30 março 2017

O cliente pseudo-famoso:

Hoje aconteceu-me uma situação no mínimo caricata. Um dos clientes da empresa cometeu um 'engano' e enviou-me um email para ver se eu poderia dar um jeito e basicamente, consertar a cagada. Consegui remediar a situação mas não do jeito que o cliente queria (era de todo impossível) e hoje o cliente 'exigiu' falar comigo e pediu que a recepcionista me fosse chamar porque 'eu tinha que resolver a questão'.

Enquanto falava com ele e tentava explicar pela enésima vez o que já lhe tinha explicado por telefone e por email, o homem ficava cada vez mais enervado (e quando começam com estas merdas a mim só me apetece ser ainda mais inflexível - quer dizer, estou a fazer-lhe um favor e ainda vêm com exigências? Tá bem, abelha) e lá encerrei o tema com um 'pois, eu compreendo mas já fiz tudo o que estava ao meu alcance, mais não posso fazer, lamento."

Ele vira-se para mim com ar muito 'eu-sou-muita-bom' e dispara:

- Eu não sei se sabe com quem está a falar, provavelmente não reparou no meu apelido mas sou irmão do actor XYZ.
- Desculpe, eu não sei de quem se trata.
- Não vê novelas? Ele é um dos protagonistas.
- Não, não tenho paciência para novelas e, sem querer ofendê-lo, o apelido soa-me familiar mas não me diz nada.
- Ele foi capa da revista XPTO... (mesmo a insistir "olhem-só-como-o-meu-irmão-é-famoso")
- Pois, eu raramente leio revistas, por isso não sei quem é. (olhar escandalizado do cliente como se eu vivesse em outro planeta).

Juro-vos que não liguei o nome à pessoa numa primeira instância. É claro que depois fui a correr para a net pesquisar e confirma-se, o irmão é mesmo muito famoso mas... who cares? É por isso que devo abrir-lhe o mar vermelho como Moisés e passar por cima de todos os protocolos? Por que? Porque o irmão aparece na televisão em horário nobre? Faça-me o favor!

De todas as vezes em que ouvi a frase "sabe com quem está a falar?", o meu interlocutor era sempre uma pessoa insignificante que tentava 'ser alguém' baseado em: 1) sou rico; 2) sou famoso; 3) venho de família importante; 4) sou influente. E dá-me sempre um gostinho perverso em tratar esta gente como trato o comum-mortal: por igual, sem privilégios. (então se começam com a mania, aí é que faço meeesmo questão de ser 'neutra' e não há cá favorzinhos para ninguém, era o que mais faltava!)
SHARE:

11 comentários

  1. A mim, dá-me sempre vontade de perguntar para o ar: "alguém sabe quem é? parece que está com amnésoa!"


    Ms. Telita | Telita LifeStyleFacebookinstagram

    ResponderEliminar
  2. Hahahaha... Chorei de rir com este post :) Eu também fico indignada quando alguém quer obter privilégios e afins simplesmente por ser amigo de fulano, irmão do beltrano que se diz "famoso" ou pior o próprio "famoso" hahahaha. Comigo também não vai lá. Bjs. Renata

    ResponderEliminar
  3. Loooool!Sempre que ouço isso a minha vontade é responder "E?? Who the hell cares?" ahaha oh Anne pelos vistos cá em Portugal é uma prática muito frequente. No próprio secundário fiquei parva quando ouvi um colega gritar a uma profe "você sabe quem é o meu pai?!" e recentemente, quando estava na receção de uma loja, um cliente vira-se para uma colega e responde "mas você sabe com quem está a falar?" ao que ela responde "não, e o senhor também não sabe. Ainda não fomos apresentados" :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rita muito boa essa resposta, da sua colega, vou registar para quem sabe algum dia utilizar. Não trabalho em loja mas lido com publico e de vez em quando tenho alguns a dizerem essa frase(zinha) irritante e presunçosa! Não há paciência para os pseudo-famosos e para "gentinha" que se acha mais importante que os demais.

      Anne não sei se já tinha dito mas gosto muito do seu blog, ando sempre ansiosa por mais posts!

      Eliminar
  4. Também tive um, no meu antigo trabalho que me perguntou se eu sabia com quem estava a falar e eu respondi-lhe de igual forma, que ele tb não sabia quem eu era. Responde-me ele, pois, mas eu sou o chefe de loja da cidade X e respondo-lhe eu, pois, sabe lá você o que sou eu nesta loja. Disse-lhe para ter uma boa noite e segui o meu caminho.

    ResponderEliminar
  5. É irmão de um famoso e? Isso torna-o famoso também? Há gente mesmo sem noção do ridículo. Lidar com o publico é mesmo assim, aparece cada anémona...

    ResponderEliminar
  6. O problema das pessoas "sabe com quem está a falar" é que não sabem quem está do outro lado. A coisa pode correr-lhes mal...

    ResponderEliminar
  7. Como se ser parente ou o próprio famoso fosse razão para serem tratados de melhor forma que os demais. Ai pá, não posso com esta gentinha.

    Quando trabalhava no atendimento ao público tinha sempre que lidar com gentinha do tipo, que não chegava ao "eu sou irmão de tal" mas se julgavam melhores do que eu só porque estava na posição de os servir (que, ainda assim, tem muito de discutível). As pessoas falam com os funcionários de lojas e outros serviços como se todos fossem uns zés ninguém, que só conseguiram aquele emprego porque são burros e pobres e, portanto, têm que os servir e calar, ouvindo e aceitando tudo. São as mesmas pessoas que, na frente de um "Doutor" (e como os há neste país!) se derretem todos, lhes falam como se os outros fossem reis só porque têm um curso ou um cargo mais "importante". Esquecendo-se que, muitíssimas vezes (infelizmente) quem os atende nos ditos serviços são pessoas igualmente estudadas e, certamente, muito mais educadas!

    ResponderEliminar
  8. Impressão minha ou este post já foi publicado anteriormente? ;)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  9. WTF! Que grande parvalhão. Pode ser que um dia se saia mal com essa conversa!

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig