05 janeiro 2017

Sobre o tempo, esse bem tão precioso.

Uma vez ouvi de alguém que o melhor presente que podemos oferecer é o nosso tempo, que esse sim era um tesouro inestimável. Na altura era adolescente e lembro-me de pensar: "que treta de conversa..." mas conforme a idade chega (não se esqueçam que agora tenho trinta anos, sou uma senhora) e a maturidade também, percebemos que essa frase apesar de clichê é totalmente verdadeira: a melhor coisa que alguém pode nos oferecer é tempo: tempo para estar conosco, tempo para nos ouvir, tempo para gastar com quem mais amamos.

Na semana passada o meu marido perguntou o que eu queria fazer nos meus anos. Se queria apanhar o avião para algum lado, se queria viajar cá dentro, se queria ficar em casa... enfim, queria saber o programa das festas. Aqui a pessoa, em modo deprimida, respondeu que não queria fazer nada. Não queria viajar (está um frio do caraças, não me apetece sequer sair para trabalhar, quanto mais viajar), não queria grandes planos. Ele disse: "a sério? bem, então não vou meter nenhum dia de férias, assim ainda fico com 4 dias pendentes deste ano, para juntarmos aos 22 dias deste ano e viajarmos muito!".

Na véspera do meu aniversário, perguntei-lhe: "amor, o que vamos fazer amanhã?" e o homem responde-me calmamente: "nada... vou trabalhar e saímos para jantar depois." O QUÊ? "Como assim, não meteste férias no dia dos meus anos? Sabes que eu nunca trabalho nesse dia, gosto de fazer coisas diferentes..." e o homem nem sabia para onde se virar. "Mas disseste que não querias nada..." (homens... homens... uma vida inteira e nunca vão ser capazes de entender as nossas entrelinhas).

Amuei. Todas as minhas amigas absortas nos seus trabalhos, mamãe cheia de reuniões na empresa, era o primeiro dia de aulas da Vi depois das férias (e ela não queria faltar nem por um decreto), o meu irmão já estourou as férias todas e não podia meter mais nenhum dia... Que deprimência! Prestes a completar trinta anos, com a animação de uma ratazana de esgoto, e sem ninguém para compartilhar a minha dor. Fui dormir resignada e um bocadinho desiludida com todos, confesso.

Acordei às 11h com a minha mãe e o meu marido a entrarem pelo quarto adentro, a minha mãe com um mega tabuleiro de pequeno-almoço (e os meus croissants preferidos, ainda quentinhos), o marido ainda de pijama ("era brincadeira, meti o dia de férias"), embrulhos de presentes em cima da cama... foi uma festa. Chorei como uma madalena (sou uma manteiga derretida), tomei pequeno-almoço com as pessoas que mais amo nessa vida (depois mamãe teve mesmo que ir trabalhar) e passei uma tarde incrível com o meu amor: passeámos por Lisboa, fomos ao cinema (assistimos o 'Beleza Colateral' e só vos digo que o filme é incrível!), lanchamos no meu sítio preferido e depois fomos direto ao restaurante encontrar o resto do pessoal para jantarmos. Foi um dia em cheio! E é isso: a melhor coisa que podem me oferecer é mesmo tempo*. O presente mais especial de todos :)

E cada vez que me perco no azul dos teus olhos, de cada vez que olho para esse sorrisinho de canto de boca, cada vez que me abraças apertado e dizes que queres ficar comigo para sempre... de todas essas vezes, acho que consigo te amar um bocadinho mais. Contigo vivo o tipo de relação que sempre sonhei (e que nem sabia ser possível), contigo descobri que por mais chata e insuportável que possa ser a pessoa (no caso, eu), sempre haverá uma outra pessoa, praticamente um santo (no caso, tu) que irá aturá-la todos os dias. E amá-la como se não houvesse mais ninguém no mundo.

(obrigada, meu bem.)

* é claro que não sou hipócrita ao ponto de dizer que não gosto de receber presente nos meus anos (longe de mim!) mas receber tempo de qualidade... é outro nível! (para todas as outras coisas, existe Mastercard hahaha)
SHARE:

3 comentários

  1. Anne, parabéns pelos 30!
    E tens toda a razão, o tempo que passamos com quem amamos é muito importante e um presente inestimável. Nos primeiros tempos quando comecei a ler o teu blog achei que eras super materialista e que nao valorizavas as coisas simples da vida mas com o tempo apercebi-me que dás imenso valor a tua familia e ao teu marido, isso é tão raro nos dias de hoje. Parabéns, que continues assim e que contes muitos!

    (e um bebé para 2017, que tal? assim com olhos azuis como o teu marido e com a tua corzinha morena, vai ser um arraso! pensa nisso)

    ResponderEliminar
  2. É mesmo brasileira pegajosa

    ResponderEliminar
  3. Tens razão, se pudesse escolher a prenda de aniversário seria essa mesma: tempo com os que mais amo. Faz toda a diferença. Beijinhos

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig