27 fevereiro 2014

1 milhão!

Esta semana atingimos um milhão de visualizações no blog! Para quem sempre disse que isto era assim uma espécie de blog privado [e durante os três primeiros meses esteve mesmo privado, só eu o lia], foi uma agradável surpresa entrar no painel de administração e ver a marca de um milhão de visualizações... A verdade é que nunca esperei ter tanta gente a passar por aqui um dia mas fico muito feliz em saber que gostam e  voltam ;)


Vocês são os melhores!

SHARE:

Status #6

Dente de siso que resolveu dar o ar de sua graça e nascer justamente agora.
10 dias de antibiótico, iniciado anteontem, e que calha de terminar bem na 4ª feira de cinzas, segundo as contas da minha dentista.
Nada de álcool neste carnaval (adeus, caipirinhas! adeus, mojito! - olá, cara de lua e bochechas de bulldog)

Ai, pessoas, só vos digo que este dente tem um timing muito filho da puta porque eu estava cheeeia de planos para este Carnaval (mentira, o único plano era ver o desfile na Globo, deprimir ao ver as rainhas de bateria sambando sem saltar ali uma única grama de gordura e para me vingar, meter a cara na caipirinha...) e agora isso...

SHARE:

26 fevereiro 2014

Hôtel des Invalides & Basilique de Saint-Denis // Paris

Na minha última ida a Paris aproveitei para visitar alguns sítios que tinham ficado para trás da outra vez. Como compramos novamente o Paris Museum Pass [sou louca por museus e nunca dispenso a chance de me enfiar em mais uns quantos], desta feita optámos por conhecer mais sobre a história de França. E nada melhor que começar com o Museu da Armada & Hôtel de Invalides:


Confesso que não estava muito animada para visitar este museu... tudo o que mete guerras, sofrimento e morte é coisa que mexe bastante comigo mas estava ansiosa para conhecer o túmulo de Napoleão Bonaparte, de que tanta gente falava... e como para ir ao Tombeau de Napoléon precisava passar pelo Museu da Armada e até tinha o passe para lá entrar sem pagar... porquê não? A verdade é que acabei por gostar de conhecer um bocadinho mais sobre os combates da França, a vida que os soldados levavam naquela altura, as armaduras, é uma viagem pelo tempo.

SHARE:

25 fevereiro 2014

Das palavras que poderiam ser minhas #5

[Por motivos diversos, nos últimos tempos estive numa posição incômoda: alguns posts meus ganhavam comentários ofensivos a outras pessoas. Não que eu fique totalmente de boa quando esse tipo de comentário é dirigido a mim, mas ver pessoas queridas, conhecidas e amigos próximos tendo que lidar com palavras que os deixam pra baixo, é mil vezes pior do que ter que lidar com uma pessoa grossa que se acha no direito de falar o que quer sobre mim mesma.

Mas depois de um comentário que me deixou completamente atordoada me sinto na obrigação de vir até aqui falar o que todo mundo deveria saber, mas aparentemente não é o caso: Você NÃO tem o direito de falar o que quiser para as pessoas. Isso só é aceitável se a sua idade for igual ou abaixo dos 10 anos, o que acredito não ser o caso do meu público. Sim, porque sendo uma criança, você vai poder falar besteiras e matar a sua mãe de vergonha na frente de alguns amigos, mas depois de adulto, não.

Não, porque você deveria ter recebido educação e entendido que existem limites pra tudo, até pra ‘sinceridade’. Você não chega num elevador, dá de cara com uma pessoa e diz “Putz, seu nariz é horroroso, deveria fazer uma plástica”. Ou fala? Porque é exatamente isso que você faz quando solta pra blogueira um “Nossa, você engordou hein”. Uma tremenda de uma grosseria, uma atitude que é totalmente condenada na vida ‘real’ mas por algum motivo inventaram que tá ok ser tosco online. Não está!!

Não é porque as pessoas se expõem em fotos, textos, videos ou o que for que você ganha passe livre pra soltar asneiras online. Não, a blogueira não tem que ‘aguentar críticas já que vive da sua imagem’, porque ‘feio’ não é crítica, é julgamento. Não gostar do look, da make, do video, e dizer “não gostei, achei que ficou desproporcional/curto demais/o sapato não combinou” é ok. É uma crítica e acho que quem está publicando espera isso e pode inclusive aprender com esse retorno do público, é o que acontece comigo. Falar “você tá bizarra”, não. Entendem a diferença? Eu acho muito clara, mas pelo que ando lendo por aí, é necessário explicar.] 

Hoje a Lú Ferreira tirou-me as palavras da boca, com um texto que resume bem o que eu penso sobre o assunto. Nos últimos dois dias este blog tem sido bombardeado com comentários anónimos (seeempre eles, claro) super ofensivos à outras bloggers, alguns com links, outros com detalhes sobre a vida pessoal destas bloggers. Meus amigos, lá porque eu não modero os comentários isso não significa que isto aqui é a casa da mãe Joana. Lamento, mas estes comentários foram apagados. E tive mesmo que proibir novos comentários naquele post porque foi uma rebaldaria. Estou seriamente tentada a mudar o nome deste blog para "creche da tia Lulu", porque por vezes acho mesmo que estou com a lidar com crianças de 5 anos (isto para não dizer que, a serem adultos, são tão mal formados que até tenho pena...).
Vamos ser mais educados? Não custa assim muito e a blogosfera agradece.

P.S: Felizmente, este post é dirigido à uma pequena [pequeníssima] parte dos leitores deste blog porque a esmagadora maioria sabe estar, sabe comentar e, mais importante, sabe como criticar. Ainda bem que vocês são a maioria. =)

SHARE:

Hoje ganhei o dia:


Tinha acabado de chegar de uma reunião e assim que entrei na recepção da clínica dei de caras com uma cliente ao balcão, a preencher um livro. Por instantes pensei que se tratava do Livro de Reclamações [felizmente nestes quase nove meses de abertura nunca foi necessário] e ia me dando uma coisinha má, que se há coisa que evito a todo custo é ter um cliente insatisfeito por cá. Faço os possíveis e impossíveis para remediar qualquer tipo de situação desagradável, qualquer erro da nossa parte, ou mesmo quando tenho a consciência de que nós, da equipa, não tivemos culpa. Mesmo nestes casos, faço questão de resolver tudo de forma a que o cliente saia beneficiado [neste aspecto prefiro perder dinheiro a perder o cliente]. Por cá levamos muito a sério a máxima "o cliente tem sempre razão".

Por isso, foi com um misto de satisfação e orgulho que constatei que a cliente estava a escrever no Livro de Elogios, que fizemos questão de ter no nosso espaço. Sim, que se é verdade que há um livro para reclamações [e acho muito bem que haja], também é justo que haja um livro para recomendarmos uma empresa e elogiarmos o bom serviço. E numa cidade como Lisboa, onde há sempre correria, onde nunca temos tempo para nada e estamos sempre atrasadas, soube-me mesmo bem ver que uma cliente perdeu o seu tempo [essa coisa tão preciosa nos dias que correm ] para estar a escrever meia dúzia de frases sobre nós. E esse é o melhor pagamento que podemos receber... Sabem aquela sensação de dever cumprido? Pois é, hoje ganhei o dia.

SHARE:

24 fevereiro 2014

New in #3

Um dos pijamas mais quentes que alguma vez já vesti, todo em "plush", macio e aveludado como eu gosto. Comprei-o em Paris, numa lojinha em Montmartre e custou-me 15€ [sim, que os pijamas da Oysho que levei para as férias deixaram-me geladinha no inverno parisiense - no dia seguinte fui a correr comprar algo grosso para dormir]. Adoro-o!

Já a pensar na Primavera, trouxe este top da H&M, com uma das tendências que mais adoro, o peplum, e num tecido tão fresco e fluído que só apetece é vestir. Custou 29,99€ e apesar de não ter achado muito barato, foi daqueles amores à primeira vista.

SHARE:

Ainda falta muito...?

....para acordamos com um dia lindo lá fora e podermos usar t-shirts e bracinhos ao léu? E pernas, que isto de sair de casa com leggings e collants todo o santo dia já começa a dar cabo da minha paciência. Tenho saudades do bom tempo, o que é algo inédito para mim que sou fã declarada do tempo frio. Mas este ano anseio pelo sol, sabe-se lá porquê. 

Hotel Vila Galé Atlântico // Agosto 2013, Algarve

Quero os vestidos esvoaçantes. Os mini mini calções com tops largueirões. Moontes de colares coloridos. E havaianas nos pés, que ainda está para nascer um calçado mais confortável que esse.. Quero a marquinha de biquíni, que não abro mão [para desespero da minha mãe, que diz que uma noiva não pode exibir marcas de biquíni..]. Já estou naquela fase em que sinto saudade de tudo, absolutamente tudo que lembre o sol. Os escaldões que o M. apanha todo santo verão [não há maneira de evitar, o homem pensa que nasceu com tom de pele cabo-verdiano e torra ao sol], o cheirinho a protector solar [um dos meus cheiros favoritos], as músicas pimbas que parecem surgir exclusivamente nesta altura do ano, a leitura leve e as revistas cor-de-rosa que eu levo sempre para o areal [no verão fico a saber tudo sobre toodos os famosos, uma cusca do pior], as unhas sempre pintadas com cores extravagantes e vivas...

Aiiiii o verão (suspiros). Aiii que saudade. 
Não demores muito, está bem?

SHARE:

23 fevereiro 2014

Das palavras que poderiam ser minhas #4


O assunto é recorrente cá no blog mas não consigo ficar indiferente ao tema. Volto a afirmar que não sou contra a publicidade de forma indirecta nos blogs [em banners, em pequenos anúncios na lateral, no cimo, no rodapé... porque vê-se à distância que se trata de publicidade e só lá vai quem quer - tal como tenho no meu e cujo rendimento é utilizado exclusivamente para o blogue]. 

O que me custa é a tal da publicidade encapotada. É estarmos a ler um post sobre o novo perfume Rosabotanica que a autora "não resistiu à embalagem lindíssima e aroma primaveril e acabou por trazê-lo consigo" e depois dar com o mesmo post em 34 blogues diferentes. O que me custa é estar a ler num blogue que a autora estava a passar pela Woman´s Secrets e "teve mesmo que trazer este kimono estampado, apaixonou-se por ele" e no próprio dia ver três ou quatro posts sobre o mesmíssimo kimono [será que se deu um surto e todas as blogues portuguesas apaixonaram-se pelo mesmo pijama?]. E então percebes que era tudo publicidade [mal] encapotada.

Percebes que ninguém comprou nada, que não caíram de amores por aquela ou outra peça, que simplesmente receberam como oferta da marca mas que, por lapso, esqueceram-se de comentar tal facto. Ups! Eu não sei quanto a vocês mas a mim irrita-me ser feita de parva. Querem fazer dinheiro com o vosso blog? Óptimo. Querem escrever posts com publicidade? Óptimo, mas por favor, sinalizem que o estão a fazer. 

É engraçado que há dias A Pipoca Mais Doce foi de férias para Cabo Verde, como oferta de uma companhia de viagens e foi altamente criticada no facebook mas, a meu ver, foi sempre sincera desde o princípio, assumiu sem problemas que ia de férias à pala da tal empresa e teve uma atitude totalmente sincera para aqueles que a lêem. Ponto para ela, sem dúvida.

Se querem mesmo que os blogues portugueses sejam levados à sério como os blogues americanos e brasileiros, então meus amigos lamento informar mas ainda há muita estrada a ser percorrida. Para já, para já, falta um pequeno [grande] detalhe: a sinceridade. Sem isso, não vamos a lado nenhum. Nem mesmo na blogosfera. 

P.S: Continuo a afirmar que, à semelhança do que já acontece noutros países, Portugal havia de ter uma lei que regulamentasse isso da publicidade nos blogues. Que as obrigassem a pôr uma tag, uma frase ou qualquer porcaria que sinalizasse naquele post que sim, trata-se de uma publicidade. A ver se este dia chega logo...

SHARE:

22 fevereiro 2014

Vestidos de noiva [a saga]

Ando ligeiramente aflita [que é como quem diz, a ponto de cortar os dois pulsos] à procura do vestido de noiva. Desculpem, expressei-me mal. Estou à procura do meu vestido de noiva. Aqueeeeele dos meus sonhos, que me vai deixar linda, magra, rica e ainda me fazer o jantar. Brincadeiras à parte, tenho visto muita coisa, visitado [e experimentado] montes de vestidos mas ainda não se fez o click na minha cabecinha, do tipo "oh meu deus, é este, não posso mais viver sem ele, quero-o já!". Népia.

Todas as minhas amigas que já casaram dizem-me a mesma frase: "quando o experimentares, vais saber que é o tal." Só que já corri Lisboa inteirinha, de Alfama à Cascais e... nada do click. Não se deu, pronto. Devo ser uma noiva esquisitinha do caraças [e se calhar sou mesmo] mas ainda não encontrei um vestido em que gostasse de tudo, do conjunto completo. Quando gosto da saia, não gosto do decote. Quando gosto do decote, não gosto das alças. Quando gosto do conjunto todo [milagre]... o vestido não tem alças [e eu tenho verdadeiro horror a vestidos de noiva cai-cai]. Portanto, espero bem que o click não demore muito a aparecer porque só vejo os dias a passarem e nada de vestido!

Nos entretantos, tenho estado apaixonada por este modelo de vestido estilo sereia, justo até a altura do joelho e com uma saia fluida até o pé. Acho-o a cara da elegância e da classe mas infelizmente não é para mim. Ainda ousei, na loucura, experimentar um modelo destes mas assim que a vendedora o apertou atrás, ui, senti-me um pernil embalado à vácuo e tirei-o imediatamente. A senhora lá tentou vender o seu peixe e disse que eu estava com um "corpo de ampulheta" e que o vestido parecia feito "à minha medida" - pois claro, mas justo era impossível, estava mesmo à medida! Só me apetecia rir mas nem isso podia porque o raio do modelo é mesmo justo e eu me sentia tão enfaixada que nem rir era possível. Sem condições. [sem contar que para andar é do mais desconfortável que há, ficamos com aquele andar à gueixa, super sexy!]


Se eu tivesse praí menos 10kg de ancas [e rabo!], tipo esta senhora, era menina para me abraçar a um destes modelos. Mas como a natureza me fez ligeiramente voluptuosa, tive que abandonar a idéia e lançar-me noutros modelos. E gosto de vááários mas ainda não perdi a cabeça por nenhum. E nada de ouvir o "click" por enquanto. Começo a desesperar...

SHARE:

21 fevereiro 2014

Deslarguem-me!

Estava eu a caminhar pelo Musée de l´Armée, encantada com tudo o que via, quando o telemóvel tocou. Tinha o +351 à frente do número, pelo que atendi sem sequer pestanejar (pensei que pudesse ser algo relacionado com a empresa, alguma funcionária em apuros, sei lá... isto de viajar e deixar os negócios nas mãos dos outros deixa-nos sempre em alerta constante).

- Estou?
- Estou sim, muito bom dia. O meu nome é Alexandre Campos e estou a ligar por parte da ZON...
Aiiiiiiiiiiiii não acredito! Nem deixei o homem terminar de se identificar:
- Olhe, desculpe mas estou de férias em Paris e você está a acabar com o meu saldo com esta chamada. Não estou interessada nos vossos serviços, já o disse quinhentas vezes.
- Compreendo, vou então ser breve: Sabe quanto dinheiro posso fazê-la poupar ao fim de um mês? (Opá, foda-se, mas eu vou continuar a ouvir essa ladainha e gastar o resto do meu saldo? Deve ser, deve)

Desliguei. Fiquei cheia de remorso depois, que o homem não tem culpa de trabalhar numa empresa deste calibre, que maça os clientes até os porem loucos, mas caramba, uma pessoa também tem limites. Tive mesmo que ser grossa que vocação para Madre Teresa de Calcutá é coisa que não abunda por estes lados.

Hoje, novamente tornam a ligar (é que já nem sequer ligam de número privado, é mesmo de um 21) e atendo. Desta vez passei-me da marmita: disse para retirarem o meu nome da listagem deles, que não dou autorização para estas campanhas de marketing agressivo, que se me voltam a ligar juro que vou à uma loja ZON assinar o Livro de Reclamações e ainda cancelo o contrato. Ui, fiz um escarcéu. Hoje estou que não posso com a Zon!

SHARE:

19 fevereiro 2014

Ajudar a economia nacional?! Pois...

No outro dia comentava sobre um novo produto capilar com uma amiga e quando comentei que era da marca Schwarzkopf, veio logo a exclamação: Ah, pois, deves achar que tenho dinheiro para estas marcas! E eu ri-me, claro, porque já comprei esta marca a preços iguais ou mais baratos que os Pantenes e Elvives desta vida... E como este tema é recorrente, tanto na vida real como no blog ("como é possível gastares rios de dinheiros em produtos de marcas profissionais?! Deves gastar um balúrdio!") achei que estava mais do que na altura para este post sair.

Pois, realmente às vezes estico-me um bocado, que é tanta oferta a preços incríveis que uma pessoa nem sabe muito bem para onde se há de virar. Mas, regra geral, compro tudo com pelo menos 40% de desconto em relação à Portugal, o que é claramente um espanto se pensarmos que Portugal e Espanha são vizinhos, ambos estão na comunidade européia e, tirando a diferença de IVA (o IVA espanhol é de 21% contra os 23% do IVA português), não vejo grande justificativa para encontrarmos um produto lá a 4,95€ e por cá a 19,90€. Cheira-me a ganância por parte das empresas portuguesas mas como não é assunto da minha alçada, que eu pouco (ou nada) percebo de IVAs e tributações, resta-me fazer apenas uma coisa: comprar no sítio mais barato, sempre.

E isto vale para vários produtos. Os perfumes, por exemplo, são todos comprados online em Espanha ou fisicamente em França, com preços de fazer rir se comparados aos de cá. A maquilhagem é comprada seeempre em sites de Inglaterra ou, novamente, em lojas online em Espanha. Os produtos de dermocosmética vêm todos, invariavelmente, de França. Os acessórios como lenços, colares, anéis e parafernálias afins são comprados em lojas de de Hong Kong ou China (via ebay) e já me cruzei com os mesmos nas lojas do costume (Claire´s, Parfois, Zara...) pelo triplo do preço. É pena que Portugal fique a perder mas é cada vez mais raro optar por comprar o que é nacional.

SHARE:

17 fevereiro 2014

Não está fácil, não...


Se não for desta que dou em maluca, então acho que nunca mais enlouqueço.

Mas porquê, porquê tudo o que mete a palavra casamento imediatamente passa para um patamar de preços exorbitantes, assim, sem mais nem menos? Estou a procura da maquilhadora e já liguei para umas quantas que me foram recomendadas. Ora, não é a primeira vez que contrato os serviços de uma maquilhadora profissional (já o fiz quando fui madrinha de casamento e de baptizado) e digo-vos que o valor que me cobraram agora foi quase 4 vezes o que me pediram na altura em que fui madrinha. Quatro vezes! Quer dizer, qual é assim a dificuldade de fazer uma maquilhagem de noiva? É só uma maquilhagem discreta, sem grandes invenções. Nada de smooky eyes, de lábios vermelhos, é coisinha básica, pessoas. Será assim tão caro?!

Apetece-me dizer: querida maquilhadora, eu disse-lhe que estava noiva. Não milionária... 
Ai a minha vida!

P.S: Sim, contrariando todos os pressupostos, vou me casar em Lisboa. Ainda tentei organizar as coisas no Rio de Janeiro mas era demasiada dor de cabeça. Ter que escolher tudo via skype, enviar quantias astronómicas de dinheiro a pessoas que nunca vi na vida para me organizarem tudo... não dava. Tive que ser realista e começar a tratar de tudo por cá. Fiquei de rastos na altura mas agora já estou mais animada com a idéia. Veremos.

SHARE:

16 fevereiro 2014

Paris // random pictures:

Champs Elysée e a maravilhosa Sephora (a maior onde já estive, um autêntico paraíso para as amantes de maquilhagem)

Onde comi os melhores crepes de sempre, na Place de Clichy

Mamãe e Vi escolhendo postais de Parrí, no Boulevard de Clichy

SHARE:

Disneyland Paris // um sítio mágico!

Decidimos ir à Disney no sábado porque é o dia em que o parque fecha mais tarde, as 21h. Apanhamos o comboio RER do centro de Paris (estação Chatelet les Halles) até a estação Marne La Vallé, que é mesmo em frente à Disneyland. Como tínhamos comprado o passe completo dos transportes (Paris Visite, zona 1 a 5), não tivemos que pagar a mais para ir até a Disney (quem compra o passe apenas para o centro de Paris depois tem que comprar o bilhete à parte até a Disney, que é afastada do centro).

Saímos do hotel as 8h30, ainda paramos no Monoprix para tomar o pequeno-almoço (as baguettes de lá são qualquer coisa) e depois fizemos a viagem até a Disney que demorou cerca de 40 minutos. Estávamos tão excitados! A Vi nem piscava, já só pensava em ver o Mickey, a Cinderela e, claro, andar nos brinquedos!

Quando chegámos ao parque estava uma chuva fininha (chata como tudo) mas nem isso demoveu as pessoas que estavam na fila da bilheteira. Moontes de gente (nem quero imaginar como será o parque no verão, ui ui). O preço normal do bilhete é de 81€ para adultos e 75€ para crianças (dos 3 aos 11 anos - menores de 3 anos entram sem pagar) para os dois parques da Disney. Como tínhamos o passe Paris Visite, conseguimos 20% de desconto nos bilhetes e saiu-nos a 65€ adultos e a Vi pagou 59€. No início achei carote mas depois de estar lá dentro posso dizer-vos que vale cada euro pago. É incrível! Ficam as fotos:



SHARE:

15 fevereiro 2014

Cortei!

Há uns tempos que estava desgostosa com o meu corte de cabelo (escadeado em V) mas, como pretendo que ele esteja comprido para o casamento, ficava sempre com pena de cortar e adiava a decisão. No princípio deste mês fiz uma nova coloração (free amonia) porque os cabelinhos brancos não me deixam (maldita genética!) e desde então a coisa descambou. Pontas duplas, pontas espigadas, pontas secas... era vê-las por todos os lados.

Não sei se é cisma minha mas acho que os cortes escadeados evidenciam ainda mais o problema das pontas duplas. Com o meu corte em V, estava sempre a ver a porcaria das pontas. E depois aquele "bico" final do cabelo, quase na cintura, já estava ralo e esquisito, aquele tufinho ali pendurado, nããã... precisava tomar uma atitude.

Hoje cortei o cabelo. Foram quase dez centímetros à vida mas finalmente me livrei daquele "bico" do corte em V. Ainda não tenho o corte totalmente reto (para isso teria que cortar muuuito mais no comprimento) mas sinto o cabelo novamente cheio de volume e encorpado. Adorei! E agora vou tratar muito bem das pontinhas (já encomendei um stock de produtos - para já só ainda só chegaram as ampolas) porque não posso mesmo cortar muito mais até o casamento (escolhi um penteado que necessita de um cabelo grande...). 

 look do dia: o robe do namorado ahahaha

Tenho andado apaixonada por essa linha Repair Rescue, comprei a linha toda e sinto que a fibra do cabelo foi mesmo "preenchida" como eles dizem na embalagem, tenho o cabelo muito mais inteiro e resistente. Um dos melhores investimentos que já fiz! Para as interessadas, comprei todos os produtos desta linha online (em Espanha, of course) porque cá em Lisboa é mesmo para esquecer, os preços são totalmente abusivos. Por exemplo, o spray leave in custou-me 4,95€ online e na Carlos Santos estavam a vendê-lo a 19,95€. Quer dizer... Devem achar que encontro dinheiro nas árvores. Há quase um ano que não sei o que é comprar cosméticos em Portugal. Vem tudo de Espanha ou de França. Lamento pela economia nacional mas em primeiro lugar está o meu bolso.

E por falar em produtos, há um novo spray de brilho que têm andado sempre comigo. Descobri-o há uns meses e foi daquelas compras por impulso, tanto que ficou abandonado até há pouco tempo... Deixa o cabelo muito brilhante, dá a impressão que sela mesmo a cutícula e confere um brilho espelhado sem igual. Também é óptimo para quando usamos chapinha/prancha, porque o cabelo desliza que é uma beleza. É este:


A marca é brasileira [diz "chapinha" na embalagem, logo, deduzo que seja brasuca] e é vendida em várias lojas de cosméticos por cá. Comprei este na Diamantino Viegas do Saldanha [mesmo na rua ao lado do McDonalds] e penso que custou-me 6/7€. Baratíssimo pelo resultado que confere ao cabelo.

SHARE:

14 fevereiro 2014

happy valentine´s day ❤


Há dias vi esse vídeo no facebook e não consegui evitar exclamar um "owwn" porque ele retrata de forma perfeita a essência do que é o amor para mim.  Do que é querer estar o resto da tua vida com outra pessoa, escolhê-la, entre tantas, para ser Aquela pessoa. A tua pessoa.

O grande problema nos relacionamentos de hoje é que as pessoas falam muito e pouco demonstram. É muito fácil dizer "amo-te" para outra pessoa, fazer longas declarações de amor via whatsapp, partilhar textos de amor no perfil do Facebook do outro, isso não custa nada, é do mais simples que há.

O difícil é fazer tudo isso ter sentido. Difícil é deixar um bilhete grudado na porta do frigorifício, num dia comum, só para desejar "bom dia". Difícil é sentir o coração na garganta sempre que o vês, é comprar uma prenda num dia qualquer, só porque achaste que é "a cara dele". Uma vez li uma frase que fez todo o sentido para mim: "o amor não se alimenta de palavras, alimenta-se de atitudes". E é tão verdade que não posso deixar de partilhar com vocês. Já estive num relacionamento "de palavras". E deixava-me sempre com aquela sensação de que faltava ali muita coisa para me completar. E faltava, claro que faltava.

Hoje tenho a felicidade de ter alguém de atitude do meu lado. Um homem que admiro por tantos motivos... que me respeita, que me ama e demonstra esse amor em diversos gestos, que esperou por mim [e não foi pouco tempo], que faz planos comigo para daqui a 10, 20 anos... e eu sei que essa é a vontade dele: estar comigo pelo tempo que a vida nos permitir.

Se há dias maus e arrufos entre nós? É claro que sim, temos as nossas discussões [as parvas, em que terminamos sempre a rir da cara do outro, e as sérias, em que ficamos zangados por meia dúzia de horas e depois vem a melhor parte: as pazes]. O mais gostoso é que sabemos que, por maior que seja a briga, vamos sempre dar a volta por cima. Ele pode bater a porta do meu quarto e sair de casa puto da vida mas sei que dali a nada torna a entrar e abraça-me, beija-me e quem é que se lembra da briga?

O M. tem mooontes de defeitos, tal como eu [agora que penso nisso, acho que tenho muito mais defeitos que ele] mas tem todas as qualidades que eu sempre valorizei num homem [e que são essenciais para mim]: é trabalhador, fiel, inteligente, tem um senso de justiça do tamanho da China e quer tanto construir uma família como eu [ok, um bocadinho mais do que eu mas... não se pode ter tudo].

Neste "dia dos namorados", o último enquanto namorados de facto [no próximo já estaremos casados], só peço a Deus que nos permita continuar assim durante muitos e muitos anos. Que sejamos sempre este casal maluco, que se ama acima de tudo. No fundo, só peço que continuemos a ser namorados. E não, este ano não temos grandes planos de jantares, cinema, ursos de peluche e bombons... Estamos ainda tão cansados de Paris que tudo o que queremos é um fim-de-semana a pôr em dia as nossas séries favoritas e claro, com muito chamego entre nós.

SHARE:

Dos momentos mais emocionantes de sempre:


Fomos à Disney no sábado, dia em que o parque fecha mais tarde [às 21h] e ao final do dia, já mortos e estafados, íamos em direcção à saída do parque quando percebemos um certo movimento em frente à praça central [mesmo em frente ao Castelo da Bela Adormecida] e perguntámos o que se passava. 

Estavam todos à postos para assistir [ao frio, diga-se de passagem] ao Disney Dreams, um evento de luzes e fogos de artifícios que marca o encerramento do parque [acontece todos os dias]. Juro-vos que não dei muito crédito, pensei: "oh, já que estamos aqui, vamos assistir." mas não estava assim muito entusiasmada [e o frio era de gelar uma pessoa]. 

Quando aquilo começou, foi incrível, pessoas! O castelo, outrora rosa e azul, transformou-se num arco-íris de cores, de fogos de artifício, de fumo coloridos... Imperdível, mesmo! É claro que eles puxam um bocadinho mais pelos personagens franceses [faz sentido] como o Ratatouille, o Lumière da Bela e o Monstro e o Quasimodo do filme O Corcunda de Notre Dame mas ao longo do show vamos vendo trechos de outros clássicos da Disney [Rei Leão, Bela e o Monstro, Cinderela, Rapunzel...] e a emoção foi demais. Toda a gente deveria poder vivenciar esta experiência ao menos uma vez na vida. Fica para todo o sempre. Inesquecível.

P.S: O final do vídeo mostra outro momento super especial para mim: presenciar a Torre Eiffel a piscar [nos primeiros 5 minutos de cada hora noturna] do alto da esplanada do Trocadèro, quase as 22h. Eu e um monte de gente, de todos os lugares [ouvi sotaque dos quatro cantos do mundo], todos ali, reunidos, para verem a Dama de Ferro parisiense iluminada. É verdade que já tinha visto a Torre a piscar em outras ocasiões mas nunca me vou cansar. É fantástico!

SHARE:

Paris e as compras:

Fui novamente à farmácia mais barata de Paris, a Pharmacie Monge [em frente ao metro Place Monge] e segurei-me ao máximo para não trazer este mundo e o outro. Como ainda tinha muuuita coisa que comprei em Novembro e ainda não terminei [água micelar Bioderma, Embryolisse e afins], desta vez trouxe novos produtos, como a mousse de limpeza da TAAJ Paris, a água desmaquilante da Uriage e o óleo prodigioso da Nuxe [e ainda me ofereceram uma vela da Nuxe]. Trouxe também pastas de dente branqueadoras [sou maníaca por dentes branquinhos] e o meu amado Phytopolleine [por 18€!] bem como o Phytodéfrisant, por sugestão da Bel [por míseros 8€], agora estou arrependida de não ter comprado mais, experimentei hoje e o cabelo está incrível! Gastei cerca de 95€ desta vez.

No Dutty Free do Aeroporto de Orly fiquei maluca com o preço dos perfumes. Sou fã do Noa da Cacharrel [o meu último trouxe de Londres por 19£ e já estava nas últimas], por isso quase ia me dando um fanico quando o vi à venda por 24€ [em Lisboa custa 55€]. Agarrei também no Ricci Ricci, que não conhecia, mas por 24€ comprei sem pestanejar. E a embalagem é linda de morrer (trouxe ambos na versão 50ml). Depois trouxe o CK In2U para o mano, por 17€. O mais caro foi o do Jean Paul Gaultier, Le Male Terrible, para o meu amor [que é um homem terrível, claro está]. Este foi cerca de 45€ [por cá custa 72€].

SHARE:

12 fevereiro 2014

random report:

● Chegamos a Lisboa no vôo das 8h30. Juro-vos que nunca na vida apanhei um vôo com tanta turbulência como este! Com quase uma hora de vôo, já eu tinha perdido um bocado do cagaço inicial e começava a relaxar quando... o avião inclina TODO para o lado direito e começa a chacoalhar. Mandei um berro e a comissária da Transavia veio conversar comigo. "Its normal, trust in me" ahahaha está bem, está. Comecei a ver a vida a passar-me diante dos olhos "oh meu Deus, é desta que esta porcaria cai. E eu que ainda tenho tanta coisa para fazer, caraças, agora não me dava jeito morrer". Não é que tenha medo da morte, juro que não tenho, tenho é pena de morrer porque gosto mesmo de cá estar. E pronto, a última hora de vôo foi passada comigo a bater um papo com Deus e a pedir para ele estender a mãozinha sobre mim e não me deixar quinar em pleno vôo. Pela janela do avião não se enxergava nada, Lisboa estava  coberta de nuvens e eu borrei-me toda [tinha lido que estava mau tempo cá, que alguns aviões não tinham conseguido aterrar em Lisboa e foram recambiados para Faro mas pensei que no dia do meu vôo as coisas já tivessem melhorado]. Mas pronto, lá sobrevivi. [e que isto sirva de exemplo para que o meu amor enfie na cabeça de uma vez por todas que eu NÃO consigo estar a fazer escalas em três países para conseguir chegar às Caraíbas para a lua-de-mel. Não dá, pessoas. É muita tortura para mim].

● Estava um frio desgraçado em Paris, no sábado fez 3ºC às 22h mas ao menos não chovia, pelo contrário, estava até sol mas um sol tão gelado que nem deveria ser considerado sol. [lado positivo: deu para tirar fotografias giríssimas, cheias de luz].

● Na bilheteira da Disney, fiquei horrorizada com o preço dos bilhetes: 81€ por pessoa?! Que roubalheira! Pois é, meus amigos, paguei a língua. No final do dia, extasiada com tudo o que vi, afirmo sem medo: valeu cada cêntimo. Até era menina para pagar mais. Aquilo é um sonho, um mundo à parte mesmo. Assistimos à Parada, às 17h e foi incrível ver todos os personagens da nossa infância ali a um dedo de distância. Nunca hei de esquecer a emoção que foi estar na Disney às 21h da noite, debaixo de um frio arrasador, em frente ao castelo da Bela Adormecida à espera que começasse o show de luzes e fogos de artifício. Toda eu tremelicava de frio, já não sentia os dedos [e tinha duas luvas], tinha o nariz feito um cubinho de gelo mas, caraças, quando comecei a ver os trechos dos meus filmes preferidos projectados ali, e ouvi a musiquinha do Rei Leão, ai pessoas, foi inevitável: as lágrimas rolaram-me. Fiquei super emociada. Foi demais!

● Desta vez evitei as compras óbvias de recordações [já tinha trazido tanto postal, porta-chaves, imãs de frigorífico e afins da outra vez que desta feita fugi das lojinhas turísticas - trouxe só uma torre eiffel com luzes que mudam de cor, não resisti]. Para compensar, trouxe uma nova Longchamp [essa nunca falha, amo essas malas], dois sobretudos em fazenda [estavam em soldes, não me recriminem], a tal capa vermelha com capuz, também em fazenda [finalmente encontrei-a!], os perfumes Ricci Ricci by Nina Ricci e o meu amado Noa da Cacharrel no Duty Free do aeroporto [a 24€ cada (50ml), nem queria acreditar - por cá custam perto de 60€] e mooontes de cosmético, que isto de ir à Paris e não fazer uma razia nas farmácias, é como ir a Roma e não ver o Papa, já se sabe. Prometo mostrar tudo nos próximos posts ;)

● Fui à Diptyque, supostamente para comprar uma nova vela [outra perdição] mas a rapariga era tão simpática e conquistou-me de tal maneira [sou fã do bom atendimento, é sabido] que acabei por trazer a vela que vou utilizar no casamento, mais outra vela para a cerimónia religiosa, mais uma pequenina que adorei o cheiro [a versão de 70g] e ainda um acessório maricas - não resisti.

● Fui à quatro museus que tinham ficado por visitar na última visita e o meu preferido foi o Museu do Judaísmo. Talvez por ser cristã praticante, este museu tocou-me especialmente. Todo o Antigo Testamento está ali, representando pelo pergaminho de Ester [com várias imagens e textos, que ela lia para o rei Assuero], até as pedras do Rei Salomão, é uma viagem ao tempo. Foi o meu museu preferido desta vez.

E agora deixem-me ir transferir as quase 900 fotografias que tirámos nesta última semana. E os vídeos, claro, não me posso esquecer dos vídeos. A ver se junto as melhores partes num único vídeo para vos mostrar. Paris é sempre uma festa, há sempre muito para ver, para fazer, para sentir... é das minhas cidades preferidas.

SHARE:

a magical day ♕


Uma hora e meia na fila para abraçar a princesa favorita dela. Doía-me tanto os pés que não imaginam. Andamos ali numa fila interminável de pais e crianças mas a carinha da minha Vi quando viu a Cinderela ali em pé... foi indescritível. Olhos cheios de lágrima, pensei que ela fosse largar a chorar. Valeu cada minuto de espera. Foi fantástico. Até eu me emocionei, mais um bocado e quem tinha chorado era eu. É incrível ver tudo isto de perto. Fiquei encantada! Era menina para morar na Disney, juro-vos.

SHARE:

06 fevereiro 2014

Vou só ali ver como está o tempo em Parrí...


... regresso daqui a uma semaninha. Até lá vou tentar manter o Instagram actualizado [desta vez vou me render e comprar um cartão da Bouygues Telecom para ter net ilimitada em Paris, infelizmente a Vodafone tira-me o couro quando estou in roaming]. Por isso, espero manter o contacto durante os próximos dias ;)

                                                                            Au revoir!

SHARE:

05 fevereiro 2014

A melhor compra destes saldos // o lenço tartan

Logo no princípio dos saldos [praí na primeira semana] fui à H&M do Chiado e apaixonei-me por um lenço super quentinho com padrão tartan em branco, bege e rosa bebé. E eu tenho um grave problema com lenços no inverno porque de-tes-to usar cachecol em lã [morro de alergia, coço-me toda], vai daí, só me safo com lenços grossos e quentinhos ao pescoço. Este que vi estava a 14,99€ e achei carote. Até porque, lenços e afins não me faltam, verdade seja dita. Esperei que ele entrasse em saldos para o ir buscar.

Na minha última incursão aos saldos, voltei à H&M para ver se apanhava o lenço com algum descontozinho de jeito. Encontrei-o a 7€ e fui toda contente pagar. Fiiiiiila até mais não, fila quase até as escadas rolantes e uma pessoa desiste. Encarar vinte minutos de fila para pagar um lenço, no way.

Nos entretantos, cruzava-me com o raio do lenço em tudo o que era sítio, parecia perseguição. Era nos centros comerciais, era nos blogs [aqui, aqui, aqui, aqui e, ufa, aqui], era na rua, parecia que toda a gente tinha decidido comprar o meu lenço...

Na segunda à noite fui ao Colombo comprar a prenda para a Vi e como já era super tarde [tipo 23h], as lojas estavam desertas e pude ir à H&M ver se ainda apanhava o lenço. Qual não é a minha surpresa quando vejo o meu lenço por míseros... dois euros. 2€! Ai, foi logo agarrar dele e correr para a caixa pagar. De 14,99€ para 2€ é uma pequena maravilha, senhores. Ainda lá ficaram uns quantos, por isso, se gostaram... corram! 

 [gosto particularmente do tecido, tão encorpado e grosso, do tamanho enorme (só gosto de lenços compridos) e do facto de poder usá-lo todo trespassado a fazer de capa, tão quentinho... Estou a terminar de arranjar a mala para Paris (é já amanhã) e este querido já foi parar lá dentro, espero que me ajude a suportar os belíssimos 7ºC que se fazem sentir pela cidade-luz. brrrrr]

SHARE:

inesquecível.

Ontem tirei a tarde de folga e fui buscar o meu amor mais cedo no colégio, às 14h e pouco. Passamos em casa para ela mudar de roupa (quis vestir-se à princesa e assim foi), fizemos a tradicional "conferência via skype" para a família no Rio poder dar os parabéns e participar também desse dia. Almoçámos a comidinha preferida dela, feita pela mãe: arroz branco, puré de batata e iscas de fígado (a miúda delira com essa comida!). Almoçámos as três juntas (o Pê não conseguiu tirar o dia, infelizmente) e pensámos no quão sortuda somos por termos liberdade para gerir o nosso tempo e estar sempre com quem amamos nos momentos mais especiais. Não tem preço, mesmo.

De seguida fomos para Belém encontrar com os amigos dela (eram seis miúdos) para irmos aos pastéis de Belém (outro sítio que ela adora) e depois, finalmentes, aterrarmos no restaurante para jantar. Ela estava sempre a perguntar: "mas, mãe, como vamos caber todos no teu carro? Somos muitos!" e mamãe a dizer para ela não se preocupar que íamos todos de apanhar o autocarro da Carris até o restaurante (a cara da miúda foi impagável, tipo: "eu estou com esse vestidão e vou apanhar um autocarro?!", tive que me segurar para não rir).

Encontrámos os miúdos, fomos aos pastéis e quando estávamos na paragem da Carris, supostamente à espera do autocarro... aparece a limousine que nós tínhamos contratado, pára mesmo em frente à Vi, o motorista de fato e gravata sai e pergunta: "boa tarde, você está à espera do autocarro?" e ela,assustadaa, olha para nós sem saber o que responder. E balança a cabeça que sim. O homem continua: "Ahh, mas uma princesa não pode andar de autocarro. Convido-a para andar na minha limousine, aceita?" e ela, mais que depressa: "só se a minha mãe for junto, que eu não posso andar com desconhecidos." Foi uma risada geral!

Entrámos na limousine e lá dentro é uma perdição senhores. Bancos ultraconfortáveis, televisão, vidros escurecidos, taças de champagne para nós e coca-cola para os miúdos, bombons, beeem, um mundo à parte. Eles adoraram e não paravam de tirar fotos, de dançar, foi a loucura. O ponto alto da noite. O motorista, Sr. Rui, fez tudo como tínhamos combinado por mail e adorei o serviço, super recomendo. Fomos de Belém até a Expo, parámos para tirar fotos e depois fomos para o restaurante, o Chimarrão da Av. de Roma (o nosso preferido) e aí sim, foi enfardar até mais não. Acho que nunca comi tanta picanha na vida, que aquela gente não brinca em serviço (nomeadamente, o senhor meu noivo e o meu distinto irmão, que comeram quatro vezes!).

A parte emotiva da coisa ficou-se pelas flores que o meu irmão ofereceu-lhe, com várias rosas e uma no centro em azul, que simbolizava o pai dela (que faleceu este ano). A miúda percebeu na hora o que representava a rosa azul e desatou a chorar. De resto, foi mesmo só risadas, beijos e muita alegria. Parabéns, princesa!


P.S: Alugámos a limousine com a Angels Limos e foi tudo impecável! Combinámos por mail, fizémos o depósito do sinal e o restante pagamos no próprio dia. Escolhemos a limousine maior, para 8 pessoas e recomendo o serviço, foi tudo perfeito! Eles cobram o aluguer por hora (1 hora fica a 150€) mas fazem descontos à medida que vamos aumentando as horas. Optamos por 3 horas e foi mais que suficiente para curtimos o momento =)

SHARE:

04 fevereiro 2014

o dia da princesa.

Parabéns, meu amor! 
Já se passaram alguns anos desde que te vi pela primeira vez através daquele vidro no berçário e imaginei: "mas ela é tão pequenina, só 2.100kg, não tem sobrancelhas nem pestanas, será que está tudo bem?" e a enfermeira, a Cíntia (aquela que depois ficou lá em casa a tratar de ti nos primeiros meses) a acenar com a mão e a fazer um sinal de OK. E eu suspirei. De alívio. De felicidade. Do sentimento mais puro e intenso que alguma vez já senti.

Sim, estava tudo bem com a minha princesa. E depois ter-te ao colo, toda pequenina e mole, com aquela carinha cor de rosa e um laçarote enorme na cabeça e eu pude, do alto da minha sabedoria infantil, pensar: "Esse é o dia mais feliz da minha vida!"

Tu quase não choravas, eras tão quietinha. Às vezes eu tinha vontade de te beliscar só para ouvir-te a chorar e ter a certeza de que estavas bem. Hoje só tens sorrisos e o som da tua gargalhada preenche o meu dia. Fazes-me ver o mundo de outra forma, todos os dias contigo são diferentes, não há repetições, não há monotonia. E eu fico a pensar como a minha vida seria triste e enfadonha sem te ter aqui comigo. Sem a tua gargalhada gostosa. Sem as caretas que fazes quando a mãe te coloca de castigo. Sem a mãozinha mais quente desse mundo. Sem a clássica frase: "Mana, tenho trabalho de casa. Ajuuuuudas-me? va láá..." e quem disse que consigo dizer não? :P

Foste uma criança muito desejada, muito mesmo. Só mamãe sabe o quanto. Só ela passou por tantos tratamentos, tantas inseminações artificiais, tanta ansiedade...até que o Dr. Eugenio dissesse: Sim, estás grávida! Depois de 4 tentativas, de tantas injecções, tanta progesterona, tanta coisa.. aí estás tu! Linda, inteligente, malandrinha como não poderia deixar de ser... Vieste quando tinha que ser. Quando Deus permitiu. Ter você perto de nós é uma alegria constante, é uma sensação maravilhosa.

Eu costumo dizer que és minha "filha-mana" porque somos tão unidas, tão companheiras... Mesmo com uma enorme diferença de idade, estamos sempre juntinhas. És a melhor irmã que eu poderia ter. Que eu poderia desejar. Ou merecer.

És uma estrela que ilumina a nossa vida, com esse teu jeito encantador e especial.
Continua forte, segue teu instinto e os teus sonhos.
Muitas vezes não serás compreendida e terás dificuldades, é normal, precisamos desse aprendizado para sermos grandes pessoas e não apenas pessoas grandes. Seja sempre decidida no caminho que queres seguir. E luta pelos teus sonhos. Sempre.

Parabéns, minha pequena.
Com amor,
Anne.
SHARE:

03 fevereiro 2014

Rio 2 ❤


Se morri de amores pelo primeiro filme, agora mal posso esperar pela história dos filhotes da Jade e do Blue. E ainda por cima numa das épocas mais incríveis do Rio de Janeiro: o Reveillón. É, eu volto a ser crianças com estes filmes de animação. Adoro :)

[estreia em Abril em Portugal. Primeiiiiiiiras!]

SHARE:
© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig