmo stand a burlar mais umas quantas pessoas com a mesma história da carochinha. Tive foi pena de quando ela me viu virou a cara para o outro lado, porque se ela se dirigi-se a mim ia ouvir umas boas. Já a fui mais vezes e o stand continua no mesmo sitio e ela vira sempre a cara quando me vê.
    Desde já fica o meu alerta para que se hà intenção de dar algum contributo vão diretamente às instituições, não acreditem nestas campanhas de shopping, porque da minha experiência destes 5€ que as pessoas dão, poucos cêntimos chegarão às instituições.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem...eu já dei 5 euros numa cena dessas...e também era para uma casa oncológica em Faro... :S e agora no Natal vão atacar em força, nem se pode ir ao shopping que é tudo a pedir...

      Eliminar
    2. Também trabalhei nisso, um dia! Quando me apercebi que o que ela me disse na entrevista era totalmente diferente do que se estava a passar, esperei que ela chegasse e disse que não iria mais. E nem me queria pagar! Enfim.

      Eliminar
    3. Meu Deus, que história! Realmente há empresas que nem deveriam de existir, é só aldrabice. Nem tenho palavras!

      Eliminar
  6. Espero que a justiça divina exista mesmo e que um dia possa sentir isso em relação a uma situação pela qual passei...bjs*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredita... aqui se faz, aqui se paga. Espero que também sintas esse "gostinho" da justiça em breve ;)

      Eliminar
  7. Eu também acredito na justiça divina. E também aguardo que ela chegue!

    ResponderEliminar
  8. Eu tb não vejo nada de mal. Era mau sim se fosses lá gozar com ela. Assim vejo apenas satisfação pessoal por não te acomodares à situação!

    P.S. sei que já houve quem reclama-se mas eu gosto tanto quando nos dás dicas para o cabelo :)

    BJ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Xana, num primeiro impulso até senti pena. Depois lembrei-me das coisas horríveis pelas quais ela me fazia passar (desde descomposturas à frente dos clientes porque fiz uma troca sem talão à uma senhora de quase 80 anos - que sabia a data da compra e consegui a 2ª via do talão) até gozar à frente de toda a equipa com o meu sotaque e dizer em alto e bom som: "nem falar sabes, deus me livre!". Enfim. Coisas do passado.

      Eliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig