30 setembro 2016

Sociedade, explica-me isto por favor:

 (Post agendado desde antes de ir de férias mas que por algum motivo que desconheço ficou preso nos "rascunhos" e só hoje viu a luz do dia.)

Acho que o mundo enlouqueceu. E sim, incluo-me nestes malucos (mas por outros motivos, está bem de ver). Ultimamente tenho visto cada coisa que sinceramente, mais vale uma pessoa ser cega ou então viver no seu universo paralelo porque caso contrário, é sair por aí a largar chapadas a ver se esta gente acorda. Tenho notado que conforme o tempo passa, menos paciência tenho para presenciar certos comportamentos. Estou pouco tolerante, se calhar é isso. Não sei, ou se calhar estou só cercada de gente maluquinha. Senão, vejamos:

1) No fim-de-semana fui à praia na linha de Cascais e na toalha um bocadinho mais à frente da minha vejo uma senhora, aí com os seus 30/32 anos a fumar. Ok, nada de especial, cada um sabe de si (e do seu pulmão). Quando a senhora se vira um bocadinho mais (ela estava de costas para mim), o que é que vejo? Uma barrigona de uns sete meses. Foi impossível não pensar na mãe irresponsável que ela será, desculpem lá. Estive quatro horas na praia e consegui contar 6 cigarros acesos. Não posso achar normal. Que pessoa, no mundo de hoje, já não ouviu falar dos malefícios do tabaco, especialmente em grávidas e idosos? Porra, será a merda de um vício maior do que o amor pela saúde de um filho? Fico escandalizada. O marido/namorado ao lado, alegremente a fumar também... O bebé já deve nascer com um Marlboro nas mãos, xiça! (eu sou da opinião de que nem toda a gente pode/merecer ser mãe, é preciso vocação, é preciso renúncia, é preciso dedicação - se uma grávida não consegue abdicar do tabaco por 9 meses em prol de um filho... que tipo de mãe será esta?).

2) Uma colega de trabalho, cujo noivo está há quase 2 anos desempregado (e a ver o subsídio desemprego voar não tarda nada) entregou-me o convite de casamento na sexta-feira. Disse-me que já não estava para esperar mais, que já levavam 4 anos de noivado e que não queria ser 'uma noiva velha'. No rodapé do convite tem uma espécie de 'plafond' com o valor que cada pessoa deverá oferecer aos noivos. Não há cá prendas escolhidas pelos convidados, era o que mais faltava! É tudo dinheirinho e no mínimo a quantia 'X' que ela já disse ser o valor 'por cabeça' de cada pessoa. Ou seja, está a fazer uma festa a contar que sejam os próprios convidados a pagá-las. Tem tudo para correr bem. (e não, não tenciono participar da boda)

3) Por falar em subsídio desemprego, encontrei com um amigo do meu irmão no Pingo Doce (passo lá a vida agora, a comprar salada fresca de dois em dois dias) e soube que está novamente desempregado. Achei que ele estava estranhamente feliz para quem acabou de ser mandado embora e ao perguntar se queria que o Pê metesse o currículo dele na empresa onde trabalha, respondeu-me que 'para já não, para já ainda tenho um ano para gozar'. Um ano para gozar! Só se for gozar com a minha cara, que ando aqui a pagar impostos e tretas ao Estado para depois vir estas pessoas mamar à grande. A seguir liguei para o Pê e ele disse-me que este amigo faz sempre isso: consegue trabalhar durante dois anos seguidos e arranja maneira de ser despedido para poder ter um ano de subsídio desemprego. Já o fez durante 3 vezes consectivas: trabalha dois anos, descansa um. A sério, é preciso ter lata!

4) Fui com a Vi à escola ver as turmas, os horários e a lista dos livros. Ao estacionar o carro perto do muro da escola, vejo uma amiga de turma da Vi aos amassos com um rapaz muito mais velho (talvez do 12º ou assim) mas quando digo amassos, é mesmo a sério: sentada de pernas abertas, com o rapaz enfiado no meio, mão nos bolsos traseiros do miúdo, beijos no pescoço, enfim, uma cena mesmo à novela. Arrepiei-me toda ao imaginar a minha pequenina nestes preparos (não estou preparada para vê-la crescer tão depressa - essa é que é a verdade) e praticamente tapei-lhe os olhos quando passámos perto do casal. Pareço uma velha do Restelo mas esta juventude de hoje está toda marada: vão para a escola com micro-calções a ver-se a bochecha do rabo (na minha altura nem se entrava assim numa escola), andam aos amassos no portão da escola, eu sei lá o que mais fazem! Fiquei mesmo desiludida.

Ou eu tornei-me mesmo uma velhinha do Restelo ou o mundo mudou muito desde a última vez em que o vi. As pessoas estão estranhas, nem as reconheço mais. Uma sensação desconcertante, na verdade. Parece que no meio das pessoas, o louco és tu, que andas na direcção oposta. Já vos aconteceu? Estou verdadeiramente em choque.
SHARE:

12 comentários

  1. Concordo com tudo, essa do casamento então é o cumulo. No entanto, quando eu estava a trabalhar descontava quase 300€ por mês, trabalho desde os 18 anos, no entanto sempre com interrupções de 2/3 meses para dar tempo à empresa para não me passarem a efectiva (tristeza mesmo) como nunca consigo fazer 1 ano de contrato nunca tenho direito ao subsidio de desemprego, recebo o subsidio social, cerca de 300€, tenho de me apresentar quinzenalmente na junta de freguesia (agora acabou essa lei), andar a pedinchar carimbos, aceitar cursos da treta (tipo "50horas para aprender a fazer um currículo", e ir basicamente duas vezes a comparências no centro de emprego, não para oferta de emprego mas para ouvir os bla bla do costume. E eu pergunto, o dinheiro que levo meses a descontar, que nunca me dão direito a receber "bem", quando estou desempregada, foi para quem? Para os ciganos? Então olha, se assim for prefiro que vá para quem trabalhou e tal como eu descontou para agora poder passar esse tal ano em casa. Eu prefiro trabalhar do que andar metida no centro de emprego 2/3 vezes por semana, mas sei que há quem viva bem a tirar os cursos do centro de emprego e a receber a tal bolsa que, só quem não tem o 12º ano tem direito. Ah, se tiveres o 12º ano ou mais não tens direito a receber nenhum apoio caso te mandem para um curso. Quem nunca quis estudar recebe uma bolsa mensal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, a não ser que os termos da bolsa de formação tenham mudado nos últimos tempos, não é verdade. Quando acabei a licenciatura inscrevi-me no centro de emprego e uns tempos depois fui chamada para fazer formação. Não era a única licenciada, aliás, metade da turma era. E todos recebíamos a bolsa de formação, mais os subsídios de alimentação e transporte (à excepção daqueles que recebiam subsídio de desemprego, porque nesse caso só tinham direito aos subsídios de alimentação e transporte). Não sei se continua a ser assim...mas não me lembro de ouvir falar em alterações neste aspecto.

      Eliminar
    2. Tirei uma formação no centro de emprego este ano e é assim que funciona. Por isso eu estou a falar do que sei e do passei de Janeiro a Agosto deste ano... Dizer que não é verdade e que não se lembra de ouvir falar de algo que uma pessoa está a afirmar, quando nem sequer está dentro do assunto não me parece muito bem... Se calhar é preferível pesquisar ou até mesmo perguntar antes de fazer comentários desse tipo. Quem tem o 12º ano ou mais não tem direito a bolsa, a mesma já não é os 500 euros que ganhavam antigamente mas sim uma miséria de 140€. Quem tem o 12º ano não precisa se alimentar por isso não tem direito a bolsa.

      Eliminar
    3. Concordo com o anónimo das 11:09 e estou por dentro do assunto. A bolsa de formação ė paga independentemente do nível de escolaridade e é de 1,13€ hora. Não se aplica a quem esteja a receber uma prestação social ( subsidio desemprego, social desemprego ou rsi) ou a quem tiver menos de 23 anos, salvo se tiver o registo de 12 meses de descontos na SS. Pagam, também, subsidio de alimentação de 4,27€ dia e subsídio de transporte ou o passe.

      Eliminar
    4. Concorda mal então. Esta mesmo a falar do que não sabe. O subsidio de alimentação é pago caso a escola onde são dadas as formações não tenha refeitório. Senão é pago com alimentação. Enfim. Já sabem mais do que quem esteve lá este ano a tirar formação... Devia convidar-vos a vir comigo ao centro de emprego exigir a minha bolsa da qual NÃO tenho direito por ter o 12ano.

      Eliminar
    5. Não concordo mal, porque a legislação diz isso mesmo. Agora se a entidade onde realizou a formação tem refeitório, o SA passa a ser em refeição em vez de lhe ser entregue o valor, a mesma situação para o subsidio de transporte se a entidade assegura o transporte. E não sei que tipo de formação fez ou em que situação se encontra para não lhe ser paga a bolsa de formação, mas que ela existe e é paga, isso é um fato, mesmo para quem tem o 12º ano, cet, licenciatura, pós graduação ou mestrado. Mas, volto a dizer, não sei que curso fez e que tipo de modalidade formativa esteve integrada, mas o anónimo acima tem razão.

      Eliminar
    6. Caro anónimo das 19:33, 18:17...
      Adoro esse tipo de afirmações. A sério, tem imensa piada a forma agressiva com que nos responde! O que eu lhe disse também foi aquilo por que passei, e agora? Em que ponto ficamos? O anónimo diz que não se deve falar daquilo que não se sabe, mas a questão é que sei, porque também eu fiz uma formação através do IEFP. Também já fiz formação e conheço gente que esteja neste momento a fazer formação. E agora? Também posso ficar ofendida?
      Na realidade, não encontro qualquer fundamento para lhe terem dito que, por ter formação superior, não tem direito a bolsa...talvez devesse tentar perceber a razão (terá menos de 23 anos? É que nesse caso, não tem direito, mas não é pela escolaridade, é pela idade). A bolsa de formação é igual para todos, não tem a ver com o grau de escolaridade.
      Mas pronto, é como disse, foi assim comigo (que não foi este ano), e é assim com pessoas que conheço que ainda estão a fazer formação (sim, não estou a falar de cor, não me venha acusar outra vez disso). Por isso o meu conselho é falar com alguém responsável, até porque no meu curso chegou a haver alguns erros com os valores da bolsa (todos os meses tinhamos de confirmar se estava tudo certo).

      Eliminar
  2. Quanto ao tabaco: não sei qual será o caso, mas sei de pessoas cujos médicos as autorizaram a fumar (embora reduzindo muito, tipo 2 ou 3 cigarros por dia) durante a gravidez, pois o stress de deixar o vício seria mais prejudicial ao bebé do que os tais cigarros fumados. Se isso tem fundamentação científica ou não, não sei. Mas já ouvi muitas mulheres grávidas referirem isso. Não condeno porque eu não fumo nem tenho filhos, não sei como será para elas nessa situação. Cada um com a sua, mas faz-me uma certa confusão, de facto.

    Do noivado: acho um bocadinho inconsequente as pessoas colocarem-se numa situação dessas quando só há uma fonte de rendimentos. Mas, mais uma vez, cada um lá sabe o que será melhor para si. Não me choca que prefiram prendas em dinheiro porque, pelo menos na minha terrinha e arredores, o normal é os convidados darem dinheiro e não prendas. Aliás, essa das listas de casamento em lojas e convidados a darem prendas em géneros (coisas para a casa, por exemplo), só comecei a perceber que se fazia quando comecei a ler blogs. Aqui é completamente banal, raramente as pessoas recebem eletrodomésticos e coisas que tais. Mas acho de mau tom por um limite base! Cada um lá sabe o que haverá de dar, o que pode dar, o que quer dar. Pessoas a fazerem grandes festas a contar que sejam os convidados a pagar com o dinheiro das prendas é o que mais há por aqui! Penso que ninguém das pessoas que vou vendo casar tinha todo o dinheiro investido no casamento em antemão; pagaram depois com as prendas do casamento. Acho feio, mas é muito comum. Eu nunca o faria! (até porque há sempre aqueles espertinhos que dão envelopes vazios!)

    Gente desempregada e a não querer trabalhar é o que mais há. Se vamos a correr atrás de todos, não tínhamos outra vida. Infelizmente o mundo é dos espertos. Estes é que vão levando bem a vida.

    De resto, não concordando, são coisas hoje em dia muito comuns. Parece que as pessoas perderam a vergonha!


    ResponderEliminar
  3. O teu compatriota Leandro Karnal debate amiúde sobre a falta de valores. Em 2 minutos vais-te identificar: https://www.youtube.com/watch?v=PxdkECHEO0s

    ResponderEliminar
  4. realmente, essa grávida afumar é no mínimo irresponsável, pobre criança enfim... se fosse eu acho q ia lá falar c ela.
    em relação ao desemprego, pois se ele descontou goza um benefício, pior são aqueles q vivem de RSI sem nnc terem feito nada.
    em relação ao casamneto, essa é + sincera q as outras pq na prática é td assim ( ou quase)
    aos amassos na adolescência, tenho 30 anos e no meu tempo tb já havia mt disso, a verdade é essa mas agr acho q é +- a mm coisa nos é q ja estamos velhos p isso.

    ResponderEliminar
  5. E os outros que entram por cunha e os que casam com o dinheiro do papá??????

    ResponderEliminar
  6. Sinto tanto, mas tanto isso que nem imaginas!
    Ou o mundo está mesmo do avesso ou então sou eu que estou virada ao contrário...
    É bom saber que não sou a única a ficar chocada com coisas que para a maioria das pessoas parece o mais normal de sempre -.-
    Beijinhos

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig