29 junho 2015

Ahh, como eu adoro planear as férias (só que não)

Andamos a planear as férias de verão e a tarefa não está nada fácil... Vão ser as primeiras férias como mr&mrs e queremos algo mesmo especial, já que fazemos um ano de casados logo na primeira semana de Setembro e estamos a pensar tirar as férias 'grandes' apenas nesta altura, para podermos comemorar como deve ser! Provavelmente vamos optar pelas Caraíbas de novo, porque o marido adorou e acho que ainda há muita coisa gira para lá conhecermos (não, não vamos repetir o México). Uma amiga falou-nos na Jamaica e das fotos que vi, quero ir para lá amanhã! O M. quer ir à Rep. Dominicana mas não é um destino que me convença, como se sabe, eu gosto de praia com cultura e não apenas jiboiar ao sol (fico entendiada). Estamos a pesquisar destinos e como até agora nenhum foi consensual, cheira-me que vamos tirar 'par ou ímpar' para escolher.

As duas semanas no México foram um divisor de águas para o M., o homem agora só quer férias do outro lado do mundo com água quente tipo sopa. Todos os destinos que sugeri, cá na Europa, foram sumariamente descartados. Anda armado em fino, o rapaz... (deve achar que agora vou todas as férias enfiar-me 11 horas num avião ahaha deve ser, deve - medo!). Por falar em México, lembrei-me que nunca partilhei por cá as milhares de fotos que tirámos por lá (não, não vos vou maçar com vários posts de fotos) e por isso, cá ficam algumas:


O México é um destino de sonho? É sim, senhor, eu adorei! Se voltava a lá meter os pés? Sem dúvida, mas pelo menos não nos próximos cinco anos. Acho que ainda temos muuita coisa para ver antes de repetir destinos mas quero lá voltar quando tivermos filhos, é mesmo o destino perfeito para férias em família, as crianças enlouquecem! Aconselho a toda a gente que goste de história, exotismo e praias incríveis.

Para as duas semanas de férias em Agosto, provavelmente vamos dar um saltinho a Marrocos de carro (ando louca para fazer uma roadtrip por Marrocos, partindo de Espanha) e pouco mais (a não ser que a Grécia realmente saia do euro e os preços para lá despenquem, aí sim, era menina para dar um saltinho por lá). A grande emoção ficará mesmo para Setembro. E com sorte, ainda arranjamos uma promoçãozinha bombástica como a do ano passado. Mal posso esperar! :)

[não sei se é de mim ou lá o que é mas os preços para o Algarve este ano estão uma loucura. Andei a ver uma semana em Agosto em Portimão e ia caindo para trás com o orçamento que nos enviaram. Dá para estar, na boa, duas semaninhas a passear por Marrocos ou sul de Espanha pelo preço de sete noites na Praia da Rocha. Uma pessoa até quer fazer férias cá dentro mas com preços destes, meus amigos, não dá.]

SHARE:

39 comentários

  1. Não tinhas já comprado uma viagem qualquer este ano com as promoções da KLM? Vais ter 2 semanas de férias em agosto e mais outras "férias grandes" em Setembro? Que sorte!

    Eu pessoalmente detesto esses destinos super turísticos que são iguais em todo o lado, por isso não os escolheria. Tenho Marrocos na minha lista, mas nunca em agosto porque o calor é insuportável! Este ano já estive na Islândia, Londres e Eslovénia. A próxima será Japão e eventualmente uma cidade europeia repetida para a passagem de ano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, compramos na KLM mas é só para Novembro... E são só cinco dias (com um fim-de-semana pelo meio), é um género de escapadinha :)

      Em Agosto todos temos duas semanas de férias porque a empresa vai fechar nessas semanas, não foi minha escolha. As férias em Setembro são ainda do ano passado (só tirei 10 dias de férias em 2014, o resto foi licença de casamento).

      Eu não considero o México um destino 'igual em todo o lado', mas nós não fizémos as típicas férias de resort: optámos por mais de 6 passeios (ou excursões, como chamam) e dos 14 dias que passamos por lá, só 4 é que foram inteiros a jiboiar no resort. Férias fechadas num hotel, por mais estrelas que tenha, não é mesmo a nossa praia.

      Eu gostava de ir a Marrocos mesmo no auge do verão, já estivemos lá perto em Agosto e aguentamos super bem, ainda para mais de carro, com a liberdade de irmos parando quando quisermos.

      Por acaso o Japão não me atrai assim muito, mas a China e a Coréia do Norte... upa upa! :P

      Eliminar
    2. Se fosse uma empresa normal terias que ter gozado essas férias do ano passado até ao final de abril, mas como é a mamã a mandar...

      Eliminar
    3. Ahahaha sim, claro. O meu marido também deve trabalhar para a minha mãe, por que com ele passou-se exactamente o mesmo (no ano passado só tirou metade das férias) e, pasme-se, o chefe dele também vai deixá-lo tirar esses dias agora em 2015. E ele trabalha 'só' para uma das maiores empresas de TI de Lisboa (não, realmente, não é uma empresa normal).

      Quando há bom relacionamento entre empregados-patrões, quando os funcionários são tão dedicados que valem a pena uma ou outra cedência por parte da entidade empregadora... então temos uma situação como a nossa: win-win.
      (lamento que não tenhas tido essa sorte)

      Eliminar
    4. Não sei se a Anne trabalha na empresa da mãe, mas se assim fosse não era mais "normal" o contrário? Tipo tirar férias quando queria? Se não gozou o ano passado tem direito ás férias independentemente de trabalhar ou não com a mãe.

      Não percebi bem a intenção do comentário. Cada um tira férias "quando quer", e o post nem é sobre datas de férias e férias não gozadas...

      Eliminar
    5. Para a China é possível mas para a Coreia acho que não terá sorte.....

      Eliminar
    6. Nunca "tentei a minha sorte" nesse campo, porque gozo sempre as minhas férias todas no ano a que respeitam, mas já trabalhei em 3 grandes empresas/instituições em Portugal (uma com 200 funcionários, outra com 10.000 e outra com 400) e o procedimento nunca foi esse (temos sempre de indicar, no início de cada ano, os dias de férias que sobraram do anterior e quando pretendemos goza-los até ao final de abril). Sempre tive colegas a terem de tirar férias "forçados", por terem acumulado esses dias. É o que a lei prevê e o que faz sentido, numa lógica de distribuir os dias ao longo do ano e não deixar acumular férias.

      Eliminar
    7. @Anónimo 00:03: Então só me resta pedir desculpas por não ser a funcionária perfeita, mas no ano passado tive imensos dias para tirar com a licença do casamento e com tanto para preparar (boda, lua-de-mel, apartamento, etc) não me sobrou muito tempo para férias, daí que tenha deixado para este ano.

      Contudo, também eu já trabalhei numa multinacional com sede em 17 países e ao fim de nove meses de trabalho, precisei ir ao Rio de Janeiro por duas semanas, assim de uma hora para outra e a minha entidade patronal concedeu-me sem grande stress, porque sabia que sempre que precisava (e precisava muitas vezes) eu era a primeira a lá ficar a fazer horas-extras até mais não (chegando a ter num único mês 43 horas a mais do que o dito 'normal').

      O meu marido, idem: nas duas empresas onde trabalhou (sendo uma delas a PT do TagusPark, na área da informática) nunca teve que marcar férias à pressa, forçado ou assim. Se calhar ambos tivemos sorte (ou azar, depende do ponto de vista) de trabalharmos para empresas 'pouco normais'.

      Eliminar
    8. Lamento, mas estar num resort na Riviera Maya e fazer as respectivas excursões está incluído na mesma no conceito de "típicas férias de resort". Todas essas excursões combinadas são a sítios turísticos, onde os habitantes locais se colocam e apresentam de determinada forma para lucrar com os turistas que aí se dirigem, achando que estão a ver algo "típico". Toda a gente sabe que esses pacotes, resorts, excursões, etc são para um determinado tipo de férias e de turista tipo. O explorador, aquele que quer realmente conhecer os locais que visita, o "backpacker", como lhe queiram chamar, faz um tipo de turismo muito diferente. E esse turismo que referi acima (o dos resorts), é o mesmo quer estejas no México, na República Dominicana, na Tailândia, ou em Bora Bora. É tudo igual, apenas tentam dar uns laivos de "falsa localidade" a cada um dos destinos, para as pessoas continuarem a comprar os pacotes e as excursões e se convencerem que foram muito ousados ao sair dos seus resorts e terem explorado o "país real".

      Eliminar
  2. Acho que se a Grécia sair do euro, terás maiores problemas com que te preocupar (nomeadamente, se os nossos euros ainda valerão alguma coisa), que com viajar para um país em crise profunda...

    Joana

    ResponderEliminar
  3. Eu não iria a Marrocos pelo calor que já mencionaram acima, mas muito menos de carro pelos stresses que há de imigrantes a tentarem passar a fronteira em carros de turistas, assaltos a carros no meio da estrada e possíveis ataques terroristas. Eu não costumo tirar férias no verão porque é uma óptima altura para estar na vazia Lisboa e aproveitar as praias adjacentes e porque é época alta em todo o lado e fica tudo caríssimo. Prefiro distribuir as férias ao longo do ano (tipo Maio, Junho e Dezembro), é porreiro também por causa dos feriados e de maximizar os dias de férias. Este ano vou fazer Boston, NYC, Filadélfia e Washington!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A essa lista pode acrescentar os subornos na fronteira e não só. Basta uma olhadela no tripadvisor.

      Eliminar
  4. Anne, eu vivo em Marrocos, mais propriamente em Tanger, e pode ficar descansada, Marrocos não é o fim do mundo, nem uma zona de guerra. É um país que luta pela segurança dos seus habitantes e visitantes. Para além disso, os marroquinos são pessoas extremamente simpáticas e acolhedoras. O clima depende muito da região, as cidades interiores por norma são mais quentes, a zona norte o clima é tipo Mediterrânico, na costa oeste parece o calor de Portugal .... Mas sempre pode vir em Setembro, caso tenham receio do calor.
    Como vivo em Tanger faço sempre a viagem de carro até Portugal e nunca aconteceu nada de mal. Na alfândega de Tanger terás sim de ter mais paciência mas o "segredo" é tratar das formalidades de controlo de passaportes ainda dentro do ferry. Depois é só enfrentar o controlo de documentos de viatura e ainda aguardar pela inspeção ao carro. Pode parecer muita coisa, pode demorar algumas horas como não, mas, tudo isto existe por uma questão de segurança. Também podes vir de avião e depois alugar um carro aqui. Nada complicado. Mas bom, caso venha e se precisar de dicas estarei disponível para ajudar.
    As fotografias estão lindas.

    ResponderEliminar
  5. Anne, não pense que a Republica Dominicana é só para giboiar ao sol e uma país sem cultura.
    É um país com uma cultura super engraçada e rica uma vez que foi Cristóvão Colombo que descobriu a ilha de que o país faz parte em 1492 e formou no local o primeiro assentamento europeu permanente na América.
    Tem imensos monumentos para visitar, para além de o interior do país ter imensas cascatas magnificas, grutas espectaculares com lagoas ainda mais espectaculares no interior. Tem ainda mercados típicos muito engraçados onde se compram coisas giríssimas. Basta querer descobrir o que o pais tem e vai encontrar uma cultura muito rica.
    Aquilo não é só praia como muitas pessoas fazem parecer. Estive lá 14 dias na minha lua de mel e foi tudo menos giboiar na praia...atá ao oceanário fomos e pudemos ver e aprender sobre um animal em vias de extinção, é o Manatim, também conhecido no país por "vaca do mar"... é muito engraçado. Para além da casa do Cristóvão Colombo que também é giríssima.
    Por isso Anne, ás vezes vale a pena irmos para sítios que à partida não nos dizem nada. Podemos sempre ser surpreendidos.
    Ana G

    ResponderEliminar
  6. Oi, se eu fosse voces is de ferias para a grecia ou croacia! A agua é um caldinho e Sao so 3h30 min de aviao. E alem dad praias lindas de morrer tem tambem as ilhas...eu amo aquele lado da Europa! 😊

    ResponderEliminar
  7. Não gostas de planear as férias? Eu adoro! Vejo essa fase já como um "viajar em terra" :) nunca reservo nada com agências, marco eu tudinho e fica tudo muito mais barato e "pessoal".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E somos duas. Todos os destinos que marquei por mim, ficou-me precisamente menos 50% do que o cobrado pelas agências de viagens. Faço sempre a comparação e é impressionante o que se poupa. Uso apps que me indicam a viagem mais barata, depois compro directamente no site da companhia. Em menos de uma hora está tudo marcado, e acabamos por viajar mais vezes.

      Eliminar
    2. Sim, é mesmo. Os meus colegas viajam todos por agências e quando lhes digo quanto gastei nas minhas viagens, ficam parvos! No ano passado, voei de Lisboa, via Ponta Delgada, para os EUA (em plena época alta - Dezembro - antes do Natal) e os voos ficaram-me a 350€ i/v. Fiquei 6 noites em NYC, com o meu namorado, e gastámos 400€ por um apartamento brutal no Harlem (tenho um casal amigo que foi em Setembro, o mesmo tempo e gastou 1.500€ por um hotel, que nem tinha pequeno-almoço e não era nada de especial). É tão melhor apanhar estes "deals" e fugir aos pacotes pré-comprados!

      Eliminar
    3. Por favor, partilhe o segredo! Eu também adorava viajar mais, mas o dinheiro não estica e se puderem partilhar como fazem para conseguirem estas ofertas... seria fantástico! Eu já estive a ver os last minutes mas mesmo assim parece sempre tudo tão caro... Foste para NYC em qual companhia aérea? Realmente 350€ ida e volta é um achado.

      Obrigada!

      Eliminar
    4. Partilho com todo o gosto :) Eu fiz Lisboa-Ponta Delgada-Boston (i/v). Lisboa-Ponta Delgada fiz com a TAP (mas agora já voam para lá a Ryanair e a Easyjet também) e Ponta Delgada - Boston fiz com a SATA. Apanhei as tarifas mais baixas de ambas as companhias, conjuguei de modo a conseguir conciliar os 4 voos (aproveitei e estive 1 dia na ida e outro na volta a conhecer Ponta Delgada, fez com que a viagem fosse mais "curta", assim partida em 2h, bem como descansei melhor para recuperar do jet lag). Essa tarifa da SATA só permite bagagem de mão (e eu só viajo com bagagem de mão anyway), pelo que, como fui 2 semanas, lavei a roupa toda a meio no apartamento em NYC (o prédio tinha máquina de lavar e secar na cave ao dispor dos hóspedes). As viagens entre cidades fiz na Megabus, uma companhia de autocarros baratíssima onde, com antecedência, se compram viagens a partir de 1 dólar. Fiz 4 viagens de autocarro e o total que paguei foram 14€. Para alojamento usei o AirBnB (apartamentos) e o booking (hotéis). Como estive 6 dias em NYC, apontei previamente os dias em que cada museu que queria visitar tinha "suggested admission" (cada pessoa paga o que quiser pelo bilhete... pode dar só 1 dólar). Cada museu tem 1 dia, ou umas horas, por semana assim, por isso, estando 1 semana inteira, dá para visitar todos nesse esquema. Há mais umas quantas coisas que se podem fazer grátis e que fiz: assistir à gravação de um programa de televisão, ver ao vivo uma missa no Harlem, etc. Como ficámos num apartamento deu para comprar algumas coisas no supermercado e poupar na comida (pelo menos no pequeno-almoço e snacks, porque as outras refeições comemos sempre fora, há imensa oferta barata).

      Diria que, no total, tendo visitado Boston, NYC, Filadélfia e Washington + Ponta Delgada, durante 2 semanas, gastei uns 1.300€ no máximo (voos + alojamento + deslocações + refeições + bilhetes para 2 jogos de NBA + museus + 1 concerto em Brooklyn + subir ao Top of the Rock + 1 musical na Broadway + umas souvenirs).

      Eliminar
    5. Beatriz, eu uso o skyscanner. Com algum tempo de antecedência, é escolher o dia em que a viagem está mais barata, e não escolher o dia concreto em que se quer viajar. Convém é ter flexibilidade para isso. Também convém não escolher uma época alta. Já tinha visto essa viagem para os EUA a €350 com escala nos Açores, e também por esse preço há para o Canadá. Muitas vezes compensa apanhar uma low cost para um aeroporto com mais ligações, e dali para outro sítio, que normalmente se fosse a sair de Lisboa, seria bem mais caro. É uma questão de "brincar" um bocadinho com os pontos de partida, e ir descobrindo que destinos podemos encontrar a partir daquele aeroporto. Madrid por exemplo, é um bom sítio de ligação, assim como Milão, Genève etc.

      Eliminar
  8. esquece Marrocos para já, a Tunisia tb era segura... até há uns dias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ataques terroristas não acontecem só em países árabes, Espanha, França, EUA .... Há outros perigos como as máfias latinas por exemplo e não é por isso que as pessoas deixam de viajar para esses destinos.

      Eliminar
    2. acha que o nº de ataques terroristas fora dos paises arabes é comparavel ao que lá acontece?

      Eliminar
    3. E diga-me lá, já que parece saber tanto do assunto, o que acontece mesmo em Marrocos ou em Tel aviv por exemplo? Sabia que estes dois destinos são destinos onde a segurança é maior que alguns países europeus?

      Eliminar
    4. Em Marrocos, em 2010 ou por aí, houve um ataque na praça jema el fna que matou uns quantos turistas. E é só um dos paises de onde surgem mais pedidos de asilo a Portugal de imigrantes ilegais que cá entram, bem como dos países que mais tem enviado gente para o estado islâmico. A Tunísia também era muito segura, um grande exemplo de recuperação da Primavera árabe, blá blá blá e foi o que se viu: 2 ataques já este ano, ambos a turistas.

      Eliminar
    5. Não me vou adiantar mais, o pior ataque terrorista em Marrocos ocorreu em 2003 onde morreram 45 pessoas infelizmente, sendo que 13 dessas pessoas eram terroristas. Em Madrid um único ataque matou mais de 190 pessoas. Não estamos a falar do Afeganistão. Eu vivo em Marrocos e o seu discurso não corresponde com a realidade. Por isso volto a repetir, ataques terroristas e más experiências não acontecem só em países árabes. Marrocos, entre outros países, não se localizam no Afeganistão, nem na Nigéria. Podemos também falar em números reais, já que falou em comparar, talvez fique surpreendido, mas acho que não vale a pena. Estes pressupostos começam a ter alguma graça "então em Marrocos há estradas? E carros?" "É um país tão inseguro que as mulheres não podem andar sozinhas na rua", o meu marido é um sortudo por ainda não ter um camelo no meu lugar, e eu sou uma felizarda por ainda estar viva há tantos meses.

      Eliminar
  9. A sério que andaste num carocha azul cueca no México? Que bimbalhice.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bimbalhice?! Nah, que ideia! Foi super típico e super local, nada a ver com fazer praia num resort! Foi numa excursão! Sabes... é que o México (e aquilo que ela usufruiu dele), tem tantooo para oferecer!

      Eliminar
    2. Desculpem a pergunta mas... o que vocês têm a ver com o assunto? Pagaram a viagem à Anne? Estavam ao lado dela durante o passeio no carocha "bimbo"? Se calhar andam vocês de carocha mas é em Lisboa... Ao contrário da Anne que anda num carro novinho em folha. Raios partam estas invejosas da treta!

      Eliminar
    3. Invejosa? Por dar a opinião de que este tipo de férias é uma bimbalhice? Felizmente viajo bastante, da forma como quero, que é completamente oposta desta, que acho ridícula (e que a Anne pode achar o mesmo da minha, sem eu achar que é inveja).

      Ah e em Lisboa só costumo andar a pé e de transportes públicos, odeio trânsito, filas, stresses... só ao fim-de-semana é que eventualmente pego no carro, que tem uns 7 anos :) e estou-lhe a contar isto roidinha de inveja da bomba que a Anne guia ahah!

      Eliminar
    4. Viaja bastante, e por viajar da maneira totalmente oposta à da maneira de viajar da Anne, já acha que é algo bimbo e ridiculo.

      Não me parece que viaje assim muito como diz. A sua cabeça é demasiado fechada para alguém que diz conhecer muito.

      Eliminar
    5. Sim, acho que quem viaja em pacotes turísticos, resorts, excursões e essas tretas é bimbo e ridículo e que, para isso, mais vale ficar num hotel no Algarve, que vai dar ao mesmo e sempre perde menos tempo em deslocações :) e, olhe, engana-se, quanto mais viajo (e de vez em quando me cruzo com essas pessoas), mais sou desta opinião!

      Eliminar
    6. Ora aí está. Uma pessoa que viaja no verdadeiro sentido da palavra, e que não se limita a fazer férias lá fora, é alguém com tendência para ser tolerante. Achar algo ridículo por ser oposto ao que prefere, só demonstra que ainda tem muito que ver e aprender.

      Eliminar
    7. Ao anónimo das 16:10: Sim, eu andei num carocha azul cueca no México. E depois? Estávamos numa ilha, queríamos explorar tudo do nosso jeito, conhecer praias desertas e a opção era: ir de táxi (e ficar dependente dos outros) ou alugar um carro (só tinham carochas descapotáveis – o azul era o mais discreto deles, acredita). Alugamos por um dia inteiro e fizemos a ilha de Cozumel de uma ponta à outra, parando em todos os sítios que queríamos e foi fantástico. Almoçamos numa tasquinha local, completamente no meio do nada e foi um deslumbre. No final do dia, entregamos o carro, apanhamos a balsa para Playa del Carmen e de lá o nosso táxi para o resort. Havia essa excursão com guias mas como somos muito ‘bimbos’ optamos por fazer tudo à nossa maneira, sem roteiros pré-feitos e coisas típicas só para inglês ver.

      É verdade que ficámos num resort 5* com tudo incluído mas como deve calcular, estávamos em lua-de-mel e queríamos puro descanso e romance, nada de andar com a mochila atrás das costas num género de inter-rail (nada contra, só não era o momento). O mais importante é que visitamos todos os sítios que queríamos, andamos sempre a falar com pessoais locais, até fizemos amizade com um vendedor de pulseiras que por acaso também era evangélico como nós e no final do dia convidou-nos para ir conhecer a sua igreja, numa povoação perto de Cancún (claro que fomos e foi um dos melhores momentos da viagem). Portanto, posso dizer que não fiz só o que estava no ‘roteiro’ e mesmo que tivesse optado por ficar 14 dias enfiadas no resort … é algo que só a nós diria respeito.

      Eliminar
    8. Anne, nunca nos falaste da tua religião, nem da tua igreja... Sou curiosa a respeito porque não acredito em nada mas adorava ter uma convicção em algo. Como é que te "converteste" (não sei se é assim que vocês dizem), podes partilhar?
      Obrigada

      Eliminar
  10. Eu tb pensei em tirar este ano uns dias de férias no Algarve, mas está impossível. E se fosse só no Algarve...Neste momento já nao dá para remarcar, mas para o ano nao me apanham a tirar férias em Agosto: caríssimo e já tou mesmo a ver, tudo lotado, apinhado de gente...Livra!

    ResponderEliminar
  11. Tailandia sempre.. Railay Bay tem o melhor caldinho onde já estive, grandes praias e a melhor comida, e já estive na R.Dominicana, México e Cuba.

    ResponderEliminar
  12. Oh Anne, que belas fotos :) Que rica paciência para aturar fulaninhos preocupados com questões de recursos humanos e tipos de turismo. Nothing nice to say: keep it to yourself. Desnecessário comentários bad energy. beijinho!

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig