28 fevereiro 2015

Das coisas que me ultrapassam:

A maldade humana, sempre ela. Não consigo compreender o que faz uma pessoa perder o seu tempo para prejudicar, gratuitamente, outro alguém. A troco de quê, meu Deus? Fico possessa quando vejo injustiças deste calibre, mas nesta situação em concreto não posso fazer nada. Hoje recebi a notícia de que uma das minhas melhores amigas, infelizmente ilegal no país há cerca de 8 meses, foi denunciada por uma colega de trabalho e recebeu uma carta de expulsão.

Acho que posso contar nos dedos das mãos a quantidade de amigos brasileiros que tenho cá. São bem poucos, que infelizmente a maior parte dos brasileiros que imigram para cá são de uma 'classe' que eu vou te contar, dá até vergonha de dizer que compartilhamos a mesma nacionalidade. Pode até parecer estranho uma brasileira dizer isso, mas não é preconceito, é a pura realidade. Adiante.

Essa minha amiga conheço-a desde os tempos de faculdade (tirou um curso diferente do meu mas no meu último ano escolhi a tal 'disciplina opcional' que fazia parte do curso dela e foi então que nos conhecemos). Desde esta altura que nos tornamos amigas e nunca mais perdemos o contacto. Vejo-a sempre aos domingos porque frequentamos a mesma igreja, saímos juntas, é uma miúda impecável mesmo. Batalhadora, esforçada, está cá sozinha desde os 22 anos quando veio tirar o curso (tinha visto de estudante nesta altura) entretanto acabou o curso, começou a trabalhar (tinha então visto de trabalhador, por dois anos, acho). Recentemente o contrato de trabalho terminou, não lhe renovaram e pronto, está há 8 meses sem documento e não encontra nenhuma empresa disposta a legalizá-la nestas circunstâncias (o que é óbvio, com tanto português desempregado, qual é a empresa que vai querer contratar uma imigrante ilegal?).

Essa minha amiga nunca dependeu do estado para abonos, subsídios e outros que tais. Sempre trabalhou a descontar. Neste momento trabalha num cabeleireiro, uma área que em nada tem a ver com a sua, mas diz que não se importa, quer mesmo ficar cá. Como é super atenciosa com os clientes e trabalha sempre bem disposta, em poucos meses neste cabeleireiro, conseguiu fidelizar grande parte dos clientes de lá, que agora só querem ir arranjar as mãos e pés com ela. Ela ganha à comissão. Tem outra colega, portuguesa, que também é manicure no mesmo cabeleireiro e que não a suporta porque tem que ouvir, todos os dias, a frase: "a outra moça não está? A brasileira? É que queria mesmo fazer com ela, se ela não estiver eu volto noutro dia."

A inveja, sempre a inveja. Há dias a tal colega de trabalho disparou: "sabes que mais? Eu se fosse a ti começava já a arrumar a malinha para voltar para o Brasil..." e estava constantemente a mandar bocas destas. Ontem a minha amiga ligou-me desesperada a chorar, que recebeu uma notificação do SEF e o cabeleireiro foi multado em não sei quanto, por dar apoio à imigração ilegal. Foram denunciados.


Não estou a dar razão à minha amiga, de forma alguma. Estava errada, estava num país a viver ilegalmente, apesar de, ironia das ironias, ter a atividade abertas nas Finanças e estar a passar Recibos Verdes (mesmo estando ilegal) desde que deixou de ter visto. Sim, é tudo muito horrível, vamos lá correr com estes ilegais todos mas enquanto estiverem cá a trabalhar, vamos lá ficar com os descontos destes ilegais trabalhadores  (enfim, nem vale a pena ir por aí). Mas dizia eu que sim, a minha amiga está errada mas não consigo deixar de pensar em como a inveja é uma arma poderosa na mão de gente frustrada e infeliz. Denunciar uma colega por esta ter mais clientes que ela? Mudar assim a vida de uma pessoa, por pura frustração? Não acho normal, desculpem lá.

Uma vez li uma reportagem de uma figura pública que dizia qualquer coisa como: "A inveja é o desporto mais praticado em Portugal" e não posso deixar de concordar com isso. Nunca estive ilegal, por isso não sei como é estar nesta condição, mas dói saber que uma pessoa que sempre deu o seu melhor, que trabalha todos os dias das 10 às 21h, muitas vezes sem hora de almoço, que luta sozinha sem apoio da família e que, bem ou mal, estava cá há mais de 7 anos, agora vai ter que refazer tudo em outro lado por causa de uma pessoa frustrada que não soube lidar bem com o sucesso alheio.

[estou mais que disposta a ajudar a minha amiga em tudo aquilo que puder. Ontem fiquei com ela até altas horas ao telefone, ligamos para dois advogados especializados em legalização de estrangeiros e vamos ver se conseguimos fazer alguma coisa para ajudá-la. Não consigo saber destas coisas e ficar indiferente. O M. diz que sou maluca, que não posso estar sempre com isso de 'defender os pobres e oprimidos' e que fui para a profissão errada. Talvez ele esteja certo, não sei. Sei é que comprei essa briga e vou até o fim para ajudá-la. Ah, vou!]

SHARE:

21 comentários

  1. Anne, espero que se consiga fazer algo para a ajudar. Gentinha frustada e com dor de cotovelo estão espalhadas em todo o lado, um dia vão ter o pago. bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos a ver o que é possível fazer, considerando o avançado da situação. Como é fim-de-semana, nada funciona hoje, excepto os advogados que já ligamos a maçar com o caso. Na segunda-feira vamos tomar outras providências e ver se ainda é possível reverter a situação.

      Mas concordo contigo e sei que a pessoa que fez essa atrocidade vai um dia pagar por isso porque uma certeza eu tenho: Deus é justo e a justiça Dele até pode demorar mas um dia chega.

      Eliminar
  2. Tenho pena da tua amiga, mas infelizmente a maior parte dos portugueses são uns frustrados até a última ponta do cabelo. Casamentos de treta, trabalhos mal pagos, filhos insuportáveis, falta de apoio familiar... coitados, não se pode dizer que tenham uma boa vida. E tornam-se pessoas tão rancorosas que só estão bem a lixar os outros que estão em melhor situação. Uma vergonha este país!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na verdade, acho que não se pode julgar todos os portugueses pelo mau exemplo de um, é claro que há gente frustrada e infeliz (cada vez mais) mas não acredito que estes sejam a essência de Portugal. Ainda vejo casais felizes e apaixonados, vejo crianças absolutamente encantadoras, vejo avós felizes com os seus netos, vejo um país com tanta beleza e tantas coisas boas... não posso mesmo olhar só para a ignorância de uma pessoa e pôr todo um país em causa por causa disso.

      Eliminar
  3. Anne, conheço uma advogada especialista nessa área. Posso te dar um contato. Até eu fiquei com pena dela. Bjo

    Jaqueline Coimbra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Jaque, obrigada! Eu quero sim, nesta altura toda ajuda é bem vinda. Envias um mail? anne@agarotadeipanema.com

      Obrigada! :*

      Eliminar
  4. E é verdade Anne, a invejosa é mesmo beeem praticada em Portugal, são mesmo capazes de tudo só porque sim, so para lixar o outro gratuitamente. Não sabes a quantidade de vezes que ja tentaram lixar a minha mãe com essa tanga do ser ilegal so porque fala comcsotaque brasileiro, mas no entanto é portuguesa. As pessoas sempre que vem um brazuca a dar-se bem na vida, e atenção que dão-se bem na vida com merito e esforço, muito esforço mesmo, ja soltam bitaques sobre ser ilegal. Preferem lixar a vida alheia do que trabalhar para chegar ao nivel do outro.
    É muito mais facil para essa colega da rua amiga que ela seja expulsa do país do que ter que ser simpatica e atenciosa com os clientes, olha agora que ja não basta trabalhar ainda tem que tratar bem os clientes?!
    Infelizmente em Portugal é assim..
    Tenho muita pena da tua amiga Anne :/ Que consigam resolver isto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que a inveja é lixada e existe por cá, infelizmente também já fui 'ameaçada' com o SEF apenas por ter sotaque brasileiro. Uma vez até relatei aqui o surreal que se passou numa joalheria, onde encomendei uma peça, paguei 50% do valor e demorei uns dias a ir buscar a peça. Ui, foi o descalabro. A gerente ligou-me a ameaçar chamar o SEF para mim! Não tinha lógica nenhuma, mas bastou ouvir um sotaque e tumbas, é logo uma imigrante ilegal.

      É muito triste mas felizmente estas coisas já não me afetam tanto e é para o lado que hoje durmo melhor. Quero muito, muito mesmo que a minha amiga resolva as coisas a bem e que consiga ficar no país onde escolheu viver.

      Obrigada pelo comentário ;)

      Eliminar
  5. E porque não adoptaste essa lógica de mover mundos e fundos para ajudar a tua amiga antes de ela se tornar ilegal? Assim evitava-se esta sitsituação toda. Eu não seria capaz, acho, de denunciar alguém nessa situação, só se a pessoa estivesse a fazer algo de errado, mas estar ilegal num país não pode ser de nenhuma forma tolerado. Acho sinceramente bem que o SEF ande atrás dessas pessoas e empresas. Quem se põe nessa situação, nunca estará em paz e corre sempre o risco de ser apanhado, seja por denúncia de uma colega invejosa, seja por outro motivo qualquer. Colocam-se nessa ssituação e agora a culpa é da colega...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma coisa é o SEF averiguar estas situações, afinal de contas, é da competência deles. Outra, é uma colega mesquinha ter feito uma denúncia.

      Eliminar
    2. Um ponto importante sim. A rapariga de certeza que deu o seu melhor, mas se sabias da situação, sabias que mais cedo ou mais tarde ia acontecer, porque não ajudaste antes??

      E por amor da santa. Se estão insatisfeitos com os portugueses, com este Portugal, estão aqui a fazer o que?! E não é para si este recado Anne, que é sempre muito terra a terra. Agora ler aqui comentários a questionar os valores do povo mas recusaram voltar para o país natal, diz muito da maioria dos emigrantes que cá andam .

      Eliminar
    3. Anónimo 14:31: Mas sabe se eu não tentei ajudar antes? É engraçado ler certos comentários cheios de pré-julgamentos e certezas absolutas... Enfim. Na altura em que o contrato de trabalho dela terminou ela disse-me que estava tudo +- encaminhado porque ia começar a trabalhar num sítio e que depois de três meses a recibos verdes tinham-lhe prometido o contrato. Achei que estava tudo controlado. Entretanto o tempo passou, ela andou lá quase quatro meses e contrato que é bom, necas. Isto coincidiu com a altura do meu casamento e na correria dos preparativos (tive cá 23 familiares de Espanha e Brasil e tivemos que pensar em arranjos para acomodar essa gente toda), sinceramente passou-me ao lado. Entretanto depois estive 15 dias fora, no México, em lua-de-mel. Quando regressei a Lisboa, no final de Setembro, já ela estava a trabalhar no cabeleireiro, novamente com a promessa do contrato e ‘agora é que é’. Só na sexta-feira é que soube da gravidade da situação e não sei se agora consigo fazer algo, mas vou tentar todos os caminhos.

      @Anónimo 18:09: Pois, eu também acho um verdadeiro atestado de estupidez comentários de brasileiros que vivem em Portugal e passam a vida a criticar o país, o clima, o governo, as pessoas... Acho de um masoquismo extremo. Se não está satisfeito, é só apanhar o aviãozinho e voltar para o Brasil. Uma coisa é criticar com consciência. Outra coisa é criticar por criticar, quando nem sequer temos direito a fazer certos comentários.

      Eliminar
  6. Anonimo das 14h31 :
    Isso é tudo muito bonito de ser dizer, mas a vida real nao é assim. Ninguem é ilegal porque quer e a realidade destas pessoas nao é tao facil como diz, nao se torna legal so porque quer, é muito dificil conseguir documentos, principalmente nos dias de hoje em que ninguem quer dar emprego aos portugueses quem dira a ilegais, ha toda uma burocracia e custos gigantescos para se conseguir documentação que ninguem diz quando se fala do sef. Ninguem se "coloca" nessa situacao, muito pelo contrario, ha documentacao necessaria para se legalizar que uma pessoa nao consegue so porque lhe apetece, depende de um empregador.
    É muito bonito de se falar sobre o assunto, mas so quem ja passou por isso pode tecer comentarios, mas garanto que ninguem "se poe nessa situacao".

    P.S.: estar ilegal nao pode ser de forma alguma tolerado? Preocupem-se masé com as fugas horrorosas ao fisco feitas pelos portugueses e pelos valores exorbitantes pagos em subsidios a pessoas (portuguesas) que nao trabalham para ficar nos cafes a beber a conversar o dia todo, pois esses ilegais dao mais vantagens economicas ao país do que muitos dos nossos, portugueses, legais e que nada mais fazem que levar o país para "o buraco".

    ResponderEliminar
  7. Inacreditável, coitada da rapariga, espero que consigam resolver a situação, é sempre bom ter amigas que estão sempre dispostas a ajudar custe o que custar. Quanto à denunciante, chamei-lhe todos os nomes feios e mais alguns só não os vou escrever aqui... Quem não merece é quem mais sofre, neste país!!!

    ResponderEliminar
  8. Partilho da mesma opinião com relação aos nossos "irmãos ", mas prontos....
    A sua família possuindo uma empresa, não podes ajuda lá?

    ResponderEliminar
  9. Olá Anne. Sou portuguesa e moro há 4 anos noutro país da Europa. Posso garantir-te que a inveja nao é de todo particularidade dos portugueses. Nao acho as minhas colegas de trabalho daqui nem de longe menos invejosas do que as que tive em Portugal. Acho piores até, mais competitivas, frias e calculistas...até podes ser um amor de pessoa, mas se estiveres no caminho delas isso nao conta nada. Bjs

    ResponderEliminar
  10. Se a tua amiga tem actividade aberta nas finanças e passa recibos, como pode ser considerada ilegal??? Então não deram por isso quando ela abriu a actividade? Ah pois, para pagar imposto não interessa se está ou não legal... Enfim
    Torço para que corra tudo bem

    ResponderEliminar
  11. Realmente, este país é mesmo para rir! Ou para chorar, já nem sei...! Portugal não vai para a frente não é por pagarmos muitos impostos e estarmos constantemente a sermos roubados. Não vamos para a frente por causa desta mentalidadezinha nojenta! Inveja, lamúrias e preguicite é o que mais reina neste país. E eu que o diga, que também sofro disso no meu trabalho todos os dias.

    ResponderEliminar
  12. Hey Anne. Eu sei como voce se sente quando disse "dá até vergonha de dizer que compartilhamos a mesma nacionalidade", eu concordo com voce ja senti-me assim diversas vezes e hoje ate faço ouvido de mercador para que não puxem conversa. Nem ligo mais, que pensem o que quiser. Morar ilegalmente em qualquer lugar não vale a pena, e um risco enorme que se corre e e triste ver que alguém possa ser capaz de fazer uma covardia dessas. Espero que a moça resolva a situação dela, sorte dela ter uma amiga joia como voce. De noticias desse "causo".

    ResponderEliminar
  13. Se pudessemos expulsar os invejosos e ficar com as pessoas esforçadas e trabalhadoras, seria uma maravilha. Infelizmente a inveja é desporto nacional, sim, mas no que toca à má-onda relativamente a emigrantes parece-me que é bem pior na maioria dos outros países europeus. Boa sorte para a tua amiga.
    Catarina

    ResponderEliminar
  14. Boa sorte para a tua amiga. Infelizmente não é preciso estar em situação ilegal para sofrer ataques de inveja. As pessoas não sabem viver sem meter o nariz na vida alheia.

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig