17 junho 2017

16 coisas imperdíveis de fazer no Rio # parte 1

Já andava a ensaiar este post há décadas e eis que finalmente ele veio à tona! Na verdade, a ideia era fazer vários posts sobre o Rio mas eu sou bem preguiçosa e decidi compactar tudo (ou quase tudo) em um só, por isso separei 16 coisas imperdíveis para quem vai ao Rio de Janeiro pela 1ª vez (podem ir outras vezes, é certo, mas a primeira vez em qualquer cidade é sempre a 1ª vez - tudo tem outro impacto). Como o post ficou e-nor-me, tive que dividi-lo em duas partes senão vocês só terminariam de ler no Natal. Vamos lá!



(1) Visita o Cristo Redentor: Acho que nem preciso escrever muito sobre isso... se há um monumento que realmente simboliza o Rio de Janeiro, esse monumento é o Cristo Redentor. Imponente, enorme, de braços abertos sobre a Baía de Guanabara, a visão lá de cima emociona de verdade!
Dica: O bilhete para visitar o Cristo é vendido sempre com o combo da van (transporte) que leva os turistas até aos pés do Cristo. Se estiver com grupo, sai infinitamente mais barato chamar um Uber para chegar até o Centro das Paineiras (base da montanha para o Cristo). De lá, é só apanhar a van no seu percurso mínimo (7 minutos de viagem) até os pés do Cristo, para decidir se vai seguir viagem de elevador e escada rolante (eu! eu!) ou se vai encarar a subida com os 54223 degraus até o cima. Deus qui mi livri! O bilhete saiu por 28 reais (cerca de 8€).

(2) Conheça o SAARA carioca: No centro do Rio de Janeiro, na parte antiga da cidade, existe um 'miolo' concentrado de lojas, barraquinhas de ruas (os famosos 'camelôs'), feirantes, tudo e mais alguma coisa. São várias as ruas que se unem com o comércio mais agitado da cidade. SAARA na verdade é uma sigla para Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega. A Rua da Alfândega é das mais famosas no Rio porque lá uma pessoa encontra de tudo! Mesmo! Quer comprar coisa barata? Vai no Saara! As grandes lojas compram lá para depois revender na zona Sul/Shoppings pelo triplo do preço (comparei isso com dois artigos que comprei lá!). É um lugar que intimida um pouco quem não está habituado: é uma agitação, os vendedores gritando feito loucos para chamar clientes - alguns com megafones nas portas das lojas - existe até uma estação de rádio própria do Saara, apenas para divulgação de lojas e promoções. É muito animado, o mais próximo disso que já vi no mundo são os souks marroquinos, mesmo estilo :)
Dica: Para chegar lá, a melhor opção é ir de metro (na verdade, de metrô) e sair na estação Uruguaiana. Não é um lugar perigoso mas se der bobeira... perde! Então, vá o mais simples possível, não mostre nada de marca cara, nem deixe o telemóvel à mostra, nunca se sabe...

(3) Experimenta um tratamento capilar: Acho que não é segredo para ninguém que o Brasil é dos países que mais apostam em produtos e técnicas para o cabelo. Em toda esquina tem um cabeleireiro, as mulheres não ficam sem fazer manicure e pedicure, os cabelos são muito bem cuidados (pode não ter um bife para comer em casa, mas a peruca tá lá, lisérrima!) e há de tudo um pouco: Alisamentos, Escovas Progressivas, Botox, Selagem... é a loucura! Eu faço alisamentos há anos e não conheço técnicas melhores do que as do Brasil. O cabelo fica uma seda, derrete de tão liso! Amo!
Dica: Escolhe um cabeleireiro 'de bairro', de preferência recomendado por alguém. Os salões chiques de shopping, de condomínio privado, etc... são uma fortuna e a mesma cabeleireira que atende lá, atende nas folgas no salãozinho pobrinho de bairro. O produto é o mesmo, a profissional é a mesma... só não tem os luxos e o nome famoso do salão caro. A minha prima me recomendou um salão que ficava no cú do mundo, vocês não imaginam a minha cara quando cheguei lá. Fiquei hospedada na Barra da Tijuca, apanhei um Uber até Vargem Pequena (onde ficava o salão), um lugar cheio de mato, parecia uma favelinha melhorada... mas quando vi a fila de gente para o salão e as mulheres saindo de lá com cabelos ma-ra-vi-lho-sos, nem liguei para o local. Era aquele mesmo! Fiz uma Escova Inteligente com Nanoqueratina e saí de lá maravilhada. Paguei 140 reais (cerca de 40€) com a garantia de um cabelo incrível por 4 meses. No BarraShopping, o mesmo alisamento custava 350 reais, então... valeu a pena :)

(4) Biscoito de Polvilho na Praia? Siiim!: As argolinhas de biscoito de polvilho nas praias estão para os cariocas como as bolas de berlim na praia estão para os portugueses: são um ícone! E são deliciosas! A marca mais tradicional é O Globo (existe na versão doce e salgada) e custam de 3 a 5 reais cada pacote. Dissolvem na boca, são levíssimas, salgadinhas... amo!
Dica: Quer trazer essa iguaria para Portugal? Já existem os biscoitos de polvilho em embalagens plásticas fechadas (os saquinhos vendidos na praia são em papel e não são fechados, apenas 'enrolado na borda'). A versão 'em saquinhos plásticos' é vendida em lojas de rua, não nas praias.


(5) Come uma coxinha com recheio de catupiry: A coxinha é, provavelmente, o salgado mais famoso do Brasil. É uma delícia: um salgado em forma de gota, com massa frita, recheio de frango desfiado e molho de queijo fundido (o abençoado catupiry). A melhor que já comi foi essa da foto, valeu cada centavo que paguei (6 reais por uma coxinha, eu achei caro) mas que delícia! Elas são vendidas por toda a cidade e os preços variam dos 3 aos 6 reais.
Dica: Confirme sempre com o vendedor se a coxinha tem mesmo recheio de catupiry. Algumas são só com frango (também são boas mas não é a mesma coisa), mas as verdadeiras são com queijo fundido!

(6) Visita o Museu Imperial de Petrópolis: Petrópolis tem esse nome engraçado (o meu marido diz sempre que fomos em 'Patópolis') mas é um encanto de cidade: pequenina, na região serrana do Rio, clima fresco e bem geladinho... um amor de cidade. Para além disso, ela abriga o Museu mais incrível do Rio de Janeiro: O Museu Imperial! Sim, a casa da Família Real quando ela se instalou no Brasil, recém-chegada de Portugal :) Eu amo História e, confesso, tenha uma queda por D. Pedro I (se pudesse escolher 5 minutos de conversa com algum personagem histórico, com certeza seria ele). Adoro tudo o que for relacionado com o tema e não poderia deixar de recomendar esse Museu. Já lá fui várias vezes e dessa vez fiz questão de voltar. Aquele lugar é mágico: as coroas que D. Pedro I e II usaram estão lá, o trono onde sentavam, a cama onde dormiam, a caneta de pena com a qual a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea e acabou com a escravidão está exibida lá... Tudo tão incrivelmente preservado que parece mesmo uma viagem ao passado. Foi o Museu brasileiro mais visitado em 2016 e realmente, quando eu fui estava cheio de estrangeiros.
Dica: Se estiver com tempo, opte por ir ao Museu durante a semana porque aos fins-de-semana ele está sempre cheio e como não é permitido entrar com calçado lá (temos que usar umas pantufas próprias do Museu) para preservar o chão original, as pessoas andam bem devagar porque o raio das pantufas escorrega como tudo... e com isso, o Museu fica lotado de gente andando devagarinho lá dentro. Os ingressos custam 10 reais e dão acesso ao interior do Museu e Jardins.

(7) Para as apaixonadas por Melissa: Eu não sou a maior fã de sandálias Melissa (gosto de alguns modelos, a maioria me parece mega piroso) mas sei reconhecer que apesar de serem 'de plástico', são só o plástico mais confortável da vida! Macio, cheiroso, dá vontade de não tirar mais do pé. Cá em Portugal já existe Melissa há tempos, até existe uma loja simpática no Colombo, em Lisboa. Mas os preços... não têm nada a ver. São bem mais caras do que no Brasil. O mesmo modelo que lá custa 90 reais (cerca de 28€) por cá custa 75€. Espreitem o site na versão Europa e na versão Brasileira e caiam para o lado. Por isso, se gostam de Melissas, aproveitem para as comprar pelo Brasil. Valem a pena!
Dica: Procure a loja da Melissa (chamada de Clube Melissa) mais próxima do seu hotel e tente descobrir se vão ter algum evento de personalização nos dias em que estiver na cidade. Eu apanhei um desses eventos no shopping Via Parque, falei com a designer, indiquei um tema "adoro viajar!" e ela pediu-me que fosse dar uma volta que em 20 minutos a minha sandália estaria pronta. Quando vi, foi amor à primeira vista. Desenhada à mão, com desenhos únicos que são a minha cara! O serviço é gratuito.

(8) Caminha no calçadão: Eu adoro o clima do Rio! Acho que poucas cidade se comparam ao Rio de Janeiro nesse aspecto. O facto de poder caminhar pelo calçadão, numa paisagem de tirar o fôlego, sob um calor de 30 e poucos graus... com vários quiosques com Matte, Guaraná Natural, Açaí, Água de Coco geladinha... é um pequeno paraíso. Seja no Calçadão de Ipanema, Copacabana, Icaraí ou Barra da Tijuca, qualquer um vai te deslumbrar. Aposto!
Dica: Os calçadões mais turísticos (e perigosos) são os de Copacabana e Ipanema... nos dias em que estive no Rio vi no Jornal várias notícias de assaltos a turistas e como sou cagona, preferi caminhar no Calçadão da Barra da Tijuca, era só abrir a porta do condomínio e atravessar a rua. Achei super seguro :)

(continua... na parte II)

Se tiverem alguma dúvida sobre o Rio de Janeiro - e se eu souber explicar - sintam-se à vontade para perguntar o que quiserem nos comentários. Mi casa, su casa :)
SHARE:

8 comentários

  1. Anne, é seguro andar por lá com a câmera fotográfica ao pescoço? Estou a planear ir com o meu marido (que é fotógrafo) e ele pretendia levar alguma parte do material fotográfico profissional. Achas que há problema?

    Obrigada, adorei o post e já apontei várias dicas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peço desculpa a intromissão, mas não posso deixar de comentar. Não levem nada à vista! Máquina fotográfica ao pescoço é suicídio. Ter sempre muito cuidado com os telemóveis, é a maior perdição dos larápios por lá. Como se costuma dizer: chinelo no pé, bikini e andor. O resto: tudo escondido e usar com descrição. E mesmo assim...

      Eliminar
    2. Como a Muñeca bem disse, o melhor é não ir com nada ao pescoço (nem fios, nem câmeras, nem nada...). O menos é mais no Rio :D

      Eu não levei a minha câmera, levei antes a GoPro e o telemóvel, sempre são mais discretas.

      Um conselho: evita tudo o que dê nas vistas.

      :****

      Eliminar
  2. Fui ao Rio de Janeiro pela primeira vez no reveillon e adorei! O único (grande) defeito é a insegurança. Cidade muito maravilhosa e só não foi engordativa porque andávamos km na torreira do calor todos os dias :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma cidade linda, de sonho. Mas tem o (grande) inconveniente de ser muito perigosa, eu andava sempre sobressaltada. É uma pena... Que bom que gostaste! :D

      Eliminar
  3. Anne, como especialista em cuidados estéticos, queria perguntar qual a opção de manicure que usas (gel, gelinho, verniz gel) e qual a menos nociva para a saúde das unhas. Obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ohh quem me dera ser especialista em cuidados estéticos hehehe
      Sou curiosa, leio muita coisa, aprendo muito mas não sou pro :D

      Eu utilizo Gelinho, penso que é o menos prejudicial. Usei unha de gel durante anos mas estraga imenso as unhas e neste momento o mais prático (e menos prejudicial para mim) foi o gelinho.
      Um beijinho

      Eliminar
  4. Que dicas incríveis, quero muito conhecer o Rio :O Obrigada pela partilha tão boa :)
    P.s. Há uma loja melissa no STRADA, em Lisboa, que tem preços muuuuuito mais simpáticos ;)
    Beijo

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig