19 junho 2014

Das coisas que só acontecem comigo #9

Contei-vos neste post que no início da semana tinha comprado umas coisinhas na H&M e, azar dos azares, no dia a seguir a loja entrou em modo 'saldos antecipados' [ou, vá, promoções] e eu pensei: "olha que pontaria a minha, acabei de gastar 70€ em roupa e agora está tudo com descontos..."

Ontem passei por lá para ver as promoções e todas, rigorosamente todas as seis peças que trouxe, estão rebaixadas. Umas estão 3€ mais baratas, outras estão 5€ e outras estão 10€ mais baratas do que quando as comprei. Pensei logo que tinha que devolver a roupa, nem tive ainda tempo de usar nada, está tudo como veio da loja. "Olha, é que vou mesmo devolver".

Hoje lá fui, munida com um sacalhão com tudo o que tinha comprado e dirigi-me ao balcão:
- Boa tarde, era para devolver estas peças.
- Boa tarde. Não ficaram bem?
- Ficaram, mas é que comprei tudo no dia anterior a começarem as promoções e agora está tudo muito mais barato, por isso vou devolver [sim, burra, mil vezes burra. Eu e a minha sinceridade 'brutal' como diz a mãe.]
- Pois, mas não podíamos avisar aos clientes: "olhe, não comprem nada que amanhã estamos em promoção", não é? Nem deveria ser permitido fazer este tipo de devoluções mas...
- Desculpe? Não deveria ser permitido? Ora, se eu não usei as peças e passado menos de 24h vocês baixaram os preços, acho que não estou a fazer nada ilegal em vir devolvê-las.
- Ilegal não é, mas também não é correcto.
- Bom, correcto ou não, aqui estão as pecinhas e são todas para devolver. Obrigada.

Opá, eu percebo que a idéia da loja não é irem lá no dia a seguir as promoções para devolver as roupas mas caramba, eu não as usei! E, tudo somado, a diferença de preço entre o que eu paguei e o preço actual é de mais de 25€. Ela ainda ligou para a gerente da loja a perguntar se podia fazer a devolução (não sem antes frisar: "a cliente comprou as peças antes das promoções, agora quer devolver e voltar a comprar com preço rebaixado", atendeu-me o tempo todo a bufar, enfim... Acho que ninguém gosta de comprar uma peça a 19,90€ e no dia a seguir, quando ainda nem estrearam a roupa, a peça já custa só 9,90€ e é inevitável a sensação de injustiça. Quem compra hoje paga só 9,90€ mas eu, estúpida, como comprei ontem, tive que pagar o dobro e ainda nem tempo de usar a peça tive.

No final das contas, a H&M ainda saiu a lucrar porque os tais 25€ que me 'devolveram' foram usados para comprar mais duas pecinhas, que eu não sou pessoa de recusar ofertas tão boas, como este top com folhinhos por 9,90 [preço normal: 19.90€] ou estas calças estampadas super leves também pela metade do preço [era 19,90€ e ficou a 9,90€]. E ainda este top amarelo por míseros 5€.

Portanto, pessoas conhecedoras da lei e entendidos no assunto: agi de forma ilegal ao devolver os artigos e comprá-los pelo preço actual? Há alguma lei do consumidor neste sentido? Esclareçam-me que já estou pra aqui a pensar que cometi um crime, tamanha a reacção da vendedora. O que vocês fariam nesta situação? Ajudem aqui esta alma, sim? Agradecida.

P.S: Entretanto, ao procurar sobre o assunto na internet, descobri um novo conceito que tem vindo a ganhar adeptos no meio desta 'crise' económica: o shopgrifter. Nem fazia idéia que isto existia,e é algo tão surreal que nem tenho palavras. Isso sim, mesmo não sendo ilegal, acho totalmente ridículo e vergonhoso.

SHARE:

19 comentários

  1. Se cometeste uma ilegalidade: não. Estás perfeitamente no teu direito de devolver as peças (desde que não as tenhas usado) e nem tens de indicar o motivo (já devolvi peças simplesmente por terem sido uma "compra de impulso" e quando cheguei a casa arrependi-me e percebi que não devia ter gasto o dinheiro, fui a correr à loja fazer a devolução e quando me perguntaram o motivo disse simplesmente que tinha mudado de ideias). Agora, o que fizeste mal foi ter dito abertamente o motivo pelo qual querias devolver as peças. É óbvio que a loja não tem o dever de informar as clientes que amanhã começam as promoções e que os artigos que compraram vão estar com desconto. Os comerciantes precisam de fazer dinheiro e se as pessoas comprarem na época normal e não em saldos, o comerciante tem mais lucro. O problema não é a H&M porque os donos da empresa devem andar a nadar em dinheiro, agora imagina se tivesses feito o mesmo no comércio local, numa loja pequenina onde a pessoa que te atendeu visse os teus 70€ como um lucro importantíssimo - aí o peso da tua acção teria sido muito maior. Ao fazeres o que fizeste deste uma ideia de pessoa mal formada e "chinela no pé", e o mais certo é que da próxima vez que entrares nessa H&M a vendedora, se te vir, vai "cochichar" sobre ti com as colegas e comentar a "pobretanas", "unhas de fome" e "sem vergonha na cara" que não deves ser. Se te sentiste ofendida com a vendedora do Freeport que não te atendeu com a delicadeza que devia porque te achou sem posses para aquela loja, imagina como te vais sentir quando perceberes que as vendedoras falam mal de ti nas tuas costas e desta vez com razão. Naturalmente que te assiste sempre o direito de devolveres as peças pelo motivo que quiseres mas convém não repetires a brincadeira muitas vezes nem nos mesmos sítios, se não acabas como uma amiga da minha avó que já era conhecida no Oeiras Parque por fazer precisamente isso que tu fizeste (isso e usar as peças uma vez e ir devolver). Nunca lhe recusaram uma devolução mas naturalmente que as vendedoras já sabiam e já nem disfarçavam os comentários à frente dela.

    Por último, prepara-te para os comentários "Ai tens tanto dinheiro para isto e para aquilo e depois tens que fazer coisas destas". Naturalmente que o blog é teu e partilhas o que queres, mas quando expões certos aspectos da tua vida sujeitas-te a críticas e cabe a ti julgar se vale mesmo a pena partilhar aquilo - e aguentares-te à boneca - ou se é algo que deves guardar para ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. desculpa lá mas chamar a autora do blog de "pobretanas", "unhas de fome" e "sem vergonha na cara" e depois dizer que as vendedoras têm razão " imagina como te vais sentir quando perceberes que as vendedoras falam mal de ti nas tuas costas e desta vez com razão." é ser-se completamente estúpido. Pensa lá se fosse contigo. Ficavas com o prejuízo da roupa nova, ainda com etiqueta, sem uso e a custar o preço normal quando os preços já desceram imenso? Ficavas? Se responderes sim, então és rica e não dás valor ao dinheiro.

      "Por último, prepara-te para os comentários "Ai tens tanto dinheiro para isto e para aquilo e depois tens que fazer coisas destas". - não sabias que as pessoas com mais posses e mais bem na vida são aquelas que poupam e fazem sempre grandes compras com desconto? O meu patrão é muito bem de vida e entretanto, só compra roupa nos saldos. Quem o vê acha que não tem um tostão no bolso mas o gajo é cheio do papel. Quem tem dinheiro, como a Anne tem, não anda a disperdiçá-lo, mas faz compras inteligentes. E esta da H&M foi sem dúvida uma compra inteligente ou direi antes, uma troca inteligente. Toda a gente faria o mesmo que ela, não a critiquem.

      Eliminar
    2. Calma lá que eu não chamei nada disso à Anne (há aqui pessoas com problemas de interpretação). Já fiz exactamente isso que disseste: comprei uma peça, na semana a seguir estava a loja em promoção, a peça que eu comprei a metade do preço, ainda tinha o casaco em casa com a etiqueta e à espera de ser estreado, não o devolvi porque tenho vergonha na cara. Quem tem dinheiro tem-no porque trabalha para o ganhar e se achas que a Anne não desperdiça dinheiro, não deves ler o blogue: muitas vezes vejo muitas das compras e penso "credo, se fosse eu não teria gasto dinheiro nisto/naquilo/noutro" mas são escolhas que cada um faz com o dinheiro que tem. Eu, se fosse rica, não compraria trapos na H&M e em vez disso investiria em poucas peças mas de excelente qualidade, e gastaria imenso com alimentação porque em vez de remediar com marcas brancas e peixe/carne de 2ª qualidade, compraria tudo do mais fresco que há sem olhar para o preço. Naturalmente que cada um gasta o seu dinheiro como quer mas fazer algo como o que a Anne dá uma ideia de forretice e até me espanta que alguém que dirige um negócio faça o que ela fez de consciência limpa, afinal se todas as clientes se lembrarem de fazer o que ela faz a sustentabilidade do negócio é posta em jogo.

      As pessoas ricas são ricas porque fazem escolhas quanto ao seu tempo e ao seu dinheiro. A família do meu namorado tem imenso dinheiro (tudo o que os pais dele têm foi pago a pronto incluindo as casas e os carros) e são pessoas com um ar perfeitamente simples e humilde, que vivem com todo o conforto e zero de ostentação. Mas adoram fazer comprar no comércio local e enquanto eu, se precisar de uma torradeira, compro uma por 15€ na Worten, eles vão à loja de electrodomésticos da vila e compram uma torradeira exactamente igual pelo dobro do preço. Mas ficam todos contentes porque são atendidos por alguém que já os conhece há décadas e deram dinheiro a alguém que realmente precisa dele, em vez de irem encher os bolsos às grandes multinacionais para quem mais 30€ menos 30€ é o mesmo que nada. Eles também têm o seu próprio negócio e preferem que os clientes abram a carteira com eles em vez de irem ao shopping gastar dinheiro nas grandes empresas que já têm lucro com fartura e não se preocupam minimamente com os clientes. Têm a vida que têm porque sabem investir, fazem imensos sacrifícios pelo trabalho, têm bom olho para o negócio e preferem ter pouco e de excelente qualidade do que comprar muito e de má qualidade. E isso permite-lhes ter um orçamento que os deixa pagar mais por um artigo da loja do sr. António, que já conhecem desde que nasceu, e saberem que não só o dinheiro deles faz a diferença na vida daquela pessoas como que também terão sempre direito ao atendimento personalizado que eles adoram.

      Eliminar
  2. Anne, tens aqui dois problemas: és demasiado sincera (e há alturas na vida em que temos que mentir um bocadinho, neste caso, dizer: "ah sim, não me servem", depois dar uma volta à loja e comprar tudo novamente). E outro defeito: és demasiado certinha. Isso que fizeste não é ilegal, não é errado, toda a gente já fez pelo menos uma vez na vida (eu já o fiz mais vezes do que posso contar), não tem nada de mais.

    Já comprei um vestido num domingo, no Colombo, paguei 80€. Na segunda-feira o vestido estava a 40€. É óbvio que não o tinha usado, portanto peguei nele e fui a correr devolver. Comprei-o novamente, pelos 40€ e ainda trouxe uns sapatos e uma mala. Se me senti culpada? Nem um pouco.

    O dinheiro custa a ganhar e se não usamos a peça e ela está mais barata, é claro que a vou devolver e comprar mais barato. Toda a gente faz isso, Anne, não te sintas mal. Os comerciantes já contam com isto, na época de saldos então é a loucura, é ver o pessoal a devolver tudo e mais um par de botas. Não és mal formada, nem má pessoa, estás apenas atenta às coisas. E estás no teu direito como consumidora que és.

    ResponderEliminar
  3. O problema não foste tu em querer poupar, nem em ter sido sincera - as pessoas estão é habituadas sempre ao politicamente correcto. O problema foi a empregada. Das vezes que eu fiz devoluções por cá, tenho ideia de nunca me perguntarem o motivo. Houve uma vez, inclusive, que comprei uns collants que vinham numa caixinha. Quando cheguei a casa e abri a caixinha, os collants estavam rotos. Fui à loja a ver se devolviam, cheia medo que dissessem que não porque podiam pensar que tinha sido eu a romper aquilo. Cheguei, mostrei os collants e ainda antes de dizer que já vinham assim da loja, a moça perguntou logo se eu queria devolver ou trocar por outros iguais. Neste caso, acho que até foi um exagero de facilidade ahahahah
    Que os empregados não digam que as promoções vão começar, entende-se muito bem. Que telefonem ao gerente a perguntar se podes fazer uma coisa que como consumidora tens direito de fazer - a não ser em casos específicos em que as lojas têm papéis visíveis a avisar que não é possível fazer trocas de lingerie ou em épocas de saldos, por exemplo - é que não está correcto.

    ResponderEliminar
  4. Aconteceu a uma amiga minha mas numa loja de grife com uma mala que ela comprou para dar de presente à mãe e passados 3 Dias estava menos 100€...mas ela explicou a situação e a rapariga trocou sem comentários. Anne dizias q não te ficava bem e pronto piso as xs ser mt sincera só da Paes gozarem conosco e serem tontas...

    ResponderEliminar
  5. Amanhã começam as promoções da Zara :)

    ResponderEliminar
  6. Ahahah, o que eu me ri com este post. xD
    Eu acho que fizeste muito bem, eu faria o mesmo! Só não tinha coragem de dizer a verdade... Eheheh.
    Não percebo a indignação da vendedora, não lhe vão tirar a diferença do salário, de certeza. E vamos-nos deixar de moralismos e ser honestos: quem não faria tal coisa?

    ResponderEliminar
  7. Bom, eu fui no sábado à Salsa para aproveitar um vale que me tinham dado de presente cujo prazo terminava na 2a feira e na 3a descobri que estavam em promoções.
    Não me senti bem em ir pedir para devolver as peças e na cara deles levar tudo igual. E o valor gasto não foi propriamente igual ao valor que gastaste na H&M... Mas pronto, esta foi a minha escolha.
    De facto, para eles pode não fazer assim tanta diferença, mas acho que é uma questão de bom senso.

    ResponderEliminar
  8. Aqui o único problema foi precisamente teres sido sincera... Atenção que os colaboradores das lojas seguem ordens,eles próprios enquanto clientes fariam o mesmo,o problema está nas gerentes...Ninguem quer ficar a perder dinheiro e as devoluções/trocas têm de ser justificadas... A mim aconteceu me exactamente o mesmo na Zara, mas eu expus primeiro a situação a uma colaboradora que começou logo a torcer o nariz e alertou me que se fosse dizer com sinceridade o motivo da troca a gerente não trocava....como o par de sapatos que queria trocar era único acabei por ficar com eles,pq das duas uma ou trocava por outro tamanho(claro que não..)ou tinha de ficar de olho até voltarem a colocar o par que tinha devolvido de volta em exposição...ou seja...fiquei com eles(estavam 50% mais baratos

    ResponderEliminar
  9. Anne eu teria feito o mesmo que tu! Infelizmente falo pelos cotovelos e acho que tambem tinha dito o mesmo que tu e sido sincera... O ideal é ficarmos caladas! Boca fechada nao entra mosca!!! :)

    beijocas

    ResponderEliminar
  10. O que fizeste, embora legalmente não me pareça ser ilegal, moralmente é questionável. Se bem entendo dos teus posts, trabalhas numa clinica. Imagina se vendesses um tratamento ou consulta para ser realizado e fizesses a marcação. No dia seguinte, iniciavas uma promoção, e o cliente fazia o mesmo, achas que não perdias nada? perdeste o tempo na venda inicial, se calhar perdeste uma vaga que foi anulada e podia ser ocupada por outro cliente, e a pessoa que tinha comprado 1 serviço, acabava por usufruir de 2 pelo preço de 1, continuas a achar que saías a lucrar porque "vendeste" 2? realmente numa grande cadeia, até nem faz mossa, mas num pequeno negócio acredito que faça!

    ResponderEliminar
  11. Olha, eu fiz exactamente o mesmo que tu... Sem pudor ou falsos moralismos... Não disse porque devolvia, simplesmente devolvi e não me fizeram perguntas, também na H&M...

    ResponderEliminar
  12. Bem, ilegal não é mas...
    É chato e principalmente, MUITO IRRITANTE, ver que dias depois o artigo ficou mais barato; também é verdade que está no prazo, limpo e com etiqueta mas os prazos de devolução servem, essencialmente, para a pessoa trocar caso esteja insatisfeita com o artigo (tamanhos, algum defeito, devolver porque não gosta de ver no corpo, prefere outro, etc).

    Muito sinceramente, mesmo que tenha tido a oportunidade, nunca o fiz (devolver o artigo e voltar a compra-lo porque o preço desceu) porque vejo isso como um abuso dos direitos de consumidor consumidor.
    Mas obviamente, e esta é a minha opinião, não acho que só porque não é proibido fazer, que deve ser feito =/

    beijinho**

    ResponderEliminar
  13. Tenho duas perspectivas,a de vendedora, porque até a bem pouco tempo trabalhava numa loja, e sei que normalmente trabalhamos por objectivos e recebemos comissões se atingirmos um dado valor de vendas mensais,

    assim é sempre desagradável quando alguém vem devolver uma peça de roupa, porque esta entrou em promoções (caí mal e há clientes que ficam 'marcadas' por isso...),

    quanto ao facto da colaboradora ter ligado á gerente, na loja onde trabalhei era procedimento padrão ligar á chefe a perguntar se podia fazer a devolução do valor, e muitas vezes esta perguntava qual o motivo enunciado pelo cliente.

    Por outro lado, enquanto cliente seria capaz de fazer o mesmo que tu, devolver as peças, pois o valor estava mais baixo (pois sei que ficaria sempre com aquela sensação de injustiça), contudo, sem explicitar o verdadeiro motivo, pois é sempre desagradável para quem se encontra do outro lado..

    ResponderEliminar
  14. Vai a outra loja HM e diz q n ficaram bem! :)

    ResponderEliminar
  15. A lei que defende o consumidor não obriga à conceção do direito de devolução (ou arrependimento) sem motivo aparente (como o defeito do artigo). Esse é um direito "extra", que é contratual e não legal, que as empresas dão aos seus clientes se assim entenderem.

    Ou seja, legalmente, não há nada a este respeito, só quanto a artigos com defeito (em relação aos quais o comprador tem direito a devolver e ser reembolsado).

    O que há é um direito que a loja te oferece (e a todas as pessoas) de devolverem sem necessidade de motivo justificativo e serem reembolsadas. Ora, se o permitem, na minha opinião "põe-se a jeito" de acontecer estas coisas e se poder devolver e voltar a comprar a mesma peça mais barato.

    Há quem entenda que este tipo de atitude é contrário à Boa fé que deve presidir sempre as relações contratuais e comerciais. Mas eu dou mais importancia à parte do cliente que compra a um determinado preço e no dia seguinte está a metade ou até menos e que, não tendo utilizado o que comprou ainda, estando intacto, me parece estar no pleno direito de devolver e voltar a comprar pelo preço mais baixo.

    É claro que isto não sendo feito às claras e com "tanta honestidade" não causa tanto desconforto à empresa mas, na minha opinião, não se podem recusar a fazê-lo só por teres sido sincera porque esse foi um direito que eles te concederam - atenção: em relação ao qual não serve de nada reclamar no livrinho, porque não é um direito legalmente previsto em caso de ausência de defeito - mas podem sempre argumentar que é má fé da pessoa que o faz...

    Enfim, é discutível.

    Espero ter esclarecido a parte legal, qualquer dúvida pergunta!

    ResponderEliminar
  16. Eu pessoalmente já fiz isso várias vezes. Se temos esse direito, ele nem deve ser questionado. Mesmo assim as marcas continuam a ganhar, caso contrario não o fariam. No meu caso, recuso-me por norma a comprar em lojas que não façam trocas ou devoluções. O consumidor tem o direito de se arrepender. O silêncio é mesmo a alma do negócio. É preferível chegar lá entregar e voltar a comprar. Ponto final. Se possível em outra loja ou o maridinho na mesma loja.. lol. Há sempre solução.

    ResponderEliminar
  17. quanto ao ultimo ponto, por isso é que por exemplo, o El Corte Inglés não efectua trocas nem devoluções de artigos de cerimónia..porque na época de bailes de finalistas, casamentos e até passagem de ano era um corridinho a trocar de tudo um pouco: visons, vestidos todos pipis de cetim, sapatos, acessórios para cabelo, chapéus, clutches... tudo a cheirar a suor, perfume, desodorizante e tabaco! um nojo a sério

    anyway acho que fizeste muito bem em trocar..senão o fizesses eram um bocado totó! ainda por cima tens um casamento/etc para pagar ;)

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig