15 novembro 2017

Em busca da casa de sonho...

Ando desaparecida, sim senhor. Entre uma situação de saúde que me obrigou a estar 1 semana (!) em casa de repouso - achei que dava mesmo em maluca, não fui feita para dondoca - e estar à procura da nossa casinha de sonho, o tempo está curto. Calhou de ter ficado "de molho" em casa dois antes da viagem à Escócia (olha que pontaria, hã?) e depois da frustração inicial, aceitei que não seria desta que eu veria as Highlands e as vaquinhas de franja. Felizmente o hotel escolhido (Inverness Palace Hotel) foi mil estrelas e devolveu integralmente todo o valor da reserva (enviei o atestado de doença por email e reembolsaram o valor no dia seguinte), apesar do Booking deixar claro que "era uma reserva não-reembolsável e mesmo por motivo de saúde, cabia ao hotel a decisão final de reembolsar ou não". A Ryanair assobiou para o lado e realmente perdemos os bilhetes mas quero lá saber, também não foi nenhuma exorbitância.

Mas voltando ao assunto da casa, no mês passado fez 3 anos que vivo neste apartamento. Já foram "pro saco" 15.000€ em rendas nesse meio tempo. E eu tenho uma renda super-ultra acessível (pago 400€) mas mesmo assim custa pensar que já gastei tanto dinheiro numa coisa que não é minha, que não posso fazer alterações estruturais (e o raio do bidé, que continua a olhar para mim todo santo dia), enfim... não dá mais. Chega. Quero mesmo comprar a minha casa e pôr tudo ao meu gosto.

Temos algum dinheiro de parte mas confesso que não queria estourá-lo na entrada de um imóvel, queria utilizá-lo para obras. Estive em três imobiliárias e todas tinham vários imóveis 100% financiados para oferecer, cuja única coisa que pagamos à cabeça é mesmo só a escritura e mais uns pózinhos (nem chega a 2 mil euros). O que é ouro sobre azul, porque posso finalmente alterar tudo na casa com o dinheiro que seria da entrada: colocar os rodapés branquinhos, mudar azulejos, tirar bidés (tenho ódio desse acessório!), pôr uma ilha na cozinha... e todos os outros sonhos megalómanos que surgirem entretanto.

Só que encontrar uma casa 100% financiada (= uma casa que foi penhorada e devolvida ao banco) implica muita coisa. Por norma são casas muito maltratadas (muitas vezes por raiva, os antigos proprietários acabam com as casas, arrancam rodapés, torneiras... deixam a casa numa lástima) e eu tenho sempre medo de comprar uma casa e depois descobrir que afinal tem vários problemas escondidos.

Por isso decidi perguntar-vos se alguém teve essa experiência de comprar uma casa 100% financiada, como correu, se tiveram problemas, etc... Eu nunca pedi crédito na vida, sou mega cagunfas e tenho pavor de fazer uma má escolha. O meu marido idem, o único "crédito" que temos são os nossos cartões de crédito (e mesmo assim só porque nos dão milhas para viajar) mas pagamos 100% do que utilizamos no final do mês. Portanto, experiência com empréstimos bancários = zero. Somos uns nabos. Que dicas são mesmo essenciais nestas coisas? Acham que vale a pena comprar uma casa "de banco"? Ajudem esta pobre alma!

(quem não quiser comentar no blog por motivos pessoais mas preferir enviar um mail sobre o assunto, agradeço também. Podem enviar para: anne@agarotadeipanema.com.)
SHARE:

40 comentários

  1. Acho muito sinceramente que não deverias comprar uma casa que foi penhorada a alguma família por motivos financeiros. É uma casa com má energia, que foi arrancada a ferros de alguém que muito lutou para a manter. Sou totalmente contra esse tipo de comércio com o sofrimentos dos outros.

    Não és nenhuma pobrezinha, ainda na semana passada compraste uma mala LV que não deve ter saído por menos de 800/1000€ por isso não percebo essa ideia de comprar uma casa que foi de outra pessoa. Mas tu lá saberás o melhor para ti, é só uma opinião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marta Silva, é inveja é um sentimento lixado!!!

      Eliminar
    2. Não o comentário como inveja, antes pelo contrário. Reconhece que a Anne tem possibilidade para comprar uma casa.

      Eliminar
    3. Já pensaram que a Anne não faz assim tanta questão de ter uma casa nova? -.-
      Só porque tem dinheiro ela deveria fazer questão de ter uma casa nova? -.-
      E essa cena das energias...

      Eliminar
  2. Anne troquei de casa e a agência que escolhi foi uma ajuda enorme nesse campo que refere. A agência é a Kw da zona de Cascais. Foram super honestos e uma ajuda preciosa

    ResponderEliminar
  3. Não necessita de aceitar o comentário anterior para não parecer que é publicidade ou algo do gênero. Só queria deixar informação.
    Catarina Matos

    ResponderEliminar
  4. À partida, quando comprares, será um notário/advogado/conservador a autenticar o acto e ficará declarado no contrato que o imóvel te é transmitido "livre de ónus e encargos", por isso, há alguma garantia de que não há litígios pendentes em relação ao mesmo, ou, se os houver, que terás conhecimento dos mesmos no momento da escritura.

    No contrato-promessa podes incluir cláusulas que te salvaguardem, do tipo, que os vendedores se responsabilizam pelo bom estado de conservação das canalizações, sistema eléctrico, quaisquer dívidas fiscais, de condomínio, de contratos (água, luz, comunicações, etc) relativos ao imóvel. Claro que isso, se der para o torto, vale o que vale (que é teres de ir para tribunal contra eles), mas tens a razão do teu lado e isso é um risco em qualquer casa que se compre...

    Quando dizes "o que pagamos à cabeça é mesmo só a escritura e mais uns pózinhos (nem chega a 2 mil euros)", tens de ter em conta o valor do IMT e imposto do selo, que ficam a teu cargo! Acredita que são mais uns pózinhos valentes ;)

    Dito isto, o problema principal que vejo numa casa 100% financiada é o montante do crédito que ficas a dever ao banco, o número de anos que tardarás a pagá-lo e o valor final da casa tendo em conta os juros (que, neste momento, estão baixos, mas ao longo de um período de 30 anos vão aumentar de certeza). Tenho uns amigos que compraram uma casa por 200 mil e disseram que, no final, vão acabar a pagar 300 mil ao banco (empréstimo a 30 e tal anos, juros, seguros, avaliação, etc). Tenho outro amigo que da prestação mensal de 500€ que paga, apenas 300€ vão para amortizar a dívida, o resto são esses extras que revertem para o banco. Ou seja, o valor que vês anunciado e pelo qual ta estão a vender, não é o valor real da casa, tens de fazer contas ao que vais pagar de empréstimo, a quanto ela realmente te custará no final e ver se vale o valor (claro que no meio desses anos todos podes decidir vendê-la e por um preço até mais elevado e as contas compensarem).

    Eu e o meu marido comprámos casa este ano e optámos por nos descapitalizar totalmente (ficámos quase a 0s no banco), mas, com a ajuda dos nossos pais, pagámos a casa a pronto. Escolhemos um apartamento que tinha sido totalmente remodelado há menos de 1 ano, está como novo e ao nosso gosto, não vamos fazer qualquer obra. E continuamos livres de créditos e com uma casa que comprámos exactamente pelo preço que estava à venda e que não nos irá custar nem mais um cêntimo.

    Se a tua ideia é fazer grandes obras, porque não procuras um apartamento (ainda que não 100% financiado) que esteja em mau estado e que, por isso, compres por um preço bem barato e que possas renovar completamente a teu gosto? Em Lisboa há apartamentos entre os 100-150 mil nessas condições em que depois gastas uns 50 mil para os renovar completamente e podes fazer um projecto de arquitecto bem fixe. Se fizeres uma renovação que melhore em duas classes o certificado energético do apartamento, até consegues ter isenção de IMT, o que é óptimo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho andado à procura de apartamentos em Lisboa para restaurar e de facto tenho encontrado a esse preço, mas também tenho encontrado alguns inconvenientes, nomeadamente prédios muito antigos, e áreas com 50m² ou na loucura 70m² (no mínimo dos mínimos algo entre os 80m² e os 90m² já seria suficiente) para a minha família infelizmente seria mudar de burro para cavalo. Mas como a esperança é a última a morrer, a procura continuará.

      Eliminar
    2. Anónimo16 de novembro de 2017 às 11:58, continue a procurar e assim que vir alguma coisa que lhe pareça bem, diga logo que sim! Normalmente as boas oportunidades vão-se num instante :) um amigo de amigos falou-me há uns tempos de ter visto uma moradia de 2 andares (pequena, mas já deve estar nessas áreas que referiu) na zona de Braço de Prata para renovar a 138 mil, ele propôs 98 mil e o vendedor disse-lhe que estava na linha de preço que penava e ponderava aceitar (depois não sei como ficou). Tenho uns amigos que renovaram em Benfica... agora essas zonas já começam a ser o novo centro, com os preços tão altos no centro centro (em Picoas vi um t1 a 220 mil para renovar...). Boa sorte!

      Eliminar
    3. Este ano eu e o meu marido também comprámos casa e fizemos exactamente o que o anónimo deste comentário referiu. Compramos uma casa mais baratuxa, mais antiga, com acabamentos feiosos. Mas que, como foi relativamente acessível, tivemos a capacidade para remodelar e deixar tudo ao nosso gosto! Foi um projecto muito giro! Estivemos cerca de 3 anos e meio à procura de casa, começamos pelas novas, depois fomos para as usadas como novas, depois para as antigas mas remodelas, no meio disto andámos anos a procurar casas 100% financiadas, só me apareceram casas numa lástima e as novas/recentes só de 200 mil para cima. Claro que me refiro às zonas onde procurei, que no meu caso se resumiam a Oeiras e Odivelas. Com isto tudo fomos juntando uns "trocos" e optámos por comprar uma casa mais antiga, tem os seus 20 anos, tinha uns azulejos horríveis no hall da entrada, as casas de banho tinham loiças cor-de-rosa e o chão era péssimo, mas a casa tinha bom potencial, T3 tem boas áreas e hoje em dia ninguém diz que ali já estiveram azulejos medonhos nem loiças feiosas, foi tudo abaixo e o melhor de tudo é que pudemos escolher tudo, e isso é excelente tanto pelo nível estético, como de preço, como de QUALIDADE.
      Anónima FS

      Eliminar
  5. Bolas, ultimamente tens tido pouca sorte com as viagens, já não é a primeira que cancelas em cima da hora. Rapariga tu toma um banho com sal grosso.

    ResponderEliminar
  6. Um conselho: demora-te, apaixona-te mas não te iludas com as primeiras que te aparecerem. Informa-te de tudo, fala com todas as pessoas da área, com moradores dos ap`s que vais visitar. Aprecia a vizinhança( para mais tarde não teres dores de cabeça). Que sejas mesquinha, o dinheiro tem que ser bem aplicado :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como as coisas estão, não dá para demoras! As casas voam num ápice! Entre decidir marcar visita, já foi vendida a outro. Quando comprei casa, apenas vimos uma e foi logo com essa que ficámos :) era no mesmo bairro onde já morávamos há 4 anos, por isso já conhecíamos a zona/vizinhança, mas foi tiro e queda. Adorámos e dissemos logo que sim! Não tenho paciência para perder dias de vida em deslocações e marcações de visitas e hesitações em busca do "perfeito".

      Eliminar
  7. Comprei casa em Oeiras no ano de 2006. É o único crédito que tenho e nunca tive mais nenhum. Fiz uma asneira, e paguei toda a remodelacao da casa bem como todo o recheio do meu bolso. Ou seja, fiquei quase sem nada na poupanca. Se voltasse atrás teria acrescentado ao empréstimo o valor das obras. Renovei cozinha na íntegra, wc´s tudo novo e alterei a disposicao, instalacao electrica toda nova e coloquei aquecimento central no pavimento (tenho madeira e ceramica). A moradia é dos anos 2000, recente o suficiente nas linhas, mas com idade também suficiente para se ver a olho vivo caso existam problemas, como infiltracoes, bolores ou paredes com rachas.
    Neste processo todo tive a ajuda da imobiliária e uma OPTIMA gestora de conta ;)
    Depois no projecto e obras também foi realizado por uma empresa, sendo que todas as decisoes cabiam a mim. Antes da decisao final, averiguei se a casa teria dívidas - financas e servicos. Como estava tudo limpo avancei.
    Boa sorte e faz todas as perguntas aos vendedores, mesmo que possas pensar que sao fúteis ou mesmo inúteis.
    (desculpa a falta de acentos, nao tenho teclado portugues)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque se arrependeu de ter pago obras e recheio a pronto? Sentiu, nos anos seguintes, que precisava do que tinha na poupança?

      Eliminar
    2. Caro anónimo, porque podem surgir imprevistos. Por exemplo, com a crise que se viveu nestes últimos anos, o meu rendimento nao aumentou e em situacao de desemprego ou doenca poderia ter necessitado de recorrer ao mealheiro. E também tenho como objectivo dos meus 40 anos fazer uma viagem de dois meses. E para tal a poupanca desa viagem precisa de ser "alimentada".
      Nao precisei do dinheiro no imediato ou para uma situacao grave (doenca) ou por puro devaneio, mas gosto de saber que tenho alguns euros guardados. Dá-me sensacao de seguranca.

      Eliminar
  8. É prática mais ou menos corrente das agências imobiliárias inflacionarem o valor das avaliações dos imóveis de modo a que o financiamento seja a 100%. Ou seja, geralmente o banco só financia 80% do valor, contudo como se baseia nas avaliações efectuadas, aquilo que as agências conseguem fazer é inflacionar esse valor em 20% de modo a que o financiamento seja por inteiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto! E olha que assim até dá para procurar boas casas, talvez não tão centrais nem recentes, mas que depois consegues deixar ao teu gosto sem prejuízo. Tivemos a ajuda de um intermediário de uma imobiliária e correu tudo lindamente.

      Eliminar
  9. A mim o que me faz confusao é essa aversao que agora se tem aos bidés... Como é que te lavas depois do n°2 ( e mesmo depois do n°1)? Tomas um duche?? Bem basta quando se està fora de casa e nao se pode utilizar o bidé....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora? Da minha parte há mais de 20 anos que não gosto nem percebo a utilidade. Lava-se sempre que faz o n°2? E no trabalho? E se for numa casa de banho pública? Eu que passo a vida a viajar nem sei como faria se tivesse que me lavar depois de cada "shitada". Queria ver isso em aeroportos, comboios, em caminhadas que duram meio dia, em acampamentos, a andar de barco entre ilhas...enfim first world problems

      Eliminar
    2. Eu em viagem não, mas no dia a dia tomo sempre banho à noite e de manhã lavo-me "lá em baixo" no bidé ahah. Dá jeito! Bem como a seguir a ter relações sexuais, se se estiver de diarreia, sei lá, várias situações! Também há quem tenha sanitas com um chuveiro de lado, ou às famosas sanitas dos japoneses que só faltam tirar cafés!

      Eliminar
    3. Mas isso são situações muito específicas. Ainda assim prefiro entrar no duche que usar o bidé.

      Eliminar
    4. Eu tomo um a dois banhos por dia e ainda assim uso o bidé regularmente. Seja por causa d n.º 2 (que só faço fora de casa se for alguma urgência) e no verão para lavar os pés, antes de ir para a cama. Na verdade não percebo quem não lhes vê utilidade, quem não o susa, mas cada um com a sua

      Eliminar
  10. Também vou entrar nessa fase agora.
    Casamento está próximo.

    AA do Uma Andreia nunca vem só

    ResponderEliminar
  11. Olá Anne, estou precisamente na mesma situação e recentemente deparei-me com este site. Achei as casas fantásticas e com financiamento a 100%. Dá uma espreitadela...

    ResponderEliminar
  12. esqueci-me do site...aqui vai: http://difucasa.com/imoveis/

    ResponderEliminar
  13. Peçam uma certidão predial do imóvel lá ficam a saber se o imóvel está livre de "podres", nomeadamente se existem penhoras ou não. Se não tiver nada em princípio está tudo ok, e já compram com mais segurança. Quanto ao crédito procurem um banco que esteja a praticar um spred mais baixo, pois isso influencia e muito na prestação. Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Cara Anne,
    Para que o investimento na aquisição de uma casa tenha retorno, há que avaliar quais os principais fatores para que, se um dia quiser vender, consiga o melhor rendimento do seu dinheiro.
    Os três principais fatores que valorizam um imóvel:
    1º. – Localização
    2º. – Localização
    3º. – Localização
    (ainda antes da crise 2008, li uma entrevista com um Diretor de uma importante imobiliária que enunciou estes fatores o que, à data, até achei alguma piada)

    Pois, creia, que é inteiramente correcta essa afirmação.
    Em Outubro de 2015, fiz a escritura de aquisição de um imóvel, numa urbanização que eu pretendia viver e sei que era muito procurada. Posso informá-la que, no meu prédio, um apartamento igual ao meu foi, agora, vendido por mais EUR 20.000,00 do que o valor do meu.
    Quanto ao financiamento dos 100%, eu tive esse financiamento e posso informar que o Banco avaliou o imóvel por um preço superior ao da aquisição (fiz um ajuste do preço com o proprietário uma vez que não usamos imobiliária para a transacção - foi venda directa) e, o Banco (a nossa gestora de conta) foi impecável a tratar de tudo, com o serviço “Casa Pronta”.
    Em menos de dois meses, fiz a escritura.
    O que mais “doeu” foi o valor que paguei da avalização (quem a fez, não demorou 10 minutos, incluindo avaliação à garagem).
    Obviamente que, ainda há muitos Bancos que tentam vender os imóveis devolvidos que têm em carteira, aliciando com o financiamento a 100%
    Ou seja, os Bancos estão a ser concorrentes das imobiliárias.
    Espero ter ajudado nalguma coisa.

    Felicidades!
    Helena V.

    ResponderEliminar
  15. Anne, comprei um imóvel ao banco numa zona supostamente muito solicitada, parecia tudo bem até conhecer o vizinho de cima e se soubesse o que sei hoje não a tinha comprado. É uma pessoa insuportável! Por experiencia digo, tenta comprar uma casa térrea, de preferencia daquelas com quintal em toda a volta. O pior de tudo num apartamento são os vizinhos, esses nem com obras podemos mudar. Pensa bem nisso. Em relação a casas do banco, a nossa foi entregue impecável. Mas de uma coisa tenho a certeza, numa próxima vez que compremos casa não será apartamento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De todos os comentários o mais acertado, malditos apartamentos e mais quem os inventou! :D

      Eliminar
    2. verdade, não podia concordar mais, é que deixam de ser dois e parece que passam a viver com todos os condóminos. E quando são prédios em que a maior parte das casas são compradas e não arrendadas as pessoas acham que podem fazer tudo o que lhes apetece à hora que lhes apetece só porque "estou na minha casa". Se puderes, investe numa casinha térrea ou vivenda com o tal quintal a toda a volta. Se não estiver mesmo nos vossos planos, então "inspeccionem" bem a vizinhança, vão ao prédio e peçam para visitar o imóvel ao fim de semana ou depois das 7.30h quando a maior parte das pessoas já estão em casa e repara nos pormenores todos porque acredita que fazem a diferença e poupam dores de cabeça antes do mal estar feito.

      Eliminar
  16. Olá Ana!
    Também vou adquirir um imóvel em breve e tomei conhecimento da empresa "Reorganiza", que nos ajuda a tomar decisões sobre o melhor financiamento para nós. Para nós tem custo zero, uma vez que quem lhes paga são os bancos!

    Boa sorte ;)

    ResponderEliminar
  17. Nunca mas nunca mesmo compraria um imóvel desse tipo, já o meu pai dizia que ninguém pode construir a sua felicidade em cima da tristeza e revolta dos outros. Eu sei que existem situações diferentes umas das outras em relação a esses imóveis no entanto todos mas todos têm uma historia de infelicidade atrás, por isso minha cara Anne um imóvel desse tipo para constituir família nunca mas nunca.
    Quanto aos bidés detesto tinha 3, 1 em cada casa de banho agora existem zero e as senhoras que tanta dificuldade têm em passar sem eles devem ser avessas à limpeza das pernas em todas as situações enumeradas todas elas se realizam no duche ou na banheira com a maior das facilidades com a vantagem de não nos estarmos a lavar em pouca agua e ainda por cima estagnada e já porca sou muito chata com isso já despedi muitas secretarias do lar por não mudarem as aguas que utilizam nos baldes lavar um local com agua que vem suja não é lavar é como eu digo emporcalhar é mudar o micróbio xyz de local sei que estamos em seca mas por enquanto cá em casa isso não vai mudar e se a isso tiver que chegar pois temos os detergentes anti germes e a lixívia.
    Quanto à casa cada um é livre de fazer o que quiser, esta é somente a minha opinião

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vivo em Italia e os italianos costumam dizer com piada que nao confiam em povos que nao usam o bide. E eu tenho um bocadinho de vergonha de dizer que os portugueses nao gostam muito de bides... Para mim e uma questao de higiene. Utiliza-se a sanita e em seguida utiliza-se o bide, ponto! E nao percebo essa da agua estagnada... os bides tem canos de escoamento :-)

      Eliminar
    2. "as senhoras que tanta dificuldade têm em passar sem eles devem ser avessas à limpeza das pernas em todas as situações enumeradas todas elas se realizam no duche ou na banheira com a maior das facilidades com a vantagem de não nos estarmos a lavar em pouca agua e ainda por cima estagnada e já porca"

      Não chame (subentendidamente) as senhoras q usam bidé de porcas sff, fica-lhe mal. Se elas querem lavar as pernas vão para o chuveiro; se só querem lavar as partes intimas, bidé é mais comódo e prático!
      E já agora, fique a saber que pode usar um bidé sem se lavar com a água acumulada.

      Eliminar
    3. Água estagnada? Oh god, mas não sabem que o bidé tem torneiras e cano para escoar? Eu lavo-me sempre que faço o n.º dois com água corrente. E como não faço o n.º dois pelas pernas abaixo, não preciso de as lavar :D

      Eliminar
    4. Nada a ver esse primeiro comentário. No meu caso o que aconteceu foi que o construtor após construir os prédios alugou ilegalmente todos os apartamentos ficando na mesma a dever dinheiro ao banco. Logo, há casos e casos que nada tem a ver com infelicidade, quando o caso foi descoberto os inquilinos tiveram opção de escolha, podiam comprar os apartamentos ou não. Quem estava satisfeito ficou quem não quis procurou outra coisa e esses apartamentos passaram para o banco. Simples assim sem choros nem tristezas nem vidas infelizes. A pensar assim só se podia comprar casas acabadas de construir, casas onde já houve uma família que agora vende por motivos que só eles sabem é um " nunca na vida". Quanto ao bidé, adorei o comentário que disse que normalmente não faz o n°2 pelas pernas abaixo, xD . muito bom mesmo.

      Eliminar
  18. Que cartão de crédito é esse, que oferece milhas para viajar? :P

    ResponderEliminar
  19. Olá, Anne.
    A minha mãe trabalha numa imobiliária que vende casas e banco 100% financiadas e o meu irmão acabou por comprar um apartamento T2 numa óptima zona, perto do metro por 75mil euros e foi um excelente negócio, no entanto, é preciso pesquisar bem caso de pretenda adquirir um apartamento pq os vizinhos podem ser uma grande dor de cabeça! Eu vivia num apartamento que comprei (não foi retoma bancária) e foram 7 anos de sofrimento com o barulho constante dos vizinhos de cima que pareciam selvagens a arrastar cadeiras horas infinitas!!! Felizmente conseguimos vender o apartamento e unamo-nos para uma moradia (também não foi retoma bancária) e é um sossego!
    A moradia custou 211 mil (estava a 235mil na imobiliária mas tratamos directamente com os proprietários), demos uma entrada de 50 mil e ficamos a pagar mensalmente pouco mais do que pagávamos no apartamento.
    Parece que tens uma vida estável e, se assim for, não
    tenhas medo! Estás a investir numa coisa para vcs!
    Boa sorte na procura da casa perfeita! Tenham paciência que ela vai aparecer!

    ResponderEliminar
  20. Olá Anne , eu e o meu marido compramos casa o ano passado com o protocolo Deco e banco popular , a nível de spread o nosso ficou em 1,5 porque era a proposta do ano passado mas este ano está ainda melhor com 1,25 mínimo o que é ótimo. Isto para dizer que tivemos algumas isenções a nível de papelada o que vale bem a pena . Deixo aqui o link http://www.bancopopular.pt/particulares/financiamento/credito-habitacao/protocolo-deco

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig