21 junho 2014

Exactamente daqui a um mês...

... vou estar no aeroporto da Portela, super emocionada (como sempre fico em aeroportos - sejam nas despedidas ou nos reencontros), com os olhinhos postos naquele enooorme corredor com a propaganda do Martini, à espera que dali saia uma velhinha de 80 anos, baixinha, morena, dona do cheirinho mais gostoso do mundo e dos conselhos mais sábios: a minha avó, a pessoa mais importante do meu mundo (eu digo sempre que entre ela e mamãe, dá empate técnico - sou louca pelas duas).

Há três gerações que os casamentos da minha família são assim: uma brasileira e um português (acho tão romântico...)

Não era capaz de casar sem ter a minha avó ao meu lado. O meu pai, se não pudesse vir ao casamento (mas vem), seria chato mas pronto, é a vida, não pode, não pode. Acho que ficaria triste na altura mas depois metia o meu irmão a entrar comigo durante a cerimónia religiosa e estaria super bem representado à mesma.  
Mas sem a minha avó, meus amigos... sem a minha avó eu não daria este passo. 

E disse claramente ao M. que ou casávamos no Rio, com a minha avó ao lado, ou então íamos ao Rio de Janeiro buscá-la (com 80 anos e depois da cirurgia ao coração [bypass, ponte de safena e cateterismo], o cardiologista não a deixa mais viajar de avião sozinha). Tentámos o casamento no Rio mas logisticamente era muito mais complicado (e custava o dobro do preço). Então passamos para o plano B. e, com a ajuda de mamãe (que vai ao Rio buscar a minha avó), tudo se compôs. Nem eu nem o M. poderíamos tirar férias agora, por isso mamãe faz o 'sacrifício' de ir ao Rio de Janeiro trazer a minha 'encomenda especial'. O meu amor maior. ❤ 

SHARE:

5 comentários

  1. Se já gostava de si sem conhecê-la agora ganhou definitivamente o meu respeito e carinho tb eu adoro de paixão a minha avó que fez este ano 90 anos costumo dizer que ela eu o meu Porto de Abrigo
    Muitas felicidades de coração
    Silvia

    ResponderEliminar
  2. Que bonito esse amor :) Sinto o mesmo pela minha avó. Existe também empate técnico entre ela e a minha mãe. Tal como tu, se o meu pai tiver ausente (para além de habituadíssima) não faz diferença, mas a minha avó...ui, essa eu quero que dure muitos e muitos anos para, ao lado da minha mãe viverem o melhor da minha vida :'D

    ResponderEliminar
  3. Ainda bem que a tua "dupla" mãe vem (até fiquei um pouco emocionada com o teu post) e desejo-te as melhores felicidades (sou daquelas assíduas leitoras do teu blog mas que raramente deixa comentários). Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Anne,
    Já há bastante tempo que leio o seu blogue, mas nunca tinha comentado...tenho plena consciência que é uma pessoa fantástica e de bom coração, por isso tudo de bom que lhe acontece, na verdade tem uma razão de ser, você merece mesmo!!!!!
    ....fiquei extremamente emocionada com este post sobre a sua avó...o carinho com que falou dela....eu infelizmente já não tenho a minha há 10 anos, e tenho tantas, tantas saudades!!!
    Tenho muito boas recordações dos momentos que passava com os meus avós, o meu avô,que também já não está presente era (é, e será sempre!) uma figura muitíssimo importante para mim.

    Por isso imagino como será o vosso reencontro, cheio de ternura e cumplicidade....tão bom!!

    Desejo-lhe muitas felicidades e tudo de bom, e digo isto de coração!!! Beijinho

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig