26 julho 2017

Imediato, pra ontem, já!

Sou uma pessoa naturalmente agitada. Odeio estar sem fazer nada (quando não tenho, invento), há anos que não sei o que é tirar férias para descansar (tiro férias sempre com um bilhete de avião na mão - e viajar para mim nunca é sinónimo de 'papo pro ar', salvo raras excepções). Não sei, acho que o tempo é mesmo algo tão precioso que cabe a nós direccionarmos os nossos  interesses e prioridades. Por isso gosto de optimizar ao máximo o meu tempo.

E isso me leva ao real motivo desse post: eu não sei esperar.  Tenho notado em pequenas coisas, é um facto que sempre odiei esperar, detesto perder tempo com coisas insignificantes (nem sei como ando nisto dos blogs), mas ultimamente tenho tomado várias decisões na tentativa de 'esticar' o tempo.

Eu gostava muito de ser uma pessoa calminha, que faz tudo com paciência, que consegue esperar para fazer as coisas (eu não consigo, mesmo!). Eu sou a pessoa que contratou um pintor para pintar todo o apartamento e como ele só podia no outro fim-de-semana, agarrei eu mesma em tintas, pincéis e rolos... e pintei em dois dias um T2+1 inteirinho. Eu não sei esperar! Dá-me urticária. Se peço algo para um colega de trabalho e ele me responde "agora não consigo, pode ficar para amanhã?", o mais certo é eu virar a noite na empresa até ter aquilo feito. É uma merda ser assim, parece que o nosso cérebro nunca descansa, nunca relaxa... Temos que estar sempre a fazer alguma coisa, não sabemos estar quietas, é uma coisa!

Eu já me habituei a ser assim, mexida, mas o meu marido sofreu um bocadinho com esse meu lado elétrico. Ele é todo 'peace and love', todo nas calmas... e eu sou o furacão. A minha mãe costuma dizer que o dia em que eu ficar grávida, vou dizer "tenho mesmo que esperar 9 meses para ver o puto? Não sei se consigo, não dá para ele nascer logo aos 3 ou 4 meses?" :P A verdade é que gabo a paciência de algumas mães em esperar 40, 41 semanas... por mim a partir das 36 semanas (que é quando supostamente a criança já não corre riscos) já pode nascer. Aliás, isso de esperar entrar em trabalho de parto, romper as águas e aguardar 57 horas até a criança nascer... é algo que não quero para mim. É, aliás, a única certeza que tenho nisto dos partos: quero uma cesariana eletiva, com data e hora escolhida por mim, com todo o tipo de analgesia que eu tiver direito (que a minha tolerância a dor é totalmente nula), basicamente quero entrar no hospital pelo meu próprio pé, descontraída como quem vai à Zara trocar umas calças, quero ser totalmente anestesiada (até podem me dar anestesia geral que eu não refilo), quero que saquem o puto cá para fora sem grandes carnavais e que eu saia da maternidade fresca e fofa, totalmente sedada e sem pingo de dor, com um bebé gorducho ao colo. Exageros à parte, o meu parto de sonho era algo assim: rápido, indolor e agendado.


Tenho tentado ser mais paciente (a paciência é algo que dá para exercitar) porque quero abrandar um bocadinho o ritmo, ter mais calma, ser mais ponderada e equilibrada nas minhas escolhas... É certo que tenho tido mais tempo para fazer as coisas que gosto mas ainda assim, gostava mesmo de ser mais tranquila e não tão ligada à corrente.

Mais alguém assim deste lado? Partilhem as vossas dicas, please!
SHARE:

25 comentários

  1. Anne acho que quando engravidar muitas das suas ideias vão mudar, porque aí o mais importante vai ser a criança, e inteligente e interessada vai começar a ler estudos, e filosofias, e vai mudar muita coisa.
    Dê tempo ao tempo, não defina já o que quer, deixe a maternidade mostrar.
    Beijinho e estou sempre à espera dum post de bebê a caminho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, talvez... Muita gente me diz isso mas eu tenho pavor de partos desde criança, sempre ouvi histórias tenebrosas e sinceramente, se puder passar ao lado dessa experiência, vou agradecer muito :)

      Mas é claro que na altura vou pesquisar, falar com quem entende do assunto, analisar melhor... isso é o que digo agora. Nunca se sabe :)

      Quanto ao bebé, estamos a pensar seriamente no assunto. :D
      Um beijinho

      Eliminar
  2. Olá!! Eu sugiro pratica de yoga!! A mim tranquilizou-me... mas não "corrige" traços de personalidade! Mas ajuda!
    Sofia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Sofia! Obrigada pela dica, vou pensar nisso. Nunca experimentei Yoga, pode ser que me torne mais zen e calminha. Quem sabe?
      Obrigada!

      Eliminar
  3. Eu sou bastante parecida, talvez um pouco menos elétrica, mas assim como descreves. Quero tudo para ontem, não tenho paciência para esperar (nem para nascer esperei o tempo devido :p ), gosto de pôr mãos à obra assim que penso nas coisas. Mas não pode ser. Não podemos viver assim. Tem-me ajudado muito partilhar a vida com alguém que é precisamente o oposto. O meu namorado tem sempre tempo para tudo. Se, por um lado, quando o vejo a fazer coisas me irrita profundamente aquelas calmas, aquele quase pedir licença a um braço para mexer o outro, por outro lado, quando estamos sem coisas para fazer já me sabe bem estar realmente parada sem fazer nada, nem que seja só olhar para o teto por uns minutos. Tenho aprendido com ele a ser mais calma e isso é bom. Mas quando se trata de pôr mãos à obra, sou rápida, não quero perder tempo, detesto calmaria na hora de trabalhar e ando sempre a pensar nas próximas coisas para fazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai ai, mais uma para se juntar à equipa das apressadinhas :D
      Tem razão, ajuda imenso termos alguém que é o nosso 'ponto de equilíbrio' e que nos ensina a abrandar, a ver o mundo com mais calma e paciência.

      Eu às vezes tenho a sensação que enlouqueço o meu homem hahahaha mas depois passa, ele tem um poder incrível de me acalmar :D

      Eliminar
  4. Eu também sou um bocado assim, embora não ache que isso me faça optar por escolhas pouco equilibradas ou ponderadas, uma vez que penso sempre bastante e antecipadamente sobre tudo e pondero bem todas as opções. A questão é que tenho de estar sempre a pensar/ponderar alguma coisa! Tenho sempre alguma viagem programada e muitas vezes ainda nem a fiz e já estou a programar a próxima. Tenho de ter sempre "something to look forward to" (como uma vez uma amiga estrangeira me disse). Sou um bocado eléctrica e gosto de estar sempre a fazer coisas, sei que isso é bom no sentido em que raramente me esqueço de algo, programo as coisas com tempo e quando chega a hora de as fazer não tenho de tratar de nada à última hora, corre sempre tudo bem (viagens, eventos, etc), mas faz-me andar sempre num estado constante de ansiedade, especialmente porque tudo na vida depende de outras pessoas e a maioria não anda no mesmo ritmo que eu e isso frustra-me. O meu marido também é muito mais calmo e eu tento aprender com ele e relaxar mais, viver mais o momento, sem estar sempre a pensar na coisa a seguir e poder deixar-me resolver as coisas com espontaneidade, em vez de planear tudo ao mais ínfimo pormenor. Por exemplo, eu já lhe fiz várias surpresas e é super fácil porque ele é super distraído e nunca pensa muito nas coisas a longo prazo. A mim é super difícil e eu mesmo sem querer acabo por descobrir quando ele me está a planear qualquer coisa, porque estou sempre com a cabeça a mil e reparo em pequenas coisas, começo a pensar sobre elas, a colocar hipóteses e rapidamente chego lá! Gostava de ser menos assim e dar mais azo a essa surpresa na minha vida. Os meus pais também são assim um bocado ansiosos, por isso acho que tirei isso deles. Não sei, acho que o ideal é não deixar isso consumir as nossas vidas (e não deixo), mas também não sei qual o truque para melhorar ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que eu achei que estivesse sozinha nessa 'luta' da pressa e afinal tenho aqui muita gente que me compreende ;)

      É cansativo ser assim (eu que o diga) especialmente em situações onde as pessoas parecem que têm todo o tempo do mundo (eu morro de tédio em repartições públicas, apetece-me abanar os funcionários e dizer: ei, acorda, despacha-te!), detesto gente que anda devagar à minha frente, gente que dá muita volta para contar as coisas (fala logo, porra!), é um stress constante, parece que somos ligados a pilha, não é?

      Tenho tentado contrariar essa maré e relaxar mais... Não é fácil mas não desisto. Compreendo perfeitamente o teu comentário, a mim acontece exactamente o mesmo.
      Um beijinho

      Eliminar
  5. Sou exactamente igual. E o meu namorado também sofre um bocadinho com isso, porque ele é muito mais calmo. Eu se acordo cedo ao fim-de-semana já não consigo estar na cama e quando me levanto será que vou para a ronha para o sofá? Nada disso! Vou arrumar a casa, limpar, lavar roupa, tratar de tudo e mais alguma coisa. Raramente consigo estar sossegada e também estou sempre a inventar novas coisas para fazer. Mas o pior é mesmo isso que falas, também eu não sei esperar. Enerva-me toda a espera de ver as coisas a acontecer. Quando comprei o meu carro tive de esperar quase 1 mês para o ter e todos os dias ficava com menos paciência para esperar. Mas não gosto de viver sempre à espera do dia de amanhã ou da semana que vem, por isso acabo por ter de relaxar à força — tem mesmo de ser! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahaha essa do acordar cedo já é um clássico cá em casa! Se eu acordo, ninguém mais dorme. Para já, o meu marido tem o sono levíssimo e mal me levanto da cama, o homem abre o olho. Aos fins-de-semana é quando me apetece dormir menos e já acordo a fazer mil coisas em casa, é a loucura.

      Eu gostava muito, de verdade, de ser calma, tranquila, o tipo de pessoa que espera o tempo das coisa... enfim, essa não sou eu.

      Eliminar
  6. Ser Mãe é aprender a navegar no mar.. e aprender a esperar.. a aguardar.. :)


    Um aparte: um bebé não chega a termo as 36 semanas, mas sim as 37 semanas. Ainda assim, a DPP pode ser geralmente mal calculada, e um bebé que nasça as 37 semanas, pode nascer com uma idade gestacional real de 35 semanas, o que é considerado um bebé prematuro, com as complicações que daí podem advir. :)

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, por isso é que ainda não fui mãe. Ainda não aprendi a esperar :D

      Quanto aos bebés, realmente achava que era às 36 semanas mas tudo bem, ainda tenho tempo para aprender essas coisas, obrigada pela correcção.

      Um beijinho

      Eliminar
  7. Anne,

    Lê pfv mais sobre cesarianas eletivas e sobre os riscos, enormes, que existem. Para Mãe e Bebé. Um parto com inicio espontâneo só te indica quando é que o teu bebé está efetivamente e fisiologicamente pronto para nascer. E por ser natural e espontâneo não tem de ser naturalmente lento e doloroso. Geralmente, é dos mais rápidos que existem. O meu foi um e a dor foi perfeitamente suportável - para mim. E com direito a uma recuperação relâmpago. Quando chegar o teu momento, aconselho-te um curso da Bionascimento: o nascer saudável. Sei que cuidadosa como és com tudo na Vida, ganharás um novo cuidado com este momento, e o receio que tens será trabalhado e eliminado, através da informação que irás reunir. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já li imensas coisas, já vi documentários, séries, etc... Mesmo com tudo o que implica, PARA MIM, continua a ser a melhor (se não a única) solução. Epá, a cena do parto normal não é para mim, arrepio-me toda a pensar nisso. Acho que tinha um AVC logo ali na sala de partos, Deus me livre!

      Quando estiver grávida tenho o dever de buscar mais informação e falar com quem é de direito mas duvido muito que vá mudar de ideias. É algo enraizado, desde pequena tenho essa fobia a sentir dor e depois de ver a minha mãe fresca e fofa após 3 cesarianas... é mesmo isso que quero :)
      Obrigada pela ajuda :**

      Eliminar
    2. Anne, a recuperação dos partos normais é muito mais rápida que numa cesariana.
      Para alem de que existe a opção de parto normal com epidural, em dores.

      Eliminar
    3. Pois eu tive dois filhos. No primeiro parto, quis ter um natural, proque achava que era o melhor para o bebé e que a recuperação seria melhor. Era o que lia e me diziam nas aulas de preparação para o parto. Contudo, correu tudo mal. Sofri 14 horas para terminar numa anestesia geral. No segundo, marquei uma cesariana, tive um parto maravilhoso em que pude ver a minha bebé mal nasceu e uma recuperação fantástica. Portanto, fazes muito bem planear o teu parto se tiveres total confiança na Obstreta que te seguirá na gravidez. Um beijinho

      Eliminar
  8. Estava a ler-me nas suas palavras. A mim e ao meu marido. É que sou isso mesmo, impaciente, não paro e quero tudo para já mas ele é o inverso, tudo no seu tempo próprio e com a calma que só ele consegue.
    É verdade que quem mais sofre com isto somos nós mesmas que temos esta característica e parece que estamos em constante rodopio mental, estado de alerta ou coisa que o valha.
    Eu tenho tentado moderar esta minha personalidade mas não é nada fácil.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que temos os nossos maridos para serem o 'ponto de equilíbrio' senão estávamos bem tramadas da vida :)

      E sim, nós sofremos com isso porque é chato estar sempre alerta, sempre a querer fazer algo, sem paciência para esperar por nada... é chato.

      Eu também tenho tentado mudar mas nem sei bem como!
      Um beijinho

      Eliminar
  9. Isso em teoria é muito assim, o pior é quando a prática nos troca as voltas. E porque falaste em gravidez, vou-te dar o meu exemplo: rastreio do primeiro trimestre com um risco de 1:23 para trissomia 21. Pelo serviço nacional teria que esperar cerca de 1 mês para confirmar ou nao esse resultado. Felizmente tenho possibilidade financeira de ir para o privado mas mesmo assim há que esperar a disponibilidade médica para fazer um exame muito complexo como uma biópsia carionica que apenas meia-duzia de médicos fazem bem, depois há que esperar 48 a 72 horas pelos resultados preliminares (negativos para todas as trissomias, no meu caso, felizmente), pois depende da disponibilidade do laboratorio, finalmente mais duas semanas pelo resultado de um exame genético extremamente complexo que depende da maturação de células mas que sabes que te descansará muito a cabeça... E assim, sem contares, sem poderes fazer nada em contrário, aprendes a esperar mesmo quando achas que não sabes/consegues esperar. Aprendes que os planos são só isso, planos e que mais vale não fazermos muitos porque isso há alturas que só prejudicam as nossas expectativas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ohh que história a tua! E que felicidade de ter tudo corrido bem. Nem imagino o que será ter que 'ser forçada' a esperar numa situação destas, deve ter sido muito complicado... Eu acho que dava mesmo em doida porque para mim é muito difícil gerir esperas, ainda por cima destas esperas em que o peso da resposta conta e muito.

      Fico feliz por tudo ter dado certo para ti :) Um beijinho

      Eliminar
  10. Ahaha! Eu sou IGUAL!!! É horrível! Para mim o amanhã é longe demais! Não consigo esperar! Sempre pensei que quando ficasse grávida ia ser assim como que descreveste mas para minha surpresa às 8 semanas de gestação vi-me presa a uma cama em repouso absoluto sob risco de perder o bebé e aprendi a esperar. Entretanto veio o destino e ele nasceu às quase 42s de gravidez! Eu já desesperava ansiosa que ele nascesse mas queria provar a mim mesma que ia conseguir aguentar sem induzir ou cesarianas. Como se o destino já não fosse suficiente, ainda estive 34h em trabalho de parto e lá veio ele, o meu grande amor. Não espero por nada nem por ninguém, mas por ele valeu a pena. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que história linda! Por amores assim, que nos preenchem a vida, vale a pena esperar ;)
      Que bom saber que há histórias destas, com finais felizes apesar da espera e dos sustos!

      Um beijinho :*

      Eliminar
  11. O unico erro deste texto é que mesmo que seja uma cesariana eletiva a recuperacao é lixada. Sao duas semanas muito duras ( experiencia propria), o parto se for natural doi na hora mas sais da maternidade pelo teu pé! e andas bem quase no dia seguinte, ja a cesariana nao é de todo o mesmo! um beijinho.

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig