10 janeiro 2014

Do chico-espertismo [e da má educação, pronto]

Como o meu amor vive sozinho num T1 em Lisboa [pequeno para nós] avisou já a senhoria que em Fevereiro entra no mês da caução e no final do mês entrega a casa. Pois bem, no início da semana a senhoria enviou-lhe um sms a dizer que precisava mostrar a casa a um casal, se podia agendar a visita para quinta ao final do dia.

O M. tem horários malucos no trabalho, há dias em que fica até a 22h no escritório, há dias em que trabalha em casa, há dias em que tem que ir para o estrangeiro, enfim... é tudo inconstante e ele disse-lhe que na quarta-feira avisava-a se podia levar lá o casal para ver a casa.

Na quarta-feira enviou-lhe sms a dizer que infelizmente não dava mas que no fim-de-semana tinha disponibilidade. A sugestão da senhoria? "ah, mas se é por não estar em casa, não tem problema, posso passar aí no seu escritório para buscar a chave, mostro a casa ao casal e depois volto para lhe devolver". Oi?! A mulher queria mesmo entrar na casa do M. sem ter lá ninguém?! Mas em que mundo estas pessoas vivem? O M. riu-se, achou que ela estava a brincar e disse-lhe que ficava então para o fim-de-semana.

A senhoria fez-se de parva e achou giro aparecer à porta da casa dele, com o casal para ver a casa, no horário em que sabia que lá estaria alguém. Bateu, tocou à campainha e só lá estava a dona Joana, a senhora que vai lá todas as tardes orientar as coisas.
- Sim??
- Boa tarde, é a fulana de tal, a dona da casa, era para mostrar a casa à um casal
- Ah, desculpe mas não tenho autorização para abrir a porta, o meu patrão não está em casa.
- Mas eu avisei-o que vinha hoje!
- Pois, mas ele não me disse nada e não posso abrir-lhe a porta, peço desculpa.
- Ligue ao seu patrão e diga que estou aqui!

A coitada da dona Joana ligou para o M., que estava em reunião e não atendeu. Aflita com a senhoria que não parava de tocar à campainha, ligou-me a perguntar o que fazia. Disse-lhe para não abrir a porta, que era uma total falta de educação aparecer assim em casa das pessoas e exigir entrar, como se lhe devêssemos alguma coisa.

Não entrou. Enviou uma sms furiosa ao M. a dizer que perdeu viagem, que o casal estava muito interessado na casa pelas fotos que viu, que está difícil arrendar casa e precisa mesmo fazer as visitas. O M. estava tão passado com o abuso da mulher que só lhe disse: "olhe, peço desculpas mas tenho a casa paga até fevereiro e não sou obrigado a permitir visitas de estranhos. Quis ajudá-la e disse que podíamos combinar para o fim-de-semana, você apareceu lá em casa sem avisar, falou mal à minha empregada e ainda exigiu um direito que não tem: o de entrar na minha casa. Sim, até fevereiro, a casa é minha. Portanto, marque as suas visitas a partir do dia 1 de Fevereiro, até lá, esqueça."

E a senhora cisma em enviar sms e a ligar a dizer que TEMOS que deixá-la mostrar a casa, que se for só a partir de fevereiro ela vai ter a casa fechada um mês e vai perder dinheiro... só me apetece responder: e eu com isso? Porra, damos a mão e querem os pés. Foda-se.

P.S: Pessoas entendidas em leis e afins, somos obrigados a deixar a senhoria mostrar a casa quando ainda estamos lá a viver e temos tudo pago? É que não entra na minha cabeça...

SHARE:

44 comentários

  1. Não sou entendida em leis, mas no meu contrato de arrendamento está especificado que o senhorio pode visitar a casa, desde que agende a visita com pelo menos 8 dias de antecedência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cueca, no contrato dele não há nenhuma cláusula sobre isso, logo, não sei. Se calhar quando não especificam nada no contrato baseiam-se no artigo "comum", que é a tal visita com horário previamente acordado entre ambos, o que não foi o que se passou =/

      Eliminar
  2. À semelhança da Rosa Cueca, no meu contrato de arrendamento também está estipulado que os senhorios podem mostrar a casa a interessados, a partir do momento em que nós comuniquemos que vamos sair. Aliás, quando fui ver a casa, o anterior inquilino ainda lá estava. Contudo, como é óbvio, a visita será feita connosco presentes. É que a casa pode não ser nossa, mas as coisas que lá estão são e não vamos permitir que se passeiem estranhos pela casa. Não estando estipulado no contrato não sei se é possível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, no contrato dele não tem lá nada sobre visitas. Para já, não gosto nada de visitar casas com pessoas lá dentro, ainda a viverem. Acho que fica sempre um clima estranho, uma vez aconteceu-me de ver uma casa com um senhor a viver lá e o homem estava a entregar a casa por falta de pagamento, ia sair dali e não tinha para onde ir, imagina a minha cara de constrangimento perante tal situação! Ainda para mais o "vendedor" dizia: não se preocupe, se gostar da casa, ele sai na semana a seguir" e o homem na sala a ouvir tudo. Uma situação totalmente incômoda, não gostei mesmo.

      No nosso caso em particular, não temos nada contra mostrar a casa desde que seja com antecedência e num dia/hora em que ambos concordem, não é aparecer lá como se nada fosse e exigir entrar, que isto ainda não é a casa da mãe Joana...

      Eliminar
  3. Aí não sei, mas aqui é normal vir nos contratos de arrendamento que o senhorio pode visitar a casa sempre que quer desde que avise, ou seja, não pode aparecer de surpresa. Eu agora estou noutra casa, desde setembro, e para a antiga senhoria poder mostrar a casa a potenciais clientes, enviava-nos um sms a perguntar se no dia x podia lá ir. Chegou a lá ir com a casa vazia, ao que para isso nós pedimos para ela ter em atenção às nossas coisas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É essa a minha questão, Karina. É que a senhora não avisou nada, simplesmente apareceu mesmo sabendo que naquele dia não dava. E depois foi mal educada como tudo, o que nos irritou ainda mais e tornou-nos inflexíveis quanto a visitas.

      Deixá-la mostrar a casa sem ter ninguém lá dentro.... acho que não era capaz. Sinto como se fosse uma grande invasão de privacidade, mas isso sou eu :P

      Eliminar
  4. Percebo essa angústia... Também sou inquilina e custa-me saber que a lei só procura defender os senhorios... é à custa de haver uns quanto inquilinos abusadores que pagam todos.

    Bom mas quanto à tua pergunta: nos dois casos anteriores é assim porque aceitaram no momento da realização do contrato que assim fosse, porque a lei a isso não obriga.

    No silêncio do contrato, o inquilino deve mostrar o local a quem o pretender arrendar, durante os tres meses anteriores à desocupação, em horário acordado com o senhorio.

    Se não for possível estabelecer um acordo o horário que a lei prevê é nos dias úteis, das 17 horas e 30 minutos às 19 horas e 30 minutos e, aos sábados e domingos, das 15 às 19 horas.

    No teu caso, a senhoria é que não quis saber de acordo nenhum, porque o teu namorado mostrou-se disponível a acordar uma oportunidade de visita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, às vezes paga o justo pelo pecador, conforme se diz. Nós dissemos que ela poderia mostrar a casa no fim-de-semana, que estaríamos por lá e não tinha qualquer problema. Durante a semana é mais complicado porque o M. gosta de estar presente e com os horários malucos dele, torna-se difícil "prever" um dia mas mesmo assim, ele disse-lhe que ia confirmar se poderia ser na próxima terça. Enfim...

      Eliminar
  5. Sou senhoria de uma habitação em Portugal. No contrato que detenho tenho lá uma cláusula que me permite visitar o apartamento para o mostrar, desde que avise com antecedência de 8 dias e tenho de fazer esse pedido por escrito, mas não posso "invadir" a habitação. Como tudo tem de imperar o bom senso.
    http://horanetblog.blogspot.co.uk/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Horanet, era óptimo se todas as senhorias pensassem como tu. Eu já nem digo fazer um pedido por escrito, mas basta enviar um sms, ligar a perguntar... combinar a coisas com dias de antecedência, não é aparecer e exigir entrar como se lhe devêssemos alguma coisa.

      Eliminar
  6. Se não têm motivos para desconfiar da senhoria e até tinham uma boa relação com ela, qual o problema de lhe dar a chave e permitir que ela mostrasse a casa ao casal sem lá estarem? Ou até fazer isso no horário em que a empregada lá está e pode abrir a porta (e sempre é alguém terceiro que pode "vigiar" a actuação dos outros)? Se estivessem na posição da senhoria, obviamente que gostariam que a casa estivesse ocupada sem interrupções e, para isso, é necessário mostrá-la ainda com os actuais inquilinos lá a viver. Tal como para o M. não lhe dá jeito certos horários, para a senhoria e o casal também lhe podem não dar jeito outros e com essa flexibilidade de deixar a chave ou marcar quando está a empregada é mais fácil para todos. Na 1a casa onde vivi, quando denunciámos o contrato, a senhoria tinha a chave e foi mostrá-la a uma pessoa num fim-de-semana em que não estávamos lá, sem qualquer problema.

    Quanto à obrigação legal, esta existe nos termos que já foram explicados acima. Vê o artigo 1081.º do Código Civil:

    "3 — O arrendatário deve, em qualquer caso, mostrar o local a quem o pretender tomar de arrendamento durante os três meses anteriores à desocupação, em horário acordado com o senhorio.
    4 — Na falta de acordo, o horário é, nos dias úteis, das 17 horas e 30 minutos às 19 horas e 30 minutos e, aos sábados e domingos, das 15 às 19 horas."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom o problema de dar a chave e permitir que ela mostrasse a casa ao casal sem lá estarem é o facto de, a meu ver, e ao que parece no entender da Anne também, toda a gente ter direito a manter a sua privacidade preservada. Ou seja, não é porque sou inquilina que alguém estranho pode entrar na minha casa.
      Acho ridículo os inquilinos serem obrigados a permitir o acesso às suas casas, só porque os senhorios não podem ficar um ou dois meses sem receber rendas.
      Mas isso é a minha opinião, claro está, não pretendo ofender ninguém.

      Eliminar
    2. Acho que se trata de uma questão de bom senso entre as duas partes e foi isso mesmo que a lei pretendeu acautelar. Claro que não tem lógica que um senhorio esteja constantemente a importunar o inquilino a marcar visitas e a levar gente a casa, mas também não faz sentido o senhorio já saber que a partir de dia X fica com a casa livre e ter de esperar até esse dia para marcar visitas à casa, quando não é transtorno nenhum para o inquilino ter lá um dia por meia dúzia de minutos umas pessoas a ver a casa (e, normalmente, se o anúncio for bem feito - com várias fotos e uma boa descrição - a primeira ou segunda pessoa interessada fica logo com a casa). As pessoas tendem só a ver o seu interesse, não vejo porque não possamos ser flexíveis e ver o lado dos outros e facilitá-los a vida. Qual o problema do M., nem estando em casa, dizer à empregada para abrir a porta e deixar a senhoria entrar com os senhores? Se fosse comigo até agradecia ter possibilidade de isso ser tratado quando eu não estivesse em casa, menos trabalho tinha com a coisa.

      Eliminar
    3. Não temos motivos para desconfiar da senhora, o grande problema é que ela tornou-se inconveniente ao aparecer sem avisar e exigiu entrar de qualquer forma. E eu passo- me com pessoas mal educadas, logo, não entrou na casa.

      Nós tentamos facilitar porque sei que o universo do arrendamento não está fácil e ninguém quer ter um imóvel fechado durante um mês mas ter que lidar com pessoas estúpidas aos gritos na nossa porta, a dizerem que têm que entrar porque "sou a dona da casa" é demais para mim. Os vizinhos a ouvirem, quer dizer... haja bom-senso.

      Não havia problema nenhum em a empregada abrir a porta e mostrar a casa a questão é que isso era suposto acontecer só no fim-de-semana e não no dia em que a senhora lá apareceu de repente e achou que sim, que ia entrar.

      Já conversamos com ela e dissemos os dias e horários em que ela pode ir levar as pessoas, mas aparecer de repente como se nada fosse e ser arrogante, isso não.

      Eliminar
  7. O artigo 1081.º do CC é muito esclarecedor nessa questão das visitas ao local arrendado, tal como aqui já afirmado.
    madalena

    ResponderEliminar
  8. Eu gostava que me explicassem porque um gajo solteiro, sem filhos, que vive num T1... precisa ter uma empregada todos os dias da semana. Só se come a empregada porque de outra forma, não vejo qual a utilidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a ti está visto que falta quem te coma para vires para aqui dar palpites... Es tu que lhe pagas a empregada? Lavas lhe as cuecas? Entao nao tens nada a ver com isso e ninguem aqui te deve explicaçoes.

      Marta Loureiro (para não dizerem que sou anonimo)

      Eliminar
    2. Isso é só mais uma das incoerências deste pseudo casal, mas é justificável pelo facto de nem ele, nem ela (apesar de já estarem perto dos 30 anos) saberem fazer seja o que for em casa (desde limpar a cozinhar) e por isso precisarem de empregadagem para os servir (possivelmente agora vem uma daquelas respostas a dizer que no Brasil viveram 240345358 familiares num t1 e que já trabalhou numa loja e não tem pruridos em fazer coisas... mas a verdade é que não faz nada mesmo).

      Eliminar
    3. Também gostava de saber como é que um t1 em Lisboa para um casal sem filhos é "pequeno" para eles. Acho um pouco triste, nos dias de hoje, haver esta noção distorcida do casamento. A rapariga vive em casa dos pais (apesar de já namorarem há 8 anos e trabalharem), só com o casamento é que se vai "emancipar", mas não sabe fazer nada em casa e dependem os 2 de empregadas. No entanto, vêem o casamento como algo "em grande", têm que mudar logo para uma casa enorme, comprar mil e uma coisas inúteis, pressão da família, passos seguintes, bebés... enfim, soa tudo ao mais ridículo e artificial que pode haver. Parece que não são naturais, que não fazem as coisas como os jovens normais que é juntarem-se, viverem juntos, comprar as coisas aos poucos, ter a piada de ir um dia ao IKEA e ver algo que gostas e comprar, tem de ser tudo massivamente e mobilar e equipar logo tudo ao limite, sendo que o homem parece não ter o mínimo interesse ou papel interventivo nessa demanda. É tudo tão forçado e tão "conforme deve ser" que soa a artificial. Relaxem e vivam a vida como pessoas normais...

      Eliminar
    4. Anonimo, gostava de saber porque? Qual o motivo da sua curiosidade? Ficaria feliz por saber a razão pela qual a Anne acha um T1 pequeno? Anne, por favor, responde lhe, contribui para a felicidade de um ser aparentemente infeliz...

      Acho que algumas pessoas que vem aqui nao tem vida propria e gostam de saber da vida da Anne para preencher o vazio das suas vidas... tao triste isso... (mas ainda bem que veem porque bloggers ganham dinheiro com entradas no blog!!! lololol)

      Pessoal a vida é so uma, ela passa e pode acabar a qualquer momento! Aproveitem cada instante e em vez de criticar tanto os outros analisem se e tentem ser seres humanos melhores!

      Sejam felizes! E se realmente nao conseguirem nao torçam pela infelicidade dos outros! Tudo o que vai volta...

      beijinhos

      Eliminar
    5. @anónimo das 19:09: ahahaha sim, acho que ele come mesmo a dona Joana. Sabes? Ele tem um fraquito por senhoras de cinquenta anos e que já são avós LOL.

      @anónimo das 10:13: Ui então todas as pessoas que têm empregada em casa não sabem nem levar um prato? Fritar um ovo? São umas pequenas inúteis que mal fazem a própria cama? Ahahaha desculpe, mas foi inevitável dar uma gargalhada. Tenho empregada há mais de seis anos porque poupa-nos um tempo precioso, tempo esse que prefiro passar de outras formas: com a minha família, com amigos, a viajar, a ir no cinema... e não a lavar duas máquinas de roupa por dia, fazer o jantar ou ter que aspirar a casa. São prioridades. Quanto a viver num T1 com vários familiares, lamento desiludi-la, mas isso só aconteceu durante 6 meses e foi aqui em Portugal, nunca no Brasil, onde felizmente tenho imóveis para alojar cada membro da minha família no seu devido lugar.

      @anónimo das 10:55: Um T1 para nós é pequeno por diversas razões mas vou citar apenas duas: vamos comprar a nossa casa, não arrendar. Logo, se é uma casa para a vida, não será um T1 porque há que se pensar no futuro. Depois, o M. Trabalha muitos dias em casa e obviamente vai necessitar de um escritório para não me encher a paciência com um computador no quarto (Deus me livre).
      Vivo em casa dos meus pais por opção, porque soi louca pela família, adoro conviver com eles e vou morrer de saudades quando me casar, é um facto. Adiei esse momento ao máximo porque gosto mesmo de estar com eles, o que querem? Nunca vi o casamento como “algo em grande”, aliás, quero uma cerimónia intimista para poucas pessoas, nunca me viu aqui a falar de quintas para 300 convidados, fogos de artifício e afins, pois não? Relativamente a ir viver junto antes de casar, sempre disse que não o faria porque acho que hoje isto do “viver junto” está completamente banalizado, é mais um “vamos lá ver se dar certo”, as pessoas não encaram estar casados e viver juntos da mesma forma. Conheço raparigas que já viveram com 3, 4 pessoas e desculpa se não concordo mas não é isso que quero para mim. Quero viver junto com o meu marido. Ponto final. Se acha artificial ou forçado ou lá como chama, então porque insiste em vir cá? As pessoas “normais” não voltam a sítios dos quais não gostam então... viva a vida de maneira normal! É simples: não volte mais.

      Eliminar
    6. Tens uma ideia muito distorcida do que é "viver junto", se calhar pelo tipo de raparigas de que te rodeias. Eu vivo com o meu namorado há uns anos e tenho só assim sem pensar muito umas outras 4 amigas que fazem o mesmo e foi o primeiro e único homem com quem viveram (e não foi por uma questão de se juntarem por razões económicas). Duas delas casam este ano, as outras (e eu própria) sei lá quando isso vai acontecer. Quando as pessoas já vivem juntas, estão numa relação estável, não fazem do casamento o "big deal" que tu fazes, com esse xitex todo de meter tudo logo na casa e ter de comprar tudo de antemão e ter 3249820 louças à medida da ocasião. Pareces uma pita excitada, toda doida com o casamento. Um dia que me case (e vejo isso nas minhas amigas que estão para casar) vai ser simplesmente mais um passo que damos juntos, uma festa para nós e para os amigos mais próximos, porque tudo o resto já está lá. Ver o casamento dessa forma que aqui deixas transparecer parece daquelas coisas à moda antiga, dá a entender que vocês só vivenciam a vossa relação a 50% e que com o casamento é que vai ser "a cena" e tudo o resto está associado a stress de comprar coisas, mudar de casa, ter tudo "em ordem" (de acordo com uma suposta ordem que nunca vi), pressão dos pais, etc. Soa a triste e fora do normal, sim.

      Eliminar
    7. A mim não me "soa a triste e fora do normal". Cada qual com os seus valores e perspectivas sobre a vida.
      Identifico-me com a visão mais tradicional, que parece ser a da Anne - hoje em dia o casamento é visto como algo banal, uma consequência de se namorar e morar junto há tempo q.b.. No meu entendimento, o casamento é uma ocasião única (porque lá está, tb não vejo o acto de casar como algo comum, se não dá certo com este há divórcio e venha o próximo - "casar" nos meus valores é algo único e de grande importância, não só para mim como para a minha família), que deve ser vivenciada e aproveitada ao máximo, a começar nos preparativos.
      Se ela pode e quer ter enxoval e o máximo de coisas prontas antes da boda, faz muito bem, tomara a mim. E se o M. pode e quer ter casa própria e empregada ainda melhor. Dá emprego a alguém, não se chateia ele com banalidades e também não anda propriamente a fazer mal nenhum a ninguém.
      Pequenez é ver estes comentários que não conseguem entender ou sequer aceitar uma visão diferente de 'casamento' do que aquela que acham ser a 'normal'. Ainda me hão de explicar o que é isso do 'normal'.

      Ass. Joana, psicóloga, 30 anos.

      Eliminar
    8. Acho uma piada toda esta moral sobre o casamento, quando tens em casa o exemplo da maior falhada nesse assunto: a tua mãe. Dois casamentos acabados, filhos de 2 homens diferentes, outra série de casos falhados. E depois anda aqui com enxovais para cima e para baixo quando é o exemplo que é para a filha (e com a má fama que tem em Cascais e por toda a linha), que falta de noção.

      Eliminar
    9. Eu poderia simplesmente apagar o teu comentário, mas vou deixá-lo aqui, bem escarrapachado que é para verem a paciência infinita que preciso ter para lidar com gentinha dessa espécie.

      Vamos ver se nos entendemos: não sabes nada da minha vida e a prova disso é o teu comentário ridículo e mentiroso: "outra série de casos falhados", oi?! A minha mãe ainda não teve um único namorado depois do divórcio e isso já tem três anos. "Má fama em Cascais"? Vivemos em Cascais por apenas 1 ano e meio, de onde vem essa fama? Desconheço. Não conheces a minha família, nem a mim, não fales daquilo que não sabes.

      Sim, teve dois divórcios. Apanhava do primeiro marido, levava surras e mais surras com apenas 19 anos. Achas que devia continuar casada? Separou-se com 21 e dois filhos debaixo do braço, pequeninos. Foi mãe, foi pai, tinha dois empregos, fazia faculdade e nunca perdeu uma festinha de escola, uma reunião de pais, nada. A minha mãe é um EXEMPLO e morro de orgulho dela. Quem me dera a mim poder ser 50% da mãe incrível que ela é para mim.

      E quem te dera a ti teres uma mãe destas. De certeza que não vinhas para blogues alheios fazer comentários mentirosos escondidinha sob a capa do anonimato.

      Eliminar
    10. Anne, CLAP CLAP CLAP

      Se fosse tua mãe estava a morrer de orgulho de ter uma filha assim! Parabéns!

      Eliminar
    11. Anne, não tens de justificar nada, nada mesmo! Os frutos que colhes são a maior prova do que es e do que fazes! A tua mãe idem! Essas pessoas devem ser tão infelizes que nem imaginamos... O que leva um ser humano em pleno sabado (SABADO) a tarde ir a um blog que pelos vistos nao gosta (ou inveja?) e ser tão reles ao ponto de insultar, tentar magoar, humilhar, e tentar tirar a felicidade de outrem? Imaginas a vida deles? Eu nao, mas deve ser uma vida de sofrimento com certeza...

      Mas sim, como diz a Petra, cla clap clap! Eu tenho orgulho em ti e nem te conheço pessoalmente...

      Joana como psicologa que é, o que acha dessa gente que por detrás de um anonimato que por acaso ate se levanta porque da para saber o ID do computador de onde é enviado e ir a policia, ser tao reles? Tão baixo? Acha que essas pessoas podem se suicidar num futuro próximo por depressão? Espero que sim. Chega de gente invejosa que não faz nada para melhorar de vida e só quer piorar a do outro para se sentir superior...

      Anne e nao vou assinar porque se nao vai sobrar para mim! ;) Já sabes como é...

      Beijocas

      Eliminar
  9. E a ti está visto que falta quem te coma para vires para aqui dar palpites... Es tu que lhe pagas a empregada? Lavas lhe as cuecas? Entao nao tens nada a ver com isso e ninguem aqui te deve explicaçoes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahaha vocês são o máximo, só me fazem rir. Obrigada ;)

      Eliminar
  10. Já passei por isso. Aqui no Brasil somos obrigados a deixar os estranhos entrarem em casa, mas, na maioria das vezes, são muito sem educação, não cumprem o horário marcado. Uma vez uma estranha me disse "desculpe pelo incômodo" e eu respondi "Incômodo mesmo".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No Brasil não sei como funciona porque sempre vivi em casas próprias mas realmente, acho um bocado chato sermos obrigados a deixar entrar estranhos na casa quando ainda lá estamos. É como tu dizes, é mesmo "um incômodo".

      Eliminar
  11. Oh, coitada da mulher q vai perder dinheiro! Deixem-na ir mostrar o apartamento, qual o prob?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh claro! Vamos deixar estranhos entrarem em casa das pessoas, sem os donos estarem presentes -.-

      Eliminar
    2. Se fosse ao contrário já estava aqui um post todo indignado a dizer que o M. queria arrendar a sua casa e o idiota do inquilino não deixava marcar visitas. Acham que estando lá a senhoria e a empregada ia acontecer o quê? O casal ia ser apanhado a remexer nas gavetas? Pelo amor de deus. Se fossem vocês a querer arrendar uma casa a começar no mês seguinte, sendo que o anúncio vos interessava muito, queria ver a vossa reacção se a senhoria vos dissesse que só após o inquilino sair é que podia fazer a visita (mais depois o tempo do contrato, mudanças, etc), porque ele não deixava antes. Na casa onde vivo actualmente, visitámo-la ainda com os anteriores inquilinos cá e, como o primeiro dia do mês (que era quando entrávamos) calhava a meio da semana, eles até disseram que podíamos deixar coisas no sotão e ficar logo com a chave no fim-de-semana anterior (quando eles ainda tinham direito a ocupar a casa). E primeiro visitou só o meu namorado a casa e um dia em que eu estava em Lisboa e íamos a passar na zona, decidimos tocar à porta a ver se estava alguém e se nos deixavam ver a casa os dois (porque eu ainda não tinha visto e não estava a morar em Lisboa), a rapariga estava em casa e disse logo que era na boa subirmos. É a diferença de lidar com pessoas compreensivas e que têm interesse em ser amáveis com o próximo.

      Eliminar
    3. A questão não é suspeitar que a senhoria nos vá roubar ou que o casal vai remexer gavetas, é mesmo a nossa privacidade em jogo ao deixar a senhora mostrar a casa sem ninguém lá dentro, conforme ela tinha sugerido ao passar no escritório do M. e ir buscar a chave.

      Tínhamos combinado para o fim-de-semana e ela apareceu sem avisar, fez questão de dizer que "era a dona da casa e tinha direito a vê-la", sem comunicar com antecedência, intimidou a empregada... acabou com qualquer boa vontade que nós tínhamos de ajudá-la. Foi arrogante e mal educada. E gente assim não tem vez comigo.

      Eliminar
  12. Sim Anne sou senhoria e de facto as visitas estão previstas na lei durante a vigência do mês de caução os horários também estão estabelecidos na lei não sei de cor mas penso que será qualquer coisa como das 19 ás 22 nos dias de semana e ao fins de semana tem outro horário mais alargado mas é só consultar o RAU. No entanto não considero a atitude da sra muito correcta acho que conversando se encontrão formas de solucionar e contornar essa questão de maneira a que ninguém saia prejudicado, acho que o tal casal se está de facto interessado pode aguardar para ver a casa e a sra não vai perder negócio, gosto sempre de ter um bom relacionamento com ex e presentes inquilinos.
    Maria do Rosário

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria do Rosário, hoje falamos com a senhora e estipulamos os dias da semana e horários em que a visita poderá ser feita. Frisamos que se ela aparecer noutros dias/horários, mesmo que a empregada esteja em casa, não vai entrar porque, pura e simplemente, não sabe acatar o que os outros dizem. Se é terça-feira às 10h, não vale a pena aparecer na segunda à mesma hora.

      Ela tem um bocado de dificuldade em perceber que, apesar de ser a dona da casa, como faz questão de frisar vezes sem conta, a casa está arrendada e paga, logo, a última palavra é sempre nossa e não dela.

      Mas felizmente parece que ficou tudo combinado para a próxima semana, vamos lá ver...

      Eliminar
    2. Como já foi dito: o arrendatário tem de mostrar a casa a quem esteja interessado (nos termos já indicados), daí não poderem impedir as visitas. Por outro lado, o que acho que aqui ainda não foi dito é o facto de qualquer senhorio ter a obrigação de respeitar a privacidade do inquilino (não podendo ter chave da casa, nem entrar quando quer sem avisar atempadamente, etc.) mas isso não o pode impedir de fazer tudo para arranjar outro inquilino. Lá está, tudo tem a ver com bom senso e diálogo entre as partes. Têm sim o direito de privacidade mas ela também tem direito a arrendar a casa assim que vocês saiam. Não pode é ser como ela quer, têm de chegar a acordo entre ambas as partes.
      Beijinhos

      Eliminar
    3. É de enorme importância respeitar a privacidade do inquilino e claro que não deve passar pela cabeça de nenhum senhorio desrespeitar de uma forma tão inusitada a privacidade dos seus inquilinos, pessoalmente não o faço assim como não faço uso de alguns dos direitos que estão na lei por os considerar excessivos não mostro a casa durante o mês de caução e não apareço nunca para visitas a não ser que seja alertada pelos outros inquilinos de barulhos ou actividades suspeitas, tenho tido muita sorte com os meus inquilinos, mas oiço com cada história que até arrepia, como em todos os negócios há sempre um risco, acho que em Portugal devido ao retardamento ( não há outra palavra) da lei que havia e embora melhorada ainda há, este tipo de situações de falta de respeito de parte a parte ainda são muito frequentes. Este é o tipo de negócio que fornece um serviço do mais pessoal e privado que há a habitação e para funcionar bem o bom senso tem que imperar para que possa funcionar.

      Maria do Rosário

      Eliminar
  13. Mas o que importa é que já conseguiram resolver tudo :)

    ResponderEliminar
  14. Eu já arrendei apartamento e já passei por essas situações de ''visitas'' inesperadas. Se é chato, é.
    Mas com bom senso resolve-se tudo.
    Creio que este tipo de posts desencadeia sempre muita lavagem de roupa suja online, venho comentar sempre no fim para não levar com danos colaterais!

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  15. Olá
    Pois a minha família arrenda casas aqui Portimão e nunca vamos mostrar a casa a outras pessoas, mesmo sabendo que os inquilinos vão sair. Só mostramos com a casa vazia.

    ResponderEliminar
  16. Santa ignorância. Há com cada perúa por aí. Há pessoas que pensam ter um rei na barriga mas no fim vão todos assar no forno. Alguns com limão no traseiro.

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig