31 agosto 2017

Descobertas Históricas...

Ainda não tinha tido oportunidade (leia-se: tempo) de vir aqui comentar sobre o assunto mas desde a semana passada que ando a tratar de fazer a minha Árvore Genealógica e a experiência tem sido incrível! Aconselho a toda a gente que tenha curiosidade para saber as suas origens, aquela curiosidade de saber 'de onde viemos', sabem? Eu sempre adorei  tudo o que seja ligado ao passado, adoro ouvir histórias antigas sobre antepassados, é coisa que me deixa super emocionada (não me perguntem o motivo). Adoro as histórias de imigração que desde sempre existiu na minha família (o avô paterno viajou para o Brasil num navio de carga que saiu da Turquia, a minha bisavó materna fugiu de Viana do Castelo e foi assentar arraiais no Rio de Janeiro...). Só aventuras! Sabem como é, naquele tempo não havia cá instagram, nem wifi, nem iPhone... as pessoas tinham de se entreter com outras coisas :D

Desde que comecei a pegar na história dos meus antepassados que tenho feito descobertas deliciosas! Por exemplo, estive a investigar a Certidão de Nascimento do meu avô materno (que nasceu em Viana do Castelo) e sabem o que eu descobri? Vejam com os vossos próprios olhos:


Descobri que a minha trisavó, a distinta sra. Beatris Gonçalves.... foi mãe solteira! O escândalo? Epá, estamos a falar dos modernos anos de 1912, num vilarejo chamado Vilar das Almas que hoje (em 2017, portanto) conta com distintos 372 habitantes. Imaginem em 1912 o forrobodó que não havia de ser para aqueles lados! Se ainda hoje ser mãe solteira carrega um quê de estigma, imaginem em 1912? Quase que posso ouvir as velhas cuscas nas janelas "ô Maria, não quero que fales com aquela perdida da Beatris, mulher direita não anda por aí a engravidar fora do casamento!" - pronto, isto é a minha imaginação fértil a falar mas acho que a coisa não seria muito diferente.

Sempre achei estranho a minha bisavó Aurora (que tive a felicidade de conhecer e conviver até os meus 7 anos, quando ela faleceu) só ter um apelido. Eu tenho uma carruagem de nomes (cinco, na verdade) e fazia-me impressão ela ter um nome tão curto: Aurora Gonçalves. Hoje descobri o motivo e o mais irónico da coisa é que essa minha bisavó nunca aprovou o facto do filho (meu avô, português branquinho dos olhos claros) ter-se casado com uma brasileira morena e pobre (a gata da minha avó!). Não foi, sequer, ao casamento do próprio filho, como represália! Tanto preconceito... e vai-se a ver descubro que a mãe dela era a piriguete da aldeia hahaha. Eu posso com um negócio desses? 

(nota-se muito que estou a divertir-me horrores com os filmes e diálogos que a minha cabeça inventa sempre que descubro uma qualquer ponta solta? Adoroooo!)

Infelizmente a árvore genealógica vai terminar na safadinha da Beatris (não tenho mais nenhum elemento antes dela). Giro giro era existir um sítio onde pudéssemos ter acesso a documentos antigos dos nossos antepassados, não acham? Se conhecerem algum sítio onde eu possa descobrir mais coisas, avisem que eu ando à procura de familiares perdidos!
SHARE:

10 comentários

  1. Anne acho que não ia muito por isso da D. Beatriz ser a piriguete da aldeia...
    Podem ter acontecido outras coisas. Pode ter sido avisada e fica com o bebê na mesma, pode ter engravidado e o namorado ter falecido (tenho um caso destes na família e como teste de ADN não era coisa comum, nunca se provou que era mesmo filha do senhor que faleceu)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, quanto a ser a "piriguete" da aldeia acho que pode haver outras teorias tipo violada(até por familiares chegados ou patrões), um namorado ou alguém que ela gostava que depois não a quis a ela nem à criança, um caso com um homem casado,ou até podia viver com o pai da filha e este nunca ter registado a filha, etc...O preconceito filha dela em relação à tua avó era normal na época que corria (ainda agora existe e muito embora não se fale tão abertamente) e ele secalhar era ainda mais pela rejeição que e preconceitos que deve ter sofrido por não ter pai ou não saber quem ele era.

      Eliminar
  2. Penso que terias que ir ao registo civil pedir a certidão de nascimento da tua trisavô, mas penso que precusarias de ano de nascimento. Mas vou perguntar à minha mãe que ela também andou com essa vontade e andou a Informar-se. Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Torre do tombo? Tenho um familiar que fez a nossa AG e ainda conseguiu andar uns dois ou três séculos para trás. Fiquei com a ideia que tinha ido à torre do tombo.

    ResponderEliminar
  4. Procura na igreja da freguesia. Eles costumam ter os registos antigos de batizados, casamentos e óbitos. Boa sorte!

    ResponderEliminar
  5. Olá Anne, procura aqui: http://tombo.pt/

    A igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias também costuma ajudar. Se pedires ajuda eles dão. Têm os registos genealógicos até ao século XVI. Vê este artigo: https://www.publico.pt/2007/12/26/sociedade/noticia/igreja-mormon-disponibiliza-registos-genealogicos-ate-ao-seculo-xvi-1314843

    Também podes tentar online aqui: https://www.familysearch.org/hr/search

    Beijinhos,

    Marlene

    ResponderEliminar
  6. http://tombo.pt/conteudo/como-comecar-sua-arvore-genealogica´
    Pode ser útil ;)

    ResponderEliminar
  7. Não a chames de piriguete, imagino que ela já deva ter sofrido btt ao ser mãe solteira e passou trabalhos a criar a Aurora sozinha ( só teve essa filha?) . se calhar ele prometeu-lhe casamento e dp nada e ela ficou assim de bucho cheio. Nunca se sabe

    ResponderEliminar
  8. Anne, que saudades tinha do teu blog! Nunca mais tive tempo de vir aqui... :/

    Eu trabalho um pouco com isso, adoro também, e nao tens de parar na Beatriz nao! Consegues registos ate 1600 e so "ires subindo" de geração em geração. Ou seja, primeiro procuras as certidões dos pais desse registado, com os dados deles, chegas nas certidões deles e por ai fora.
    Tens 2 sites otimos para buscas:

    http://www.cepese.pt/portal/pt/investigacao/bases-de-dados/emigracao/res_pesq_titulares

    https://www.familysearch.org/search/record/results?count=20&query=%2Bfather_givenname%3A%22Jos%C3%A9%20pedro%22~%20%2Bfather_surname%3Agi%C3%A3o~

    Viana do Castelo, onde pertence Ponte de Lima, tem inclusive os cadernos de baptsimo online, ja estou a ver que vais amar...

    http://advct.dglab.gov.pt/fundos-e-coleccoes/

    Podes ir ate la e pesquisar livro por livro, eu acho incrivel!

    Beijocas

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig