26 abril 2016

Roteiro Marrocos // Deserto do Saara #3

Conhecer o Deserto do Saara sempre foi um sonho meu. O marido não alinhava muito e não achava grande piada mas eu estava cada vez mais encantada com a ideia de andar por aquelas dunas de areia laranja e poder vivenciar a experiência de dormir no deserto. Descobri que várias empresas/agência organizavam tours para quem quer dormir uma noite no meio do deserto e após vários dias de busca pelo tour ideal (isto porque nós ainda queríamos ir a mais duas cidades depois de Marrakech e do deserto), tivemos a felicidade de encontrar a Sud Expeditions e a pessoa com quem eu falei, Sacha (por acaso, portuguesa), foi uma querida e disse-nos logo que era possível organizar o tour com as cidades que queríamos visitar (em contrapartida, só levei 'negas' com as outras agências, todas diziam ser impossível fazer Marrakech-Deserto em 1 dia, sendo preciso sempre dormir uma noite em Ouarzazate antes de chegar ao deserto e nós não queríamos/podíamos perder uma noite). Portanto, quando soube que havia uma agência que alinhava na 'loucura' de tour que queríamos (Marrakech-Erg Chebbi- Deserto-Fés-Chefchaouen-Fès) em 4 dias, nem pensei duas vezes.

(o nosso companheiro de aventuras!)

Existem vários tipos de tours: os standarts (com percurso pré-definido pela agência) e os personalizados (como o nosso, em que escolhemos a duração e as cidades onde vamos passar). O nosso pacote incluía:

- Partida de Marrackech para atravessar a Cordilheira do Alto Atlas em carrinha 4x4 com ar condicionado e guia/motorista fluente em espanhol;
- Visita a Ait Ben Haddou, patrimônio da UNESCO;
- Chegada a Merzouga, no Deserto do Saara e check in no hotel Auberg du Sud em regime de meia pensão;
- Saída em 'camel trekking' até o acampamento berber para passar a noite num bivouac de luxo nas dunas de Erg Chebbi;
- Partida para Fès e check in no nosso riad;
- Partida Fès para Chefchaouen e regresso no final do dia;
- Visita guiada pela medida de Fès com guia que fala português e visita à tannerie (curtume);
- Transfer para o aeroporto de Fès Saiss.

Foi um roteiro de loucos por que basicamente fizemos o sul e o norte de Marrocos (o nosso guia não parava de dizer que em seis anos de profissão nunca tinha apanhado um tour tão audacioso e com tantos quilômetros como o nosso hahaha) mas valeu tão a pena! Pelo tour pagámos 1100€ (para 4 pessoas) e se é verdade que a princípio achei caro, a meio da viagem só queria dar beijinhos ao guia e parabenizar-me por ter escolhido essa opção ao invés da loucura que seria alugar um carro e andar por nossa conta em estradinhas tenebrosas e sem poder descansar direito, sempre a revezar a condução com o pessoal. Hassan, o nosso guia, foi impecável, cinco estrelas mesmo! Atencioso, divertido, sempre a contar histórias sobre os sítios nos quais passávamos, sempre a parar para irmos à casa de banho ou comer qualquer coisa, a pôr o ipod no rádio do carro para escolhermos a playlist da viagem, foi impecável mesmo!

Ait Ben Haddou, onde foram gravadas várias cenas da novela brasileira "O Clone" (eu adorava a Jade! Não sei se passou cá em Portugal mas no Brasil fez um sucesso!)

Ecla Studios em Ouazarzate, conhecida também como a cidade do cinema marroquino. Vários filmes foram filmados aqui: Príncipe da Pérsia, Game of Thrones, Ben Hur, A Múmia, Ali Baba e os 40 ladrões, Asterix e Obelix, Gladiador, Lawrence da Arábia e outros... Não tínhamos tempo para parar (e na verdade, também não tínhamos grande interesse nessa cidade) mas fica a dica para quem gostar do tema.

Depois de quatro horas dentro do carro, estávamos mais que famintos! O Hassan parou na cidadezinha de Agdz para comermos o tradicional frango assado com salada e batata (estava demasiado calor para o tagine).

Com a barriga cheia (principalmente de azeitonas, são tão deliciosas!) e o bucho cheio de Dramin para não ficar maldisposta na estrada, dormi três horas e quando acordei já estávamos quase quase a chegar ao Deserto.

Imaginem ter que fazer esta viagem a conduzir? No way... Senti uma certa pena do Hassan, coitado, quase 9 horas de estrada e lá estava ele, sorridente e impecável! A essa altura já eu estava desejosa de sair do carro, esticar as pernas e ver aquela areia laranja do Saara, parecia uma criança: "Hassan, quanto tempo falta?" hahaha. Até que a paisagem começou a mudar... Estávamos mesmo no Saara!
Finalmente chegamos ao Auberg du Sud, um hotel construído dentro do deserto, uma coisa assim surreal. Da piscina podemos ver as dunas ali ao lado e é impossível não pensar que ter uma coisa desse porte no deserto do Saara é realmente extraordinário.

Eu nem me fiz de rogada, deixei as malas no quarto, agarrei no fato de banho e me joguei na piscina sem cerimônia. Ahhh depois de dez horas de viagem, eu queria era relaxar :) Um dos funcionários avisou-nos que os camelos já estavam à nossa espera para o passeio até as dunas de Erg Chebbi onde estava o nosso acampamento.
A suíte do hotel Auberg du Sud. (achei que os quartos do hotel já mereciam uma remodelação, especialmente as casas de banho, mas para o tipo de localização e estilo do hotel, acho que não podia pedir mais.)

Para quem pretende dormir num acampamento, existem duas versões: o acampamento standart (1h30 de camelo, tendas partilhadas, casa de banho fora da tenda) ou a versão 'de luxo' (45 min de camelo, tendas privativas c/ suíte, electricidade e água quente na tenda). Adivinhem qual foi a nossa escolha? Hahaha somos aventureiros mas nem tanto. A nossa tenda era tão confortável que eu era menina para ficar lá uma semana, a contemplar o céu super estrelado do deserto (para ser perfeito, só faltou o wifi mas aí já era modernice a mais).
Andar de camelo (na verdade, é um dromedário - só tem uma bossa nas costas) é muito engraçado! Eles são enormes, não tem comparação sequer a andar de cavalo. Para começar, subir e descer de um camelo é penoso (eu mandei vários gritos durante o processo), eles levantam-se super rápido do chão e ficamos inclinadas em relação ao solo, até que o camelo decida levantar as patas traseiras. Morri de medo mas depois gostei :)

Olha quem foi ao deserto comigo andar de camelo comigo... a minha inseparável Longchamp verde, também conhecida como pau-pra-toda-obra. Depois ainda me queixo que a coitada está esfolada nos cantinhos :P

Hamid, nosso guia pelo Saara. Ele é da tribo berber, os verdadeiros nómades do deserto e conhece cada pedacinho de areia como a palma da mão. Disse-nos que sustenta toda a família de 8 membros sozinho, apenas com o trabalho de guia e que aprendeu com os turistas a falar espanhol e inglês. Um exemplo de perseverança em tempos difíceis.

Chegamos ao acampamento já ao entardecer e fomos recebidos com tâmaras, bolachas e o tradicional chá de menta. Quando desmontei do camelo sentia que tinha deixado as virilhas no lombo do bicho, tamanha a dor de ter passado quase 1 hora na mesma posição (nem quero imaginar o pessoal que opta pelo acampamento standart e tem que andar quase 2 horas de dromedário... socorro!). Ganhei um andar novo e duas nódoas negras mas nada que tirasse a felicidade de realizar um dos meus sonhos: dormir no Deserto do Saara!

Quão incrível é ter luz e interruptor dentro de uma cabaninha no deserto? E poder tomar um banho de água a escaldar, no chuveiro dentro do quarto? Achei muito surreal e não esperava que tivesse tanto conforto, haja visto que eu estava no meio do nada...

Autoclismo, pessoas! Quanta modernidade, não? Dormi muito pouco nessa noite, porque queria aproveitar cada segundo, quis contar estrelas e identificar constelações (infelizmente a minha máquina não tirou nenhuma foto decente daquele céu, foi algo inacreditável, milhares de estrelas brilhando sobre nós, algumas cadentes... fiz vários pedidos e um em especial que me fez agradecer a Deus por tudo o que Ele me dá todos os dias e que é muito mais do que eu mereço).

No dia seguinte acordámos as 6h para ver o nascer do sol no topo de uma duna. Pensei que era fácil chegar lá acima mas caraças, aquilo é tão alto e tão inclinado que quando dei por mim estava a subir de gatas com medo de cair duna abaixo hahaha.

Eu e o M. ficámos uma meia hora ali em cima, em silêncio, só admirando aquela paisagem brutal, tão felizes que nós estávamos! Foi sem dúvida o momento top da viagem para mim :) Quando voltamos para o acampamento, tínhamos o pequeno-almoço à nossa espera, com tudo o que se pode esperar de um café da manhã no deserto: compotas, mel, iogurtes, sumos, café e chá escaldantes, pão quentinho acabado de fazer à lenha e... omeletes. Um luxo!

Depois da barriga forrada, agarramos nas nossas coisas, voltamos a montar nos camelos e ala que se faz tarde. Regressamos ao hotel Auberg do Sud para reencontrar mamãe e Vi (elas não quiseram a noite no deserto, optaram por ficar no hotel até que nós regressássemos), descansamos a tarde toda na beira da piscina e depois do almoço voltamos a encontrar com o motorista, Hassan, para nos levar até Fès, onde tínhamos mais três dias para desfrutar da cidade imperial do Marrocos.
SHARE:

8 comentários

  1. Deve ter sido um sonho observar o céu estrelado, sem a eletricidade de um meio urbano! :D
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. O Clone também foi um sucesso em Portugal, foi uma das poucas novelas que vi e de que gostei. Até tinha o CD da banda sonora! Uma pergunta: fazes ideia de como é Marrocos em termos de comida vegetariana, fora dos hotéis?

    ResponderEliminar
  3. Bem...essa noite no deserto que sonho :) e o hotel, estar na piscina a olhar para as dunas, vai ficar na minha wishlist de próxima viagem :)
    Estou a ver o Clone pela segunda vez, está a passar na Globo Portugal ;)

    bjs*

    ResponderEliminar
  4. A descrição da vossa viagem e em especial da noite passada no acampamento no deserto do Saara fez-me lembrar a viagem que fiz em setembro à Mongólia, ver aquele céu estrelado no meio do deserto de Gobi, longe de tudo, é realmente uma experiência inesquecível. A sua irmã teve imensa sorte em participar nessa viagem, de certeza que aprendeu imenso.
    Nestas viagens conhecemos sempre pessoas que nos fazem agradecer e reconhecer que levamos um vida cheia de privilégios.
    http://entrepreambulos.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. Anne, como fizeram em relação à escola da Vi? Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Já vi respostas ao outro post! Desculpa! Não tinha lido ainda. Beijinhos

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig