26 janeiro 2017

De vez em quando compensa ser maluca:

Quem acompanha o blog há alguns anos sabe que, no início de 2015 tive um enorme problema contributivo que originou a penhora da minha conta à ordem em 2000€. Para resumir a história: em 2012 trabalhei em part-time durante três meses a Recibos Verdes, passei apenas três recibos e esqueci-me (na verdade, não fui informada) de que era necessário cessar logo a actividade sob pena de gerar contribuições mensais na Seg. Social (125€/mês). Em 2015, primeiro ano de casada, fomos fazer o IRS em conjunto e o meu marido reparou que eu ainda tinha a actividade aberta (para meu absoluto horror) e concluímos que eu estava em maus lençóis. Fui às Finanças, disse que tinha por equívoco esquecido de fechar a actividade em 2012 e já estávamos em 2015, pelo que queria fechá-la imediatamente. A besta do funcionário que me atendeu cessou a actividade com data daquele preciso dia, Abril de 2015 (e não com a data retroactiva do último recibo emitido por mim em 2012) o que me originou uma dívida na Seg. Social de cerca de 2000€. Duas semanas depois tive a minha conta à ordem (conta conjunta com o meu marido) penhorada pela Seg. Social e foi uma novela mexicana para resolver a situação (mas ficou tudo resolvido na mesma semana). Podem ler sobre o assunto aqui e aqui.

Na altura em que ficou provado que eu apenas tinha que pagar apenas os 3 meses de contribuições à Seg. Social (e não dois anos e tal como eles pensavam), cobraram-me montes de juros e quando foi para pagar, por erro meu paguei 4 meses de contribuições (só tinha a pagar 3 meses). Assim que percebi o erro, voltei à Seg. Social do Areeiro e perguntei à funcionária como faria para receber aqueles 147€ que paguei a mais indevidamente. Respondeu-me: "Ah, você pode fazer um requerimento a pedir a restituição da contribuição mas está com enorme atraso, de mais de três anos... É pedir e esquecer, um dia receberá!" e eu fiquei passada com a resposta. A sério? Mais de três anos para receber algo que é meu e que foi pago por lapso? Como não havia outro jeito, em Junho de 2015 preenchi o requerimento a solicitar o reembolso do valor, indiquei o meu NIB e fiquei à espera que me enviassem o dinheiro, sem grande expectativa...

Passou-se o ano de 2015, passou-se o ano de 2016 e eu disse: CHEGA! Que vergonha vem a ser esta? Uma coisa é um atraso de alguns meses, agora um atraso de mais de 18 meses é o quê, senão um completo desrespeito pela vida das pessoas? Epá, felizmente é dinheiro que não me faz falta e que posso me dar ao luxo de 'esquecer' e abdicar mas porra, é dinheiro meu. Dinheiro que trabalhei para ganhar, que ganhei honestamente, que mereço, que me pertence. Mesmo que fossem 3€, é meu e NINGUÉM (muito menos o Estado, que nunca me deu nada) ficaria com ele!


No dia 31 de Dezembro de 2016, enquanto escrevia as minhas resoluções para 2017, lembrei-me desse dinheiro. "Fogo, há quase dois anos que a Seg. Social está com 150€ meus, não vou entrar em 2017 entalada com essa situação..." e lá me lembrei de enviar um emailzinho pouco simpático e até, eu diria, ameaçador para a Seg. Social. O meu marido disse que eu era louca e que aquilo jamais daria em nada, só serviria para atrasar ainda mais o meu (já atrasado) reembolso. Usei todas as armas que tinha, ameacei com tudo: advogados, comunicação social, escandaleira da grossa à porta, disse que só sairia de lá com a polícia ou com o meu cheque nas mãos, enfim... o caos. Enviei esse email no dia 31 de Dezembro de 2016 e terminava com: "Dou-vos o prazo de me restituírem o dinheiro até o final do mês de Janeiro/2017, caso tal não ocorra, tomarei as atitudes supramencionadas." (sim, assim como o Simba, eu dou risada na cara do perigo hahaha)



(Reenvei o mesmo email no dia 02/01, 10/01 e 20/01 - sempre recebi respostas automáticas mas tinha a certeza de que, dado o tom do email, alguém estaria a lê-lo e valeria a pena estar a ser chata como o caraças. E estava certa!).

Janeiro estava a chegar ao fim e eu a ver que no dia 31/01 lá teria que bater com os costados na Seg. Social armada em cigana para ver se assim me pagam aquilo que me devem mas... não foi preciso. Esta semana tinha o chequezinho todo catita na minha caixa do correio. Com 19 meses de atraso, é um facto, mas lá chegou. Foi preciso um email ridículo, cheio de ameaças (não haja dúvida que o email foi o motivo que fez os gajos me pagarem) para que, em 15 dias, resolvessem o que não resolveram em 19 meses. É para rir ou para chorar?


Que porra esses gajos ficam a fazer quando é suposto estarem a trabalhar? Custa tanto assinarem a merda de um cheque? 19 meses para isso? Para depois, quando se vêm com o cú apertado (desculpem mas é mesmo assim), tratarem de tudo num espaço de 15 dias? Ridículos, é o que são. Vergonhoso.

Eu sou maluca, tenho lata, sou cara podre e barraqueira. Quero e exijo o que é meu. Na maior parte das vezes, consigo. Sou persistente, ninguém me vence no primeiro grito. Já a minha avó dizia: "Anne, se são malucos, tens que ser mais maluca que ele. Se gritam, gritas tu mais alto, não deixes ninguém cagar na tua cabeça" (sim, vovó sempre tinha os conselhos mais diretos - e certeiros - desse mundo). Nunca me acovardei, nunca tive medo de lutar contra 'os grandes.". De vez em quando, compensa batermo-nos de maluca. Fica a dica para quem está a precisar de dar um 'speed' a alguma situação com estes órgãos públicos. É partir a loiça toda, que estes gajos só vão lá à bruta e a seco, vão por mim. É triste mas é verdade.
SHARE:

18 comentários

  1. Infelizmente cada vez me convenço mais de que neste país nada funciona como deve ser e é sempre uma vergonha a forma como tratam o contribuinte, consumidor ou o que seja.
    Ainda ontem escrevi sobre uma situação semelhante, em que só depois de ameaçar com queixas às Autoridades competentes se decidiram mexer. Não é normal que tenhamos de andar sempre a pressionar para que façam o que é sua obrigação fazer. É ridículo, e triste...mas infelizmente parece que é assim em todo o sítio. Agora só me admiro é se a coisa correr bem, sem nenhum problema. É que é com cada uma.
    Ainda bem que conseguiste resolver o problema. Fizeste muito bem. Beijinhos e obrigada por partilhares (acho que isto tudo só acontece no nosso país porque há demasiada gente que não se dá ao "trabalho" de reclamar, de se chatear ou ter paciência para exigir aquilo a que tem direito, por isso fazem de nós o que querem)!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É ridículo que tenhamos que recorrer a ameaças para obter algo que deveria ter sido conseguido há quase dois anos... Um atraso de, sei lá, dois ou três meses é uma coisa. Agora um atraso de 19 meses? Não há explicação possível! Estão com menos pessoal? Ora contratem! O que não falta são desempregados no país. Não há cabimento, eu fico possuída!

      Partilhei essa situação para dar algum alento a quem desespera por uma resposta. Não desistam, façam escândalo, chamem a chefe da repartição, ameacem... só assim a coisa se dá. É uma merda mas é assim. Parece que só trabalham sob insultos!

      (conseguiste resolver a tua situação, ao menos?)

      Eliminar
  2. A questão é que, neste caso, até tinhas razão no teu pedido, mas há muita gente que não tem e segue a lógica de "é partir a loiça toda, que estes gajos só vão lá à bruta e a seco". Nem imaginas o que as pessoas que trabalham nesses sítios têm de aturar com gente maluca, armada de que tem razão e de que este mundo são só direitos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, isso também é verdade. Já vi com cada escarcéu nas Finanças por causa de gente doida que exige prioridades que não têm direito (tipo, com putos de 4 anos ao colo), que querem isto e aquilo mas no fundo estão sem qualquer tipo de razão. Querem é fazer barulho para ver se intimidam. Não deve ser um trabalho fácil, isto das repartições públicas, mas muito em parte se deve à falta de produtividade das pessoas que lá trabalham.

      Eliminar
  3. Infelizmente há muitas situações que só são desbloqueadas quando se reclama e se ameaça com advogados, etc. Sou advogada-estagiária e temos no escritório imensas situações que se resolvem do dia para a noite só por enviarmos uma carta com o papel timbrado do escritório, depois do cliente andar meses a tentar resolver o problema :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Mel, é mesmo como dizes. Parece que fazem de propósito para desgastar o pessoal e levar-nos a desistir. Comigo estão bem tramados, era o que mais faltava desistir de receber algo que é meu! Pois ameacei com advogado, calculei os juros todos desses 19 meses em que estão com o meu dinheiro (quer dizer, uma pessoa esquece-se de pagar um IUC por um dia e tumbas, mama logo com 25€ de multa, esses mamões ficam um ano e meio com 150€ meus e não pagam juros nenhuns? Isso é que era bom!).

      Só quando se aperceberam que eu era uma pessoa minimamente instruída e ligeiramente avariada da cabeça é que se mexeram. Ninguém merece.

      Eliminar
  4. Desculpa lá mas querias o dinheiro para quê? Tanta coisa que não precisas de dinheiro, que tens de sobra e depois faz figuras destas. A Seg. Social tem mais que fazer, tem reformas e abonos por pagar, não têm que aturar gajas como tu, enxerga-te! Croma!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só visto. O dinheiro era dela ponto final. E o que diz sobre a segurança social dar dinheiro a quem não faz nada nem nunca descontou nada na vida??? À pois é...

      Eliminar
    2. Croma és tu. e eu que odeio defender bloggers, acho este comentário da maior estupidez.
      Até podiam ser 5€. Já se desconta o suficiente para ainda ficarem com 1€ que chegue.

      Eliminar
    3. Era só o que faltava!!!Tanta gente a viver à conta da ss e eu não pedia o que era meu....O comentário só pode ser mesmo para picar, porque ninguém no seu perfeito juízo pensa o que a anónima escreveu.

      Eliminar
    4. Anónimo das 17:01: E é preciso ter um motivo para querer um dinheiro que é meu? Olha, até podia ser para gastar tudo em papel colorido, picotar e mandar para o ar só pelo prazer de ver os papelinhos a voarem... é dinheiro MEU e eu faço com ele o que me der na real gana. Rasgo, queimo, gasto tudo nos saldos (que foi, efectivamente, o destino do cheque - só para que fique satisfeito).

      É meu. Ponto. Não preciso de mais justificativas.

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Isso queria eu! Olha, a coisa já estava tão difícil que eu me dei por feliz por ter resolvido em 15 dias o que levei 19 meses de espera... Deixa pra lá os juros, eles devem estar a precisar mais do que eu, que façam bom proveito! :P

      Eliminar
  6. Acredito que a malta que tenha este tipo de trabalhos não tenha a vida fácil, mas realmente é com cada caso de parvoíce de atrasos e outros que tais, que não dá para sentir mais pena.
    Em relação à barraqueira, concordo em absoluto, também eu já tive de armar a peixeirada por causa de dinheiro (ameaçar com advogado, etc.) e só aí é que as coisas andaram para a frente... Já dizia a minha mãe, temos de fazer pela nossa vida, que mais ninguém vai fazer por ela!
    Oh pah, e estes comentários anónimos deliciosos que só dizem merda? Não sei como aturas estes lunáticos :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também acho que deve ser um trabalhinho de seca (para mim era impensável, sou muito activa e mexida, morria se tivesse que trabalhar num sítio onde pedem licença a um pé para mexer o outro) e sei que levam imenso desaforo e má educação por parte dos contribuintes. É uma bola de neve: o Estado está falido, não tem dinheiro para nada e fazer restituições de dinheiro deve ser a última das prioridades. Os funcionários das repartições prestam um serviço de cocó. Os contribuintes passam-se da marmita e fazem disparates. Os funcionários sofrem e ficam ainda mais mal dispostos. E assim vai...

      A tua mãe está certíssima, é mesmo assim: temos que nos mexer que se formos esperar pelos outros, estamos bem mas é lixadas. Os anónimos são tão doidos que até tenho pena de apagar os comentários todos em série e de vez em quando deixo escapar um ou outro para nos animar o dia. :D

      Eliminar
  7. Tudo o que é dever dinheiro eu passo me. Trabalhava a recibos e chegou a um ponto em que no dia em que devia receber me diziam que não tinham como pagar, depois chegaram ao ponto de nem avisar e pagavam o que lhes apetecia.
    Quando me despedi deviam já quatro dígitos...
    Por isso é que sou daquelas acha que é preciso lutar e muito. Mas depois as vezes é preciso meter advogado e o dinheiro para pagar é complicado... Quem deve acaba por sair impune.

    ResponderEliminar
  8. Basta uma reclamação para o provedor de justiça e tem qualquer assunto resolvido, com a administração publica, finanças, seg Social, etc

    ResponderEliminar
  9. Mostre o mail que enviou Anne! Assim aprendemos todas a resolver este tipo de situações tão comuns em Portugal ;)

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig