12 fevereiro 2014

random report:

● Chegamos a Lisboa no vôo das 8h30. Juro-vos que nunca na vida apanhei um vôo com tanta turbulência como este! Com quase uma hora de vôo, já eu tinha perdido um bocado do cagaço inicial e começava a relaxar quando... o avião inclina TODO para o lado direito e começa a chacoalhar. Mandei um berro e a comissária da Transavia veio conversar comigo. "Its normal, trust in me" ahahaha está bem, está. Comecei a ver a vida a passar-me diante dos olhos "oh meu Deus, é desta que esta porcaria cai. E eu que ainda tenho tanta coisa para fazer, caraças, agora não me dava jeito morrer". Não é que tenha medo da morte, juro que não tenho, tenho é pena de morrer porque gosto mesmo de cá estar. E pronto, a última hora de vôo foi passada comigo a bater um papo com Deus e a pedir para ele estender a mãozinha sobre mim e não me deixar quinar em pleno vôo. Pela janela do avião não se enxergava nada, Lisboa estava  coberta de nuvens e eu borrei-me toda [tinha lido que estava mau tempo cá, que alguns aviões não tinham conseguido aterrar em Lisboa e foram recambiados para Faro mas pensei que no dia do meu vôo as coisas já tivessem melhorado]. Mas pronto, lá sobrevivi. [e que isto sirva de exemplo para que o meu amor enfie na cabeça de uma vez por todas que eu NÃO consigo estar a fazer escalas em três países para conseguir chegar às Caraíbas para a lua-de-mel. Não dá, pessoas. É muita tortura para mim].

● Estava um frio desgraçado em Paris, no sábado fez 3ºC às 22h mas ao menos não chovia, pelo contrário, estava até sol mas um sol tão gelado que nem deveria ser considerado sol. [lado positivo: deu para tirar fotografias giríssimas, cheias de luz].

● Na bilheteira da Disney, fiquei horrorizada com o preço dos bilhetes: 81€ por pessoa?! Que roubalheira! Pois é, meus amigos, paguei a língua. No final do dia, extasiada com tudo o que vi, afirmo sem medo: valeu cada cêntimo. Até era menina para pagar mais. Aquilo é um sonho, um mundo à parte mesmo. Assistimos à Parada, às 17h e foi incrível ver todos os personagens da nossa infância ali a um dedo de distância. Nunca hei de esquecer a emoção que foi estar na Disney às 21h da noite, debaixo de um frio arrasador, em frente ao castelo da Bela Adormecida à espera que começasse o show de luzes e fogos de artifício. Toda eu tremelicava de frio, já não sentia os dedos [e tinha duas luvas], tinha o nariz feito um cubinho de gelo mas, caraças, quando comecei a ver os trechos dos meus filmes preferidos projectados ali, e ouvi a musiquinha do Rei Leão, ai pessoas, foi inevitável: as lágrimas rolaram-me. Fiquei super emociada. Foi demais!

● Desta vez evitei as compras óbvias de recordações [já tinha trazido tanto postal, porta-chaves, imãs de frigorífico e afins da outra vez que desta feita fugi das lojinhas turísticas - trouxe só uma torre eiffel com luzes que mudam de cor, não resisti]. Para compensar, trouxe uma nova Longchamp [essa nunca falha, amo essas malas], dois sobretudos em fazenda [estavam em soldes, não me recriminem], a tal capa vermelha com capuz, também em fazenda [finalmente encontrei-a!], os perfumes Ricci Ricci by Nina Ricci e o meu amado Noa da Cacharrel no Duty Free do aeroporto [a 24€ cada (50ml), nem queria acreditar - por cá custam perto de 60€] e mooontes de cosmético, que isto de ir à Paris e não fazer uma razia nas farmácias, é como ir a Roma e não ver o Papa, já se sabe. Prometo mostrar tudo nos próximos posts ;)

● Fui à Diptyque, supostamente para comprar uma nova vela [outra perdição] mas a rapariga era tão simpática e conquistou-me de tal maneira [sou fã do bom atendimento, é sabido] que acabei por trazer a vela que vou utilizar no casamento, mais outra vela para a cerimónia religiosa, mais uma pequenina que adorei o cheiro [a versão de 70g] e ainda um acessório maricas - não resisti.

● Fui à quatro museus que tinham ficado por visitar na última visita e o meu preferido foi o Museu do Judaísmo. Talvez por ser cristã praticante, este museu tocou-me especialmente. Todo o Antigo Testamento está ali, representando pelo pergaminho de Ester [com várias imagens e textos, que ela lia para o rei Assuero], até as pedras do Rei Salomão, é uma viagem ao tempo. Foi o meu museu preferido desta vez.

E agora deixem-me ir transferir as quase 900 fotografias que tirámos nesta última semana. E os vídeos, claro, não me posso esquecer dos vídeos. A ver se junto as melhores partes num único vídeo para vos mostrar. Paris é sempre uma festa, há sempre muito para ver, para fazer, para sentir... é das minhas cidades preferidas.

SHARE:

5 comentários

  1. Ai que sonho de viagem, Anne.
    Fotos, fotos... queremos fotos!

    ResponderEliminar
  2. A Vi tambem pagou os 81euros de entrada? acho k as criancas,pelo menos ate aos 12 anos deviam pagar meio bilhete,mas pronto. tambem tou a pensar levar a minha filha la k tem 10 anos! toda a crianca devia poder fazer essa viagem na infancia,super legal,beijinho Anne.

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Sim, não sabe ler?!

      A Anne deve querer acender uma dessas velas chiques durante a cerimónia de casamento, qual é o mal? Para perfumar a igreja, talvez. É uma idéia gira... Obviamente que só vale se for com uma dessas velas caras, velas da IKEA ou dos chineses, no way!

      Eliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig