16 junho 2017

Momento vergonha-alheia do dia:

Fui ao supermercado e enquanto passeava pelos corredores, lembrei-me que o sal fino tinha acabado lá em casa. Como eu troquei todo o sal (fino e grosso) por sal rosa do Himalaya (só tenho a dizer maravilhas: adeus cãibras matinais, adeus retenção de líquidos, adeus pernas inchadas... é amor pra toda a vida!), decidi perguntar a uma funcionária se eles vendiam esse tipo de sal (que por norma só encontro nos supermercados Brio). A funcionária lá me explicou que ainda não têm deste sal mas que já vários clientes pediram e que provavelmente estará para breve. E o que a pessoa aqui diz?

"Ah, tá bem, valeu!"

Não sei se foi por a funcionária ser brasileira, não sei se foi por ter voltado do Rio de Janeiro fez agora uma semana, não sei... mas saiu-me assim tão naturalmente, que eu só me queria enfiar embaixo de uma prateleira qualquer. Valeu? A sério, Anne? Ninguém merece...

(desta vez está difícil de me desgrudar do sotaque carioca... É sempre assim, se fico no Brasil mais de duas semanas, está o caldo entornado. Demoro séculos a voltar a falar no meu português à la Ricardo Pereira - nem carne nem peixe, uma coisa assim meio indefinida. Mas volto! :)
SHARE:

1 comentário

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig