02 março 2017

Das coisas que só acontecem comigo... #13

Imaginem a cena: Jantar em família (do marido - para que fique claro), montes de gente sentada à mesa quando um espírito de porco (epá, desculpem mas só posso classificar assim) vem com a pergunta: "então e vocês, para quando a visita da cegonha?" e eu lá sorri, o M. também e respondi que ainda temos tempo e queremos aproveitar a vidinha de casados em modo 'lua-de-mel' por mais um tempinho...  "Mas olhem que já vão para três anos de casados, já é tempo..." e eu ali entaladinha com um "opá e se calasses a merda da boquinha, isso é que já não era sem tempo..." mas pronto, é família do meu marido e tenho sempre que engolir alguns sapos de vez em quando para não envergonhar o meu homem.

Enquanto o M. respondia que estava nos planos mas não para já (a resposta politicamente correcta) e eu pensava que aquilo não poderia ficar pior... o que é que acontece? Uma prima do M., que estava na ponta oposta da mesa, exclama em alto e bom som "Ahh mas como a Anne não toma a pílula, qualquer dia vocês são apanhados de surpresa..." e eu só queria enfiar a cara no prato. A sério, meus amigos, vamos discutir métodos contraceptivos em pleno jantar de domingo? Assim que ouviu isso, o 'espírito de porco' que iniciou o debate, dispara: "Bem, quase três anos de casamento sem tomar a pílula e ainda não engravidaram? Vejam lá isso, é capaz de terem algum problema..."

Quão inconveniente pode ser uma pessoa? Eu não sei o que é suposto responder nessas circunstâncias sem partir para a grosseira e correr tudo as caralhadas, desculpem. Passo-me com este tipo de insinuações. Apeteceu-me responder: "Por acaso até engravidei três vezes durante esse tempo mas preferi abortar, sabes, ainda não estava preparada, não era o momento certo.." ou então "tens toda a razão, temos um problema: o teu primo é estéril, vamos adoptar uma criança". Eu não sei o que passa na cabeça dessa gente para nos alvejarem com este tipo de perguntas.

Sim, nunca tomei a pílula mas... utilizo outro métodos contraceptivos, como é óbvio. Tenho a sorte de ter um ciclo menstrual regular como um relógio suíço, por isso é até bastante fácil controlar as coisas, basta um aplicativo no telemóvel que nos indica o período fértil, o dia da ovulação (eu até sou daquelas mulheres que sente o exacto momento da ovulação - é um género de dorzinha que me dá na parte baixa da barriga e quando vou confirmar no aplicativo, tumbas, é o dia da ovulação), por isso não tem erro. E quando a vontade aperta (e o calendário diz que não é o dia), existe uma coisa chamada preservativo. Nem acredito que estou a falar disso no blog mas é para verem como as pessoas me levam ao limite.

Foda-se, vão cuidar da vossa vida. Manquem-se. Ahhh, que nervos!

(sim, estava entalada com isso desde domingo, se não escrevesse acho que tinha um AVC ou uma síncope nervosa. Ainda por cima estou com uma infecção de garganta, ontem fui parar na Cuf com 39 de febre... Mereço um desconto. Por favor, digam que vocês também têm amigos/familiares metediços e que eu não sou a única a pagar os meus pecados, vá lá...)
SHARE:

19 comentários

  1. Sim!!!! Sou a solteira que já é tia, nem tu queiras saber os disparates que eu ouço -e não só da família, conhecidos em geral. Palpites sobre como governar a minha vida que davam um livro maior que o dicionário (gosto tanto quando vêm de pessoas com vidas miseráveis, levo tudo com óptima disposição...então não!?! ;).

    ResponderEliminar
  2. e qd tiveres o 1º vao tge bombardear de perguntas, vao te mandar ter o 2º com X anos de diferença, se nao quiseres ter nenhum vão te "comer a cabeça", se tiveres 3 vão dizer q já é mt... enfim ai q seca

    ResponderEliminar
  3. Como eu te compreendo Anne, já vão quase 5 anos de casados e acho que desde o primeiro dia sempre fomos bombardeados com esses tipos de questões! A minha família mais próxima já nem se atreve a perguntar pois sabe que lhes irei soltar os cães! Já a família do meu marido sempre que estamos com eles vem sempre a mesma pergunta. Mas de todos só os meus pais é que nunca falaram acerca disso, talvez por me conhecerem demasiado bem. Quando tiver que ser será. E será quando nós quisermos nem que seja daqui a 10 anos e nunca por vontade dos outros. Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Haja paciência...
    É isso e, como já aconteceu comigo em tempos, por teres um rapaz e uma rapariga, dizerem, "ah, um casalinho, que giro! Já estão despachados".
    Oi?? despachados?? e se eu quiser 15 filhos, não posso???
    Ou "um menino e menina foi mesmo pontaria, não foi? e eu a querer dizer "epá, por acaso não... eu até gostava de ter tido duas meninas" (meu rico filho, que não o trocava por nada lol).
    A sério, manquem-se!!
    Beijocas e rápidas melhoras <3

    ResponderEliminar
  5. É de tirar mesmo uma pessoa do sério... Eu acho que não me continha e eventualmente mandava uma boca estilo "posso avisar quando estiver a concepção da criança a acontecer, pode ser?". Até me vem a mostarda ao nariz quando vejo fazerem isso com outras pessoas.

    Ainda dentro do tema, eu tomo a pílula há quase 10 anos mas sinceramente tenho vontade de parar de tomar... Sempre tive o ciclo regular desde miúda, mas tenho muito medo que um acidente fosse acontecer, e gostava mesmo de me informar sobre como poder controlar melhor o meu ciclo. Tens alguma dica extra, ou só com a aplicação chega?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma boa leitura pra quem pensa em deixar os contraceptivos hormonais: https://circuloperfeito.com/

      Eliminar
    2. Obrigada, Anónimo! Vou ler :D

      Eliminar
  6. Ah, e melhor que os bitaites antes de haver crianças, são os bitaites quando já existe criança ainda na barriga... há um vídeo maravilhoso sobre isso.... https://www.youtube.com/watch?v=Up_WfFc6jhY Não encontro versão com melhor qualidade, mas a ideia é esta :D

    ResponderEliminar
  7. Olá Anne, é preciso muita paciência para esse tipo de conversa. As mulheres a partir dos 30 estão com os pés para a cova, já são velhas para ter filhos. Fala mais sobre não tomares a pílula!!!
    Beijinhos,
    Ana Filipa

    ResponderEliminar
  8. Eu honestamente nem abro o jogo sobre esse assunto com ninguém, precisamente para não dar azo a esses comentários. Por exemplo, essa prima sabe que não tomas a pílula, é porque lhe contaste, certo? Não partilhes essas coisas com ninguém (só com o teu marido), é um assunto que só aos 2 diz respeito e responde de forma lacónica a quem tenta fazer perguntas ("pois, vamos ver", ou "sim, temos de pensar nisso", ou "pois é, já é tempo").

    As pessoas vão sempre comentar, a maioria nem é de forma mal intencionada, mas não se apercebem do quão despropositado isso é. Eu já não tomo a pílula há 3 anos e achas que contei a alguém (para além do meu namorado)? Queremos engravidar este ano e não o disse a ninguém. Quanto muito comentei com amigas mais próximas que já pensamos em ter filhos e que pensamos nisso para breve, mas não vou contar a ninguém nada de concreto, tipo quando começarmos a tentar, logo quando engravidar (espero passarem os 3 meses ou memso até começar a ter barriga e ser impossível não contar), etc.

    Há pessoas que me contam histórias da amiga que não consegue engravidar e está a fazer tratamentos, da amiga que já teve X abortos espontâneos, da amiga que vai tentar este ano... sabem isso tudo porque as pessoas lhes contaram! Eu nesse aspecto de vida amorosa/sexual/familiar sou muito privada. Não tenho qualquer vontade de partilhar as nossas decisões com amigos/família, são coisas nossas, que só a nós nos dizem respeito. Gosto mais de anunciar/comentar essas decisões quando já estão tomadas e no círculo de pessoas mais próximas ninguém faz comentários absurdos. Mas amigos/familiares mais distantes ou colegas de trabalho, é o mínimo de informação possível e cortar ao máximo qualquer investida que tentem fazer na esfera pessoal.

    ResponderEliminar
  9. Eu gabo-lhe a paciência....eu respondia-lhe, "mas quem lhe disse que queríamos filhos?? é obrigatório??"só naquela de chatear também! Gentinha!!!!

    ResponderEliminar
  10. Anne,
    "por-amor-da-santa!"
    Há gente com (muita) falta de educação. Lamentável!

    Há bem pouco tempo, a propósito deste tipo de assunto, li um post num blog que, também, gosto de ler.
    Não sei se me é permitido isto mas, se a Anne quiser dar uma espreitadela:
    http://soentrenos.blogs.sapo.pt/quando-e-que-me-deixam-em-paz-262688

    Aqui fica a sugestão.

    Helena V.

    ResponderEliminar
  11. Típica sociedade que ainda pensa que a mulher é obrigada a ter filhos a uma certa idade, e tem que, obrigatoriamente pensar nisso... Enfim, gabo-lhe a paciência!

    ResponderEliminar
  12. Ui, já passei por isso, e também num jantar...

    ResponderEliminar
  13. Anne, se tivesse 5 cêntimos por cada vez que me perguntam "então e bebés?" estava milionária! Durante algum tempo fui dizendo que éramos novos, outras alturas respondia que estava ocupada com o doutoramento, depois tentei ignorar, mas tenho alturas que me farto, sobretudo com pessoas que parece que não sabem perguntar mais nada. Uma amiga da minha mãe, sempre que me vê, pergunta "e bebés?". Um dia resolvi antecipar-me e perguntei-lhe como estava a correr a menopausa, se tinha afetado a relação com o marido, etc. Se ela se achava no direito de se meter na minha vida, paguei na mesma moeda. A uma tia do meu marido, que vinha a toda a hora com a conversa dos filhos, e que uma mulher não é mulher até ter filhos, resolvi um dia largar num pranto e dizer que estávamos a tentar há anos e não conseguíamos, que estava a ser horrível e que cada vez que alguém perguntava era como levar uma facada no coração. E ela só dizia "desculpa, querida, eu não sabia..." Depois de a deixar a agonizar (e a corar!) uns bons minutos disse-lhe que não era verdade, mas que daí para a frente pensasse nessa possibilidade antes de assediar um casal com semelhantes perguntas, porque não sabe o que se passa na vida dos outros e sobretudo porque não lhe diz respeito. Remédio santo! Nunca mais nos chateou; nem ela, nem as outras pessoas que estavam presentes.
    Até acredito que as pessoas não façam por mal, mas porquê essa obsessão com os filhos?!
    Haja paciência!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiz o mesmo com as pessoas da família,amigos e pessoas em geral que estavam sempre a perguntar,largava num pranto a dizer que era estéril que há anos que estávamos a tentar e nunca tínhamos conseguido e que cada vez que eles falavam no assunto era muito doloroso que só me apetecia morrer. Foi remédio santo ahahahaha nunca mais se meteram no assunto.

      Eliminar
  14. Agora imagina levar com isso durante horas num almoço de família quando estás a ter um aborto espontâneo :( As pessoas são mesmo inconvenientes. Gostava muito de informar que NUNCA é uma boa altura para perguntar "então e vocês quando têm um bebé?". N-U-N-C-A.

    ResponderEliminar
  15. Anne, nós estivemos aaaanos a ouvir essas conversas e eu sorria enquanto engolia um sapo ou outro. Quando começamos a tentar, essas perguntas tornavam-se mesmo incómodas e chegaram-me a perguntar se não sabia como se fazia. Fiquei para morrer! A partir daí comecei a dizer que queríamos mas não conseguíamos e que nos magoava esse tipo de conversas. As pessoas ficavam mesmo constrangidas e não aviam mais a boca. Foi tiro e queda. :)

    ResponderEliminar
  16. o melhor é ouvires da boca da tua sogra, quando lhes contas sobre o teu diagnostico clínico de infertilidade que "isso são só coisas da tua cabeça"!
    tb tenho umas quantas situações caricatas.....
    beijinho

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig