23 maio 2015

Badoca Safari Park - uma aventura!

No fim-de-semana passado rumámos até o litoral do Alentejo, mais precisamente em Vila Nova de Santo André, para conhecer o Badoca Safari  Park, um parque natural com animais de várias espécies assim num género de safari africano a apenas 150km de Lisboa. Acordámos cedo no domingo e saímos de Lisboa perto das 8h30.

O nosso condutor foi o Pê (nem eu nem mamãe quisemos arriscar levar os nossos carrinhos para o meio do pó e da lama ahahah) que conduz um verdadeiro tanque de guerra no dia a dia e o carro dele está totalmente habilitado para safaris :P

Perto das 9h30 chegámos ao parque, super entusiasmados! Como a bilheteira só abria as 10h, ainda tivemos tempo de passar protector solar, pôr a parte de cima do biquíni (o sol estava imperdoável) e bebermos bastante água.

 Na bilheteira fizemos logo a marcação do horário do safari (nós escolhemos ir às 11h), bem como também pagamos as actividades-extras (totalmente opcionais). Nós queríamos fazer tudo, por isso marcamos também o horário da Interacção com Lémures e também pagámos pela pulseirinha azul que nos dava direito ao Rafting Africano (uma das atracções mais famosas do parque, para além do safari).

 Logo à entrada do parque temos o esqueleto da famosa girafa Badoca (a primeira girafa do parque) que chegou em 1999. [o morenaço a ler as informações ao pé da girafa é o meu irmão e atenção meninas de Lisboa, está solteiríssimo desde o mês passado - #euqueroumacunhadadejeito]

No Jardim de Aves Exóticas podemos ver aves de vários cantos do planeta, animais que nunca antes tinha tido o privilégio de ver ao vivo e achei a experiência fantástica!

Há uma zona do parque, uma espécie de viveiro enorme, chamada de Floresta das Araras em que os visitantes podem entrar lá para dentro e interagir (q.b) com as araras. O Pê, exibido, lá foi logo lançado tentar fotografar uma arara. O bicho assim que o vê sacar do telemóvel começa a baixar a cabeça e abrir o bico, mesmo em posição de ataque. Gritei-lhe da porta (que eu não sou besta de entrar pro meio de bichos sem supervisão de tratadores - cagunfas, assumo) para ter cuidado. Riu-se e chamou-me medrosa. "Pê, esse bicho vai te atacar!" passado dois segundos a arara pousou-lhe no ombro e ele borrou-se todo ahahaha. Tenho um ataque de riso sempre que me lembro da cena. Um gajo de 1,96m a correr com medo duma ararinha.

E o momento mais esperado do dia: o safari! Entramos para dentro de uma espécie de atrelado de ferro puxado por um trator e vamos à isso! O guia do parque vai falando ao microfone e explicando curiosidades das várias espécies que vamos encontrando pelo caminho e foi uma experiência mesmo gira! O safari tem a duração de cerca de 1 hora, com várias paragens pelo caminho para irmos espreitando mais de perto e fotografando os animais (não podemos sair em momento algum do atrelado, por motivos óbvios). Há animais mais curiosos (como as avestruzes e as zebras) que chegam-se ao pé de nós para cheirar ou à procura de comida e é recomendável terem os bracinhos para dentro do carro, só assim numa de não voltarem manetas para Lisboa hehehe.
 
 Esse é o trator que nos 'puxa' durante todo o safari. O guia que nos acompanhou era super simpático e um apaixonado por aquilo que faz, o tornou o passeio ainda mais interessante. Apanha-se imenso pó durante o safari, saímos completamente imundos do atrelado mas logo a seguir tomámos um banho para refrescar. A Vi tem asma e sentiu-se um bocadinho aflita com o pó, pelo que mamãe teve que enrolar um pano à volta do rosto dela, deixando só os olhinhos de fora (e quem estava com bebés fez a mesma coisa - por isso recomendo que levem sempre toalha ou pano para essas emergências).

E este espécime, hã? Inteligente, divertido, de boa família (claro), trabalhador e giro. Um bocadinho teimoso de vez em quando. Adora uma aventura e passa a vida montado no raio da mota (para desgosto e medo da minha mãe) mas é um coração mole e derrete-se por animais e crianças. Ah, e está solteiro, não sei se já vos disse. :P (ele vai matar-me por isso mas que se lixe, é por uma boa causa, estou fartinha das piriguetes que ele vem nos apresentar #nalutapelacunhadaperfeita)

Aaah, as girafinhas! Arrancaram suspiros de todos, são tão fofinhas e desengonçadas em cima daquelas patas enormes, adoro-as! É muito diferente ver um animal assim, a um metro de nós, e poder reparar em detalhes nunca antes vistos: a construção das manchinhas, a textura da pele, o formato do nariz... fiquei apaixonada! Elas são super tranquilas e o nosso trator parou mesmo ao lado delas.

 (e mamãe nada de largar o telemóvel... a pessoa não consegue abstrair do trabalho nem num domingo, é dose - ossos do ofício)

As zebras foram os animais preferidos da Vi, principalmente esta que foi mamã há pouco tempo e andava com a sua zebrinha para todo o lado, um amor de ver! O guia nos contou que logo que nascem as crias das zebras ficam cerca de uma semana isoladas com a mãe para poderem decorar as risquinhas da mãe e conseguirem identificá-la depois no meio das outras zebras. Não é querido?

Terminado o safari, fomos até o Parque de Merendas (muito bem localizado, com casa de banho mesmo ao lado, sítio para lavar os pés da areia e do pó, muita sombra e mesas e cadeiras) para almoçar por que tínhamos lido que o único restaurante do parque não tinha muita variedade (hambúrgueres, cachorros e batatas fritas) e o preço era bastante elevado. É permitido sair e entrar do parque para ir ao carro buscar as coisas do lanche e deixam-nos entrar com tudo o que é necessário para um pic nic (geleira, bebidas, frutas...). Após o almoço, paragem na Ilha dos Lémures para conhecer esses bichinhos queridos e participar na interacção.

Durante a interacção sentam-nos em pedaços de troncos e dão-nos comida para as mãos. Estendemos as mãos e os lémures saltam para cima de nós como se não houvesse amanhã. O meu irmão chegou a ter seis lémures em cima dele, foi um riso! A Vi foi super corajosa e ficou sozinha num tronco, enquanto eu e mamãe ficamos noutro. Como ninguém sabe mexer na minha máquina (nabos...) fiquei com a missão de fotografar toda a gente com os lémures e acabei sem fotografias a segurar o bicho (mas mamãe remediou o problema indo na loja de fotografia e comprando todas as fotos que o fotógrafo do parque me tirou com os bichos em cima ahahaha). Os lémures são muito sociáveis e curiosos, têm as patinhas geladas e húmidas (blergh) mas são giros e fofinhos. Tê-los a comer na nossa mão é o máximo!

Depois do susto com a arara, o Pê só quis vê-las assim... através do vidro :P

 Nada a fazer, o Pumba só queria dormir...

Coisinha mais fofa, a cria da avestruz, com três semanas de vida. Tão amorosa...

 A seguir caminhamos (e caminhamos... aquilo é grande que se farta, andamos imenso) até chegarmos à Ilha dos Primatas, o local reservado para os chimpanzés e adoráveis macaquinhos. 

 Macacos fazendo macacada. As fêmeas estavam com várias crias mas não eram muito sociáveis pelo que não quisémos perturbar o puérpio das pobrezinhas e fomos logo embora.

 E a cara de mau desse primata? Me-do!

Finalizámos o passeio com o espetáculo das Aves de Rapina onde vimos águias, falcões e corujas em vôos rasantes (quase a tocarem na nossa cabeça) e um falcoeiro super divertido que nos ia contando vários factos engraçados sobre as águias. 

E essa voltinha de pescoço, hã? Coisa para poucos...

No fim do dia eu estava igual ao filhote de avestruz: exausto e doida para me mandar para o chão e dormir ahaha. Saímos do parque perto das 18h, super cansados mas ao mesmo tempo, bastante contentes por tudo o que vimos e aprendemos sobre esses animais.

Foi um dia incrível e acho que é um programa super especial para fazermos com a família. Quem tem crianças, já sabe: elas ficam maravilhadas com a oportunidade de verem de perto animais que só vemos engaiolados no zoo e claro que não é a mesma coisa. É nítida a forma amorosa como os animais são tratados, estão todos gordinhos e saudáveis (não vi nenhum animal com ar de triste ou com as costelas a contarem-se), e o maior indicador de que são felizes no parque é o facto de estarem a reproduzir, com várias crias recém-nascidas de muitas espécies. Gostei imenso do parque, da atenção e simpatia dos funcionários, da lojinha de lembranças e claro, de passar um dia incrível com as pessoas que mais amo. Um programa que com certeza daqui há uns anos vou querer repetir :)

 uma pequena lembrança do parque: imã de frigorífico e uma girafa bebé em peluche, prenda do marido.

-------
Badoca Safari Park
Herdade da Badoca, Vila Nova de Santo André
Telefone: 269 708 850
----
Bilhetes: adultos 17,50€ / crianças 15,50€ (até aos 4 anos não pagam bilhete)
Actividades-extra: Rafting africano 2€/pessoa /// Interacção com Lémures 12€ adultos/ crianças 10€

SHARE:

15 comentários

  1. As fotografias estão muito fofinhas, parece que tiveram um dia divertidíssimo em família!
    (Fartei-me de rir com o "anúncio" à cunhada perfeita :p Mas de certeza que o teu irmão não terá problema em arranjar uma candidata já que é destemidíssimo com lémures, tem 1,96m e é morenaço!)

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  2. Não acho o Pê nada de especial fisicamente mas, da maneira q o descreves é um doce de menino...

    ResponderEliminar
  3. Anne, sou a cunhada que procuras :D Mas vivo no Norte :'(

    ResponderEliminar
  4. Bem, até fui colocar os óculos para ver bem... O seu irmão é lindo Anne!! Que idade tem?
    A única vez que fui ao Badoca foi com a escola e sinceramente detestei! Mas já ouvi dizer que está bem diferente e tenho de lá voltar com os meninos de quem tomo conta no Verão :)

    Beijinho* RReisV

    ResponderEliminar
  5. Anne não fosse eu comprometidinha até aos ossos alistava-me para tua cunhada.. e olha que até me mudava para Lisboa ahah ;D
    Bonitas fotos, espelho do que deve ter sido um belo dia em família!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Olá Anne! Como alentejaninha que sou fico maravilhada de saber que gostaste de uma das nossas atracções. Melhor ainda sou as nossas praias! Tens de tudo um pouco pelo costa alentejana e com paisagens maravilhosas. Um pequeno tesourinho do nosso país! Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. pena não estar + pretinho!

    ResponderEliminar
  8. Amei ver ANNE. Também quero ir.

    ResponderEliminar
  9. Anne, eu queria ser aquele lémure que está no colo do Pê!! Adorei o vosso passeio mas o teu irmão é um gato! E aquela foto dele de perfil, qual Gerard Piqué qual carapuça, o rapaz tem charme... Beijinho.



    ResponderEliminar
  10. Realmente o teu irmão é muito giro:) Já eu sou de Lisboa e solteira:P Tenho 22 anos e estou a tirar uma licenciatura em gestão de recursos humanos. Sigo o teu blogue há uns anos na altura ainda eras condessa de apiaí (se bem me lembro acho que era assim:))
    Já fui algumas vezes ao Badoka e gostei sempre.

    Beijinhos
    Sara Filipa

    ResponderEliminar
  11. Ahahah Eu só estou a comentar este post por causa das fotos do teu irmão, Anne! Todo mega giraçoooooooooooooooooo! :) :p

    ResponderEliminar
  12. Adoro lemures, esses não eram um bocadinho cleptomaníacos? geralmente tentam roubar coisas às pessoas :) essa avestruz bebé é TÃO . GIRA! (e o peluche da girafa também ♥)

    Adorei as hashtags da cunhada, acho que por este andar mais vale criares um email para receberes curriculos e fazer entrevistas :D

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Já tenho ouvido dizer maravilhas do Badoca. Tenho de ver se passo por lá para ver se avisto o espécimen moreno de logo de barba!! (Olha só o que escrevi hoje: http://desbloguedelite.blogspot.pt/2015/06/da-moda-dos-homens-com-barba-por.html?showComment=1433170255922) :D

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig