15 outubro 2016

Ilhas Gregas // Santorini, a ilha que já foi um vulcão.

Conhecer a ilha de Santorini estava no meu imaginário há que tempos! Sempre que via fotos da ilha, suspirava. Viajei para lá com as expectativas lá em cima e inacreditavelmente, Santorini superou cada um dos meus desejos. A ilha é um sonho e os dias que passámos por lá foram inesquecíveis!


Chegámos de noite, vindos de Mykonos por ferry. Tínhamos combinado previamente com o nosso hotel um transfer do porto, por isso assim que chegámos fomos logo para a carrinha do hotel. Santorini é uma ilha toda escarpada e as construções estão muito acima do nível do mar, logo, o porto fica lááá em baixo e a subida de carro foi super emocionante. Estava escuro como um breu, não havia iluminação na estrada e só se via curvas e contracurvas pela frente... Confesso que tive medo e tentei puxar conversa com o motorista do hotel mas o homem ia concentradíssimo (pudera!) e só me respondia "yes" a tudo hahaha.

Santorini tem vários vilas, cada uma com o seu charme: Fira (capital), Firostefani, Imerovigli (pôr do sol incrível), Perissa (praias!), Kamari (mais praia) e claro, a estrela da ilha: Oía (em grego diz-se 'Ía´). Oía é o lugar mais famoso de Santorini e onde estão concentrados a maior parte dos hotéis de luxo. O melhor pôr do sol da ilha? É em Oía. As casinhas brancas empilhadas em cima do mar Egeu? É em Oía. As igrejinhas de cúpulas azuis? Também fica em Oía. Tudo de melhor (exceptuando-se as praias) ficava localizado em Oía e eu já sabia que 'tinha' que ficar lá ou então nada feito. 

Andei quase um mês a pesquisar hotéis em Oía e os preços eram absurdos (tipo 1000€ por uma noite), já estava a ver a vida a andar para trás quando li o post da Dri Everywhere sobre Santorini e pesquisei o hotel que ela recomendava, em Oía. Fiz uma rápida pesquisa no booking, vi os preços (razoáveis para a localização perfeita do hotel) e nem pensei duas vezes: é esse! Escolhemos então o Aspa Villas e a nossa opção de quarto foi uma 'Caverna Tradicional' (Tradicional Cave Studio) que são os alojamentos típicos da ilha e são super confortáveis, com varanda privada e uma mega vista para a caldeira do vulcão! Pagamos 220€ por noite (não foi muito barato mas se considerarmos as opções... até foi bem em conta hahaha).

Depois de fazer o check in e enquanto o marido tomava um banho, corri para a varanda, abri a porta e me deparei com essa vista. Eram 23h e tal da noite e eu só via as casinhas e hotéis iluminados mas achei lindíssimo! Fiquei ali vários minutos a olhar para aquilo e a pensar que queria ficar ali pra sempre!


No dia seguinte acordei antes das 7h, completamente excitada com a ilha e morta de vontade de sacudir o marido para fora da cama... queria explorar Santorini! Fui sozinha lá para fora e fiquei a passear pelo hotel, sentei-me nas escadinhas, tirei fotos e fiquei esperando o sol nascer... Um dos melhores momentos da viagem!

O nosso hotel ficava a cerca de 5 minutos de caminhada até o centro da vila de Oía e o caminho até lá é super giro, cheio de lojinhas com artesanato local (cerâmica, algodão, rendas, ourivesarias...)

A ilha é super turística! Achei mais cheia que Mykonos, era quase impossível tirar uma fotografia sozinha (e nós viajamos no finalzinho do verão, já em 20 de Setembro, imaginem no pico de Agosto...) e depois de uma manhã a percorrer as ruazinhas brancas, decidimos ir conhecer a praia de Kamari, a famosa praia de areia negra.

Para quem vem de uma ilha como Mykonos, conhecida pelas praias paradisíacas, e se depara com as praias de Santorini... a decepção é um bocadinho grande. As praias não têm nada a ver. Em Santorini as praias são de águas mais escuras (por causa do chão de pedras pretas), não são com areia, enfim... não são tão fotogénicas como as de Mykonos mas achei que eram super exóticas (afinal, são praias vulcânicas) e com água ainda mais quentinha.

A gerente do nosso hotel explicou-nos que tínhamos que evitar o horário do almoço em Oía porque é a altura em que os navios de cruzeiro fazem as suas paradas na ilha (e trazem consigo a multidão de turistas que só têm 4 ou 5 horas para explorarem Santorini) e pudemos observar o fenómeno: os navios chegavam em profusão e era vê-los a saírem, apressados, em manada. Medo!

O pôr-do-sol em Santorini figura como um dos mais lindos do mundo e se não for mesmo o mais incrível, anda muito lá perto. Conseguimos assisti-lo em três locais distindos: na ruínas do castelo de Oía (onde se diz ter a melhor visão), em Imerovigli (um vilarejo incrível e super pitoresco) e na ponta da ilha, onde pudemos tirar essas fotos e ver o sol a despedir-se de nós de forma incrível! Só depois reparei na quantidade de barquinhos alinhados de frente para o sol, para não perderem o espectáculo :)

E quando o sol finalmente desaparece no horizonte... toda a gente começa a aplaudir e a assobiar, é uma atmosfera muito especial. Daquelas coisas que 'temos' que fazer em Santorini. Imperdível!

À noite a ilha veste-se com as luzes multicoloridas que enfeitam as fachadas dos hotéis (alguns têm discotecas privadas) e fica ainda mais encantadora.

É engraçado porque eu imaginava que toda a ilha de Santorini teria essas igrejinhas azuis espalhadas pelos cantos mas elas estão em um número muito menor do que aquele que eu pensei. Estão muito espalhadas pela ilha e são raros os lugares que concentram tantas igrejinhas como este, da fotografia.

Em Fira, capital da ilha, fomos a pé até ao Old Port para saber informações sobre os passeios de barco que vão até o vulcão e que permitem mergulhos nas águas quentes de Hot Springs. São muuuuitos degraus (e eles são enormes, valem como dois ou três dos nossos) e a opção é descer de teleférico ou montado num burrinho. Achei tão triste a opção dos burros (e estava tanto calor que eu só pensava nos coitadinhos a subirem e descerem degraus naquele sol, sem descanso). Decidi ir a pé mas a meio do caminho só queria desistir, era muuuito calor!

Eles cobram 5€ por cada trajecto com o burro (subir ou descer) e imensos turistas estavam a escolher esta opção =( o que me fez pensar que essa exploração dos burrinhos nunca terá fim!

Na volta decidimos subir de teleférico (são na mesma os 5€/pessoa mas é uma opção muito menos sádica) e a vista lá do alto é realmente deslumbrante!). Eu sou suspeita porque adoro roda-gigante, teleféricos e todas essas coisas que nos permitem ter uma visão privilegiada das coisas. Acabámos por desistir do passeio ao vulcão porque o barco era em madeira, dos antigos, e abanava como o raio. E já se sabe que eu e barcos malucos não somos uma boa combinação. Saímos de Fira e fomos para a Red Beach, a praia vulcânica vermelha!

O acesso é complicadinho (tem que andar um pouco entre pedras escorregadias) mas faz-se bem, são cerca de 15 minutos de caminhada. A água é super clara e quentinha mas cheia de 'coisas' que não consegui identificar mas que se agarram à pele e aos cabelos que é uma maravilha!

Cabelo todo cagado da praia mas tão feliz que nem liguei: prendi num rabo de cavalo e toca a andar! (mentira, fui a voar para o hotel lavar o cabelo e fazer um brushing hahaha).


No hotel, pausa mais uma vez para tirar 500 fotos (que o hotel era mesmo lindo e merecia), descansar na piscina, tomar um banhos e caminhar até a vila para assistir a mais um pôr do sol.


No dia seguinte fomos tomar o pequeno-almoço ao pé do Castelo de Oía e descemos as escadinhas que davam no Ammoudi Bay, a baía com imensa opção de restaurantes com frutos do mar e o típico polvo local (seco ao sol e pendurado como se de uma roupa se tratasse).

Começámos a ver um pequeno fluxo de gente a caminhar para a esquerda do porto, onde há uma espécie de curva e disse ao M. "aposto que há ali qualquer coisa interessante". Apesar das várias placas que indicavam 'Danger', decidimos seguir em frente e descobrir o que havia para além da curva... e encontrámos uma espécie de piscina natural com um água incrível, de um azul clarinho e aqui a maluca nem pensou duas vezes: pulei! Ahh que delícia de água!

Ter descoberto este sítio foi incrível, fiquei quase duas horas ali a nadar com meia dúzia de gente (só os corajosos hahaha - alguns diziam que tinham ouriços nas pedras e que para subir de volta era difícil) mas soube-me pela vida!

Amei cada segundo que passei em Santorini, a ilha encheu-me as medidas e ficou-me no coração. Se há um sítio onde não posso deixar de voltar antes de morrer... é na ilha de Santorini. Fiquei apaixonada pelo lugar, pela história, pelo romantismo! Se estiverem em dúvida entre Mykonos e Santorini, nem pensem duas vezes!

(continua...)


SHARE:

6 comentários

  1. Nossa, que lugar incrível! Belíssimas fotografias, parabéns pela postagem!

    Beijo!


    www.generoproibido.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  2. Quantos dias ficaram em Santorini? Quantos dias vale a pena ficar nessa ilha?

    ResponderEliminar
  3. Santorini é realmente mágico. Que fotos maravilhosas!

    ResponderEliminar
  4. Que delícia de fotos, Anne. Uma viagem e um lugar mágico, sem dúvida.
    lefashionaire.com

    ResponderEliminar
  5. Que maravilha! Um lugar único de facto! Obrigada pelo report! Tudo de bom!

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig