28 setembro 2014

Cheguei!

E já me apetece voltar pro México!

Mas que raio de tempo é este, hum? Aterrei directamente no inverno? Confesso que, depois de tanto calor no lombo e tanto sol, já sentia falta de um tempinho mais fresco agora a chuva é que eu dispensava. Bolas...

Já desfiz as malas, enfiei a roupa toda na máquina de lavar, já morri de saudades ao abrir a porta do escritório e dar de caras com o meu vestido de noiva pendurado [passou tão rápido...] e o meu ramo de noiva já quase seco na varanda... Ai ai [suspiros].

Agora vou só ali ao Freeport comprar umas coisinhas de outono e aproveitar para lanchar com a família do marido (que é do Montijo, mesmo ali ao lado). Até já!

SHARE:

25 setembro 2014

Há sítios fantásticos, não há? #2


Acabei de nadar nestas águas turquesas geladinhas, no cenote Wayak, em Tulum. Um lugar incrível, diria até mágico! Fomos visitar as ruínas maias em Tulum e aproveitamos para visitar este cenote e mergulhar de cabeça porque o calor aqui não está para fracos. Sinto o suor a escorrer-me pela perna abaixo e só me apetece mandar-me para dentro de uma arca frigorífica. Que calor, pessoas!

A nossa próxima paragem é... a civilização maia de Cobá e as suas pirâmides! O meu querido esposo faz meeesmo questão de subir o raio da pirâmide (sim, Chichén-Itzá já não se pode subir mas em Cobá ainda é permitido - e são mais de 100 degraus). Acho que vou ficar lá embaixo a fotografá-lo e a dar-lhe apoio moral, cheira-me que não sou menina para andar em escaladas vertiginosas.

Faltam dois dias para regressarmos à Lisboa e eu estou já a entrar em negação. Não queeeero! [prometo mais fotos em breve - aliás, nestas duas semanas já ultrapassamos as 1000 fotografias, por isso...]

SHARE:

20 setembro 2014

Estou há uma semana no México...


E ainda não consegui me fartar deste país! 

Começamos a viagem na estação do Oriente, apanhamos o comboio para Madrid e confirma-se tudo aquilo que vocês me disseram: a viagem é um autêntico terror! Fomos em classe turística, por isso, imaginem: cadeiras apertadíssimas, encosto duro, casa de banho tão nojenta que nem há palavras para descrever, espanhóis barulhentos a dar com o pau, todos aos gritos, numa algazarra que tornava impossível qualquer tentativa de dormir (ao ponto do M. ter que ir falar com eles e dizer “amigos, são quase duas da manhã, nós queríamos dormir. Vale?”). Enfim... Até me vieram lágrimas aos olhos quando chegamos em Madrid, às 8h da manhã do dia a seguir.

Ainda pensámos em ir até o centro, passear um bocadinho (o nosso vôo para Cancún era só às 15h, pelo que tínhamos tempo de sobra) mas estávamos tão cansados da viagem (e de não termos dormido direito) que optámos por ir logo para o Aeroporto de Barajas, tomar um banho, almoçar e nos preparar psicologicamente para o vôo (esta sou eu, prazer). 

Consegui tomar um banho no terminal 4 (numa espécie de ‘hotel’) e foi o banho mais caro da minha vida mas soube-me tão bem! Fresca e fofa (e borradinha de medo) lá fui eu fazer o check in. Provavelmente por estar com a idéia de ir de Lisboa-Cancún, jurava que eram só 9h de vôo (basicamente, o mesmo que ir para o Rio), por isso já estava mentalizada para tal. Mas, eu estava em Madrid! 

E de Madrid para Cancún são 11 horas de vôo, um pequeno detalhe que tínhamos esquecido. Ia tendo um ataque quando a hospedeira da Air Europe (foi um vôo charter) me disse que eram todas estas horas! Nunca na vida tinha voado tantas horas seguidas, então, imaginem o filme. Cochilava um bocadinho, acordava... ainda faltavam 7 horas de vôo. Comia alguma coisa, assistia um filme e... ainda faltavam mais 5 horas de vôo. Nunca mais chegava e eu estava tão agoniada dentro do avião que passei as últimas duas horas a andar de um lado para o outro com a desculpa de que “precisava esticar as pernas”.

Chegamos no Aeroporto de Cancún já eram 19h e mal abriram a porta do avião....um bafo quente, um calor abrasador! Já era de noite (por aqui escurece as 18h30) mas estavam quase 30 graus e a humidade do ar era absurda. Encontramos logo os senhores da Travelplan com o nosso transfer para o hotel e entramos na carrinha com ar condicionado no máximo! Que delícia! 

Estamos em Playa del Carmen, a 45min de Cancún, num do hoteís da cadeia de resorts RIU, em regime de tudo incluído e estamos apaixonados! O hotel fica dentro de um condomínio com praia privada (mesmo ao lado do nosso quarto), com pessoal do mais simpático que há, comida buffet disponível 24 horas por dia (acho que já engordei uns 3 kg, eles oferecem comida a toda hora!), SPA, ginásio, camas de rede, bar dentro da piscina, jacuzzi, animais fofinhos que andam livremente pelo hotel (macacos, iguanas...), enfim... um pedacinho do paraíso!




Nesta semana de México, já visitamos: Isla Cozumel, 5ª Avenida, discoteca CocoBongo, Chichen Itzá, Isla Contoy, Parque Xel-Ha, Isla Mujeres, duas farmácias bombásticas para enfardar cosméticos americanos (mais um bocado e o M. pedia o divórcio, fiquei maluca e trouxe meio mundo atrás), o famoso supermercado Chedraui (e trouxe mais mooontes de cosméticos ao preço da chuva), o cenote Xcabum, que é uma coisa fantástica para mergulhar e relaxar em meio à natureza.

O resto... conto-vos depois. Afinal, ainda nos resta mais uma semana no paraíso... e queremos aproveitar ao máximo!
SHARE:

07 setembro 2014

ups!


SHARE:

05 setembro 2014

Acho que depois desta vou ficar sozinha no altar...

Quando reservámos a nossa lua-de-mel acabamos por optar pela saída a partir de Madrid porque era sensivelmente cerca de 400€ mais barato [por pessoa] do que se o vôo fosse Lisboa-Cancún. Poupar 800€ só pelo facto de ter que ir para Madrid pareceu-nos uma óptima opção, o M. disse logo: "ah, compramos logo o vôo Lisboa-Madrid em low cost e fica-nos uma ninharia, além de ser só uma horinha de vôo".

Só que... é sabido do meu pânico por aviões. Borro-me toda de cada vez que tenho que entrar numa avioneta, tremo, transpiro, tomo calmantes [sim, já cheguei a esse ponto] e juro por todos os santinhos que é a última vez que me enfio naquilo. A pior parte é a descolagem. Raios partam! Odeio, odeio, a sensação do avião a descolar do chão, o corpo todo a ir para trás da cadeira, o frio na barriga, aquela oscilação das asas até estabilizar, ui, é um pavor, não falem comigo nesta altura que eu entro em modo 'alucicrazy'.

A verdade é que com tantas coisas para tratar do casamento, só ontem é que nos lembramos: "oh, foda-se, temos que comprar os bilhetes para Madrid!". Ele correu logo para o site da Edreams e eu disse-lhe que não era preciso, que deixasse tudo nas minhas mãozinhas que já tratava do assunto. E tratei: 



Rá! Vamos de comboio para Madrid! Não é o máximo? Nunca fiz uma viagem internacional de comboio, acho que vou adorar! E a emoção de vermos o comboiozito a cruzar a fronteira, pá? Inigualável! (isto sou eu a tentar convencer o homem, enquanto ele olha incrédulo para os bilhetes na minha mão).

O M. ia tendo uma apoplexia. Ficou estático a olhar para os bilhetes, inconformado. "Eu não acredito que fizeste isto, a sério... Vamos levar mais dez horas a chegar a Madrid quando podíamos chegar em uma hora, tens a noção? E ainda compraste em 'turística', vamos chegar mortos em Madrid e ainda apanhar um vôo de mais dez horas. Vinte horas em viagens! Eu não acredito!" e lá continuou no seu discurso, que eu vou chegar a Madrid toda inchada das horas que passei sentada, que vou estar com um humor insuportável depois de quase um dia de viagem, que não havia necessidade e quem aguenta 10 horas num avião aguenta 12 na boa... enfim.

Se fossem as 12 horas seguidas, era capaz de aguentar. Agora... duas descolagens e duas aterragens no mesmo dia, meus amigos, não é para mim. Por esse motivo nunca apanho vôos com escalas, por mais baratos e apelativos que sejam. Só eu sei o que me custa estar ali dentro a voar. Só eu sei...

Vamos apanhar o comboio no Oriente, em Lisboa, até Chamartin, em Madrid. A viagem é de noite, acho que faz-se na boa. Vamos a dormir e quando acordarmos, pumbas, estamos em Madrid! Não é óptimo? [diz ele que não, que esta vai ser uma viagem infernal e que quando aterrarmos em Cancún ele vai logo enfiar-se no resort e hibernar por três dias para descansar da 'maratona'.] Depois desse fatídico episódio, cheira-me que vou acabar sozinha no altar à espera do noivo....

Alguém que já tenha viajado de comboio para Madrid pode me dizer como é a viagem? É mesmo infernal ou dá para dormirmos até lá? Contem-me tudo!

SHARE:

04 setembro 2014

Dos momentos que ficam para toda a vida...

Ontem fomos buscar o vestido, finalmente! Andei ali meses a namorá-lo e finalmente trouxe-o para casa. Foram quatro provas (aperta aqui, modifica ali, coloca mangas [tenho pa-vor de vestido de noiva cai-cai], experimenta com saiote, agora sem saiote, agora com véu, agora sem véu...) até finalmente o vestido ficar do jeito que eu queria: com mangas em tule [parecido a isto], sem saiote [para o vestido não ficar demasiado armado] e justinho e cintado como se quer [e fez-me uma cinturinha, senhores...].

Fui buscar o vestido com mamãe, Vi e com a avó. Quando apareci, pronta (véu, sapatos, 'bouquet' da loja a fingir), beeeem, foi aquela coisa. A minha avó tapou logo o rosto com a mão e desatou a chorar. Mas baba e ranha mesmo, a senhora da loja até disse: "oh, Anne, vá lá dar um abracinho a avó que ela está muito emocionada" e nem precisou dizer duas vezes que eu mandei-me logo para cima da minha avó. Fiz-me de durona e pensei "pronto, não vou chorar, eu consigo" e a minha avó começou a falar, entre lágrimas: "ah, minha filha, eu nunca pensei viver para ver este momento... Eu já estou tão velha, nem sei como Deus me permitiu chegar até aqui..." e quando dei por mim, já me tinha desmanchado toda e já estava a chorar.


É só isto, a minha vida. Ando a chorar como uma madalena, qualquer mariquice me põe logo de lágrima nos olhos...Hoje abracei a Vi enquanto ela assistia a um filme na sala e abri o berreiro. Vai me custar horrores estar longe (ainda que separados 'fisicamente' por menos de 5km) da minha mãe e dos meus irmãos. Essa sim, vai ser a parte mais 'dura' dos primeiros tempos. Me-do.

SHARE:

03 setembro 2014

Nem fazes idéia do que te espera, gajo...


Ando a preparar uma 'surpresinha' ao meu amor, por altura da nossa lua-de-mel... Já troquei montes de mails com empresas mexicanas à procura do melhor orçamento para pôr a minha loucurinha em prática. Escusado será dizer que já me fartei de rir com os gajos, são tão cómicos, um deles pôs na assinatura do mail "quedo a tus ordenes para cualquier consulta y deseándote un excelente fin de semana me despido desde éste paraíso caribeño." O que eu me ri, senhores! Eles estão tão habituados aos turistas que as respostas já saem assim, pré-fabricadas para vender aquela idéia de paraíso na terra. Só me deu para rir, a sério.

Entretanto, parece-me que já encontrei a empresa que me vai ajudar a surpreender o M. e agora ando pra aqui a converter pesos em euros, a dividir tudo por 15 (é +- a taxa de conversão actual) e a assustar-me um tudo nada com os valores que me dão. Ando em dúvida entre a Isla Cozumel ou um cenote em Cancún, não sei, acho que qualquer um seria perfeito para o que tenho em mente mas Cozumel é capaz de ser mais exótica. Ando tão empolgada com a idéia que mal consigo disfarçar (e é tão difícil esconder o que quer que seja do meu rapaz, fico louca para contar logo! ahaha).

E ele, como que a adivinhar que tenho 'água no bico', também anda todo misterioso a falar com não sei quem pelo telefone, sempre em espanhol. Cheira-me que também anda a fazer das suas. E eu já o avisei: qualquer coisa, menos a idéia maluca que uma das madrinhas lhe deu, de contratar mariachis para uma serenata. Não, por favor não. É demasiado mau. Qualquer coisinha menos isso, vale?


SHARE:
© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig