26 março 2018

Custou mas já está!

Finalmente, após quase mês e meio de análises, estudos genéticos, consultas, exames de imagem e mais "n" coisas que o meu cérebro inventou (sim, que eu não descansei enquanto não fiz uma exaustiva análise)... finalmente a saga terminou! Já não tinha veias nos braços para serem picadas (de três em três dias lá tinha uma amostra de sangue para tirar...), já estava fartinha de tanta consulta, tanto aguardar, tanto tudo. Como diz a minha médica, a brincar: "não existe doente 100% saudável, existe é doente mal investigado". E ela tinha toda a razão: pelo meio descobrimos uma deficiência de Vitamina D (com valores miseráveis - mas entretanto já estou a corrigir com suplemento - e a torcer ansiosamente por dias de sol) e um quisto de retenção no ovário direito (ainda da gravidez) que me estava a deixar o ciclo todo maluco, mas que também já se foi embora :)

Foi um mês em que pouco ou nada escrevi por aqui - acho que vocês entendem o meu nervosismo (nunca antes tinha feito tantos exames e tantas análises... e o cagaço de vir a descobrir qualquer coisa? a hipocondríaca que há em mim ia falecendo) mas valeu a pena, estou tranquila, calma e muito aliviada por estar "em perfeito estado" segundo o meu médico. Aliás, saí daquele consultório a levitar de tão feliz que estava! Agora só quero me concentrar no futuro, o que passou já lá ficou para trás, estou tão grata a Deus por estar saudável e ter saído de tudo isso sem sequelas :)

E pronto, tudo isso para dizer que... vida que segue. E o blog retorna ao seu normal funcionamento (assim espero). Obrigada por ficarem deste lado à espera de dias melhores: eles chegaram, finalmente!.

(nota: se entretanto estiver alguém aí que tenha interesse em saber quais foram os exames/análises/estudos que fiz, é deixar nos comentários que eu faço um post a falar detalhes (laboratórios, preços, comparticipações, etc). Não sei se esse tema interessa, se mais pessoas estão nessa fase de "respostas" por isso, se precisarem, já sabem.)
SHARE:

32 comentários

  1. Ainda bem que está tudo ok!
    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Anne, e o marido tb fez exames? Deixo este alerta porque no meu caso afinal o probema era do meu mrido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas está a referir-se à causa do aborto? Ou dificuldade em engravidar?

      Eliminar
    2. Não, o meu marido não fez exames. O meu médico não achou necessário visto que engravidámos logo no primeiro mês de tentativas e nesse aspecto não houve qualquer dificuldade em gravidar.

      Eu ainda perguntei se havia necessidade do meu marido realizar um Espermograma (para avaliar a qualidade e quantidade de espermatozóides) mas o médico diz que é desnecessário nessa fase. Se demorarmos mais de 6 meses a engravidar novamente, aí então ele pedirá esse exame.

      Eliminar
    3. Eu perguntei à anónima das 16h14 porque foi-me dito na mac que devido às poucas formas normais do marido que eu podia ter abortos recorrentes, no entanto quando tive o aborto retido, a médica das urgências disse-me que não lhe parecia nada que fosse esse o caso. Da 1ª vez que perdi foi de imediato, uma Gravidez Química.

      Pois Anne, uma vez que conseguiu logo, concordo que não será necessário ainda ele fazer o exame. Felicidades.

      Eliminar
    4. Ola! A anonima voltou.
      Pois eu fui brindada com uma gravidez ectopica logo nas primeiras tentativas. Isto foi ha 10 anos. Nessa altura tb ouvi que eu tinha engravidado facilmente , o meu marido nao era problema (esse "brilhante" medico tb me disse que eu nao engravidava porque era ansiosa). Perdi dois anos a ouvir que era a ansiedade, ate que achei que seria por ter perdido a trompa e fui a uma clinica de fertilidade.
      E logo no espermograma soubemos a verdade sobre a qualidade e quantidade de espermatozoides.
      Durante anos fizemos testes e testes e fivs. As clinicas eram sempre de opiniao que os problemas do meu marido eram ultrapasados em laboratorio.
      A prova final que nao seriam foi termos recorrido a uma doadora de ovulos (de 23 anos e de fertilidade provada). Isto porque o tempo havia passado e os meus ovulos ja nao eram jovens.
      Depois de todos os testes e mais alguns...essa fiv com ovulos doados resultou em embrioes fertilizados na mesma quantidade que eu. Logo no dia da transfeencia, o embriologista avisou-me que a feritlizacao era muito baixa, tinhamos mudado os ovulos e obtiveramos o mesmo numero de embrioes...Falhou , claro. O "elemnto comum" era sempre o meu marido.
      Na fiv seguinte , eu bati o pe e enfrentei os medicos e mantive os meus ovulos "geriatricos" e avancamos com esperma de doador. Adivinhem? Gemeos.

      So lamento ter perdidoo esses dois anos nas maos desse medico que ate me medicou e me pos os ovarios a bombar e a desperdicar ovulos que nunca teriam hipotese de serem fertilizados (e mesmo depois de ter perdido a trompa fiz o exame de contraste para desbloquar a outra trompa...enfim muito tempo perdido e sofrimento seriam evitados com um simples espermograma).

      Eliminar
    5. É necessário o marido fazer exames para ver a qualidade dos espermatozóides e é também necessário fazer os testes de compatibilidade genética entre o marido e mulher....

      Eliminar
    6. O especialista em infertilidade da Mac, põe sempre o homem em 1º lugar...sempre!!! Só depois vem a mulher. E por causa disso também perdi 2 anos e a minha idade já não ajuda...as coisas são assim, infelizmente!!!

      Eliminar
  3. Felizmente boas notícias :)
    Que tudo corra pelo melhor***

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto e se o aborto for retido, ou seja, é o embrião que deixa de desenvolver a causa pode ser do espermatozóide.

      Eliminar
  4. Feliz por saber que você está (finalmente) bem!
    Beijinho e muita força com saúde e boa disposição!

    ResponderEliminar
  5. Quando decidi engravidar fiz os exames normais que é suposto e a suplementação que é indicada no protocolo. Tudo com a devida antecedência e eficácia. Mesmo assim também passei por uma perda gestacional. Ao contrário de ti, decidi não investigar nada, não analisar nada. Fiquei admirada pelo quão "normal" é de facto isso acontecer, especialmente na primeira vez, e segui em frente. Recomecei as tentativas e rapidamente consegui o positivo novamente. Infelizmente a gravidez foi tudo menos pacífica e tive que fazer uma série de exames invasivos (e caríssimos) para despistar mal-formações fetais. Portanto, fico satisfeita por não ter feito exames nenhuns antes porque não sei se aguentaria passar por outra bateria de exames e ansiedade de resultados em tão pouco espaço de tempo.

    O único conselho de quem anda nisto de ser mãe há muito pouco tempo: não penses demasiado, caso contrário endoideces num instante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, eu aí cometi uma "falha" porque só estava a tomar o Ácido Fólico há duas semanas quando engravidei e não tinha feito qualquer exame pré. Julgava sinceramente que ainda levaria uns bons meses a conseguir o "positivo" e que até lá tinha tempo.

      Eu fico muito angustiada com situações em que a medicina não tem respostas porque penso que se não sei contra o que estou a lutar (trombofilias? má formação? Problemas no útero? Nos ovários? etc) não consigo evitar que aconteça de novo e logo aí ficaria em pânico para tentar uma segunda gravidez.

      E tens toda a razão, uma pessoa facilmente dá em maluca com tanta informação e tanta coisa no que diz respeito a tentar engravidar. É de loucos! Estou a mentalizar-me para outras coisas, a tentar não pensar muito no assunto e quando menos esperamos, acontece :)

      Um beijinho e muita felicidade para o teu borracho, é lindíssimo!

      Eliminar
    2. Eu fiz os exames antes, mas foi apenas a consulta de rotina da ginecologista (com citologia) e análises ao sangue mais detalhadas. Não foi nenhum exame "especial". Mas nas análises concluí que não tinha imunidade à rubéola (apesar de ter sido vacinada em criança) e então tive de tomar a vacina (que, como é com o virus vivo, tive de esperar 6 meses após tomar até começar a tentar). Entretanto já lá vão 5 meses a tnetar e nada aconteceu, também começo a pensar um bocado demais no assunto porque ambos somos aparentemente saudáveis e tudo está bem com os meus ciclos (pelo menos também não tive nenhum aborto), mas tento distrair-me e não obcecar com o assunto. Só a partir de 1 ano a tentar sem sucesso é que reencaminham os casais para mais exames/tratamentos, por isso ainda falta um bocado...

      Eliminar
    3. Eu antes de tentar engravidar fiz exames gerais ao sangue incluído as imunidades e os valores da tiróide, fiz também ecografia vaginal e papanicolau. Como os exames estavam todos bem comecei logo a tomar o ácido fólico(deve ser iniciado antes da gravidez) e o progeffik que é para manter os níveis de progesterona necessários à boa evolução da gravidez e evitar abortos(até às 12/13 semanas, mas isso depende de médico para médico...

      Eliminar
  6. Oi Anne fiquei feliz de saber que está tudo bem. Apezar de não a conhecer dezejo lhe as maiores felicidades beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. Olá Anne

    Fico muito feliz de saber que está tudo bem contigo, e que a próxima gravidez seja vitoriosa.

    Do que percebi pelos comentários, a perda deveu-se a uma anomalia do bebé, certo? E parece-me que vocês (tu e o teu marido) não fizeram o estudo dos cariótipos e ele não fez espermograma.
    O estudo dos cariótipos deveriam ter feito logo, para despistar alguma anomalia cromossomática nos gostoso cariótipos, porque nós podemos ser saudáveis e não termos nenhuma deficiência mental ou física, e sermos na mesma portadores de uma anomalia cromossamática que interfere com a fertilidade.
    Na Procriação Medicamente Assistida há a recomendação para que os casais antes de fazerem um tratamento de fertilidade, façam um estudo dos cariótipos e que também se faça um espermograma, para se avançar com certezas de que não há coisas a serem contornadas.
    No teu caso, já que fizeram exames, os cariótipos deveriam ter sido dos primeiros a serem feitos, porque vamos supor (e espero que não) que haja um dos cariótipos com alterações, e essa é a causa da anomalia do bebé? Como é que sabem se foi fortuito (sim, pode acontecer e muitas vezes acontece, é uma falha da natureza) ou se há uma causa genética para a perda?

    Quando se tem por exemplo uma translocação desiquilibrada entre dois cromossomas, haverá uma probalidade de 75% de haver um aborto por má formação, e por mais que se tente, temos de ter a grande sorte de gerar um bebé saudável, sem ajuda da medicina, que neste caso, será recorrendo a um tratamento de fertilidade com ICSI e DGPI, para que a mulher não ande constantemente a sofrer perdas. Fazem-se os embriões em laboratório, são estudados ao nível dos cromossomas e só se transferem os que forem saudáveis. Pelo que estás a ver a importância de se fazer o estudo. Imagina que há um problema desses num casal e andam a perder tempo e a sofrer, quando poderiam ir logo à meta e fazer o que é necessário.

    Eu se na altura em decidi engravidar soubesse o que sei hoje nunca teria tentado sem fazer o estudo dos cariótipos, o das trombofilias e o espermograma. Aliás, defendo que deveriam ser exames pré-concepcionais obrigatórios, porque poupava-se o sofrimento de muitos casais, e não se desperdiçavam recursos inutilmente.

    Fala com o teu médico, Anne, e faz o estudo dos vossos cariótipos e um espermograma (engravidar logo na primeira tentativa não é garantia nenhuma de que não haja problemas), se estiver tudo bem, excelente, é o que se pede. Se houver alguma coisa, há solução, mas a ciência terá de ajudar e escusam de estar a perder tempo.

    Os exames normais que nos mandam fazer quando queremos engravidar são para rir, a sério, hoje tendo a bagagem que tenho, sei que equivalem a tomar um placebo para uma infecção, estão muito longe de nos darem garantias do que quer que seja de que está tudo bem.
    Os cariótipos não se estudam com os exames normais, as trombofiias também não, e não é por um homem engravidar uma mulher à primeira que não tem problemas, ou que uma mulher que engravida à primeira não tenha problemas.

    Por favor, segue o meu conselho (quem me dera que alguém há anos atrás me tivesse alertado para isto, e poderia ter poupado muito sofrimento e tempo) e faz esses exames, porque se estiver tudo bem, então podes realmente ficar aliviada e com o sentimento de missão cumprida. Hoje, por causa do que passei, não consigo deixar alguém avançar para uma gravidez, sem que se faça esses exames, principalmente depois de uma perda, que ao menos o que passei sirva para ajudar outras pessoas.
    Fico a torcer para que esteja tudo bem nos exames.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A anonima la de cima volta. Eh isto mesmo. A maioria dos exames nao se faz por ser uma decisao economica (entao, o exame das trombolfilias devia ser obrigatorio, mas nao eh por pura analise de custos). Nao digo que tooooooda a gente deva fazer, mas quem teve uma perda ou tem dificuldades em engravidar , deve sem duvida fazer estes exames.
      Uma das coisas chocantes que ouvi numa clinica foi eu perguntar por um procediemnto e me responderem "pode fazer isso na proxima vez". Isto durante uma fiv , onde se esta muito longe do desfecho final.Sim, porque eles sabem que nos voltamos, de coracao desfeito, de bolsos virados para encontrar dinheiro, mas voltamos. Eh um negocio e quem nao se prepara vai ser esfolado (eu fui). Hoje quando alguem sabe a minha historia e pede conselho, partilho o que passei sem esconder para que ninguem passe pelos mesmos abusos que passei.

      Eliminar

  8. Anónimo28 de março de 2018 às 09:36
    Eu fiz os exames antes, mas foi apenas a consulta de rotina da ginecologista (com citologia) e análises ao sangue mais detalhadas. Não foi nenhum exame "especial". Mas nas análises concluí que não tinha imunidade à rubéola (apesar de ter sido vacinada em criança) e então tive de tomar a vacina (que, como é com o virus vivo, tive de esperar 6 meses após tomar até começar a tentar). Entretanto já lá vão 5 meses a tnetar e nada aconteceu, também começo a pensar um bocado demais no assunto porque ambos somos aparentemente saudáveis e tudo está bem com os meus ciclos (pelo menos também não tive nenhum aborto), mas tento distrair-me e não obcecar com o assunto. Só a partir de 1 ano a tentar sem sucesso é que reencaminham os casais para mais exames/tratamentos, por isso ainda falta um bocado...


    Querida Anónima, espero que tenhas menos de 35 anos, porque quando já se está entre os 33 ou mais, já não se espera um ano, só se esperam 6 meses antes de fazer os exames, até porque cada vez mais há problemas de fertilidade. O que mais se diz, e erroneamente às mulheres, é que a causa é ansiedade, não há ansiedade nenhuma que provoque infertilidade, e muitas vezes a tal ansiedade que muitos apelidam tem outro nome ou outros nomes.
    Dependendo da tua idade, não esperes muito tempo.
    Boa sorte e que venha logo um positivo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, tenho 30 anos, por isso acho que sera normal esperar 1 ano e, de qualquer forma, não quero estar a avançar para exames, medicação ou tratamentos se não for mesmo necessário! A verdade é que mais de 90% dos casais engravida naturalmente ao fim de 1 ano e, apesar de cada vez haver mais casos de infertilidade (especialmente porque se fala mais no assunto), ainda sao uma pequena minoria. Parecem mais porque quem tem esse problema procura a internet, partilha a sua experiência, tem algo a comentar, enquanto que quem engravida rápido passa à frente essa etapa e não há necessidade de comentar a dizer que engravidou em 2 ou 3 meses. As minhas amigas todas que tem filhos são da minha faixa etária e engravidaram rapidamente. Espero que isso aconteça comigo em breve, se não acontecer nos próximos 6 meses irei fazer então os exames, etc, mas ponderarei bem o que fazer a seguir, pois não me parece que consiga viver anos e anos agarrada a este assunto, fazer tratamentos, etc. Penso que tentaria durante 1 ou 2 anos e depois seria algo que ou acontecia um dia naturalmente por "milagre" ou aceitávamos que não iríamos ser pais, infelizmente (o meu marido partilha da mesma opinião).

      Eliminar
    2. Nao, nao sao uma pequena minoria. Onde foi buscar esses numeros e estatisticas?
      Quanto a "estatistica" de as minhas amigas todas...lamento mas nao eh uma amostra de populacao. Desejo-lhe a maior sorte e serenidade.

      Eliminar
    3. Qualquer artuar que leia sobre fertilidade ou engravidar lhe mostra a estatística de que, ao final de um ano, 92% dos casais já engravidou. A grande maioria até é logo ao final de 6 meses. Claro que, com a quantidade de pessoas que há no mundo e considerando que a maioria quer ter filhos, 1 casal em cada 10 é bastante gente e a internet está pejada destas histórias. Mas olhe à sua volta, só a título de exemplo. Veja quantos amigos, familiares, conhecidos, colegas, etc têm filhos. Sao a grande maioria, certo? Pois.

      Eliminar
    4. Já agora:

      https://sigarra.up.pt/fmup/pt/noticias_geral.ver_noticia?p_nr=1584

      https://www.publico.pt/2009/11/25/sociedade/noticia/estudo-revela-que-ha-dez-por-cento-de-casais-inferteis-e-muito-desconhecimento-1411407


      https://www.dn.pt/portugal/interior/infertilidade-afecta-10-dos-casais--1430722.html

      Só alguns exemplos, é fácil encontrar muitos mais. Obviamente, como referi, mesmo 10% parece muito e são cerca de 300mil casais, mas são uma pequena minoria comparando com os restantes 90% que engravida facilmente. E não confundir facilmente com rapidamente, porque em cada ciclo só há 20% de hipoteses de uma gravidez acontecer, daí dar-se o horizonte temporal de 1 ano.

      Eliminar
    5. Só para finalizar, quero com isto dizer que não vale a pena começar logo com pessimismo, assustadas, com a ideia de que é necessário fazer mil exames, porque a grande maioria das pessoas não terá problema nenhum e conseguirá mais tarde ou mais cedo e de forma natural terá o seu bebé. Eu até poderei pertencer à minoria que não consegue e stressar com isso depois, mas nada serve partir para esta decisão de uma vida cheia de opiniões de dever fazer logo o exame X ou tomar o medicamento Y, quando, na grande maioria dos casos, nada disso é necessário.

      Eliminar
    6. A minha "interlucotora" nos meus escritos eh sempre a Anne e porque a Anne me parece ser uma pessoa que gosta de investigar tudo e ter tudo bem explicadinho. Nada de assustar ninguem, mas apenas levar a serio alguem que passou por um aborto ("comecar logo com pessissismos"nao se adequa a alguem que efectivamente teve um aborto, se algum medico ou alguem vos disser que eh "so" um aborto e para tentar outra vez...esquecam e fujam desse profisisonal de saude).
      Quanto aos links que ali colocou de "estatisticas" , pois o googgle da uma falsa nocao de conhecimento.
      Deixe-me explicar :eu que sou portuguesa, casada com um estrangeiro e que fiz fivs em 3 paises e dois continentes difenretes...acha que estarei nas estatiticas deste ou dauqela zona?Ou te em estatisticas algumas? Nem todas as clinicas deste mundo sao regidas pelas mesmas regras e pelos organismos de inspecao e regulacao.
      Aquelas mulheres portuguesas que nao podem recorrer a barriga de aluguer em PT porque ainda nao eh permitido...acha que nao foram fazer a India, Georgia e Ucrania? Onde estao as estatiticas delas?
      E aqueles casais que sofrem de fertilidade secundaria e por isso nao tem acesso aos tratamentos publcios em diferentes paises desta Europa (medico de familia rejeita logo). Existem em que estatiticas? Foi apenas uma consulta no medico de familia.
      As mulheres que tiveram abortos , os medicos de familia seguiram os portocolos e deixaram andar "eh so um azar, um acaso", e nada de exames nem de referencias para os centro adequados .E quando chegam os 39 anos...afinal eh tarde a os centros de fertilidade ja nao aceitam.Nao existem nas estatisticas de fertilidade.
      E aqueles mulheres que passaram o limite de idade, mas tinham familiares a viver em franca onde o limite e as tentativas de fiv sao difenrtes...fizeram os seus "jeitinhos" para poderem fazer la...
      E as mulheres no Uk onde nao ha doacao de ovulos anonimas que vao fazer a Espanha, Malta e Grecia? E todas as mulheres que vao a estes paises e a outros porque se fartaram de ser burladas em clinicas da treta?
      Tudo existe e nao ha estatitisca nenhuma que indique!
      E aqueles casais que vao as clinicas de fertilidade e quando ficam a saber que o problema eh do marido e este rejeita liminarmente qualquer tratamento porque "nao eh nenhum maricas e eh muito macho". Acha que nao existe?!?!
      O que os especilistas da fertilidade dizem ,sem estatiticas porque ja lhe expliquei que nao ha fiabilidade, eh que 25% da humanidade enfrenta algum tipo de problema de infertilidade. Alguns facilemnte ultrapssaveis, outros que precisam de ajuda especializada. So porque acha que as pessoas que enfretam a infertilidade sao uma minoria - 25% nao eh eh assim tao minoria, mas mesmo assim acho uma grande falta de empatia para com essa minoira essa postura.
      Quanto aos exmplos que dei, parecem incraditaveis? Nos meus anos deinfertilidade e como mebro de uma associacao de infertilidade, acredite que muitos mais casos e muito mais surprrendentes existem.
      Desculpem as gralhas, mas estou a escrever com pressa e fico sempre muito chocada e perturbada com a falta de empatia e compaixao para com o proximo. O desconhecimneto e a ignorancia nao se resolvem com duas idas ao google se as pessoas sao incapazes de se colocar do outro que sofre.

      Eliminar
  9. A Garota de Ipanema27 de março de 2018 às 18:00
    Pois, eu aí cometi uma "falha" porque só estava a tomar o Ácido Fólico há duas semanas quando engravidei e não tinha feito qualquer exame pré. Julgava sinceramente que ainda levaria uns bons meses a conseguir o "positivo" e que até lá tinha tempo.

    Eu fico muito angustiada com situações em que a medicina não tem respostas porque penso que se não sei contra o que estou a lutar (trombofilias? má formação? Problemas no útero? Nos ovários? etc) não consigo evitar que aconteça de novo e logo aí ficaria em pânico para tentar uma segunda gravidez.


    Anne, não tenhas medo de descobrir coisas, mas sim do que não se sabe. Porque quando sabes do que está mal, muita coisa pode ser feita. No que toca às trombofilias, estando devidamente acompanhada e medicada tens uma gravidez de sucesso. No que toca ao útero, se antes da gravidez está tudo bem, não será durante a gravidez que irá aparecer alguma coisa, e podes ter descanso em relação a isso, e de qualquer modo, sendo bem acompanhada, caso haja alguma coisa com o útero ou com o colo os médicos podem intervir, e fazer para que corra pelo melhor. No que toca às anomalias, isso já é uma Roleta Russa quando o casal é saudável, depende da sorte, mas não significa que vá acontecer frequentemente só porque aconteceu uma vez.

    Quando for para avançares com segurança, só tens uma solução, querida, entrega nas mãos de Deus, e será o que tiver de ser, porque sabemos que tudo pode acontecer, mas fazemos a nossa parte e esperamos o melhor. E vais conseguir ter o colo ocupado.

    Num outro post, falaste do teste Harmony, agora até já há outro ainda mais fiável que substitui a amniocentese no que toca às principais trissomias, mas isso ele não substitui a amniocentese no que toca ao estudo do cariótipo do bebé.


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Olá Anne.
    Ainda bem que está a ficar tudo bem.

    Sim, por favor, explica melhor os tratamentos e análises que fizeste. Hoje não precisamos mas amanhã podemos precisar. Obrigada.

    AA do Uma Andreia nunca vem só

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig