03 maio 2016

Roteiro Marrocos // Fès #4

(já estão fartos de posts sobre Marrocos? Prometo que já só escrevo mais um e assunto arrumado :)

A cidade imperial mais antiga do Marrocos era o destino mais aguardado pela minha mãe nessas mini-férias então combinámos uma visita guiada pela medina com o Nabil, o guia que falava um português perfeito! Diferentemente de Marrakech, em Fès podemos sentir a autenticidade marroquina em cada cantinho da cidade. É também conhecida como a capital marroquina do artesanato e se estão em busca de mantas, tapetes, artigos em pele e afins... Fès é a cidade perfeita para esse tipo de compras!

Nabil contou-nos que Fès é uma cidade super respeitada pelos muçulmanos porque a sua medina é a mais antiga do mundo árabe e são nada mais nada menos do que 9500 ruas dentro da medina de Fès. Impossível não se perder :) Por ser tão antiga, muitas construções parecem 'presas por uma linha' e ameaçam desabar a qualquer momento. O guia contou-nos que por vezes é necessário pôr estacas de madeira para 'segurar' as construções e evitar acidentes.


Pode parecer impressão mas as pessoas em Fès me pareceram mais genuínas e simpáticas do que noutras cidades marroquinas e raramente vimos vendedores insistentes como os de Marrakech (é preciso ter cá uma paciência com eles...).

O guia explicou-nos que as portas das casas na medina são sempre em madeira de cedro e possuem dois 'batentes' a fazer de campanhia. O mais alto, para visitas. O mais baixo, para familiares. Como o som é diferente, os donos da casa conseguem identificar as visitas/familiares só pelo barulho que faz na porta. (e se forem parentes chatos, sempre podem fingir que não estão em casa hahaha)

Na medina de Fès, ao contrário da de Marrakech, os carros não são permitidos e bem vistas as coisas, nem seria possível já que as ruas são na verdade ruelas estreitíssimas e até há ruas em que as pessoas só conseguem passar de lado (uma loucura!). Isso gera um problema diário: a recolha dos lixos. Todos os dias, à noite, as pessoas colocam o seu saco de lixo à porta de casa para ser recolhido. No dia seguinte, pela manhã, vários trabalhadores passam com burros de carga que recolhem todo o lixo da medina. São mais de 100 burros em trabalho, todos os dias. O guia contou-nos que existem imensos gatos espalhados pela medina de maneira intencional: como o lixo por vezes acumula-se, os gatos são os melhores animais para controlarem os ratos que surgem ocasionalmente. Que nojo! :P

A universidade Al Karaouine é considerada pelo Guiness como a universidade mais antiga do mundo, fundada em 859. Hoje é uma mesquita e tem entrada permitida apenas a muçulmanos (uma pena, estava mortinha para a ver por dentro). Foi ampliada vezes e vezes sem conta e actualmente consegue abrigar 20 mil muçulmanos em oração.

Foto tirada da porta principal, a tentar espreitar lá para dentro :)

De seguida fomos até uma tannerie (ou curtume), um dos passeios mais tradicionais em Fès. Podemos ver todo o processo de curtir as peles, desde o momento em que são retiradas aos animais até o processo final de tingimento. O sítio onde os trabalhadores mergulham as peles faz lembrar uma colméia gigante, cheia de buraquinhos com cores diferentes (e funções diferentes). Leva-se duas semanas para tratar como deve ser a pele e a primeira fase é bastante nojenta: deixam as peles de molho numa mistura de cal com fezes de pombo durante 4 dias. E é incrível ver esta gente a trabalhar assim, de sol a sol, sem uma proteção sequer (nada de luvas, óculos ou roupa adequada... muitos estavam descalços) e ver como escapam de tantas doenças.

Nós tínhamos a opção de prestigiar o espetáculo desde uma varanda no topo do curtume ou descer até as colméias coloridas... eu estava a ponto de escolher a segunda opção quando subi para o terraço e senti o cheiro que vinha dali. É difícil explicar, mas é um cheiro absurdamente forte. Cheira a sangue, a fezes, a coisa podre... eu nem sei dizer, só sei que senti o almoço voltar todo para a garganta e por uma unha eu e a Vi não nos vomitamos ali mesmo. O guia correu para buscar um ramo de hortelã e esfregou-nos no rosto para suavizar o fedor que vinha dali. Decidimos ficar a ver tudo da varanda mesmo ahahaha.

Todo o couro trabalhado nos curtumes vêm de vacas, cabras e ovelhas. A tintura é sempre feita manualmente e com produtos 100% naturais para dar cor às peles. Durante o processo, os ingredientes utilizados para dar cor ao couro são: fezes de pombro (branca); açafrão (amarela); papoila (vermelha); hortelã (verde); índigo (azul), kajal (preto) e terra (castanho). Por mais rudimentar e tosco que pareça, a verdade é que os curtumes fazem sucesso e as 'marroquinarias' são exportadas para todo o mundo e servem de matéria-prima para babouches, carteiras, malas, etc...

Depois de toda essa 'aula' sobre o couro, o nosso guia levou-nos até uma loja de marroquinaria e o difícil foi sair de lá de mãos a abanar... Nessa loja até é possível fazer casacos de cabedal sob medida (fica pronto em 3 horas) e era cada um mais lindo que o outro.

Como sempre, o importante é negociar. Eu fiquei encantada com um puff castanho, tipo otomano, e perguntei o preço. A resposta não surpreendeu: "primeiro diz-me o que vais querer comprar, depois digo-te o preço." Ai mãe! Escolhemos algumas coisas, disseram-nos um preço absurdo (perto dos 250€) nós regateamos (nós é como quem diz, eu, porque mamãe já estava abrindo a carteira para pagar - ô falta de paciência!) e acabamos por levar tudo o que queríamos por menos de metade do preço. E como já estávamos com poucos dirhams, escolhemos pagar com multibanco e não é que o vendedor acrescentou 4% de taxa sobre o valor total, dizendo ser a taxa que o banco lhe cobrava? Ninguém merece!

Para encerrar o dia, fomos até as muralhas de Fès para ter uma visão privilegiada da medina.

À noite apanhamos um táxi até a Nouvelle Ville (parte nova e moderna da cidade) e fomos até o Borj Fès Mall, o shopping da cidade. Jantamos, enfardamos gelados e descobrimos uma loja de lenços de seda que era uma perdição:

Ai que até me deu uma coisinha má. Os preços eram absolutamente ridículos, comprei lenços 100% seda por 3,99€ o tamanho pequeno (só para amarrar ao pescoço) e 12,99€ os de 90cmx90cm como os da foto. Comprei para oferecer pra todas as amigas hahaha. Qual imã de frigorífico, qual quê! E as vendedoras eram umas queridas (não falavam puto de inglês ou espanhol - e o meu francês é nulo) então a conversação foi toda na base da mímica mas elas deixaram-nos super à vontade, mexemos na loja inteira, abrimos gavetas, tudo na maior. Adoro vendedoras amorosas :)
SHARE:

3 comentários

  1. Anne adoro esse tipo de post, parece que viajo contigo... Escreves de maneira tão envolvente que nos arrebata! Não tinha grande vontade de ir ao Marrocos mas agora estou desejosa para conhecer esse país tão diferente. Um beijo (e continua com os posts de viagens!)

    ResponderEliminar
  2. Ninguém se farta destes posts! Pelo menos eu não...! :P
    Acho que vou passar à frente a visita à tannerie quando for a Marrocos. Eu e cheiros não nos damos muito bem. :P
    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Eu também não me farto. Força com os posts de viagens!

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig