01 novembro 2017

Quando o coração sai-nos do peito:

O meu marido fez uma pequena cirurgia (a primeira da vida) e eu que estava toda relax, toda tranquila "ah, isso não há de ser nada... é coisa de meia hora, tranquilo!", quando vi que começavam a lhe dar a anestesia achei que desmaiava ali mesmo. Devo ter ficado branca de medo (e isso numa pessoa da minha cor é um feito histórico) por que a enfermeira veio logo para o meu lado e pediu: "alguém tire essa menina daqui, ela precisa apanhar ar."

Precisava. Saí dali a tremer, a pensar que é uma coisinha tão simples mas caraças, é um procedimento cirúrgico e sempre tem a sua chance de correr mal. E só de pensar em ficar sem o meu príncipe (sim, só um príncipe trata uma mulher como ele me trata) o meu coração falha uma batida. Ou duas.

O meu medo é puramente egoísta. É mais do género: onde raios vou eu encontrar outro homem como esse? Alguém que faz tudo para me ver feliz, que alinha em todas as minhas ideias malucas (mesmo as que são extremamente malucas), que me espera pacientemente no provador da Zara enquanto eu compro este mundo e o outro (às vezes resmunga mas sempre cede). Ele faz coisas por mim que eu nunca acreditei que mais alguém nessa vida faria (além da minha avó e da minha mãe, obviamente). Coisas que me deixam a pensar: se fosse eu a ter que fazer por ele, será que eu faria?

Quando o procedimento terminou a enfermeira foi me buscar no corredor e disse: pronto, já tens o homem novo em folha! Não era preciso ter ficado tão nervosa..." eu disse, quase em piloto automático: "Era sim, porque se ele morre antes de mim eu estou bem tramada. Vou ter que passar o resto dos meus anos à procura de outro igual. E sei que não vou achar.", ela desatou-se a rir.

Não sei lidar com a equação: pessoas que amo muito + hospitais e médicos. Dá-me uma angústia sem fim, sinto-me impotente e desesperada, preciso estar ali, acompanhar todos os detalhes para acreditar que realmente está tudo bem. Graças a Deus que está! :)

(e a mariquice do pós-cirúrgico? O homem parece que pariu trigêmeos de cesariana: mal se mexe, tem dores, resmunga, quer tudo na mão (traz-me um copo de água, quero sumo, faz um batido?) e eu estou a dar em maluquinha. Uma gaja doente ainda se aguenta agora um gajo? puta que pariu!)
SHARE:
© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig