19 novembro 2013

Dois lados de uma mesma moeda


Uma parte de mim [a parte sonhadora] quer acreditar na mudança, no arrependimento, na evolução. Quer perdoar, quer procurar por ele, dizer que tem saudades, que por mais afastados que estejamos, sempre seremos importantes um para o outro, é inevitável.

A outra parte [a realista] é desconfiada, já viu esse filme demasiadas vezes, vezes sem conta. Já sofreu, já desistiu, já voltou a insistir só para chegar ao mesmo ponto: o ponto em que nada muda. Essa parte, a realista, diz que não vale a pena ter esperanças, que vai ser pura perda de tempo, que o melhor é deixar para lá.

Mas a parte sonhadora, como sempre, quer acreditar. Diz que já é hora de pôr um fim nesse afastamento, que o que passou, passou... não vale a pena olhar para trás. Essa parte, a sonhadora, diz que o tempo é tão curto, que devemos voltar atrás, insistir, acreditar de novo. Dar uma nova chance.

E eu simplesmente não sei em que parte acreditar. Metade de mim diz que sim, a outra diz que não. Bolas...

SHARE:

11 comentários

  1. Sinceramente, do pouco que já falaste por aqui, dá-me a sensação de que vos falta uma conversa franca, pôr tudo em pratos limpos. A meu ver não vale a pena dares uma nova oportunidade, fazeres uma nova tentativa sem falares com ele. Sem dizeres aquilo que te magoou, onde ele te desiludiu, etc. Sê sincera com ele, diz-lhe direta e claramente o que sentes, o que esperas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rita, tens razão. Tivémos essa conversa hoje, faleeeei, faleeei tudo o que estava entalado há tanto tempo, parecia que tinha tirado uma mala de 30 kg das costas. Aquele alívio! E ele argumentou, tentou justificar o injustificável e acho que, finalmente, conseguimos acertar os ponteiros. Por enquanto ;) Obrigada :**

      Eliminar
    2. Boa ;) Espero que agora consigam finalmente entender-se. Pelo menos, ele já não vai poder dizer que não tinha noção que estava a falhar nas tuas "expectativas"

      Eliminar
  2. Olá Anne...todos os dias leio religiosamente o teu blog mas nunca comentei. Hoje decidi fazê-lo porque é um assunto que me toca. Queria só dizer-te que eu sei que is teus motivos e a tua mágoa devem ser mais que legítimos e tens todo o direito de te sentires assim mas olha a vida é muito curta mesmo e pode vir o dia em que queres perdoar e já não o tenhas por cá...eu passei por isso :_-( Bjinhu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, obrigada pelo comentário. Se também passaste pelo mesmo, sabes o quanto é difícil pôr uma pedra sobre o assunto e fingir que nada aconteceu, que é tudo normalíssimo. Mas tens razão, a vida é muito curta e no que toca à mim, vou esforçar-me ainda mais para tentar ter uma relação normal com o meu velho. Tentar...

      Eliminar
  3. Um dia ouvi o Rodrigues Guedes de Carvalho a dizer..."Eu não acredito na ditadura do Sangue..." e o que ele queria dizer com isso é que não é por ser nosso tio, nosso pai, não é só por ter o estatuto de familiar na nossa vida que merece o nosso amor... Os nossos familiares também têm que conquistar o nosso respeito e carinho!!!
    Mas se ainda hoje ponderas em aproximação, é porque ela ainda é possível!!! Segue o teu coração e tem a atitude que te vai deixar dormir descansada!!! Beijo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa frase é incrível e tão verdadeira... Obrigada pelas palavras, do fundo do coração ;)
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Sei tão bem o que isso é. Com o meu pai é tudo igual :(

    ResponderEliminar
  5. Adorei essa frase...é bem verdade! Força e decide pelo coração :)

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig