07 janeiro 2014

Feira Popular e Circo Chen

No fim-de-semana passado fui finalmente à Feira Popular, em Entrecampos, acompanhada da família toda. Tanto que ouvi falar que quis conhecer também. Queríamos levar a Vi para andar nos brinquedos, ir à roda-gigante, essas coisas. Assim que adentrámos na feira, os olhos da miúda foram atraídos pelo letreiro do Circo Chen. "Vamos ao circo? Vaaaamos?" e se é verdade que detesto circos [por tudo o que significa para os animais] também é verdade que a Vi só tinha ido ao circo quando era bem pequenina e não se lembrava de nada.

Expliquei-lhe que um circo com animais, como o Circo Chen, significa um sofrimento imenso para os bichos, que ficam a vida inteira confinados em jaulas pequenas, com alimentação pobre, sem espaço para correr e tendo que repetir os mesmos truques vezes e vezes sem conta. E que quanto mais pessoas pagassem para ver estes espetáculos, mais sucesso o circo teria e mais animais sofreriam. Ela compreendeu mas estava curiosa em relação ao circo e achei que seria justo ela poder optar e conhecer o que estava por detrás dos circos com animais.

Há uns quinze anos que não pisava num circo e acabei por gostar muito da primeira parte, com ilusionistas, malabaristas, trapezistas e equilibristas. Gosto de circo com pessoas, com gente talentosa que faz coisas incríveis, até de palhaços gosto. E assim, a primeira parte foi óptima!


Até aqui, tudo corria muito bem. Vimos artistas incríveis, que realmente tinham talento para a coisa, que fizeram coisas espantosas aos nossos olhos e fiquei mesmo a pensar: "caraças, esta gente é mesmo boa no que faz!". Tudo corria maravilhosamente bem quando os funcionários do circo começam a pôr grades ao redor do picadeiro e já sabia: as próximas atracções seriam com animais.

Vi coisas absolutamente chocantes: camelos com feridas nas articulações [já para não falar na mudança brusca de habitat - animais de clima desértico a viverem num país europeu em pleno inverno - no coments], um búfalo raquítico que até se contavam as costelas, tamanha a magreza do bicho. Os tigres pareciam que tinham enfardado uma caixa de Rivotril e estavam apáticos, sonolentos. Entediados mesmo, nota-se pelas fotografias. Deu-me cá uma aflição... E eram obrigados a andar em tábuas, a saltarem entre vários níveis de altura, claro, com a domadora sempre de chicote em riste. Uma crueldade sem tamanho.

Depois foi a vez das focas e leões marinhos. E, de todos os animais que vi a trabalharem no Circo Chen, a pequena foca foi a que mais me tocou. A coitada estava perturbadíssima, com um grave desvio de comportamento. Passou o tempo todo com a cabeça virada para o lado esquerdo [onde estava o balde com os peixes, claramente faminta]. A treinadora pedia-lhe para bater palmas, equilibrar bolas no nariz e a certa altura já a foca batia palmas o tempo todo, sacudia a cabeça mesmo sem a bola, já não sabia mais o que fazer para agradar a treinadora e receber os peixes. Desatou a fazer todos os truques ao mesmo tempo, na esperança de ganhar um bocado de comida. Cortou-me o coração, de verdade. Estive a um  nada para me levantar e ir embora.

Por isso, Circo Chen, me desculpe se não posso bater palmas e admirar o vosso trabalho. Não posso concordar com tamanha barbárie, com animais prisioneiros durante toda uma vida... =/
A cereja no topo do bolo ficou por conta da exclamação de uma senhora, quando o espectáculo terminou: "ahhh, nem havia elefantes! Circo à sério tem sempre elefantes!".

Aiiiiii que o meu sangue ferveu. Era enchê-la de estalos até a minha mão cansar. Queres ver animais, querida? Vai ao zoológico, onde os animais bem tratados! [e sim, o zoo de lisboa é fantástico no trato dos animais - estive lá durante 4 meses em voluntariado e pude ver tudo de perto, são óptimos!]
Nervos, pessoas, que nervos!

SHARE:

8 comentários

  1. Partilho da mesma opinião!
    Circos sim, mas sem animais!!!

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente, por isso é que para mim circo bom de ir ver e sem essas coisas é sempre o Circo du Solei ;) aposto que ia adorar.

    ResponderEliminar
  3. Nao gosto de circos, alias, gostar ate gosto, mas aqueles sem animais.

    ResponderEliminar
  4. Ola Anne! Nunca tinha comentado aqui no teu blog apesar de todos os dias passar por aqui! Mas... com este post...tive que comentar mesmo! Sou exatamente da mesma opinião que tu!
    Não percebo porque os seres humanos não conseguem pensar "outside of the box".... e questionar, saber, ter conhecimento de como, porquê, onde, de que forma estes animais sobrevivem...
    São os seres humanos seres superiores?! Hum... Not really....
    Beijinhos, tudo de bom e felicidades!

    Susana

    ResponderEliminar
  5. Também deixei de gostar da ideia de circo quando me apercebi que os animais são maltratados. Isso deixa-me mesmo triste :/

    ResponderEliminar
  6. E alguns ainda têm o descaramento de ir para a tv dizer que os animais são bem tratados...

    ResponderEliminar
  7. Também me dá imensa aflição, mas um dos meus grandes sonhos é ir a um espetáculo do Cirque du soleil. Conheço pessoas que já foram e além de dizerem que não há espetaculo igual, também dizem que os animais são super emtratados (até se podem visitar as instalações).
    www.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig