21 março 2016

Coisas que me deixam a pensar... #3

Estava eu feliz e contente [e 13kg mais magra, não sei se já vos tinha dito, ai que convencida que eu estou] a terminar de preparar as últimas coisinhas antes das férias, a separar o dinheiro para ir trocar na casa de câmbio, a verificar a validade do passaporte, essas coisas chatas que devemos sempre confirmar com alguma antecedência... quando me lembro de ir verificar se era preciso alguma vacina em específico para a viagem. Na net a informação que consta é que não, apenas são necessárias as vacinas normais do plano de vacinações. "Ahh, então tudo bem, deixa cá ver o meu boletim... ups!" afinal a minha vacina contra o tétano estava vencida desde Outubro do ano passado (tem validade de dez anos) e eu lembrava-me que na altura tinha tomado junto com a Vi e mamãe, ou seja, se a minha estava vencida, a delas também!

Bem, só eu mesmo para viajar para África e esquecer de verificar o básico que são... as vacinas. E ainda por cima do tétano! Saímos da cama mais cedo e fomos as três logo pela fresquinha levar as vacinas. Chegando na CUF, a enfermeira olha para o boletim da Vi e diz: "ah mas a menina ainda não levou a segunda dose da Gardasil, pois não? Era para Fevereiro..." e abriu-se todo um novo mundo para mim... Gardasil é o nome da vacina contra o HPV, o agente causador do cancro de colo de útero. Lembro-me de há uns meses a minha mãe ter comentado qualquer coisa sobre a Vi ter ido levar uma vacina mas não associei bem o que era. Já tinha ouvido falar da vacina contra o cancro do colo de útero mas, santa ignorância, julgava que ainda nem estava a ser comercializada cá! E vai na volta, até já faz parte do Plano Nacional de Vacinação (e é gratuita até aos 18 anos).

Como é que a minha ginecologista nunca me tinha falado nisto, tendo a minha mãe feito uma histerectomia no ano passado? E como é que eu, estúpida, nunca me tinha lembrado de pesquisar sobre tal coisa? Enfim... há descobertas que vêm para o bem. À tarde marquei consulta com a minha ginecologista e perguntei-lhe todos os prós e contras da vacina, se era realmente eficaz, se era indicado que eu tomasse, enfim... Lá tirei as minhas dúvidas todas e vou na quinta-feira tomar a 1ª dose (são duas) da Gardasil.

Fiquei um bocado desiludida quando percebi que a vacina não é comparticipada pelo Estado (nem que um desconto de 20%, era melhor do que nada) e triste por perceber que tantas mulheres vão ficar sem tomar esse medicamento (parecendo que não, 250€ é metade do ordenado mínimo nacional e há pessoas que nem isso ganham de reforma, por exemplo). Acho acima de tudo injusto. Injusto que um país não olhe pelas suas mulheres, que não queira protegê-las de uma doença tão silenciosa e mortal... Para isso não há dinheiro, dizem eles. Mas dinheiro para andarem a enfiar nas mãos de ciganos (conheço dois casos em que recebem quase 1800€ do estado sem nunca na vida terem feito um desconto ou trabalhado legalmente) ou para distribuírem RSIs a quem também não contribui para nada da economia... isso há sempre. É a merda da injustiça, que me mói o juízo. Cada vez mais convenço-me que a saúde não é um bem de todos mas sim daqueles que estão dispostos a pagar por ela.
SHARE:

22 comentários

  1. Também é bom referir que a gardasil está no plano nacional de vacinação para todas as "meninas" que nasceram depois de 1992, inclusive. E que Portugal tem um dos planos nacionais de vacinação mais completos da Europa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, foi o que eu disse no post. É gratuito até aos 18 anos, contudo, se já está provado que a vacina é eficaz até aos 45 anos... e cara como é, muita gente vai ficar "de fora" desta vacinação e não estamos a falar propriamente da vacina da gripe mas de uma doença infinitamente pior. Se há dinheiro para tanta ninharia e coisas sem importância, como podem penhorar a nossa saúde dessa forma? Não posso concordar.

      Eliminar
  2. Eu sempre ouvi e li que essa vacina só funciona em meninas que ainda não iniciaram a vida sexual, se calhar é melhor pesquisar e ver se realmente é assim antes de gastar um balúrdio em uma vacina que não fará efeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ontem tive consulta com a minha ginecologista e falei com a enfermeira-chefe da CUF sobre a vacina. Ambas foram categóricas em relação à toma: é altamente aconselhável em mulheres até aos 45 anos.

      http://www.dn.pt/ciencia/saude/interior/mulheres-ate-aos-45-anos-devem-ser-vacinadas-1666018.html

      Eliminar
    2. Isso não é verdade, faz efeito na mesma a mulheres que já iniciaram a sua vida sexual. Também tomei a vacina já com 25 ou 26 anos...bjs

      Eliminar
    3. Atenção, há cerca de 100 tipos de vírus, sendo que a gardasil só pode prevenir ou não alguns tipos.
      A questão da mulher ser virgem ou não, se a mulher já esteve em contacto com algum tipo de vírus HPV, a eficácia da vacina é inferior.

      Eliminar
    4. A sua médica, já por 2-3 vezes, pelo que diz, têm-na induzido em erro. E é cada um. Experimente ouvir uma 2ª opinião.

      Eliminar
    5. Querido anónimo sem informação, a vacina só funciona se a pessoa não tive tido já contacto com o virus (de outra forma já estaria infectada, é uma vacina e não uma cura). Geralmente até aos 12 anos assume-se - nesta sociedade - que a criança é virgem e ainda não teve relações sexuais (forma de contágio) e como tal contacto com o virus ou, pelo menos, a probabilidade de já estar infectada é menor. Daí que a ideia que passa para o público é de que a eficácia da vacina seja maior em menores de certa idade. O que é real é que é tão eficiente com alguém com 5 anos como com 75 anos desde que não tenha tido contacto com o virus antes. Existe de facto uma relação entre a eficácia da vacina que é inversamente proporcional ao número de parceiros sexuais, no entanto se tiver tido 30 parceiros e nenhum lhe tenha passado o virus continua a ser eficaz.
      Noutro registo ainda, mesmo que tenha uma estirpe do virus (a vacina protege contra certo número de estirpes), continua a ser eficiente contra as restantes. As estirpes, embora haja muitas como outro comentador referiu, têm probabilidades de causar cancro diferentes e também distribuições na população diferentes, por isso não, a vacina não protege contra todas mas sim contra as mais contagiosas/malignas/incidentes na população.
      A médica não a induziu em erro, a sua falta de informação por outro lado, sim.

      Eliminar
  3. Uma das coisas que mais me assusta é o cancro, seja ele qual for. Tenho de me ir informar acerca da vacina, já tinha ouvida falar por alto, mas não sabia que ela era mm eficaz.
    Olha devias mesmo fazer um post acerca da tua dieta, conselhos, dicas e o teu plano alimentar, e dicas das massagens. Era serviço público ;)

    ResponderEliminar
  4. Nasci em 1991, por isso por um ano não consegui apanhar a vacinação gratuita.

    ResponderEliminar
  5. Se fosse direcionada para uma doença de homens, era gratuita...
    Nos países ditos em vias de desenvolvimento, as mulheres são vítimas de discriminação no acesso aos cuidados de saúde, com base em fatores socioculturais. Nos desenvolvidos também acontece, por exemplo, nos EUA os seguros de saude para mulheres são mais caros ou podem mesmo ser recusados com base no sexo, e em Portugal este é só um exemplo! Triste mas verdade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso, sobre o assunto em questão, é um não-assunto. Ridículo.

      Eliminar
    2. Bem, ao q parece, muitos homens revoltam-se por haver mais "cuidados" direccionados para o cancro da mama (acho q é este) do que para o cancro da prostata, que ao que parece, mata igualmente ou atinge de modo semelhante a classe masculina que o cancro de mama atinge q classe feminina.

      Para além de que o HPV também provoca doenças aos homens e no entanto eles não teem direito a vacina nenhuma.

      Eliminar
    3. Eu também achei que era um não assunto e tretas de feminazis, mas antes de comentar fui pesquisar e acabei por descobrir que isto infelizmente acontece em muitas partes do mundo. Não acho que em Portugal seja o caso na área da saúde, mas é em outras coisas, como as disparidades salariais entre homens e mulheres

      Eliminar
  6. Este pais esta cada vez pior!

    ResponderEliminar
  7. Infelizmente, eu estou fora.... mas fiquei contente por poder "dar" essas vacinas às minhas filhas pelo serviço nacional de saúde. É lamentável a saúde ainda ser um luxo em Portugal, como isso falo no serviço de dentista, é um balúrdio.

    ResponderEliminar
  8. Há cerca de 9 anos, a vacina estava dividida em 3 doses, perfazendo um total de 530€ sensivelmente. Mas como com a saúde não se brinca (e dado o historial de cancros na família) optou por se "investir" nisso. Ainda que só faça prevenção contra um determinado nº de tipos de vírus, ao menos desses sei que estou livre (:

    ResponderEliminar
  9. O que não sabemos e deviamos saber. Atenção que não são apenas vantagens, a vacina também apresenta riscos sérios. É como a pílula.

    http://www.olaritinha.com/#!Como-uma-vacina-mudou-as-nossas-vidas/rxdf0/56cc2d3e0cf2f9aefdc0058f

    "Estava tranquilamente deitada a ver o documentário, quando surge uma menina jovem, que após lhe ter sido ministrada a vacina contra o Papiloma Vírus GARDASIL da Merck, começou a ter vários problemas de saúde: Convulsões, problemas ósseos e musculares, problemas graves de memória, fadiga crónica…atualmente anda de cadeira de rodas e toma cerca de 40 comprimidos por dia para apaziguar toda a sintomatologia. Ela dizia que sabia que estava a morrer e que não podia ficar calada em relação a esta vacina que lhe tirou a vida… "

    ResponderEliminar
  10. Anne, como já se disse acima, a eficácia da vacina não depende da idade. No entanto, é bom lembrar que o virus do HPV é de transmissão sexual. Portanto, antes de prescrever a vacina a sua ginecologista deveria ter pedido provas que indiquem que a Anne está/não está contagiada pelo virus. A vacina é excelente e protege frente a 4 tipos de virus (2 que provocam cancro, 16 e 18, e dois que provocam lesoes benignas, 6 y 11). Agora, imaginando que a Anne já tem os 4 virus, é inútil tomar a vacina. Por outro lado, imaginando que não tem nenhum dos virus (ou tem 1-2-3, é indiferente), estando a Anne casada há um bom tempo e supondo que há monogamia, acha que existe possibilidade de contrair um virus de transmissão sexual? Não havendo essa possibilidade, também é inútil tomar a vacina. Embora seja óbvio, é importante lembrar que não há vacinas contra o cancro... Há vacinas contra microorganismos. Quanto ao resto, a vacina é super segura. E já agora, o nosso sistema de saúde é excelente e acho absolutamente incrível que não se dê valor, quando o mais comum nos países ocidentais são os sistemas de saúde privados. Mas há sempre motivo para criticar e nunca falta vontade de olhar para as coisas da maneira mais cinzenta, aproveitando para mandar a farpazinha xenófoba, que nada vem a propósito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. clap clap clap. É muito isto. Esta é a única opinião informada que vi por aqui (o restante são só farpas e bocas de quem não conhece bem o SNS e não sabe compará-lo com o que existe lá fora)

      Ana

      Eliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig