15 abril 2014

Das coisas que ele diz.... #3

- Amor, lembras-te quando foi que mudaste o teu seguro de saúde para o que tens agora?
- Hummm acho que foi em Setembro, talvez. Porquê?
- Nada... (desvia o olhar)
- Então?
- Era só para calcular quantos meses faltam para completar o período de carência...
- Carência? Mas isso já terminou há meses! Já usei o seguro várias vezes este ano, não te lembras?
- Não, estou a falar da outra carência... 
- Ahn?!
- A carência para cesariana...

Opá, eu não mereço ouvir isto ao pequeno-almoço. Desatei a rir, sim, que nestes casos só mesmo com bom humor para não dar em maluquinha.

A verdade é que no ano passado alterei o meu seguro de saúde para um mais completo que inclui tudo e mais alguma coisa: cesariana, UTI neonatal (Deus queira que não venha a ser preciso), dentista e mais n coisas que eu sinto-me mil vezes mais calma sabendo que tenho este lado da questão minimamente orientado [e sim, já o disse mil vezes: se não for por cesariana, não terei filhos]. Mas quer dizer... fiz isso como um investimento a longo prazo, não conto engravidar nos próximos, vá, dois anos. [sim, mãe, eu sei o quanto anseias por um neto mas ainda não será para já]

E estou farta de dizer isso ao homem mas ele lá diz que daqui a nada tem 35 anos (eu esqueço-me sempre da nossa diferença de idade) e que não quer ser um pai velho, cheio de reumatismo, que não vai poder chutar uma bola com o puto ou brincar às cavalitas com a miúda. E eu compreendo a questão mas acho que dois anos é um bom tempo para curtirmos o nosso casamento, a vida em comum, para as nossas viagens e maluquices; sem atrasar muito o lado dele.

Vamos lá ver...

P.S: Sobre a questão da cesariana, já aqui falei sobre o assunto. Venho de um país onde ter filhos por cesariana é mais normal que respirar. Toda a gente faz, a recuperação é maravilhosa (mamãe teve os três por cesariana - e é só elogios] e eu cresci com a idéia de que o parto natural é uma violência e um risco desnecessário. Por mais que busque informações sobre o assunto, certos conceitos são demasiado arraigados em mim. Este é só um deles.

SHARE:

22 comentários

  1. Ainda que possas ter na cabeça fazer uma cesariana, dizeres "se não for por cesariana, não terei filhos", é um bocado extremo, não? E lá porque a cesariana resultou super bem com imensas pessoas que conheces, não quer dizer que resulte contigo, ou que o parto natural não tivesse resultado igualmente bem com essas pessoas. Eu quero ter filhos e é-me indiferente como nasçam, desde que seja uma boa opção para mim e para eles. É algo que só no momento os próprios médicos podem avaliar e é a eles que cabe fazer essa avaliação, não a mim. Um parto não é algo que faças por "encomenda": vai ser no dia X, ás horas Y, de cesariana e quero que seja igual ao da minha mãe.

    ResponderEliminar
  2. Concordo completamente com a questão da cesariana!

    ResponderEliminar
  3. Não sei como é que alguém que nunca foi mãe pode falar com tanta certeza sobre este assunto, baseada nos exemplos que conhece e no que leu (quando consegues encontrar igual número de exemplos e leituras a defender a posição contrária). E dir-te-ia o mesmo se, no mesmo tom, fizesses um post sobre o parto natural e a dizer que não vias opção nenhuma a essa. Este não é um assunto para "ter certezas", é confiar em quem, esses sim, estudaram para ter essas certezas e podem avaliar, NO CASO CONCRETO, qual é a melhor opção para cada pessoa.

    ResponderEliminar
  4. E eu gostando tanto de ler o teu blogue, tenho de tecer elogios e partilhar que ter o meu filho de parto normal, sem epidural (e também por opção) foi o momento mais feliz da minha vida!! O meu filho escolheu o dia em que quis nascer, eu senti-me fabulosa por te lo feito nascer, e depois deste parto surreal de 3 horas a confiança que tenho em mim mesma, transbordou para um nivel que nunca pensei sentir depois de ter parido o meu bebé. Tinha dores menstruais terriveis e as contracções de parto espontâneo não chegaram nem de perto as da dismenorreia. Saí a pensar que... é triste o parto normal estar tão difamado. Uma mulher que passe pela experiência arrebatadora de parir naturalmente e ser respeitada e não maltratada é único!! Quanto ao Brasil - terra que viu o meu marido nascer - o assunto dos partos está a mudar e felizmente... para melhor!! As mulheres estão cada vez mais informadas, a não dar todo o assunto para a mão dos médicos. :-) Somos a voz dos nossos bebes ;)

    ResponderEliminar
  5. O facto de a notícia dizer "OMS recomenda: só 15% dos partos devem ser cesáreas. No Brasil, nos hospitais particulares, foram 84% no ano passado." devia fazer-te pensar (e apoiar) a parte da OMS e não propriamente o exemplo que vem do privado no Brasil (que é rei na saúde e em várias outras áreas, felizmente que na Europa não é assim e o que é público ainda é melhor nas áreas de excelência).

    ResponderEliminar
  6. Anne, o Brasil está a mudar esse pensamento quanto a normalidade das cesárias. Não faço ideia se felizmente ou infelizmente. Tenho uma amiga que é investigadora nessa area e ja a convidei para fazer um post sobre o assunto no blog, achei o tema super interessante!

    Beijocas e que venham criancas!!! ;)

    ResponderEliminar
  7. Anne,
    Espero ter a minha filhota por parto normal. Estou com medo, não vou mentir...por isso, compreendo a tua decisão.
    Há cerca de 6 anos fiz uma apendicectomia que supostamente seria bastante simples e de fácil recuperação. No entanto, comigo não foi assim pois fiz aderência, o que provocou dores fortíssimas durante longos meses.
    Esta minha experiência é o que me leva a fugir da cesariana...se tiver escolha, claro! :)

    ResponderEliminar
  8. Minha primeira ginecologista-obstetra era dessas fanáticas-fundamentalistas do parto natural, tudo natural, a natureza é linda...
    Aos 6 meses de gestação, que louca eu, mudei de médico assistente pura e simplesmente porque ainda não tinha feito nenhuma ecografia e eu era doida para saber o sexo do bebê.
    Foi o melhor que pude fazer por mim e pelo bebê, que nasceu de cesareana com 42 semanas e eu nunca entrei em trabalho de parto. Tinha 4 voltas de cordão umbilical enrolado.

    O médico escolhido era e é antes de tudo um amigo, porque na hora do aperto vamos sempre bater à porta dos amigos. Ele é um desses medalhões no Rio de Janeiro, acostumado a atender artistas e gente da alta, chegou a comentar que tinha pacientes estrangeiras que faziam todo o acompanhamento pré-natal com ele e perto do fim elas voltavam à Europa para sofrer 2 dias em trabalho de parto.

    Para mim o pior é ter o períneo cortado às pressas, ter o bebê puxado a fórceps ou pior, a vácuo e depois ficar com aquele cabeção roxo uns tempos. Tudo em nome da natureza.

    Claro que tem aqueles partos naturais, que realmente o são, minha avó por exemplo, pariu 11 "quiabos". Minha mãe menos, apenas 3, mas igualmente "quiabos".
    Eu não. Mas a decisão nem sequer foi minha, talvez se eu tivesse sido índia tivesse morrido.
    Cada caso é um caso e você só vai ter a certeza quando for a hora, mas a princípio, e isso todos os médicos sempre dizem, todos os partos são normais. O resto depende da gravidez, do bebê, dos "xiliques" da mãe e do quanto isso tudo afeta o momento.

    E sim, a minha recuperação também foi maravilhosa nem sequer tenho cicatriz visível.

    Não sofra por antecipação, depois logo se vê.

    Bjs, boa sorte.

    ResponderEliminar
  9. Podes dizer que seguro de Saúde fizeste? Eu ando a pensar alterar o meu...

    ResponderEliminar
  10. Anne, já tinha comentado o outro posto (acho), eu tive as 2 experiências e para mim o parto normal não é o bicho de 7 cabeças que as vezes ouvimos...
    Tanto pode haver complicações num como noutro.
    Tb não acho nd que um parto natural é que é bom, que é lindo sentir o filho nascer e estar com muitas dores....
    O meu parto natural foi provocado e tive direito a 1 dose de epidural a cesariana foi o que o puto estava pélvico e n foi anestesia geral.

    ResponderEliminar
  11. Eu gosto imenso das tuas postagens, mas fico imensamente triste quando vejo o tamanho do preconceito a respeito da cesariana :( Juro que tenho vontade de te pegar no colo, te acarinhar e explanar tudo sobre vias de parto.

    E me faz uma confusão imensa quando vc diz que é uma violência e um risco.O corpo humano foi feito pra parir, o corpo se transforma, se molda a esse evento (o parto), parto normal é empoderamento, é o SEU momento e do filhote, tem coisas mais forte que essa conexão, que esse trabalho conjunto ?

    Com relação a violência posso te dizer q não é o PN o mau da fita e sim os péssimos profissionais, por isso é importante ser seguida por alguém da sua total segurança.
    O risco ....ahhh o risco, vc acha menos arriscado ser aberta, exposta, do que parir ? Tenta assistir um PC e depois vem cá contar a novidade. E assim como sua mae teve 3 PC e a recuperação foi linda, tb acompanhei (como profissional de saúde) inúmeros casos de insucesso.

    Não, eu não sou a xiita do PN, ate pq o meu parto foi PC, chorei, chorei imenso, chorei tudo o que queria e não queria, mas não teve jeito :( e o importante foi a saúde e o bem estar do meu piolho.

    O que defendo é o direito de escolha, mas que tenha embasamento para tal, não puramente preconceito.

    Eu tb tive um receio bobo, não queria parir aqui, queria ir pro Brasil, mas enfim.....é o meu olhar técnico, mas isso podemos conversar a parte pq pode ferir egos.

    Fica aqui uns tantos beijinhos

    ResponderEliminar
  12. quantos anos de diferença têm vocês?

    ResponderEliminar
  13. quantos hospitais privados têm neonatologistas, anestesistas, cirurgiões, UCIs, ventiladores e incubadoras disponiveis 24h, e enfermeiros (mais ou menos) suficientes? a parte hoteleira dos hospitais privados é muito melhor, sem duvida, as enfermarias são bonitas, a comida é gourmet, e as pessoas são simpaticas até mais não, mas na hora H, eu quero é recursos e competência, não quero parir num SPA. Como sei? trabalho num hospital publico e num privado (muito conceituado), e não queria um parto no privado nem que me pagassem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo com essa anónima :)

      Eliminar
    2. Completamente, no meu parto natural (no público) anestesista e a enfermeira parteira e a enfermeira parteira tb trabalhavam no privado e estavam a conversar e a contar as economias de material que tinha mais que fazer no privado.

      Eliminar
  14. Eu compreendo-te em relação a quereres a um parto por cesariana, também porque a mim me faz muita confusão o parto natural - como costumo dizer, a história de ter uma melancia a passar por uma palhinha não me agrada. Mas olha que a minha mãe teve dois partos naturais e um parto por cesariana (no meu caso, porque eu não dei a volta) e ela diz que preferiu mil vez os partos naturais. Acho que depende de pessoa para pessoa, das circunstâncias em si (eu tive mesmo de nascer de cesariana, por exemplo), da tolerância de cada um à dor, etc, etc. O que pode ser muito bom para a tua mãe, pode não ser igual para ti.

    ResponderEliminar
  15. Uma das melhor coisas que me disseram (meu ginecologo) foi que nao devemos ter um filho só pela pressao da idade. O mais importante é que os dois queiram e estejam preparados e nao ter só porque o relógio biológico está a dar as últimas. Além de que a idade é só um número :)

    Quanto ao parto, nao se pode ter certezas absolutas. O mais natural para a mae e bebé é o parto natural mas será o que o bebé e/ou o médico "escolherem". Eu vivo na américa do sul e, na minha opiniao, a visao da medicina, nestas situacoes, é meia distorcida e sempre a favor da mae: partos por cesariana para que a mae nao tenha dores mesmo que ainda nao esteja na altura do bebé nascer, cesarianas marcadas para o 8o mes para que a mae nao engorde mais, enfim...

    Boa sorte e nao te deixes pressionar ;)

    ResponderEliminar
  16. Lamento informar, mas, o número de cesarianas já são controladas nós hospitais privados portugueses.

    ResponderEliminar
  17. Anne

    Se os partos naturais fossem violentos e com tantos riscos como afirmas, com toda a certeza o corpo da mulher nao estaria preparado para isso. Sei que agora vou parecer maluquinha, mas sao instintos naturais e digo isto porque foi isso que senti quando tive o meu filho.

    Atencao, defendo o direito de cada mulher escolher como quer ter os seus filhos mas dai a afirmar que a cesariana e melhor vai um passo. Tive o meu filho de parto natural, correu bem e a recuperacao foi optima. A minha irma teve de cesariana e a recuperacao foi pessima. Como em tudo na vida, parto natural e cesariana ira depender de cada mulher, de cada gravidez e de cada corpo. Ha mulheres que sofrem muito com o parto natural assim como ha as que sofrem muito com as cesarianas.

    De qualquer maneira, qualquer que seja a tua decisao no futuro, com certeza sera a que achares melhor para ti e para os filhos/as.

    Peco desculpa pela falta de acentos, teclado ingles.

    Nao sei se e muito pessoal mas gostava de te perguntar porque cresceste com esse conceito de achar que o parto natural e violento e um risco desnecessario? Riscos ha em ambos. Obviamente nao tento fazer-te mudar de ideias nem tenho esse direito, mas porque nao tentas procurar pelo positivo do parto natural em vez do negativo ja que tendo essa ideia pre concebida e normal que so tenhas atencao ao mau?

    T

    ResponderEliminar
  18. Anne, eu sei que os comentários agora são controlados, e acho que fez muito bem em tomar essa decisão, o que quero dizer é que mesmo assim as suas leitoras estao de parabens! debate aberto e sem ofensas. Muito bem. Gostei de ver.

    ResponderEliminar
  19. Anne, nem de proposito! A minha amiga de quem falei no comentario acima e que, espero, faça um post sobre o assunto no meu blog, trabalha na Fiocruz e saiu hoje numa noticia sobre pesquisas de cesarianas! Como tem tudo a ver com o tema aqui discutido, deixo aqui:

    http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/35096

    Beijocas

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig