26 fevereiro 2014

Hôtel des Invalides & Basilique de Saint-Denis // Paris

Na minha última ida a Paris aproveitei para visitar alguns sítios que tinham ficado para trás da outra vez. Como compramos novamente o Paris Museum Pass [sou louca por museus e nunca dispenso a chance de me enfiar em mais uns quantos], desta feita optámos por conhecer mais sobre a história de França. E nada melhor que começar com o Museu da Armada & Hôtel de Invalides:


Confesso que não estava muito animada para visitar este museu... tudo o que mete guerras, sofrimento e morte é coisa que mexe bastante comigo mas estava ansiosa para conhecer o túmulo de Napoleão Bonaparte, de que tanta gente falava... e como para ir ao Tombeau de Napoléon precisava passar pelo Museu da Armada e até tinha o passe para lá entrar sem pagar... porquê não? A verdade é que acabei por gostar de conhecer um bocadinho mais sobre os combates da França, a vida que os soldados levavam naquela altura, as armaduras, é uma viagem pelo tempo.


Dali seguimos para o Hôtel des Invalides, que fica dentro do Museu da Armada, e foi construído originalmente para abrigar os inválidos da região [situação que perdura até os dias de hoje]. Mais do que um abrigo, é também uma necrópole militar, onde estão sepultados os nomes mais emblemáticos do exército francês.

Assim que adentramos somos imediatamente impactados pelo Tombeau de Napoleón, o grande túmulo que abriga os restos mortais de Napoleão Bonaparte. O túmulo é gigantesco, majestoso, eu diria... está posicionado numa espécie de "núcleo" dentro da cúpula. Fiquei a saber que o túmulo contém seis caixões, um dentro do outro [assim uma espécie de matrioska fúnebre] com os restos do imperador - isso explica a enormidade do túmulo. Tudo isso porque temiam que alguém roubasse o corpo de Napoleão e então decidiram deixar o túmulo totalmente inviolável, com os tais seis caixões.

 
Só uma colunazinha destas em mármore era capaz de me pagar o meu casamento, a quinta e, quiçá, a lua-de-mel. Naquele tempo era tudo de uma opulência sem medida...

No dia seguinte fomos até a outra ponta de Paris para conhecer a necrópole dos reis de França [o M. tem uma fascinação mórbida por ver os túmulos onde as pessoas são enterradas]. Saímos na estação de metro Saint-Denis que fica a cerca de 15 minutos do centro de Paris. Fomos conhecer a Catedral da Basílica de Saint-Denis e ficámos assombrados com a magnitude daquilo. Mais uma vez o passe dos museus nos valeu e entramos sem pagar e sem filas.

Maria Antonieta e seus "melões"... Já deu para perceber porque Louis XVI ficou caidinho por ela :P

Confesso que nesta última viagem fiquei a saber muito mais sobra a história de França, já que dediquei-me aos museus durante dois dias inteirinhos (sim, repeti o Louvre e o D´Orsay), dispensando os passeios tradicionais que já havia feito nas idas anteriores. Desta vez foi mesmo uma overdose de história (um dia ainda me dá a panca e tomo coragem para tirar outra licenciatura, desta feita ligada à história - amo o tema) mas soube-me tão bem. Paris respira história, cultura e monumentos, é impossível ficar indiferente!

P.S: calma, não cortem já os pulsos que já só tenho mais um postzinho sobre Paris e acabou-se, não vos quero maçar com taaanta foto e tanta coisa que vi por lá. =)

SHARE:

4 comentários

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig