03 setembro 2018

Estou convencida disso:

(Post escrito em 06 de Junho de 2018)*
É que nem vos digo nem vos conto. Taaanta coisa se passou nesses últimos tempos que sinto que a minha vida dava realmente um filme: às vezes de comédia, quase sempre de drama e em raros momentos, de terror. Mas não vim aqui para me lamuriar (porque não é o meu estilo) mas para comemorar. Sim, comemorar porque finalmente, depois de dois meses e meio de consultas, análises e exames chatos, cá estou eu: de alta! Ó pra mim, toda feliz e faceira, porque já não dependo mais de médicos (como detesto estar em hospitais!).

Andei um mês e picos a ser seguida na Maternidade Alfredo da Costa (porque nos Lusíadas disseram-me que "devido ao caso ser raro, coisa de 0,3% das gravidezes, mais valia ser seguida na MAC porque não há melhor do que eles nesses casos", dito por um ginecologista das urgências obstétricas nos Lusíadas. E eu lá engoli o meu pânico de hospitais públicos (que neste momento está totalmente ultrapassado e ouso dizer que "é Deus no céu e a MAC na terra", salvaram-me não só a vida como a capacidade de continuar a engravidar no futuro), engoli o medo absurdo que sentia, a frustração de pensar numa vida futura onde bebés não fizessem parte do panorama e lá fui eu para mais essa aventura. Que sim, dava mesmo um filme.

Agora, fresca e fofa (literalmente, que com a medicação engordei e inchei como uma leitoa) preparo-me para aproveitar em grande esse verão (que não está a ser grande coisa, mas há de chegar o calorzinho), já só quero jogar tudo isso para trás das costas. Como diria a Elsa, do Frozen "Já passouuu, já passouuuu!". Foi duríssimo, mas já ficou para trás. Quem diria que quatro meses após um aborto espontâneo eu passaria por uma gravidez ectópica? E pior, uma Ectópica Cervical (onde em 70% dos casos a solução é uma histerectomia)? Vivi momentos de absoluto pânico, com médicos a entreolharem-se, a cochicharem no corredor sobre o melhor tratamento conservador, com duas enfermeiras novinhas que diziam uma para outra: "digo eu ou dizes tu? Não, dizes tu..." e eu ali já quase a sacudi-las para que me dissessem logo que raio eu tinha. Um drama, senhores. Nem gosto de lembrar, sinceramente. Dá-me palpitações.

Com tudo isso, descobri que a velhinha MAC, de que muita gente se queixa, é a própria antítese da frase que diz "é impossível fazer omelete sem ovos.". Na MAC fazem-se omeletes sem ovos todos os dias. Quem lá trabalha faz autênticos milagres para que aquela maternidade continue a existir. As instalações são decadentes, não há conforto (quase) nenhum, não há grandes modernices mas há médicos que percebem mesmo daquilo (mesmo quando se deparam com casos esquisitos), gente que não desiste, enfermeiras sensíveis que fazem de tudo para te ajudar (obrigada, enfermeira Remédios, para sempre serei sua fã), enfim... estou encantada, recomendo a toda a gente e percebi que isso dos hospitais privados é tudo muito lindo e xpto quando é para tratar uma dor de dentes ou um eczema. Experimenta lá apareceres com um problema mais sério e é vê-los todos a coçar a cabeça e a indicar o Hospital Público de referência mais próximo. Um nojo de realidade, mas é o que temos.

*escrevi muito sobre o assunto mas não tive "coragem" para falar sobre isso até que estivesse tudo resolvido... agora que já está tudo nos conformes, posso vir dividir com vocês um pouco do que foi a loucura pela qual passei nos últimos tempos... Mas o que interessa é que passou, não fiquei com nenhuma sequela ou complicação e vida que segue!
SHARE:

19 comentários

  1. OLÁ Anne graças a Deus que tudo passou. Mil felicidades pra sua vida vai correr tudo bem porque merecem. Beijinhos Virginia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Virginia, muito obrigada pelas palavras sempre tão queridas! Eu tenho certeza que foi só uma fase e que tudo correrá bem em breve ;)
      Um grande beijinho :* E obrigada por estar sempre deste lado!

      Eliminar
  2. Anne... Que tudo corra bem,és muito corajosa! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, obrigada! Mas estou longe de ser corajosa, nunca tive tanto medo como nesses tempos... Um beijinho

      Eliminar

  3. ❤️❤️❤️ Vai ficar tudo bem!

    ResponderEliminar
  4. Anne, fico feliz por estar tudo bem. É preciso muita coragem para se falar destes temas e acho que poderás ajudar alguém que passe ou venha a passar pelo mesmo. Um beijinho e bola para a frente!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá querida, obrigada! Eu realmente pensei muito, não me queria expor tanto mas depois pensei "ah, que se lixe! Ao menos que possa servir de 'luz' no fim do túnel a quem está a passar por algo parecido". E cá estou eu, pronta para dividir não só as compras, as viagens e as coisas "boas" da vida como também as fases mais cinzentas. Um grande beijinho!

      Eliminar
  5. Acredito que não tenha sido nada fácil, mas fico contente por ler que já passou.
    Venha um futuro risonho!
    https://jusajublog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi mesmo, mas tornou-me mais forte e menos "cagunfas" com coisas pequenas... Obrigada pelas palavras! =) Vou espreitar o teu blog.

      Eliminar
  6. Anne, em algum dia de Agosto fos te a Praia das Rocas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,

      Não, esse ano nem tirei férias em Agosto, já estive para ir a essa praia (é a das ondas, não é?) mas ainda não foi dessa.

      Eliminar
  7. Eu sempre defendi o sistema nacional de saúde precisamente por isso: podem não ter luxos mas têm excelentes profissionais e não desistem de tentar resolver as situações mais complexas de animo leve :) Claro que podem sempre melhorar mas quem não pode?
    Fico conente por saber que está tudo bem consigo.
    Agora aproveita o resto do verão e Sê Feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É que é mesmo isso: O SNS é eficaz e resolve, pronto. Não tem o luxo e o conforto dos privados mas quando estamos a passar por situações dramáticas, queremos é o assunto resolvido da melhor forma.

      Muito obrigada! Beijinhos

      Eliminar
  8. E que novela brasileira não tem drama, medo e acaba em felicidade? Nenhuma!
    O caminho foi longo mas o que interessa é que acabou e acabou em grande! Agora é so começar os treinos para o bebé e aproveitar o resto do verão.

    A criança ainda nem nasceu mas olha que o nome da Vi se encaixava perfeitamente no caso.
    Fica a dica ahahah.

    Fico mesmo contente por vocês!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahaha oh miúda, tu matas-me! Tens toda a razão, antes do arco-íris vem sempre a chuva, não é? =)

      Eu já disse ao meu marido, quando nascer o bebé vai ter que levar com um nome daqueles à sério: Salvador, Vitória, Maria das Graças... uma coisa EM GRANDE hahaha se é que me faço entender. Xiça, que isto está difícil :P
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Exactamente! ahahah Vi logo que ias entender. Vai preparando o homem para ele se ir adaptando aos nomes :D e depois nao torcer tanto o nariz.

      Beijinhos!

      Eliminar
  9. Já tinha saudades tuas! Força, breve tens o teu bebé** :)

    ResponderEliminar

© A GAROTA DE IPANEMA . All rights reserved.
MINIMAL BLOGGER TEMPLATES BY pipdig