30 julho 2017

Vamos falar de... dinheiro?

Sim, leram bem. Este é um post sobre dinheiro. Falar de dinheiro é sempre um bocadinho constrangedor, admito. Se falamos muito abertamente (com valores e toda essa riqueza de detalhes) acabamos por melindrar alguém que talvez não tenha os mesmos parâmetros e que pode acabar por sentir que estamos a menosprezá-lo. Sim, minhas amigas, o dinheiro tem esse poder sobre algumas pessoas. Ficam muito incomodadas se sabem que alguém ganha mais do que elas, se sabe que alguém tem um carro melhor que o delas, uma casa maior, enfim... o costume na nossa sociedade.

Por isso evito o assunto e esta é a primeira vez que vou falar abertamente sobre o tema no blog. Porque achei que era preciso, porque vejo/leio por aí muita coisinha que me faz confusão, muita gente a comentar sobre o que não sabe e a achar que eu encontro dinheiro em árvores ou que tenho uma qualquer máquina que me imprime notas de euro durante a madrugada. Não, dinheiro não me cresce das árvores e ao contrário do que parece (sim, preparem-se para rir) eu acho que o segredo de ter sempre 'dinheiro para tudo' (como já várias vezes comentaram) é fazer uma boa gestão financeira dos meus recursos. Okay, vindo de alguém que é bastante consumista (assumo-o sem problemas) isso pode soar até irónico, mas acreditem, é bem verdade.

E por ser verdade, decidi partilhar com vocês um pouco da minha gestão financeira, do meu custo de vida e daquilo que faço para sempre conseguir ter dinheiro de parte para gastar nas coisas que realmente me dão prazer (compras, restaurantes e viagens, não exactamente por essa ordem). Vivo em Lisboa (Oeiras), somos apenas eu e o meu marido, ainda não temos filhos nem animais domésticos, logo, o nosso custo de vida é incrivelmente reduzido (especialmente se pensarmos que vivemos a 15 minutos do centro de Lisboa). Ressalto também que não temos empréstimos de qualquer espécie, nem temos vícios daqueles que exigem investimento diário de dinheiro (tabaco, álcool, cafés, apostas, etc).


--» Apartamento T2+1 (arrendado): 400€ 
Originalmente a renda era 475€ mas fizemos uma proposta de pagar 12 meses de renda em antecipado (era Verão e o meu senhorio queria ir de férias à grande) se ele fixasse a renda mensal nos 400€. Fomos audaciosos, ele tinha outras duas pessoas interessadas na casa mas cresceu-lhe o olho pelo dinheiro todo antecipado... e aceitou a nossa proposta. Já cá estamos há 3 anos e nunca houve aumento de renda (de salientar que pagamos rigorosamente a renda a dia 1 e mantemos o apartamento impecável, pelo que ele provavelmente sabe que não será fácil encontrar outros inquilinos como nós - daí que não suba a renda).

--» Água: 22€
Normalmente a nossa conta de água ronda os 18/22€, que eu acho ridiculamente barato considerando que tanto eu como o meu marido tomamos 2 banhos por dia e ao fim-de-semana fazemos limpeza da casa de raiz (e eu gasto imensa água porque sou maníaca por limpeza e tenho sempre que lavar tu-do!).

--» Luz & Gás: 45/50€
Temos contrato com a GALP On e pedimos a factura unificada da Electricidade e do Gás, porque tivemos direito a um desconto mensal. Para além disso, temos tarifa bi-horária (aos fins-de-semana e noites é mais barato), pelo que eu deixo o sábado para fazer máquinas de lavar roupa, passar a ferro e aspirar a casa (durante a semana varro com vassoura e passo a esfregona). Saliento que temos vários electrodomésticos ligados ao mesmo tempo (tv na sala, tv no quarto, ipad, 2 portáteis, etc) e muitas vezes eu estou a ver séries no quarto e ele na sala a ver futebol... mesmo assim, acho que a nossa conta é super equilibrada. Ah, e agora com o verão dormimos todos os dias com a ventoinha ligada no nosso quarto (estou morta por um ar condicionado mas implica partir paredes e a casa não sendo minha....é complicado).

--» Tv, Internet, Telefone: 28,99€
Temos contrato com a ZON há três anos e inicialmente pagávamos 35€ mensais mas assim que terminou a fidelização eu fiz um 'teatrinho' ao telefone a dizer que ia para a Vodafone porque queria pagar menos de 30€. A solução que me propuseram foi um pacote com 165 canais, 120M de internet, telefone fixo com chamadas ilimitadas e 6 meses com todos os canais Telecineà borla... durante dois anos, pelo valor de 28,99€, com box HD de gravação. É claro que aceitei :)

--» Telemóveis: à borla.
Tanto eu como o meu marido temos os nossos telemóveis com planos pagos pelas empresas, com chamadas ilimitadas para todos os números, SMS e internet à disposição (na verdade, há um plafond mas nunca chegámos a estoirar).

--» Carro: 22€ de seguro + 80€ gasóleo
Só temos um carro (que foi comprado à pronto pagamento) e cujo seguro mensal fica uma ninharia. O nosso carro é super económico e gastamos cerca de 20€ por semana (na verdade, colocamos sempre 24€ mas os outros 4€ são no Cartão BP do Pingo Doce), se só andarmos pela cidade. Quando fazemos escapadinhas de fim-de-semana obviamente o valor com combustível aumenta.

--» Seguro de Saúde: 77€
O meu seguro de saúde é com a Tranquilidade e pago um dos mais caros por ter cobertura completa de partos (cesariana eletiva, por exemplo), dentista e cobertura de 1 milhão de euros em caso de doença grave (tenho histórico de cancros na família) que cobre tratamentos experimentais em quase todos os países da U.E. Acho uma fortuna o que pago por mês mas só assim me sinto minimamente segura. O meu marido tem seguro com a Médis, também é dos mais completos mas é pago pela empresa onde ele trabalha.

--» Cartões de Crédito: o que gasto, pago.
Temos dois cartões de crédito (Amex e Visa) que utilizamos todos os meses em praticamente tudo o que compramos: supermercado, shopping, restaurante, viagens, etc... porque nos dá milhas para trocar por bilhetes de avião. No final do mês fazemos o Pagamento Pontual daquela utilização mensal e zeramos o plafond, nunca deixando transferir o montante de um mês para o outro. Não pago qualquer juros (o meu banco é o Millennium e só se paga juros após 60 dias em dívida com o cartão).

--» Alimentação: entre 200€ a 250€
Neste item não gostamos de poupar, adoramos comer bem! Fazemos compras uma vez por semana (habitualmente) e por semana é normal gastarmos entre 50 a 60€. O meu supermercado de eleição é o Pingo Doce (adoro o folheto das promoções!) mas por vezes compro algumas coisas no Lidl (especialmente artigos que só encontro mesmo lá). Levo para o trabalho a minha marmita (agora quero ser fitness, vamos ver até quando) e normalmente é o que sobra do jantar. Quando não sobra, almoço uma baguete e complemento com uma sopa (5€ o menu) ao pé do meu trabalho, mas é raro, tenho evitado comer na rua. O meu marido é extremamente carnívoro, razão pela qual acabamos por gastar sempre um bocado mais no mercado: comemos carne em excesso (e não comemos carne de porco - por razões pessoais). Só comemos peixe, aves e carne de vaca. 

--» Empregada de Limpeza: 6€/hora
Durante dois anos tivemos uma empregada de limpeza que vinha todos os dias da parte da manhã e fazia o almoço. Cobrava 6€/hora e no final do ano passado disse-nos que iria subir o preço para 7€ e eu repensei a necessidade de ter uma pessoa todos os dias em casa. Sai caro e com alguma organização, dava para eu e o meu marido repartirmos melhor as tarefas. Entretanto combinei com a empregada de limpeza da minha mãe e ela agora vem duas vezes por semana cá em casa para fazer a limpeza mais pesada: cozinha, casa-de-banho (odeio lavar essa divisão, Deus me defenda!), janelas, rodapés e tratar da roupa. É um dinheiro bem investido, esse. Não há nada melhor do que chegar a casa após um dia de trabalho e encontrar tudo limpinho e cheiroso! Melhor que isso, só quando encontramos uma nota de dinheiro perdida dentro da mala :D

Não vou falar em salários (o post já está bastante detalhista, vamos tentar manter alguma privacidade) mas posso vos dizer que o meu salário é mais que suficiente para pagar todas essas contas acima e ainda sobra uns trocos. Já vos disse que o meu marido ganha o dobro do que eu ganho, por isso, conseguem perceber quanto dinheiro nos sobra todos os meses... (vá, também não é tudo isso porque entretanto eu sempre me encarrego de gastar em coisinhas) mas quero com isso dizer que, se eu quisesse (mas não quero - atenção) poderíamos viver perfeitamente todos os meses apenas com o meu salário, colocando na Conta Poupança o salário do meu marido.

É claro que eu não poderia comprar tanta coisa, nem comer todos os fins-de-semana em restaurante, nem viajar de três em três meses (como fazemos), nem tanta coisa... coisas que não quero abrir mão. Então, colocamos um bom dinheiro de parte todos os meses mas não tanto como eu conseguiria se me armasse em modo 'nada-de-compras-por-um-ano'. Atenção: Estou a falar apenas das contas básicas e fixas que são 'obrigatórias' todos os meses. Não falei, por exemplo, em compras de roupa, calçado, diversão (cinema, teatro, passeios, restaurantes), foquei apenas nos custos fixos.

Muita gente acha um absurdo nós não termos um 'carro do ano' ou 'casa própria' visto que estamos ambos efectivos, não temos dívida e sobra-nos sempre dinheiro ao fim do mês mas a verdade é que somos avessos a créditos e gostamos de ter essa margem de segurança caso algum dia a coisa dê para o torto. Tenho a noção que poderia encurtar ainda mais as despesas fixas se por exemplo, vivêssemos num T1 (somos apenas 2 pessoas) e não num T2+1 com closet e escritório. Poderíamos não ter carro e utilizar os transportes públicos, se realmente quiséssemos entrar em modo 'poupança extrema'. Mas ter uma casa minúscula e andar a pé, para mim, não faz sentido visto que trabalho para isso mesmo: ter conforto. Então, enquanto conseguir ir poupando a nossa 'meta mensal' para pôr no banco, estou satisfeita.

Ah, e queremos bebés, por isso convém juntar mais qualquer coisa antes de mandarmos um email à cegonha. Parecendo que não, a vida com filhos é tooodo um mar de despesas que uma pessoa tem que ter em conta: seguro de saúde, vacinas, creche particular (que já se sabe que as públicas não têm vagas), fraldas, roupas todos os meses... ai, que até me dá uma coisinha má! :P No outro dia li uma reportagem que dizia que ter filhos era o maior motivo de falência pessoal dos pais e fiquei horrorizada! A sério?

E pronto, este foi o meu breve resumo sobre os custos de vida de um casal em Lisboa (Oeiras). Espero que tenha ajudado alguém e qualquer dúvida (se eu souber e puder ajudar), a caixa de comentários está cá para isso. 



No ano passado compramos 2 cofres dos chineses, aqueles de lata que não dá para abrir, e fomos metendo dinheiro que nos sobrava ao fim do dia. Geralmente notas e no caso de moedas, apenas de 1€ e 2€. O resultado foi surpreendente! Este ano estamos a fazer o mesmo esquema, mas depositamos na Conta Poupança no banco. E vocês, que dicas boas de poupança têm para nos dar?
SHARE:

44 comentários

  1. Olá Anne. Actualmente, vivo em Londres com marido e filha bebé, mas estamos a pensar regressar para Portugal no próximo ano. A renda da casa que alugas parece bastante razoável, tendo em conta o que tenho visto online. Se não for indiscrição podes dar alguma dica sobre zona e/ou agência que usaste? Obrigada, Joana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Joana,

      Por incrível que pareça, eu encontrei o meu apartamento no OLX, através de um anúncio colocado diretamente pelo meu senhorio. Não tivemos intermediários (agências, imobiliárias, etc) e sinceramente, prefiro assim. Trato tudo com o dono, as alterações todas que entretanto já fiz, etc... Mas tenho consciência de que tive sorte, o meu senhorio é um querido!

      Dicas de zonas também não posso ajudar muito porque para mim só fazia sentido se fosse em Oeiras (pelos nossos trabalhos e residência da família), além de que adoro a zona, tenho tudo à mão, estou a 5 min da praia e com carro em 15 minutos meto-me no centro de Lisboa.

      O conselho que te posso dar é o óbvio: procura muito, em vários sites... e se gostares de algo, agarra logo: marca visita, envia mensagem... as casas boas e com rendas razoáveis desaparecem num piscar de olhos!

      Eliminar
  2. Por aqui fazemos muita coisa igual, afinal é no poupar que está o ganho 😊

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é ;) O segredo é encurtar as despesas fixas para depois sobrar sempre bastante para as despesas variáveis :D

      Eliminar
  3. Olá! Sigo o blog há algum tempo e percebo o porquê deste post. Leio muitos comentários sobre as compras e viagens da Anne. Eu por mim nada me incomodam. Relativamente à casa e não querendo saber o local exacto, tem que ser fora da zona principal de Lisboa. Moro em Benfica e nada se encontra por esse preço. Nos bairros de Lisboa é muito complicado arrendar a preços acessíveis. O meu t3 custa 650 por mês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Sandra! Eu jamais morei no centro de Lisboa, não gosto e faz-me imensa confusão as casas antigas, prédios sem elevadores, rendas elevadas... Já vivi em vários sítios mas sempre fora 'do centro': já morei em Carnaxide, Queijas, Carcavelos, Montijo (yap...) e Alfragide.

      Ninguém me tira a zona de Oeiras, adoro de paixão! No centro de Lisboa é mesmo impossível uma casa a esse preço (400€ paga no máximo um quarto c/ despesas ou um T0).

      T3 a 650€ parece-me bastante razoável para ser em Benfica (pertinho do Colombo, que perdição!).

      Eliminar
    2. Não percebi essa do "Montijo (yap...)". Qual é o mal do Montijo? T4 incríveis a 300€ a 20 minutos de Lisboa? Uma tranquilidade inigualável?

      Eliminar
    3. Não sou a pessoa mais indicada para falar do Montijo, visto que detestei cada dia que lá vivi (e ainda foram dois anos e tal). O mal do Montijo, a meu ver, são 'n' coisas que me fizeram detestar a cidade: uma ponte gigante para lá chegar (com uma portagem cara), todos os autocarros são TST (a maior merda de sempre: saltam horários e nunca passam a horas, fazem greves a torto e a direito, passes mensais caríssimos), o cheiro a bosta de vaca que emana por toda a cidade, pouquíssima oferta de comércio (sim, tem o Fórum Montijo....e só), uma cidade que apoia e incentiva touradas... er, assim de repente, de bom só tem uma coisa: a placa com destino a Lisboa :)Para mim não seria opção nem se fosse para viver num T8 a 200€. Jurei para nunca mais.

      Esclarecida?

      Eliminar
    4. Eu até digo mais. Margem sul jamé!
      Acredito plenamente que seja a solução para muitas pessoas face as rendas altas de Lisboa. Mas é só isso. Não é bonito, não tem boa reputação, não tem bons transportes...

      Eliminar
    5. Olá Anne, eu arrendei a minha casa há 5 anos e sim o preço é muito bom para a zona, com o Colombo ali ao pé bem como imensos transportes. Para mim casa sem elevador também não dá. Adoro a zona de Benfica e recomendo a todos. A zona de Oeiras também é muito agradável, mas os preços dos imóveis estão impossiveis em toda a grande Lisboa. Parabéns pelo valor da NOS, eu também tenho tentado negociar o meu, mas ainda não cheguei a esse valor. Beijinhos e tudo a correr bem.

      Eliminar
    6. No Montijo o cheiro a bosta é de porco. Ia me vomitando toda a primeira vez k fui ao Forum Montijo 😂

      Eliminar
    7. Eu não vou falar do Montijo porque pronto, realmente tem lá zonas que cheira mal xD mas também posso dizer isso de muitas zonas de Lisboa, que cheiram a mijo (o que não é relevante visto que há sitios em todo lado que cheiram mal pelas mais variadas razões)

      No entanto, só pelo trânsito que existe em Lisboa eu não gostaria de ir para lá; tem zonas muito giras, sim senhora, mas é uma confusão dos diabos, odeio aquelas estradas, trânsito em todas as direcções, secalhar sou só eu mas aquilo stressa-me.
      Reputação é discutivel, visto que Lisboa também tem os seus bairros com má reputação e seria parvo discutir qual é pior, Chelas ou Arrentela xD
      agora, em relação aos transportes, concordo, a não ser que a pessoa esteja perto de paragens de autocarro e comboio da Fertagus (que é ótima) ou em Almada com o metro lá pertinho, a pessoa pode ficar á rasca se não tiver as coisas planeadas.

      Mas é como tudo, tudo tem os seus prós e contras, vai depender do orçamento de cada um, onde trabalha, e das suas preferências.

      Eliminar
  4. Eu ainda estou a estudar mas adorei esta publicação. Muito bem! Só tenho uma questão: como é que arranjaram um apartamento assim por esse preço?! Eu quero ir para Lisboa para o ano (vou para lá estagiar) e tenho visto algumas casas mas Anne, pedem 250-350euros por UM quarto! E geralmente em casas com mais 3, 4 pessoas. SOCORRO! Algum conselho? Áreas boas/seguras mas com preços mais aceitáveis? Obrigada!! :)
    Mariana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Primeiro: Alugámos a casa há 3 anos (hoje está muuuuito mais complicado encontrar bons apartamentos a preços justos)
      Segundo: A renda era 475€ e baixou devido a termos pago mais de 5000€ à cabeça (12 meses + caução).

      Se fosse hoje, nunca teria encontrado nada a esse preço, tenho noção disso. O meu irmão desesperou uns valentes meses para encontrar um T0 e só o encontrou na semana passada, depois de meses de busca. É mesmo assim: procurar, procurar, procurar...

      Áreas boas com preços aceitáveis: Alfragide, Queluz, Cacilhas (do outro lado do Tejo), algumas zonas de Oeiras... Hoje é muito difícil porque não há um padrão de valores, é cada um à sua maneira, pedem valores absurdos, é lixado... Desejo-te boa sorte :D

      Eliminar
    2. Muito obrigada Anne!! :)

      Eliminar
  5. Vocês moram em Lisboa ou para os lados da linha de Cascais? É que 400€ por mês em Lisboa é praticamente impossível, principalmente por um T2+1...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já aqui disse várias vezes que vivo para os lados de Oeiras... Quando digo 'Lisboa' não me refiro à cidade mas sim ao distrito. Estou a 15 min do Chiado, por exemplo.

      Eliminar
    2. Lol 15 minutos levo eu até ao chiado e não é Oeiras, é mesmo do el corte inglês. Não te esqueças que até podes levar 15 min de oeiras até ao concelho de lisboa, mas andar dentro de Lisboa em hora de ponta perdes facilmente 40 minutos só no centro. Também conheço uma pessoa que se mudou para o Montijo, que segundo o google Maps era só 30 minutos até lisboa, mas todos os dias afinal demora uma hora até chegar ao trabalho.

      Eliminar
  6. Anne, rectifica lá isso, pq não é bem os custos de um casal em lisboa, mas sim um casal em oeiras. Em Lisboa pagarias pelos menos 1000€ por essa tipologia, e sabes disso pq andaste a ver casa para o teu irmão. A água depende de município para município.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando me referi a Lisboa, não me refiro ao centro, mas aos arredores. Toda a gente que segue o blog sabe que vivo para os lados de Oeiras.

      Jamais pagaria 1000€ em Lisboa (nem 500, sequer) porque não gosto do ambiente para viver. É só turistas por todo o lado, rendas absurdas, prédios velhos a cheirar mal e sem elevador... Raros são as pessoas que vivem em boas casas no centro de Lisboa e esses devem pagar uma pequena fortuna (que eu não estou disposta a esbanjar).

      A água que pago é da SMAS.

      Eliminar
  7. É mesmo uma questão de prioridades. Quando comecei a trabalhar, há um ano, decidi continuar a viver com os meus pais por duas razões: ser um contrato renovável mas sem possibilidade de ficar efetiva e querer cumprir um objetivo que requer bastante (para a minha realidade, claro) dinheiro. Ganho pouco menos de mil euros limpos e abdico de bom grado de certos confortos (demoro 1h15 a chegar ao trabalho de autocarro, por exemplo - não tenho carta e não quero ter carro; para mim o conforto neste aspeto seria viver em Lisboa a uma distância que me permitisse ir para o trabalho a pé) para conseguir poupar entre €350 a €400 por mês. Pago €145 de passe, gasto cerca de €150 em alimentação e €15 em telemóvel. Para além disto, todos os meses faço uma lista do que preciso/me apetece comprar (roupa, cremes, cinema, restaurantes, etc), e consigo sempre policiar-me e não passar do limite. Como não estou efetiva e não sei quanto tempo vou estar sem trabalhar quando o meu contrato terminar, não tenho seguro de saúde. Mas descobri o site Saúde Livre, que permite marcar consultas a um preço bastante mais baixo. Claro que isto serve apenas para consultas pontuais, que felizmente tem sido o meu caso (vou ao médico duas ou três vezes por ano, se tanto).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão, é mesmo uma questão de priorizar o que para nós é importante. Se fizermos uma boa gestão dos nossos recursos, tudo se compõe. Eu sou muito 'forreta' nos meus custos fixos, odeio começar o mês já com 'n' contas para pagar, empréstimos, dívidas... acho que me dava um fanico. Tento reduzir ao máximo (mas sem me privar de certas coisas, como é óbvio) para poder ter essa margem de manobra porque nunca sabemos o que o amanhã nos reserva.

      Fazes muito bem em economizares para o teu sonho. Um dia alcanças! Beijinhos

      Eliminar
  8. t2 +1 por 475€?! oh meu deus, em que zona da cidade vives?! eu pago 600 por um t1 minusculo!


    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na verdade, pago apenas 400€ :D

      Melhor, impossível. Como eu costumo dizer: daqui só saio quando realmente decidir comprar a nossa casinha (a prestação deverá rondar os 400€), porque casa arrendada com as condições da minha e ao preço que pago... nem em sonhos!

      Eu vivo a 3 minutos do Oeiras Parque :D Próximo de tudo, das praias, dos mercados, estação CP e Mc Donalds aberto 24h na marginal ;)

      Eliminar
  9. Desde pequena que a minha família me diz que as pessoas que enriquecem não o fazem porque trabalham imenso mas porque poupam muito! :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Eu e o meu marido temos exactamente a mesma lógica: manter os gastos fixos o mais baixos possível (renda da casa, contas, comida, transportes) para conseguir todos os meses um bom excedente que nos permita poupar e fazer face a despesas extraordinárias (como viajar).

    Vivemos só os 2 no centro de Lisboa (pagamos 600€ de renda por um t2+1, também porque o arrendámos há 4 anos, mas agora vamos comprar casa) e temos no conjunto gastos fixos no valor de 1.100€/mês, o que é um pouco menos que o salário limpo de apenas 1 de nós. Ou seja, temos um potencial de poupança mensal de cerca de 60% do nosso rendimento familiar. Por isso sobra-nos perfeitamente dinheiro para poupar, para viajar e para agora comprar uma casa praticamente a pronto, utilizando todas as nossas poupanças. Outro "truque" é ter presente esta conta dos gastos que precisamos mesmo de fazer e todos os meses, assim que cai o salário, enviar esse excedente para uma conta poupança, para estar logo "longe da vista, longe do coração" ;) fazemos o mesmo quando recebemos o subsídio de férias e o reembolso de IRS.

    No entanto, não gastamos em: tabaco, café, álcool (não gostamos de sair à noite, nem de gastar em bares/discotecas), empregada doméstica (somos só os 2 e sempre partilhámos as tarefas todas), carro (temos um já com uns anos, mas não o usamos no dia-a-dia, vamos a pé para os trabalhos, no futuro se calhar nem carro vamos ter), comer fora durante a semana (ambos levamos sempre marmita e gostamos de cozinhar, só comemos fora ao fim-de-semana e sempre em restaurantes baratos).

    Estamos sempre atentos a promoções de supermercado (tudo o que são bens não perecíveis só compro em promoção e faço stock nessas alturas) e fora disso também só compramos o que precisamos em promoções (tipo roupa só em saldos, prendas para oferecer pensamos nelas com antecedência para aproveitar promoções, etc), não somos pessoas que liguem muito a gadgets ou tecnologia (tipo telemóveis de última geração, consolas, plasmas gigantes, etc).

    ResponderEliminar
  11. Foi uma sorte encontrares uma casa decente por esse valor. Sempre vivi em Oeiras e cada vez é mais cara a nível de imobiliário ( seja aluguer ou compra).
    Também vivo pertíssimo do Oeirasparque e não pago nada comparado ao que pagas ( infelizmente :-) )

    ResponderEliminar
  12. A vossa renda é fantástica! Nós moramos em Odivelas e não conseguimos pagar tão pouco, neste momento de especulação tivemos de nos mudar porque na casa anterior o senhorio quis aumentar em 200€ a renda e nós recusámo-nos. De resto, também tentamos reduzir ao máximo aquilo que gastamos, de outra forma uma pessoa não consegue pôr nada de parte. Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Acho que agora é que os invejosos vão ficar com ainda mais inveja, querida Anne. Ahahaha.
    Eu cá adorei o post. Acredito que se pouparmos em algumas coisas e não tendo vícios (ganhando razoavelmente, claro) é possível gastar em viagens e pequenos luxos.
    Um beijinho.
    lefashionaire.com

    ResponderEliminar
  14. Estou me mudando para Oeiras (moro no Brasil) e estou procurando locais na Sapo e não acho nada menos que 850 euros (No caso somos uma família de 4 pessoas, então tem que ser um T3 no mínimo). Será normal esse valor? Porque tenho visto apartamentos melhores para comprar do que para alugar e fico na dúvida se não seria mais interessante comprar de uma vez. Há muitos impostos para pagar num apartamento próprio? Porque não vejo muita gente comprando imóvel aí, sempre vejo que as pessoas preferem arrendar...

    ResponderEliminar
  15. Por aqui posso dizer que somos um casal jovem com uma filhota de 3anos. A maior tranche do vencimento vai para o Colégio e depois para as despesas da casa (prestação +condomínio +seguros).Desde que a filha nasceu temos uma senhora que nos ajuda 3hrs por semana e coloco a roupa na lavandaria.gostamos de comer fora,é o nosso único "vicio". Perante um rendimento de 2.600 +subs de almoço em cartão posso dizer que poupar 400eur já é uma vitoria. Durante a semana não como fora, é raro beber café fora da empresa e não fumamos.sem a miúda poupavamos o dobro. Mas conseguimos amealhar uma bela quantia (pelo menos para nós, para outros será apenas tostões ).
    Adoro estes posts .
    Posso fazer te uma questão, como "invesres" as tuas poupanças? Depósitos? Certificados ? Imobiliária?

    ResponderEliminar
  16. Anne esqueceste-te do alarme, ou já não utilizas? Se já não foi por algum motivo? Pergunto porque me lembro de teres falado disso e estava a pensar colocar na minha casa, então esperava que aqui desses mais informações sobre isso (custo mensal, empresa, se compensa ou não...), em relação à galp on parece-me ser melhor que a Edp, visto que eu pagava 90€ por mês (só luz) e muito raramente estava em casa! 50€ em gás e luz é tipo um sonho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu pago 50€/mês com a EDP (gás e luz) em Lisboa! Sem tarifa bi-horária. Tenho um desconto qualquer por ter factura electrónica e débito directo. Temos lâmpadas de poupança em todos os candeeiros e raramente usamos AC ou forno, mas fazemos 2 máquina de roupa e umas 3 de loiça por semana e cozinhamos bastante.

      Eliminar
    2. Em relação a alarme os meus pais têm numa segunda habitação. Pessoalmente acho que é um descanso. A empresa com que temos contrato é a securitas direct e o custo mensal é de 30 euros. Não me recordo do valor que foi necessário para fazer a instalação do equipamento.

      Eliminar
    3. E como funciona? Tem câmaras dentro de casa ou apenas sensores nas entradas?

      Eliminar
    4. Temos duas câmaras dentro de casa e dois sensores. Quando os sensores estão activos as câmaras também se ligam.
      Temos um comando que alarma e "desalarma" a casa. Quando estamos em casa desligamos o alarme,ou seja, os sensores e as câmaras ficam inactivos. A única coisa que fica activa sempre é um aparelho que faz a ligação com a central para que possam actuar em caso de emergência.

      Eliminar
    5. Obrigada pela resposta :) fiquei esclarecida. Fazia-me confusão câmaras dentro de casa por causa da privacidade mas assim já percebi.

      Eliminar
    6. Os sensores com câmera só são accionados, isto é, só registam fotografias, quando estão ligados e detectam movimento, fora isso não. Contudo, optei por deixar esse tipo de sensores para os halls, nos quartos e sala acho mais seguro que sejam só sensores de movimento 😋

      Eliminar
  17. Este foi dos posts que mais gostei porque simplesmente nota se que existe uma organização de alguma forma coisa que a mim me diz muito estou empregada a duas semanas (ordenado mínimo) mas até à pouco tempo era apenas o ordenado do namorado que me desafiou a largar o emprego que tinha e vir viver com ele visto que a profissão dele é motorista internacional ganha a cima da médias está em média 4 semanas fora e 4 dias em casa, e só com o ordenado dele foi sempre uma questão de poupança e ginástica, não pagamos renda vivemos com os meus sogros mas de resto são 2 carros a sustentar seguros e combustível, são os telemóveis só o dele são 100€ pelo roaming e Internet, mais a alimentação dele para 4 semanas ou que de o mais possível para esse tempo (a única vez que não lhe mandei comer gastou 400€ lá fora.. Por isso é quase um atentado) mais coisas necessárias para um camião só o frigorífico pequenino de 50lt custou 515€..e na conta tem que estar sempre 600€ caso exista necessidades dele ou multas, ou seja é toda uma organização com o ordenado dele para que ele nunca fique desamparado e eu consiga também orientar me, ah e pomos sempre uma boa parte para as duas poupanças que temos uma para a casa que pretendemos construir e que já entregamos projeto a um engenheira e outra para as nossas avarias em conjunto (agora comigo a ganhar sempre é mais qualquer coisa), como faço isto? Tenho uma aplicação chamada money lover onde coloco todas as despesas fixas para ver o que me sobra e vou gerindo o dia a dia por lá, vejo tudo o que é folhetos compro em promoção e quando ele vem metade está comprado muito mais barato depois compramos apenas as coisas mais pequenas de última hora e carne e peixe e ai entram os cupões principalmente do continente, é fácil poupar hoje em dia basta é uma pessoa ter cabeça, não nos privamos de nada inclusive ele vem quer dormir uma noite fora e vamos. Mas tudo porque eu giro tudo com cabeça. Quando formos os dois motoristas (porque eu já tirei a carta de pesados) podemos ganha até 5000€ e ai provavelmente 4000€ vão para as poupanças e o resto é gerido tal e qual como fizemos até hoje.. Basta querer.

    ResponderEliminar
  18. Adoro este tipo de posts porque me faz sentir menos ave rara e nada sovina, como as pessoas acham que sou só porque sou poupada e precavida.

    Ganho cerca de 600€ (entry level, ainda sou nova na empresa), vivo ainda com os meus pais mas estou a pensar sair de casa para o ano. Até agora tive sempre empregos com poucos rendimentos, mas tudo o que podia poupava. Agora posso colocar um valor maior na minha conta poupança, claro, mas ainda assim tenho gasto muito dinheiro com coisas para a minha futura casa. Vícios não tenho: não fumo, não bebo, já não vou ao cabeleireiro todos os meses, raramente saio e não como fora ou faço esse tipo de programas que custam dinheiro (porque não é do nosso feitio sair muito, preferimos estar mais por casa ou fazer passeios ao ar livre).
    Vivo uma vidinha pacata, sem muitos gastos, mas gosto de ter as minhas coisas e de ir às compras de vez em quando. Também não me privo das coisas que gosto,não vivo para trabalhar e poupar. Mas tenho sempre atenção aos gastos, aponto tudo numa aplicação que adoro e vou gerindo a minha vida assim. Adoro promoções e é raro comprar coisas "full price". Então agora com a compra de coisas para a futura casa, tenho feito verdadeiros achados.

    As pessoas acham maluco estar a apontar o mais pequeno cêntimo que se gasta - eu acho que é fundamental, para gerirmos a nossa vida, sabermos onde gastamos o nosso dinheiro e assim conseguir poupar. Em 4 meses já consegui quase 2 mil euros em poupança (coisa que obviamente só me é possível não tendo despesas fixas), mas se não tivesse em atenção onde gasto e como gasto, acredito que teria bem menos. Depois as pessoas queixam-se que não conseguem poupar, quando na maior parte das vezes nem tentam. Gastam tudo o que ganham (e muitos o que nem têm) e nem sabem quanto gastam em despesas fixas mensais e onde podem reduzir. Para mim isso é impensável.

    Já incuti no meu namorado o hábito de apontar as despesas na aplicação, para depois ser mais fácil gerirmos o nosso orçamento conjunto, e já tem resultado em poupança pois há gastos pequenos que fazemos e nem nos apercebemos, mas quando temos que o apontar não queremos ter ali uma porcaria de 50 cêntimos a fazer mossa :)

    Em poupar é que está o ganho!

    ResponderEliminar
  19. A questão fundamental aqui é mesmo o vencimento. Poupar não conseguimos. eu ganho 600 o meu marido 800. Empréstimo e todas as contas inerentes a uma casa. 2 carros. 2 filhos , um adolescente e outro a estudar na universidade. Vivemos no Algarve, estuda em Lisboa logo é mais a renda do quarto, alimentação (embora quando vem a casa lhe mando muita comida feita) despesas dele do dia a dia. Vem a casa de 2 em duas semanas são 36€ para o autocarro. O nosso orçamento é uma ginástica tremenda!! Mês de Agosto todos os colegas da faculdade e os de cá estão agora no Meosudoeste. O meu filho está a trabalhar para ganhar algum dinheiro para ao longo do ano lectivo não nos estar a sobrecarregar e poder ir ao cinema ou comprar qualquer coisa que lhe agrade. Isto para dizer que existem várias realidades, e temos que nos adaptar a elas!! Não me incomoda nada que ganha muito e pode ter certos "luxos" Aproveitem!!!

    ResponderEliminar
  20. Anne, gostei muito deste post pq é um tema que me interessa desde que comecei a ganhar o meu próprio ordenado..
    Sai de casa para viver com o meu marido (na altura namorado) com 24 anos e sempre fomos muito organizados. O nosso objectivo era que os nossos gastos fixos pudessem ser pagos com o meu ordenado e o ordenado do meu marido seria usado para pequenos luxos (férias, por exemplo), para juntar e para investirmos.
    Estamos agora, passados 7 anos, em fase de mudar de casa para uma moradia que terá mais custos mas que é a casa dos nossos sonhos e vamos conseguir dar uma entrada de cerca de 25% do valor graças às poupanças que fizemos durante estes anos. Não fumamos, não temos vícios, nem créditos e assim se faz a vida por aqui. O nosso bebé nasceu há 4 meses e, sinceramente, ainda não me pesa no orçamento doméstico (daqui a uns anos quando entrar na escola a coisa muda de figura). Não somos de gastar mt e não tem sido diferente com o bebé, apesar que para ela fecho um bocado os olhos pq há produtos que são melhores e, por isso, mais caros, mas já estávamos a contar com isso. :)
    Bj

    ResponderEliminar
  21. Eu vivo em Évora e só tenho a dizer que por esses preços mais vale viver em Oeiras. Aqui nem cinema temos (quanto mais shopping!) e pedem 500€ por um T2. De resto anda tudo por volta dos mesmos preços. Vejam bem o que é uma cidade realmente cara! xD

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig